Estudo da fadiga muscular pela eletromiografia e força muscular, após dois protocolos de estimulação elétrica funcional

Soraia Micaela Silva, João Carlos Ferrari Corrêa, Tatiane Soares Amaral, Henrique Ângelo Nunes Pereira, Jéssica Cândido Jerônimo, Luciana Maria Malosá Sampaio, Fernanda Ishida Corrêa

Resumo


Introdução: São necessários treino e parâmetros específicos a fim de evitar a fadiga no treinamento com estimulação elétrica funcional. Objetivo: Verificou-se o aparecimento da fadiga muscular em pacientes, pós AVE, para melhor compreender um parâmetro de estimulação elétrica, a frequência. Métodos: Analisou-se o comportamento da fadiga muscular usando-se a frequência mediana e avaliou-se a contração voluntária máxima isométrica do músculo bíceps braquial hemiparético de 18 indivíduos, em sete momentos. Utilizou-se uma corrente quadrada e bifásica, com t”on” de 10 s., e t”off” de 30 s., e frequência variável de 50 Hz (protocolo 1) e 2.000Hz (protocolo 2). Resultados: Foi observado que não houve diferença estatisticamente significante (p<0,05) entre os protocolos 1 e 2; não sendo registrada diferença no período imediatamente pós-terapia. Conclusões: Pelas ferramentas de mensuração utilizadas, eletromiografia e força muscular, não foi possível detectar o aparecimento da fadiga muscular com os dois protocolos de estimulação elétrica funcional utilizados.

Palavras-chave


Ácido láctico; AVE; Estimulação elétrica; Fadiga muscular.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/conssaude.v9i2.441

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2010 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN: 1677-1028
e-ISSN: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Conscientiae Saúde ©2020 Todos os direitos reservados.