Hospitalidade urbana e planejamento turístico: os cinco estados mais hospitaleiros do Brasil em foco

Valéria Ferraz Severini, Alexandre Panosso Netto

Resumo


Objetivos: Este artigo tem como objetivo principal investigar se as estratégias de planejamento turístico utilizadas pelos cinco estados mais hospitaleiros do país incentivam a elaboração de Planos Diretores. Tem-se ainda como objetivo secundário aprofundar os estudos que relacionam a hospitalidade urbana às políticas públicas de desenvolvimento urbano.

Metodologia/Abordagem: Utilizou-se no trabalho pesquisa documental e bibliográfica. A coleta de leis, decretos e planos foi obtida através da internet, mais especificamente pelos sites do Ministério do Turismo e dos Órgãos Estaduais de Turismo dos cinco estados analisados.

Originalidade/Relevância: O trabalho apresenta a hospitalidade urbana como uma solução inovadora e alternativa para a gestão de cidades turísticas. A pesquisa destaca a importância das leis que regulam o uso e ocupação do solo na condução de um planejamento turístico mais justo e acolhedor para moradores e turistas.  

Principais resultados: Apesar de ser uma obrigatoriedade, os resultados sugerem que a elaboração de Planos Diretores em “cidades com especial interesse turístico” não é condição essencial para que as cidades recebam o “selo” de cidades turísticas e passem a contar com recursos financeiros, técnicos e humanos. A pesquisa reforçou o papel do Estado como anfitrião urbano ao demonstrar sua função de agente regulador do uso e ocupação do solo, equilibrando a disputa do território turístico e evitando a especulação imobiliária.

Contribuições teórico-metodológicas: O artigo apresenta o lado prático da ciência da hospitalidade ao demonstrar a implementação dos atributos espaciais da hospitalidade urbana nas políticas públicas de desenvolvimento urbano de cidades turísticas.


Palavras-chave


Hospitalidade urbana; Políticas públicas; Plano diretor; Cidade turística; Espaço público

Texto completo:

PDF

Referências


ALLIS, Tiago. (2012). Projetos urbanos e turismo em grandes cidades: o caso de São Paulo. Tese de doutorado. FAU USP. São Paulo.

BARDIN, Laurence. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

BARRIOS, Sônia. (1986). A produção do espaço. In SOUZA, Adélia de e SANTOS, Milton (Org.). A construção do espaço. São Paulo: Nobel.

BENI, M. (1999). Política e estratégia do desenvolvimento regional: planejamento integrado e sustentável do turismo. Turismo em Análise, 10(1), 7-17.

BRASIL.(2018). Portaria nº. 192, de 27 de Dezembro de 2018. Estabelece critérios para a atualização do Mapa do Turismo Brasileiro. Brasília: Poder Executivo.

BRASIL.(2015). Portaria nº. 144, de 27 de Agosto de 2015. Estabelece a categorização dos municípios pertencentes às regiões turísticas do Mapa do Turismo Brasileiro. Brasília: Poder Executivo.

BRASIL. (2013). Portaria nº. 105, de 16 de Maio de 2013. Institui o Programa de Regionalização do Turismo e dá outras providências. Brasília: Poder Executivo.

BRASIL.(2008). Política Nacional de Turismo: Lei nº. 11.771, de 17 de Setembro de 2008. Define as atribuições do Governo Federal no planejamento, desenvolvimento e estímulo ao setor turístico e disciplina a prestação de serviços turísticos, o cadastro, a classificação e a fiscalização dos prestadores de serviços turísticos. Brasília: Poder Executivo.

BRASIL. (2001). Estatuto da Cidade. Lei nº. 10.257, de 10 de Outubro de 2001. Estabelece diretrizes gerais da política urbana. Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação de Publicações.

_____. (1977). Lei nº. 6.513, de 20 de Dezembro de 1977. Dispõe sobre a criação de áreas especiais e de locais de interesse turístico sobre o inventário com finalidades turística dos bens de valor cultural e natural. Brasília: Poder Executivo.

_____. (1981). Decreto n° 86.176, de 06 de julho de 1981. Regulamenta a Lei no 6.513, de 20 de dezembro de 1977. Brasília: Poder Executivo.

CAMARGO, Luiz O. (2003). Os domínios da hospitalidade. In DENCKER, A.; BUENO, M. (orgs). Hospitalidade: Cenários e Oportunidades. São Paulo: Pioneira Thompson Learning.

CORSETTI, B. (2006). A análise documental no contexto da metodologia qualitativa: uma abordagem a partir da experiência de pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Educação da Unisinos. UNI revista, v.1, n.1, p.32-46.

CRUZ, Rita de Cássia A. (1999). Política de turismo e (re)ordenamento de territórios no litoral do Nordeste do Brasil. Tese de doutorado. FFLCH-USP. São Paulo.

DIAS, Marina S.; JÚNIOR, Milton E. (2017) O espaço público e o lúdico como estratégias de planejamento urbano humano em: Copenhague, Barcelona, Medellín e Curitiba. Caderno Metrópole. São Paulo. V. 19. N. 39. PP. 635-663.

DIAS, Celia Maria Morais. (2006). Marcos da hospitalidade na Cidade de São Paulo: amenidades e facilidades. Revista Turismo em Análise. v. 17 n. 2, p.170-189.

FERRAZ, Valéria de Souza. (2013). Hospitalidade urbana em grandes cidades. São Paulo em foco. Tese de Doutorado. FAU USP. São Paulo.

GRINOVER, Lucio. (2007). A hospitalidade, a cidade e o turismo. São Paulo: Aleph.

GRINOVER. Lucio. (2016). A cidade a procura da hospitalidade. São Paulo: Aleph (edição digital), 2016. Acesso em 2019.

GUARUJÁ. (2013). Lei Complementar nº 156/2013. Institui o Plano Diretor do Município de Guarujá e dá outras providências. Poder Executivo.

HALL, C. (2001). Planejamento Turístico: políticas, processos e relacionamentos. São Paulo: Contexto.

ILHABELA. (2006). Lei nº 421/2006. Dispõe sobre o Plano Diretor de Desenvolvimento Socioambiental. Do Município de Ilhabela e dá outras providências. Poder Executivo.

JACOBS, J. (2000). Morte e vida de grandes cidades. São Paulo: Martins Fontes.

LASHLEY, Conrad; MORRISON, Alison (orgs.). (2004). Em busca da hospitalidade: perspectivas para um mundo globalizado. Barueri, SP: Manole.

LAPA, Tomas de Albuquerque. (2011). Grandes Cidades Constroem-se com Edifícios Grandes? Recife: Editora Universitária, UFPE.

LOBO, Yure. (2005). Planos Diretores para Municípios Inseridos em "Área de Especial Interesse Turístico". Revista Turismo. Ago. Acessado em março 2019 em https://www.revistaturismo.com.br/artigos/planodiretor.html

LOHMANN, Guilherme; PANOSSO NETTO, Alexandre. (2012). Teoria do Turismo: Conceitos, Modelos e Sistemas. 2.ed. São Paulo: Aleph.

MATO GROSSO DO SUL. (2018). Lei nº. 5.224, de 9 de Julho de 2018. Dispõe sobre o Sistema Estadual de Turismo do Estado do Mato Grosso do Sul, a Política Pública Estadual para o Turismo e o Plano Estadual de Turismo, e dá outras providências. Mato Grosso do Sul. Poder Executivo.

MAUSS, Marcel. (2003). Sociologia e Antropologia. Volume II. São Paulo.

MENDES, Daniella Aparecida Tolão; WADA, Elizabeth Kyoko. (2016). Copa 2014: as relações de hospitalidade e hostilidade ao visitante - Brasil. PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review. Vol.5, N. 1 Janeiro/Abril.

OLIVEIRA, Elizângela. (2014). Turismo, produção do espaço e planejamento urbano nas cidades contemporâneas. Revista Turismo: Estudos & Práticas. RTEP/UERN.

Mossoró, RN, Vol. 3, n. 02, julho/dez.

PARANÁ. (2008). Política de Turismo do Paraná. Lei nº. 15.973, de 13 de Novembro de 2008. Estabelece a Política de Turismo do Paraná, conforme especifica, e adota outras providências. Assembleia Legislativa do Estado do Paraná.

QUIARARIA, Clarissa Campos. (2018). Hospitalidade pública: o caso da Praça Gustavo Teixeira em São Pedro, SP. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Turismo da EACH-USP.

RAIMUNDO, S. et. al. (2010). Análise da cronologia de criação das Estâncias Turísticas no Estado de São Paulo. VII Seminário da Associação Nacional Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo (ANPTUR). Universidade Anhembi Morumbi. São Paulo.

RIBEIRO, Daniel de Albuquerque. (2014). Reflexões sobre o conceito e a ocorrência do processo de gentrification no Parque Histórico do Pelourinho, Salvador – BA. Cad. Metrópole, São Paulo, Vol. 16, n. 32, pp. 461-486. Nov.

ROLNIK, Raquel. (2009). São Paulo. São Paulo: Publifolha.

RUSCHMANN, D. (2001). Planejamento Turístico. In Ansarah, M. (Org.). Turismo. Como aprender, como ensinar. (Vol. 2). São Paulo: Senac.

SAGI, Luciana. (2008). Gestão pública da hospitalidade urbana: estudo de caso do Parque da Água Branca na cidade de São Paulo. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo. v. 2, n. 3, p. 90-105, nov. 2008.

SANTA CATARINA. (2006). Plano Estadual da Cultura, do Turismo e do Desporto do Estado de Santa Catarina. Lei nº. 13.792, de 18 de Julho de 2006. Define diretrizes e critérios relativos aos programas e subprogramas que prevê e estabelece outras providências. Santa Catarina. Poder Executivo.

SÃO PAULO. (2016). Resolução ST-14, de 21 de Junho de 2016. Estabelece parâmetros para elaboração do Plano Diretor de Turismo dos municípios e dá outras providências. São Paulo. Poder Executivo.

SÃO PAULO. (2015). Lei Complementar nº 1.261, de abril de 2015. Estabelece condições e requisitos para a classificação de Estâncias e de Municípios de Interesse Turístico e dá providências correlatas. São Paulo. Poder Executivo.

SÁ-SILVA, Jackson Ronie, et.al. (2009). Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais. Ano I - Número I – Julho.

SEVERINI, Valeria Ferraz; VARGAS, Heliana Comin. (2017). Rediscutindo hospitalidade urbana na Lei de Zoneamento de São Paulo de 2016. Revista Hospitalidade. Volume 14. N. 02. Ago.

SEVERINI, Valeria Ferraz. (2016). Atributos espaciais de hospitalidade urbana. p. 257-285. In VARGAS, Heliana C. & PAIVA, Ricardo (Orgs.). Turismo, arquitetura e cidade. Barueri, SP: Manole.

SEVERINI, Valeria Ferraz. (2015). O novo Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo à luz da Hospitalidade Urbana. In Anais do VII Seminário PROJETAR. Natal, UFRN.

SEVERINI, Valeria Ferraz. (2013). Hospitalidade urbana: ampliando o conceito. Revista Iberoamericana de Turismo - RITUR, Penedo, v. 3, n.2, p. 84-99.

SILVA, Alexsandro F. Cardoso; FERREIRA, Angela L. de Araújo (2007). Dinâmica imobiliária e turismo: novas relações, novos riscos. Caderno Metrópole. São Paulo. Páginas 109-133. 2º. Semestre.

YÁZIGI, Eduardo. (2001). A alma do lugar. Turismo, planejamento e cotidiano. São Paulo: Contexto.




DOI: https://doi.org/10.5585/podium.v9i4.16743

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review

e-ISSN: 2316-932X
www.podiumreview.org.br

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional