Ciclismo e cicloturismo em Santa Catarina (Brasil): características, motivações e interesses

Anderson Sartori

Resumo


Objetivo do estudo: Identificar o perfil do ciclista e cicloturista em Santa Catarina, em seus aspectos socioeconômicos, interesses e motivações no ciclismo e usos de aplicativos de monitoramento.

Metodologia/abordagem: Quantitativa com enfoque qualitativo, descritiva com delineamento de levantamento e revisão da bibliografia. Foram utilizados 285 questionários, aplicados virtualmente para ciclistas e cicloturistas de Santa Catarina, através de amostragem não probabilística intencional e quantificados através de planilhas e gráficos no Excel para análise dos dados através do referencial teórico pesquisado.

Originalidade/Relevância: A pesquisa apresenta, de forma inédita, o perfil dos ciclistas e cicloturistas em Santa Catarina, envolvendo dados socioeconômicos, interesses e motivações e os usos da tecnologia no acompanhamento e compartilhamento dos pedais com aplicativo (Strava), possibilitando novas análise sobre o cicloturismo dentro do turismo.

Principais resultados: As principais motivações para a prática do ciclismo são exercício físico, conhecer paisagens naturais e patrimônio cultural e realizar novas amizades. O aplicativo é utilizado para automonitoramento de tempo, distância e velocidade durante o percurso e compartilhamento com rede social.

Contribuições teóricas/metodológicas: O planejamento de roteiros de cicloturismo ou o incentivo do uso da bicicleta como atrativo turístico requer atenção as necessidades e expectativas desse público, que se difere do turista usual, requerendo bens e serviços específicos, tanto para si como para seu equipamento, seja durante os trajetos como nos momentos de descanso.

Contribuições sociais/para a gestão: As pesquisas dentro dessa temática podem auxiliar em no planejamento das políticas públicas de turismo para atender as expectativas e necessidades dos cicloturistas e ciclistas em geral. Os usos da bicicleta como esporte e/ou lazer ganharam espaço nas últimas décadas, com o compartilhamento das experiências nas redes sociais, com a visibilidade para os destinos e atrativos avaliadas pelos praticantes, gerando redes de interesse e mobilização sobre este tema.


Palavras-chave


Turismo; Ciclismo; Cicloturismo; Strava; Santa Catarina.

Texto completo:

PDF

Referências


Allué, A.M. (2019). Deporte, ocio y turismo: el caso del cicloturismo en Catalunya. Revista Española de Educación Física y Deportes, 426 (Esp.), 219-226.

Balassiano, R., Saldanha, L., DeCastro, J., Souza, H.A.S., Telles, R., Garcia, E., & Amaral, J.P. (2019). O Cicloturista Brasileiro 2018: relatório geral. Rio de Janeiro: Coppe-UFRJ.

Barbosa, L. S. S., Andrade-Matos, M. B., & Perinotto, A. R. C. (2020). Marketing digital: a influência das mídias sociais digitais no processo de decisão de compra dos consumidores de meios de hospedagem. PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review, 9 (1), 154-170.

Campos, A. C., Santos, C.A.J., & Alves, L.A.C. (2016). Cicloturismo: mobilidade urbana e valorização do turismo da cidade de Aracaju – Sergipe. Revista de Direito da Cidade, 08 (4), 1800-1824.

Cavalcanti, T.S., Santos, A.B.L., Moura, C.B. G., & Moura, D.L. (2019). “Eu sou Barbie e sou bruta”: o empoderamento no ciclismo. Revista Estudos Feminista, 27 (2), 1-15.

Chen, C-F., & Cheng, W-C. (2016). Sustainability SI: exploring heterogeneity in cycle tourists’ preferences for an integrated bike-rail transport service. Networks and Spatial Economics, 16, 83–97.

Cox, P. (2012). Strategies Promoting Cycle Tourism in Belgium: Practices and Implications. Tourism Planning & Development, 9 (1), 25-39.

Deenihan, G., & Caulfield, B. (2015). Do tourists value different levels of cycling infrastructure? Tourism Management, 46, (C), 92-101.

Díaz, A. L. (2019). Lo ordinario digital: digitalización de la vida cotidiana como forma

de trabajo, Cuadernos de Relaciones Laborales, 37 (2), 313-330.

Edra, F.P.M., Costa, M.L., & Fernandes, T.T. (2015). Cicloturismo em Niterói: potencialidade a partir do Rio de Janeiro. Caderno Virtual de Turismo, 15 (3), 331-345.

Fernández-Latorre, F.M. (2015). Flujos turísticos, capital territorial y uso de la bicicleta. Andalucía como modelo de destino emergente en cicloturismo. Revista de Estudios Andaluces, 32, 76-107.

Freeman, R., & Thomlinson, E. (2014). Mountain bike tourism and community development

In British Columbia: critical success factors for the future. Tourism Review International, 18, 9–22.

Gazzola, P., Pavione, E., Grechi, D., & Ossola, P. (2018). Cycle tourism as a driver for the sustainable development of little-known or remote territories: the experience of the Apennine Regions of Northern Italy. Sustainability, 10 (6), 1-19.

Gil, A.C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atla.

Gonçalves-Junior, L., Corrêa, D.A., Carmo, C.S., & Arévalo, S.T. (2016). Diarios de bicicleta: procesos educativos vivenciados en la Ruta de las Emociones. Estudios Pedagógicos, XLII (1), 323-337.

Hobsbawm, E. (2003). A era dos impérios 1875-1914. São Paulo, Paz e Terra.

Hobsbawm, E. (2004). A era do capital 1848-1875. São Paulo, Paz e Terra.

Klos, R.C., Miskalo-Cruz, M., & Moraes, L. (2016). Espaço e cicloturismo: a representação urbano-turística de Curitiba/PR em fotografias postadas no Tripadvisor. Marketing & Tourism Review, 1(2), 1-30.

Kovačić, N. (2015). Profiling bicycle tourists: a case of Croatia. Tourism and Hospitality Management, 21 (2), 159-177.

Lamont, M. (2009). 'Reinventing the wheel: a definitional discussion of bicycle tourism'. Journal of Sport and Tourism, 14 (1), 5-23.

Lee, C-F. (2014). An investigation of factors determining cycling experience and frequency. Tourism Geographies: An International Journal of Tourism Space, Place and Environment, 16 (5), 844-862.

Lee, C-F., Chen, P-T., & Huang, H-I. (2014). Attributes of destination attractiveness in taiwanese bicycle tourism: the perspective of active experienced bicycle tourists. International Journal of Hospitality & Tourism Administration, 15, 275-297.

Marconi, E.M., & Lakatos, M.A. (2017). Metodologia científica. São Paulo: Atlas.

Meng, B., & Han, H. (2016). Effect of environmental perceptions on bicycle travelers’ decision-making process: developing an extended model of goal-directed behavior. Asia Pacific Journal of Tourism Research, 21 (11), 1184-1197.

Moreira, G.O., & Lovisi, A.L.M. (2017). A utilização da tecnologia da informação em benefício do rendimento de atletas. Caderno de Estudos em Sistemas de Informação,1 (1), 1-17.

Mrnjavac, E., Kovacic, N., & Topolšek, D. (2014). The logistic product of bicycle destinations. Tourism and Hospitality Management, 20 (2), 171-184.

Neves, J.O., & Esperança, J.P. (2011). "Bike usage and cycle tourism: the pattern of portuguese associated bike riders". Tourism & Management Studies, 1, 191-200.

Pedrini, L. (2013). Cicloturismo no circuito do vale europeu catarinense: Um estudo do comportamento do cliente. Dissertação (Mestrado em Turismo e Hotelaria). Universidade do Vale do Itajaí, Balneário Camboriú.

Piket, P., Eijgelaar, E., & Peeters, P. (2013). "European cycle tourism: a tool for sustainable regional rural development". Applied Studies in Agribusiness and Commerce, 7 (2-3), 1-5.

Pires, M.C. (2017). O Brasil, o Mundo e a Quarta Revolução Industrial: reflexões sobre os impactos econômicos e sociais. Revista de Economia Política e História Econômica, 39, 5-36.

Piwek, L., Joinson, A., & Morvan, J. (2015). The use of self-monitoring solutions amongst cyclists: An online survey and empirical study. Transportation Research, 77, 126–136.

Resende, J.C., & Vieira Filho, N.A.Q. (2011). Cicloturistas na Estrada Real: perfil, forma de viagem e implicações para o segmento. Turismo em Análise, 22 (1), 168-194.

Rivers, D.J. (2019). Strava as a discursive field of practice: Technological affordances and

mediated cycling motivations. Discourse, Context & Media, 1-8.

Saldanha, L., Fraga, C., & Santos, M.P.S. (2015). Discussões preliminares sobre serendipidade, bicicleta e turismo envolvendo a Ilha de Paquetá no Rio de Janeiro (RJ). Caderno Virtual de Turismo, 15 (3), 378-389.

Saldanha, L.E.C., Pereira, L.F., Balassiano, R., & Fraga, C.C.L. (2020) Cicloturismo no planejamento integrado de cidades e o caso da Região Metropolitana de Curitiba. Revista Turismo em Análise, 31 (2), 296-315.

Schwanen, T. (2015). Beyond instrument: Smartphone app and sustainable mobility. European Journal of Transport and Infrastructure Research. 15 (4), 675-690.

Silva, L. (2007). A procura do turismo em espaço rural. Etnográfica, 11 (1), 141-163.

Slavić, N. (2017). The logistics system of bicycle tourism destination. Tourismos: an International Multidisciplinary Journal of Tourism, 12 (2), 38-69.

Veríssimo e Rodrigues, F.I.B., & Alexandre, M.L.O. (2020) Tecnologia da Informação no planejamento de viagens e turismo: análise do uso de aplicativos. Revista Iberoamericana de Turismo- RITUR, 10 (1), 130-144.

Unwto (World Tourism Organization). (2014). AM Reports - Global Report on Adventure Tourism. Madrid: UNWTO.




DOI: https://doi.org/10.5585/podium.v10i2.18084

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review

e-ISSN: 2316-932X
www.podiumreview.org.br

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional