Tipos de Inovação em Micro e Pequenas Empresas Vencedoras do Prêmio Nacional de Inovação

Reyza Reis Lira Valois, Silvio Luiz de Paula, Celio Andrade de Santana Junior, Claudinete de Fátima Silva Oliveira Santos

Resumo


O objetivo geral desse trabalho é analisar os aspectos inovativos das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) ganhadoras da edição 2018/2019 do Prêmio Nacional de Inovação (PNI). Como arcabouço teórico, foram utilizados conceitos de empreendedorismo, inovação e políticas públicas de apoio à inovação.  O estudo foi de natureza qualitativa, utilizando estudo de múltiplos casos, para tanto, foram pesquisadas as quatro empresas ganhadoras do prêmio na categoria micro empresa, realizando-se para a coleta de dados entrevistas semiestruturadas com os sócios das empresas, pesquisa documental e aplicação de questionário. Na análise dos dados utilizou-se a triangulação dos dados e a técnica de análise de conteúdo. Dentre os resultados, os sócios apresentaram papel relevante na condução das ações e direcionamento do tipo de inovação adotada, as organizações demonstraram uma cultura forte de inovação. Confirmou-se ainda a importância das políticas públicas de apoio a inovação nas MPEs.


Palavras-chave


Inovação; PNI; MPEs; Políticas Públicas.

Texto completo:

PDF

Referências


Bardin, L. (1977). L’Analyse de contenu. Editora: Presses Universitaires de France.

Battine, O., & Costa, L. C. da. (2007). Estado e políticas públicas: contexto sócio-histórico e assistência social. In: Battini, O. (org.). SUAS: Sistema Único de Assistência Social em debate. São Paulo: Veras; Curitiba, PR: CIPEC.

Brasil. (2006). Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006. O Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. Brasília, DF, 2006. Recuperado em 10 maio, 2020, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/lcp123.htm

Brasil. (2004). Lei nº 10.973/2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Brasília (DF): Congresso Nacional.

Britto, F., & Wever, L. (2002). Empreendedores Brasileiros. São Paulo: Negócio Editora.

Carvalho, M. M. (2009). Inovação: Estratégias e Comunidades de Conhecimento. São Paulo: Atlas. 176.

Casa Civil. (2018). Avaliação de políticas públicas: guia prático de análise ex post. Volume 2. Recuperado em 01 junho, 2019, de http://www.casacivil.gov.br/central-de-conteudos/downloads/guiaexpost.pdf

Confederação Nacional da Indústria. (2005). Políticas públicas de inovação no Brasil: a agenda da indústria. Confederação Nacional da Indústria. Brasília.

Confederação Nacional da Indústria. (2019). Prêmio Nacional de Inovação, edição 2018/2019. Confederação Nacional da Indústria, Serviço Social da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Brasília.

Coral, E., Ogliare, A., & Abreu, A. F. (2011). Gestão Integrada da Inovação: estratégia, organização e desenvolvimento de produtos (1 ed.). São Paulo: Atlas.

Dornellas, J. C. A. (2005). Empreendedorismo: Transformando ideias em negócios (2a ed.). Rio de Janeiro: Elsevier.

Etzkowitz, H., & Leydesdorff, L. (1996). A triple helix of academic-industry government relations: Development models beyond 'capitalism versus socialism. Current Science, (Vol. 70, n. 8, pp. 690-693).

Figueiredo, P. N. (2013). Gestão da inovação: conceitos, métricas e experiências de empresas no Brasil. Rio de Janeiro: LTC.

Fonseca, R. C. (2007). Como Elaborar Projeto de Pesquisa e Monografias. Curitiba: Imprensa Oficial.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Gonçalves, M. F. R. (2005). Manual do Prefeito - O Município e o Desenvolvimento Local Sustentável (Cap. 2, 12a. ed., pp. 123-200). Rio de Janeiro: IBAM.

Harvard Business Essentials. (2003). Managing creativity and innovation. Harvard Business School Press. Boston: Massachusets.

Henrekson, M., & Stenkula, M. (2009). Entrepreneurship and public policy, IFN Working Paper n. 804.

Kim, D., Kumar, V., & Kumar, U. (2012). Relationship between quality management practices and innovation. Journal of Operations Management (Vol. 30, pp. 295-315).

Koeller, P. (2007). O papel do estado e a política de inovação. Rede Sist., Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Kon, A. (2015). Nova economia política dos serviços. São Paulo: CNPq.

Lastres, H. M. M., Arroio, A. & Lemos, C. (2003). Políticas de apoio a pequenas empresas: do leito de Procusto à promoção de sistemas produtivos locais. In: LASTRES, Helena Maria Martins; CASSIOLATO, José Eduardo; MACIEL, Maria Lucia Pequena Empresa: cooperação e desenvolvimento local. Rio de Janeiro: Relume Damará.

Laswell, H. D. (1936). Politics: Who Gets What, When, How. Cleveland: Meridian Books.

Mancebo, D., Maués, O., & Chaves, V. L. J. (2006). Crise e reforma do Estado e da Universidade Brasileira: implicações para o trabalho docente. Crisis and reform of Brazilian State and University: implications. Educar em Revista, n. 28, (pp. 37-53).

Observatório da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa. (2015). Histórico da Lei Geral. Recuperado em 05 maio, 2020, de http://www.leigeral.com.br/.

Oliveira, M. M. (2007). Como fazer pesquisa qualitativa. Petrópolis: Vozes.

Organisation for economic co-operation and development. (2018). Oslo manual 2018: Guidelines for colleting, reporting and using data on innovation (4nd ed.). The measurement of Scientif, tecnological and Innovation Activities. OECD. Recuperado em 10 junho, 2019, de https://read.oecd-ilibrary.org/science-and-technology/oslo-manual-2018_9789264304604-en#page1

Organização para cooperação e desenvolvimento econômico. (2005). Manual de oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação (3a ed.). Brasília: FINEP.

Prodanov, C. C., & Freitas, E. C. (2013). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico (2a. ed.). Novo Hamburgo: Evale.

Puay, S. H., Tan, K. C., Xie, M., & Goh, T. N. (1998). A comparative study of nine national quality awards. The TQM magazine, west yorkshire (Vol. 10, n. 1, pp. 30-39).

Richardson, R. J. et al. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Rodrigues, M. M. A. (2011). Políticas Públicas. São Paulo: Publifolha.

Rogers, E., & Schoemaker, F. (1971). Communication of Innovations: A Cross Cultural Approach. Free Press.

Scherer, F. O., & Carlomagno, M. S. (2009). Gestão da Inovação na prática: como aplicar conceitos e ferramentas para alavancar a Inovação. São Paulo: Atlas.

Schumpeter, J. A. (1982). Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural.

Schumpeter, J. A. (1984). A teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e ciclo econômico. São Paulo: Nova Cultural.

Schumpeter, J. A., & Nichol, A. J. (1934). "Robinson's Economics of Imperfect Competition". Journal of Political Economy 42, n. 2, Apr. 249-259.

Scheneider, V. (2005). Redes de políticas públicas e a condução de sociedades complexas. Civitas – Revista de Ciências Sociais, (Vol. 5, n. 1, pp. 29-57).

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. (2008). Políticas Públicas: conceitos e práticas. Série Políticas Públicas. Belo Horizonte: Sebrae/MG, v. 7. Recuperado em 06 junho, 2020, de http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/E0008A0F54CD3D43832575A80057019E/$File/NT00040D52.pdf

Silva, L. A., & Mercês, N. N. (2018). Estudo de casos múltiplos aplicado na pesquisa de enfermagem: relato de experiência. Revista Brasileira de Enfermagem, Paraná.

Souza, C. (2006). Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias (Ano 8, n. 16, pp. 20-45). Porto Alegre.

Tavares, D. (2007). Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas já está em vigor - Lei Geral: Começa um novo ciclo de desenvolvimento para os pequenos negócios. Revista SEBRAE (Vol. 20, pp. 20-39).

Tidd, J., & Bessant, J (2015). Gestão da inovação. 5 ed. Porto Alegre: Bookman.

Tigre, P. B. (1998). Inovação e teorias da firma em 3 paradigmas. Revista de Economia Contemporânea (Vol. 2, n. 1, pp. 67-111).

Tigre, P. B. (2006). Gestão da Inovação: a economia da tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier.

Utterback, J. M., & Abernathy, W. J. (1975). A Dynamic Model of Process and Product Innovation. OMEGA (Vol. 3, n. 6, pp. 639-656).

Vaitsman, J., Ribeiro, J. M., & Lobato, L. (2013). Policy analysis in Brazil. Bristol: University of Bristol.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman. 212 p.

Zairi, M. (1995). Moving from continuous to discontinuous innovation in FMCG: a re-engineering perspective. World Class Design to Manufacture (Vol. 2, n, 5, pp. 32-37).

Zanella, L. C. H. (2011). Metodologia da pesquisa. (2a. ed.). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina.




DOI: https://doi.org/10.5585/exactaep.2021.17814

Direitos autorais 2021 Exacta

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Tempo médio entre a submissão e primeira resposta de avaliação: 120 dias

Exacta – Engenharia de Produção

e-ISSN: 1983-9308
ISSN: 1678-5428
www.revistaexacta.org.br

Exacta  ©2022 Todos os direitos reservados.

Este obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional