Sustentabilidade social do turismo no município de Machadinho-RS

Luana Teixeira de Lacerda, Marlei Salete Mecca

Resumo


Objetivo do estudo: Analisar como se apresenta a sustentabilidade social promovida pelo turismo no parque termal no município de Machadinho – RS, por meio da aplicação de uma adaptação do Sistema de Indicadores de Sustentabilidade para Atividade Turística – SISDTur (Hanai, 2009).

Metodologia/abordagem: Metodologia de natureza exploratória e descritiva, de abordagem quantitativa, na modalidade de estudo de caso, fazendo uso de levantamento, por meio da aplicação de questionários como técnica de coleta de dados.

Originalidade/Relevância: O estudo apresenta dados inéditos discorrendo sobre a sustentabilidade social do turismo, expondo informações quanto ao seu desenvolvimento em destinações do interior do Rio Grande do Sul pouco pesquisadas sobre esse viés, principalmente no que tange as águas termais como principal atrativo turístico.

Principais resultados: Os resultados obtidos sinalizam para o potencial sustentável das atividades existentes, onde os respondentes percebem os impactos positivos da atividade turística, não tendo nenhum indicador considerado insustentável. Porém, a existência de indicadores parcialmente insustentáveis, exige um posicionamento estratégico da gestão, visando que a destinação se desenvolva de modo que o efeito multiplicador do turismo seja sentido por toda a comunidade.

Contribuições teóricas/metodológicas: Apresenta dados referentes à um tema pouco estudado na academia, contribuindo para as discussões em torno da temática, fornecendo informações relevantes para a compreensão e desenvolvimento do turismo sustentável.

Contribuições sociais: Propõem uma abordagem a partir da percepção do trade turístico local, concebendo informações que possam auxiliar na gestão do turismo da destinação, e de demais localidades que buscam desenvolver o turismo em seus territórios.


Palavras-chave


Turismo; Sustentabilidade social; Gestão do turismo; Machadinho - RS.

Texto completo:

PDF

Referências


Aguiar, M. F., Bahl, M. (2006). Competência profissional no turismo e compromisso social. Editora ROCA, São Paulo.

Araújo, A. S. (2009). O ciclo de vida do fenômeno turístico em São Lourenço (MG): de estância hidromineral a destino de lazer e bem-estar. Dissertação. Mestrado em Geografia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG. Recuperado de: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/handle/1843/MPBB-7PFLUA. Acesso em 04 abr. 2019.

Ashton, S. M. (2005). O planejamento do turismo: investigação para o desenvolvimento sustentável. Gestão e Desenvolvimento, 2(1), 105-112. Recuperado de: http://periodicos.feevale.br/seer/index.php/revistagestaoedesenvolvimento/article/view/1070. Acesso em: 05 abr. 2018.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2016). Nbr 16534: meios de hospedagem – indicadores para o sistema de gestão da sustentabilidade. Rio de Janeiro.

Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. (2019). Machadinho, RS. Recuperado de: http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/perfil_m/machadinho_rs. Acesso em 13 mar. 2019.

Aurelio Sobrinho, C. (2016). A falácia do desenvolvimento sustentável: uma análise a partir da sociedade de consumo. Tese. Doutorado em Ciências Sociais. Universidade Estadual Paulista, Marília, São Paulo. Recuperado de: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/144684/sobrinho_ca_dr_mar.pdf?sequence=3. Acesso em 20 jan. 2019.

Barretto, M. N. (1991). Planejamento e organização em turismo. Campinas, SP: Papirus. Coleção Turismo.

Beni, M. C. (1999). Análise do desempenho institucional do Turismo na administração pública. In: Castrogiovanni, A. C. & Gastal, S. (org). Turismourbano: cidades, sites de excitação turística. Porto Alegre: Edição dos Autores.

Beni, M. C. (2006). Política e planejamento estratégico no desenvolvimento sustentável do turismo. Turismo em Análise, 17(1), 5-22.

Beni, M. C. (2020). Saturação e Rejeição ao Turismo nas Destinações Turísticas Turísticas. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 14 (2), 1 - 8, maio/ago. Recuperado de: http://dx.doi.org/10.7784/rbtur.v14i2.1847

Biscaro, M. C. S. (2017). A herança material e imaterial: o legado intocável de Frei Teófilo Antoniazzi a partir de relatos da sua trajetória percorrida no município de Machadinho/RS. Monografia Licenciatura em História. Universidade Federal da Fronteira Sul – UFFS, Campus Erechim.

Brasil. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP. (2018). Índice de desenvolvimento da educação básica – IDEB. Resultados e Metas. Recuperado de: http://ideb.inep.gov.br/. Acesso em 29 maio. 2019.

Brasil. Ministério do Turismo. (2020). Contratada pelo MTur, UnB apresenta proposta de Plano Nacional de Qualificação. 16 de junho de 2020. Recuperado de: http://www.turismo.gov.br/%C3%BAltimas-not%C3%ADcias/13558-contratada-pelo-mtur,-rede-de-institui%C3%A7%C3%B5es-apresenta-proposta-de-implanta%C3%A7%C3%A3o-do-plano-nacional-de-qualifica%C3%A7%C3%A3o-no-turismo.html.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. (2019c). RAIS vinculo. Recuperado de: http://bi.mte.gov.br/bgcaged/rais.php. Acesso em 13 mar. 2019.

Brasil. Ministério do Turismo. (2015a). Diretrizes nacionais para qualificação em turismo. Recuperado de: http://www.turismo.gov.br/images/pdf/DNQT_Diretrizes_Nacionais_Qualificacao_03_03_2015.pdf. Acesso em: 10 abr. 2018.

Brasil. Ministério do Turismo. (2015b). Plano nacional de turismo 2018-2022: mais emprego e renda para o brasil. Brasília: Mtur. Recuperado de: http://www.turismo.gov.br/2015-03-09-13-54-27.html. Acesso em 02 maio 2019.

Bushell, R. & Sheldon, P. J. (eds). (2009). Wellness and tourism: mind, body, spirit, place. Elmsford, NY: Cognizant Communication.

Butler, R. W. (1999). Sustainable tourism – a state of art review. Tourism Geographies, 1, 7-25.

Campos, A. C., Mendes, J. C. & Silva J. A. (2006). Para uma cultura da qualidade total no destino turístico: métodos de diagnóstico e estratégias de desenvolvimento. Revista Turismo e Desenvolvimento, 5, p. 21-40. Recuperado de: http://www.ua.pt/degeit/rtd/indice5. Acesso em 28 jan. 2019.

Cervo, A.L. & Bervian P. A. (2002). Metodologia científica. 5 ed. São Paulo: Prentice Hall.

Costa, N. D., Melo, A. S. & Pimenta, M. L. P. (2017). Turismo e trabalho em pequenas cidades. Rosa dos Ventos, 9(II), 228-244. Recuperado de: http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/rosadosventos/article/view/4669/pdf. Acesso em: 28 jan. 2019.

Dencker, A. F. M. (Org.) (2004). Planejamento e gestão de hospitalidade e turismo: formulação de uma proposta. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Dempsey, N., Bramley, G. Power, S & Brown, C. (2011). The social dimension of sustainable development: defining urban social sustainability, Sustainable Development, 19, 289-300.

Dias, R. (2008). Sociologia do Turismo. São Paulo: Atlas, 2008.

Dorin, B. (2013). Sustainable tourism and its forms - a theoretical approach. Annals of Faculty of Economics, 1(1), 759-767. Recuperado de: https://ideas.repec.org/a/ora/journl/v1y2013i1p759-767.html. Acesso: em 16 abr. 2018.

Ferreira, J. C., Bertonili G. R. F. & Brandalise L. T. (2019). Análise do nível de sustentabilidade da rede hoteleira de Foz do Iguaçu – PR. Tur., Visão e Ação, 21(2), 102-127, Mai./Ago. DOI: 10.14210/rtva.v21n2.p102-127

Fonseca, J. J. S. (2002). Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas.

Goeldner, C. R., Ritchie, J. R. B. & Mcintosh, R. W. (2002). Turismo: princípios, práticas e filosofias. Tradução Roberto Cataldo Costa. 8 ed. Porto Alegre: Bookman.

Hanai, F. Y. (2009). Sistema de indicadores de sustentabilidade: uma aplicação ao contexto de desenvolvimento do turismo na região de Bueno Brandão, Estado de Minas Gerais, Brasil. Tese de Doutorado em Ciências da Engenharia Ambiental – Universidade de São Paulo – USP, São Carlos. Recuperado de: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18139/tde-17092009-082223/pt-br.php. Acesso: em 15 abr. 2018.

Hospital Beneficente São João. (2019). Institucional. Recuperado de: http://hbsj.com.br/historico-hospital-beneficiente-sao-joao/. Acesso em 02 maio. 2019.

Hospital São Vicente De Paulo. (2019). Quem somos. Recuperado de: https://www.hsvp.com.br/hospital/16/QuemSomos.html. Acesso em 02 maio 2019.

Ibge. (2017). Cidades. Recuperado de: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/machadinho/historico. Acesso em 22 abr. 2018.

Irving, M. A., Bursztyn, I., Sancho, A. P. & Melo, G. M. (2005). Revisitando significados em sustentabilidade no planejamento turístico. Caderno Virtual de Turismo, 18,1-7. Recuperado de: http://www.ivt.coppe.ufrj.br/caderno/index.php/caderno/article/view/98. Acesso em: 02 mai. 2019.

Jegdić, V., Škrbić, I. & Milošević, S. (2013). Specifičnosti planiranja održivog turizma. TIMS Acta, 7, 153-162. Recuperado de: https://doaj.org/article/09752e211f9a4a32a721dc431dd6e331. Acesso em: 15 abr. 2018.

Jorge, M. J. F. (2015). A cultura da sustentabilidade social, um instrumento de humanização. Dissertação de Ciências Jurídico-Forenses. Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.

Ko, T.G. (2005). Development of a tourism sustainability assessment procedure: a conceptual approach. Tourism Management, 26(3), 431-445. Recuperado de: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S026151770400041X. Acesso em 02 mai. 2019.

Krippendorf, J. (2001). Sociologia do turismo – para uma nova compreensão do lazer e das viagens. São Paulo: Aleph.

Lage, B. . HG & Milone, P. C. (1998). Economia do turismo. São Paulo: Papirus.

Lacerda, L. T & Mecca, M. S. M. (2018). Turismo Termal: um estudo bibliométrico. XVSeminário da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo19 a 21de setembro de 2018–São Paulo/SP. Recuperado de: https://www.anptur.org.br/anais/anais/files/15/1069.pdf.

Lemos, L. (2005). O valor turístico na economia da sustentabilidade. São Paulo: Aleph.

Likert, R. (1932). A technique for measurement of attitudes. Archives of Psychology, 140, 5-55.

Lin, D., & Simmons, D. (2017). Structured inter-network collaboration: public participation in tourism planning in Southern China. Tourism Management, 63, 315-328.

Machadinho. Prefeitura de Machadinho. (2015). Administrador da Fundação Hospitalar São Francisco comenta atual situação do hospital em Machadinho. 22 julh. 2015. Recuperado de: http://www.machadinho.rs.gov.br/noticia/48/22-07-2015/administrador-da-fundacao-hospitalar-sao-francisco-comenta-atual-situacao-do-hospital-em-machadinho. Acesso em 01 mai. 2019.

Milano, C., Cheer, J. M. & Novelli M. (2018). Overtourism is becoming a major issue for cities across the globe. Word Economy Forum. Reuperado de: https://www.weforum.org/agenda/2018/07/overtourism-a-growing-global-problem.

Moleiro, D. F. (2020). Urban tourism planning for sustainability - A literature review. Research, Society and Development, 9(8) e338985561. Recuperado de: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/5561.

Molina, S. (1997). Turismo: Metodologia para su planificación. México: Trillas.

Muniz, S. R. (2015). Fundamentos da matemática II. São Paulo: USP.

Naraindas, H. & Bastos, C. (2011). Healing holidays? Itinerant patients, therapeutic locales and the quest for health. Anthropology and Medicine, 8(1), 1-6. Recuperado de: https://www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1080/13648470.2010.525871?needAccess=tru. Acesso em 08 abr. 2019.

Novaes, M. H. (2013). Análise da gestão ambiental dos meios de hospedagem no espaço rural da região serrana de Santa Catarina. Tese de Doutorado Administração e Turismo. Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu, Santa Catarina.

Nugraheni, A. I. P., Priyambodo, T. K., Sutikno, B., & Kusworo, H. A. (2020). The Social Dimensions’ Aspects of Sustainable Tourism Development Analysis: A Systematic Literature Review. Digital Press Social Sciences and Humanities, 4, 00001. DOI: 10.29037/digitalpress.44348

Nugraheni, A. I. P., Priyambodo, T. K., Kusworo, H. A., & Sutikno, B. (2019). The social dimension of sustainable development: defining tourism social sustainability. Proceeding of the 1st International Conference on Engineering, 18-19. Labuan Bajo, Nusa Tenggara Timur, Indonesia, Oktober 2019.

Nunes, E. R. & Martins, M. F. (2019). Indicadores de sustentabilidade para o turismo sustentável: um estudono município de Bananeiras (PB). Revista Brasileira de Ecoturismo, 12(2), 258-273.

Oliveira, C. G. S. (2002). Viabilidade e sustentabilidade do turismo rural. Brasília, DF: Serviço Nacionalde Aprendizagem do Cooperativismo.

Powis, B. & O’leary, Z. (2009). Wellness tourism and health promotion. Healthy tourists and environments. In: Bushell, R. & Sheldon, P. J. (Ed.). Wellness and tourism: mind, body, spirit, place. Elmsford, NY: Cognizant Communication, p. 52-68.

Prescott-Allen, R. (2001). The wellbeing of nations: A country-bycountry index of quality of life and the environment. Washington, DC: Island Press.

Quintela, J., Correia, A. & Antunes, J. (2011). Service quality in health and wellness tourism trends in Portugal. International Journal of Business, 2(3), 1-8. Recuperado de: https://www.researchgate.net/publication/228962910_Service_quality_in_health_and_wellness_tourism-trends_in_Portugal. Acesso em 05 abr. 2019.

Quintela, J., Costa, C. & Correia, A. (2017). The role of health and wellness tourism in sustainable territorial development. Tourism and Hospitality Journal, 9(2), 113–121. Recuperado de: https://comum.rcaap.pt/handle/10400.26/22836. Acesso em 01 abr. 2019.

Quintela, M. M. (2004). Saberes e práticas termais: uma perspectiva comparada em Portugal (Termas de S. Pedro do Sul) e no Brasil (Caldas da Imperatriz). História, Ciências, Saúde, 11(supl 1), 239-60. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/hcsm/v11s1/11.pdf. Acesso em: 12 dez. 2017.

Ranauro, M. L. (2004). Sustentabilidade numa perspectiva endógena: contribuição das “comunidades” no plano simbólico do desenvolvimento sustentável. Caderno Virtual de Turismo, 4(14), 21-28. Recuperado de: http://www.ivt.coppe.ufrj.br/caderno/index.php/caderno/article/view/67. Acesso em 02 maio 2018.

Rejowski, M., Yasoshima, J. R., Stigliano, B. V. & Silveira, A. S. (2002). Desenvolvimento do turismo moderno. In: Rejowski, M, (org). Turismo no percurso do tempo. São Paulo: Aleph, p. 42-70.

Renk, V. E. (2013). Turismo e cultura: um diálogo interdisciplinar. Caderno de Estudos e Pesquisas do Turismo, 2, 63-79. Recuperado de: http://www2.pucpr.br/reol/pb/index.php/turismo?dd99=issue&dd0=533. Acesso em: 23 abr. 2018.

Rio Grande Do Sul. Secretaria da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer. (2019). Thermas Machadinho. Recuperado de: http://www.turismo.rs.gov.br/atrativo/2517/thermas-machadinho.

Rigsby, L. (1987). Delineamento de pesquisa de levantamento. In: Kidder, L. H. (org). Métodos de pesquisa nas relações sociais: Selltiz, Wrightsman e Cook. 2 ed. São Paulo: EPU.

Rocha, A. S. S. (2011). Análise à oferta termal nacional. Dissertação de Mestrado em Gestão e Economia dos Serviços de Saúde. Faculdade de Economia da Universidade do Porto, Portugal. Recuperado de: https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/57180. Acesso em: 15 abr 2018.

Ruschmann, D. V. M. (2000). Turismo e planejamento sustentável: a proteção do meio ambiente. 6 ed. Campinas, SP: Papirus.

Sachs, I. (2007). Rumo à ecossocioeconomia: Teoria e prática do desenvolvimento. São Paulo: Cortez, 2007.

Santos, J. G. (2013). Sistema de indicadores de sustentabilidade para o turismo: aplicação de uma abordagem participativa em Porto de Galinhas/PE. Dissertação de Mestrado em Administração – Universidade Federal de Pernambuco, PE.

Santos, M., Costa, P. F. & Santos, E. C. O. (2020). Aplicação de indicadores do turismo sustentável em um balneário em área de cerrado no município de Coxim – MS. Holos Environment, 20 (3): 442-457. Recuperado de: https://www.cea-unesp.org.br/holos/article/view/12380.

Sassaki, R. K. (2009). Inclusão: acessibilidade no lazer, trabalho e educação. Revista Nacional de Reabilitação (Reação), 7, 10-16.

Smith, M. K. & Puczkó, L. (2017). Balneology and health tourism. In: Smith, MK & Puczkó, L (ed.). The Routledge handbook of health tourism, Abingdon: Routledge, p. 271-282.

Souza, A. C., Fialho, F. A. P. & Otani, N. (2007). TCC: métodos e técnicas. Florianópolis: Visual Books.

Souza, J. L. (2008). O que é? IDH. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – Ipea. Ano 5, ed. 39. Recuperado de: http://www.ipea.gov.br/desafios/index.php?option=com_content&view=article&id=2144:catid=28&Itemid=23. Acesso em 23 mar. 2019.

Stevens, F., Azara, I. & Michopoulou, E. (2018). Local community attitudes and perceptions towards thermalism. International Journal of Spa and Wellness, 1(1), 55-68. Recuperado de: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/24721735.2018.1432451. Acesso em 01 abr. 2019.

Stevenson, Wj. (1981). Estatística aplicada à administração. São Paulo: Habra.

Teixeira, F., Vieira, F., & Mayr, L. (2019). Turismo de base comunitária: uma abordagem na perspectiva da análise de clusters. Turismo - Visão e Ação, 21(2), 02-21.

Tolkes, C. (2018). Sustainability communication in tourism – A literature review. Tourism Management Perspectives 27 (2018), 10-21.

Unwto. (2019). Global Code of Ethics for Tourism. Recuperado de: http://ethics.unwto.org/en/content/global-code-ethics-tourism. Acesso em 03 maio. 2018.

UNWTO. Guia de desenvolvimento do turismo sustentável. Tradução de Sandra Netz. Porto Alegre: Bookman, 2003.

Unwto. (2005). Indicadores de desarrollo para los destinos turísticos: Guia Prático. Madrid: OMT.

Unwto, United Nations Global Compact Network Spain. (2016). The tourism sector and the sustainable development goals – responsible tourism, a global commitment. Recuperado de: http://cf.cdn.unwto.org/sites/all/files/pdf/turismo_responsable_omt_acc.pdf. Acesso em: 21 abr. 2018.

Vianna, S. L. G. (2011). A competitividade e a qualidade de vida nas destinações turísticas: análise quanto à sua correspondência. Tese de Doutorado em Administração e Turismo – Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC. Recuperado de: http://siaibib01.univali.br/pdf/silvio%20luiz%20goncalves%20vianna.pdf. Acesso em: 04 abr. 2018.




DOI: https://doi.org/10.5585/podium.v9i3.16225

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review

e-ISSN: 2316-932X
www.podiumreview.org.br

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review ©2020 Todos os direitos reservados.