A atuação da iniciativa privada do turismo brasileiro, no âmbito do Mercosul, nas perspectivas da diplomacia e da cooperação técnica internacional

Edegar Luis Tomazzoni, Cinthia Maria de Sena Abrahão, Juliane Santos Lumertz

Resumo


Resumo

O objetivo do estudo: O objetivo do artigo é analisar o entendimento dos atores da iniciativa privada do turismo brasileiro sobre a inserção e a promoção do Brasil no mercado turístico internacional, especialmente, do Mercosul, considerando os quadros conjunturais de 2016 e 2021, com base nas perspectivas da diplomacia e da cooperação técnica internacional.
Metodologia/abordagem: Os procedimentos da pesquisa abrangeram coleta de dados em fontes secundárias e entrevistas semiestruturadas com gestores de entidades privadas representativas do turismo brasileiro (ABEAR, ABRACORP, FOHB e CNTUR). As entrevistas foram realizadas em dois períodos, no ano de 2016 e no ano de 2021.
Originalidade/Relevância: Apesar de sua expressividade econômica, social e cultural, no campo das relações internacionais e do Mercosul, as atuações e as visões dos atores privados, ou corporativos, do turismo brasileiro, ainda não são suficientemente reconhecidas no campo da pesquisa acadêmica.
Principais resultados: Confirma-se a importância da atuação das entidades empresariais do turismo brasileiro, mas verificam-se limitações na sua atuação, tanto no que se refere a realizações de acordos cooperativos quanto nas parcerias público-privadas, mesmo nas relações com a Argentina, o maior emissor de turistas estrangeiros ao país, antes da pandemia de Covid-19. Adicionalmente, frente ao cenário da crise pandêmica, observou-se a preocupação dos atores em relação à conjuntura adversa, que impacta, sobremaneira, as atividades turísticas, sobretudo, as internacionais, mas, também, em relação à ausência de coordenação central por parte do governo brasileiro, o que aponta para um cenário ainda mais difícil de recuperação dos fluxos de turistas e de investidores.
Contribuições teórico-metodológicas: Fundamentado nas revisões conceituais de diplomacia corporativa, paradiplomacia e cooperação técnica internacional, o artigo proporciona reflexões sobre os fatores que justificam a maior inserção e o reconhecimento da atuação e das visões dos gestores privados do turismo brasileiro, no âmbito internacional, especialmente, no Mercosul. Além de contribuir para a contextualização do turismo nas relações internacionais, o artigo proporciona subsídios para as políticas públicas e o desenvolvimento do setor, em âmbito regional.


Palavras-chave


Turismo; Diplomacia; Atores internacionais; Cooperação técnica; Mercosul.

Texto completo:

PDF

Referências


Agência Brasileira de Cooperação (2017). A cooperação técnica no âmbito do Mercosul. http://www.abc.gov.br/Projetos/CooperacaoSulSul/Mercosul

Alves, B. M. P. (2013). Avaliação comparativa da cooperação internacional descentralizada e centralizada: O projeto de polícia comunitária Sistema Koban no estado de São Paulo [Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo], São Paulo.

Asquer, A. (2012). What is corporate Diplomacy? And why does it matter? Journal of

Multidisciplinary Research, 4(3), 53-63. https://iris.unica.it/retrieve/handle/11584/242694/285365/Article%20JMR%20-%20Asquer.pdf

Banzatto, A. P. A. (2016). As interconexões entre o global e o local: Governos subnacionais nas Relações Internacionais. Estudos internacionais, (1), 7-25. https://doi.org/10.5752/P.2317-773X.2016v4n1p7

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.

Barros, A., & Lehfeld, N. (2007). Fundamentos de metodologia científica: Um guia para a iniciação. São Paulo: Makron Books.

Berthier, M. O., Brida, J. G., & Segarra, V. (2021). Economic growth and tourism performance in Latin America and the Caribbean: A comparative analysis by clustering techniques and causality tests. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 15(1), 1-15. https://doi.org/10.7784/rbtur.v15i1.2300

Catalano, B. (2021). Turismo e integración: Viajar sin pasaporte en el Mercosur. Buenos Aires, Argentina: Fundación Ciccus.

Carlomagno, M. C., & Rocha, L. C. (2016). Como criar e classificar categorias para fazer análise de conteúdo: uma questão metodológica. Revista Eletrônica de Ciência Política, 7(1), 174-188. http://dx.doi.org/10.5380/recp.v7i1.45771

Cedro, M. (2011). Pesquisa social e fontes orais: Particularidades da entrevista como procedimento metodológico qualitativo. Revista Perspectivas Sociais, 1(1), 125-135. https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/percsoc/article/view/2341

Coleman, J. S. (1994). Foundation of social theory. Cambridge, Ma: Harvard University Press.

Chica, M., Hernandéz, J., & Bulchand‐Gidumal, J. (2021). A collective risk dilemma for tourism restrictions under the COVID‐19 context. Nature Portfolio - Scientific Reports, 11(5043), 1-12. https://doi.org/10.1038/s41598-021-84604-z

Chica, M., Hernandéz, & J., Santos, F. (2022). Cooperation dynamics under pandemic risks and heterogeneous economic interdependence. Chaos, Solitons and Fractals, 55(111655), 1-8. https://doi.org/10.1016/j.chaos.2021.111655

Conargo, T. (2013). Plural diplomacy: Nortative predicaments and functional imperatives. Leiden, Holanda: Martinus Nijoff Publisher.

Embratur – Instituto Brasileiro de Turismo (2016). Embratur promove destinos brasileiros na Argentina. http://www.brasil.gov.br/turismo/2016/01/acao-promove-destinos-brasileiros-aos-argentinos

European Commission (2002). Observatory of European SMEs. Regional clusters in Europe. Report submitted to the Enterprise Directorate General by KPMG Special Services, EIMB Business & Policy Research, and ENSR. Luxembourg: Office for Official Publications of the European Communities.

Furmankiewicz, M. (2005). Town-twinning as a factor generating international flows of goods and people – the example of Poland. BelGEO – Revue Belge de Géographie - Human mobility in a globalizing world, 1(2), 145-162. p. 145-162. https://doi.org/10.4000/belgeo.12466

García, E. (2020). América Latina: La urgencia de una estrategia renovada de desarrollo. São Paulo: EdUSP.

Gil, A. C. (2017). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Haesbaert, R. (2021). Regiões transfronteiriças e migração brasileira em países do Mercosul. 2-9. http://observatoriogeograficoamericalatina.org.mx/egal8/Geografiasocioeconomica/Geografiaregional/04.pdf

Hsieh, H-F., & Shannon, S. (2005). Three approaches to qualitative content analysis. Qualitative Health Research, 15(9), 1277-1288. https://doi.org/10.1177/1049732305276687

Junqueira, C. G. B. (2018). Paradiplomacia: A transformação do conceito nas relações internacionais e no Brasil. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais – BIB, (83), 43-68. https://bibanpocs.emnuvens.com.br/revista/article/view/429

Junqueira, L. D. M. (2018). Análise da produção científica norteada pela abordagem do materialismo histórico-dialético: um recorte temporal de 2004 a 2014 das revistas científicas brasileiras. Caderno Virtual de Turismo, 18(3), 44-62. http://dx.doi.org/10.18472/cvt.18n3.2018.1329

Kabus, J., & Nowakowska-Grunt, J. (2016). Tourism management as an element of contemporary international relations. World Scientific News, WSN, (48), 69-76. https://bibliotekanauki.pl/articles/1189679

Lafer, C. (2020). Diplomacia subnacional e desafios do desenvolvimento: um ponto de vista brasileiro. In H. Gargia (Coord.), W. Pereira & B. Muriel (Orgs), Desenvolvimento e cooperação na América Latina: a urgência de uma estratégia renovada (pp. 643-654), São Paulo: EdUSP.

Lopes, C. (2005). Cooperação e desenvolvimento humano: Agenda emergente para o novo milênio. São Paulo: UNESP.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2010). Metodologia científica. São Paulo: Atlas.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2012). Técnicas de pesquisa: Planejamento e execução de pesquisa; amostragens e técnicas de pesquisa: elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo: Atlas.

Mariano, K. L. P., & Menezes, R. G. (2021). Três décadas de Mercosul: Institucionalidade, capacidade estatal e baixa intensidade da integração. Lua Nova - Revista de Cultura e Política, (112), 147-179. http://dx.doi.org/10.1590/0102-147179/112

Martins, J. R. (2017). Institucionalização da inserção paradiplomática de interesses regionais e locais sob a perspectiva da sociologia das relações internacionais: Caso do Paraná e Santa Catarina e respectivas capitais [Tese de Doutorado, Universidade Federal do Paraná] Curitiba.

May, T. (2004). Pesquisa social: Questões, métodos e processos. Porto Alegre: Artmed.

Merle, M. (1981). Sociologia das relações internacionais. Brasília, DF: Editora da Universidade de Brasília.

Mesquita, L. (2013). Para além do Estado: A agência no Mercosul social e participativo. Conjuntura Internacional, 10(1), 40-50. http://periodicos.pucminas.br/index.php/conjuntura/article/view/5260

Milani, C. R., & Meirelles Ribeiro, M. C. (2011) International relations and the paradiplomacy of Brazilian cities: Crafting the concept of local international management BAR. Brazilian Administration Review, 8(1), 21-36. https://doi.org/10.1590/S1807-76922011000100003

Minayo, M. C. S., & Sanches, O. (1993). Quantitativo-qualitativo: Oposição ou Complementaridade? Caderno de Saúde Pública, 9(3), 239-262. https://www.scielo.br/j/csp/a/Bgpmz7T7cNv8K9Hg4J9fJDb/?format=pdf〈=pt

Ministério do Turismo (2019). Plano Nacional de Turismo 2013 – 2016. http://www.turismo.gov.br/images/pdf/plano_nacional_2013.pdf

Ministério do Turismo (2021). Dados e fatos. Anuário Estatístico do turismo de 2020, ano base 2019. V. 47, segunda edição, Brasília, DF. http://www.dadosefatos.turismo.gov.br/2016-02-04-11-53-05.html

Moesch, M. M., & Beni, M. C. (2016). Do discurso da Ciência do Turismo para a Ciência do Turismo. Revista Turismo & Desenvolvimento, (25), 9-30. https://doi.org/10.34624/rtd.v0i25.10857

Moraes, R. (1991). Análise de conteúdo: Limites e possibilidades. In M. E. A. Engers (Org.). Paradigmas e metodologias de pesquisa em educação (pp. 22-37). Porto Alegre: Editora da PUC RS.

Oliveira, M. F., & Luvizotto, C. K. (2011). Cooperação técnica internacional: Aportes teóricos. Revista Brasileira de Política Internacional, 54(2), 5-21. https://doi.org/10.1590/S0034-73292011000200001

Organização para Cooperação e Desenvolvimento (2021). Relatório de cooperação e desenvolvimento. https://www.oecd-ilibrary.org/sites/ce08832f-en/index.html?itemId=/content/publication/ce08832f-en

Organização Mundial do Turismo (2019). International Tourism Highlights. https://www.e-unwto.org/doi/pdf/10.18111/9789284421152

Ordeix-Rigo, E., & Duarte, J. (2009). From public diplomacy to corporate diplomacy: increasing corporation’s legitimacy and influence. American Behavioral Scientist. https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/0002764209347630

Pereira, A. E., Telechi, A. V., & Rios, D. V. (2020). A participação da sociedade civil organizada no Mercosul: uma análise do subgrupo de trabalho No 10 (1995-2019). In 12o Encontro da ABCP, João Pessoa, PB. https://cienciapolitica.org.br/web/system/files/documentos/eventos/2021/01/participacao-sociedade-civil-organizada-mercosul-analise.pdf

Perles Ribes, J. F., & Ramón-Rodriguez, A. B. (2017). Instrumentos turísticos de cooperación público-privada en tiempos de crisis: motor de competitividad o especie amenazada? Cuadernos de Turismo, (39), 481-494. http://dx.doi.org/10.6018/turismo.39.290661

Prado, D. F. M. (2018). A atuação internacional dos governos subnacionais: construções conceituais, limites e contribuições para o caso brasileiro. Revista Carta Internacional, 13(3), 137-168. https://doi.org/10.21530/ci.v13n3.2018.846

Programa das Nações Unidas Para o Desenvolvimento (2021). Objetivos do desenvolvimento sustentável. https://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/sustainable-development-goals.html

Putnam, R. D. (2002). Comunidade e democracia: A experiência da Itália moderna. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Schlüter, R. (2003). Metodologia de pesquisa em turismo e hotelaria. São Paulo: Aleph.

Smouts, M. C. (2004). As novas relações internacionais: Práticas e teorias. Brasília, DF: Editora da Universidade de Brasília.

Soares, M. S. A., Souza, R., Hennemann V. B., & García, U. (2005). Concentração, internacionalização e convergência tecnológica: obstáculos à integração cultural no Mercosul. Cena Internacional, 7(2), 93-107. https://docplayer.com.br/17760919-Concentracao-internacionalizacao-e-convergencia-tecnologica-obstaculos-a-integracao-cultural-no-mercosul.html

Srour, H. R. (2005). Poder, cultura e ética nas organizações. Rio de Janeiro: Campos.

Sousa, E. N; & Tomazzoni, E. L. (2017). El análisis de contenido en las investigaciones turísticas en Brasil: ¿Qué muestran las revistas brasileñas de turismo? Estudios y Perspectivas en Turismo, 26(1), 42-61. http://www.scielo.org.ar/pdf/eypt/v26n1/v26n1a03.pdf

Telechi, A. V., & Novelli, D. H. (2021). Um conto de duas cidades: Uma revisão bibliométrica dos 30 anos de pesquisa acadêmica sobre o Mercosul. Revista Conjuntura Global, 10(especial), 91-118. http://dx.doi.org/10.5380/cg.v10i3.83443

Ullrich, D. R., & Carrion, R. M. M. (2013). Em análise a cooperação Sul-Sul: ruptura ideológica ou reprodução? Política & Sociedade, 12(25), 65-84. https://doi.org/10.5007/2175-7984.2013v12n25p65

Vaz, A. C. (2002). Cooperação, integração e processo negociador: A construção do Mercosul. Brasília, DF: Instituto Brasileiro de Relações Internacionais.

Veal, A. (2017). Research methods for leisure and tourism. London, UK: Pearson Education.

Vital, G. C. (2016). A institucionalização das relações internacionais subnacionais: Um estudo comparado das cidades e São Paulo e Toronto [Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo], São Paulo.

World Tourism Organization (2019). International tourism highlights. Ministério do Turismo. http://www.dadosefatos.turismo.gov.br/estat%C3%ADsticas-e-indicadores/estat%C3%ADsticas-e-indicadores-turismo-mundial.html

Weiland, C., & Lago, C. M. (2021). Falta de coerência na resposta ao Coronavírus entre o Mercosul, seus Estados-membros e a OMS. Revista Conjuntura Global, 10(especial), 52-72. http://dx.doi.org/10.5380/cg.v10i3.81887

Yin, R. K. (2016). Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Artmed.




DOI: https://doi.org/10.5585/podium.v11i2.20126

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review

e-ISSN: 2316-932X
www.podiumreview.org.br

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional