Projetos industriais emergenciais: um estudo de caso sobre os impactos gerados no gerenciamento do escopo, tempo e custo

Fabrícia Mara Gomes, Leandro César Mol Barbosa, Robert Cruzoaldo Maria, Joel Donizete Martins

Resumo


Projetos industriais realizados em contextos emergenciais estão sujeitos a particularidades que dificultam seu gerenciamento, como um ambiente de pressão sobre os prazos, risco iminente à segurança e a falta de informações precisas. Este artigo tem como objetivo analisar a influência das condições de execução destes projetos no gerenciamento do escopo, prazo e custo. Para isso, foi realizado um estudo de caso em um projeto de uma empresa do setor de mineração, afetada pelo rompimento de uma barragem. Como resultado foi possível constatar impactos relevantes sobre a estratégia adotada englobando a mudança do ciclo de vida do projeto e suas consequências como retrabalho, baixa precisão sobre custos e esforços constantemente elevados. Também foi observado o afrouxamento das restrições de escopo e custos, os quais deixam de ser foco do gerenciamento em função dos prazos, bem como a definição interativa do escopo ao longo da execução, prazos instáveis e diminuição da burocracia.


Palavras-chave


Gestão de Projetos; Gestão de Crise; Obras Emergenciais

Texto completo:

PDF

Referências


Abyad, A. (2018). Project management, motivation theories and process management. Middle East Journal of Business, 13(4), 18-22. doi: 10.5742/MEJB.2018.93502

Alexander, D. (2002). Principles of Emergency Planning and Management. Harpenden: Terra Publishing.

Aljuhmani, H. Y., & Emeagwali, O. L. (2017). The roles of strategic planning in organizational crisis management: The case of Jordanian banking sector. International Review of Management and Marketing, 7(3), 50-60.

Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Conforto, E. C., & Amaral, D. C. (2016). Agile project management and stage-gate model. A hybrid framework for technology-based companies. Journal of Engineering and Technology Management, 40, 1-14. doi: https://doi.org/10.1016/j.jengtecman.2016.02.003

Conforto, E.C., Rebentisch, E., & Amaral, D. (2014). Project Management Agility

Global Survey. Massachusetts: Cambridge, MIT - Consortium for Engineering

Program Excellence – CEPE. Recuperado a partir de: http://34.201.211.163/bitstream/handle/1721.1/88105/PM-Agility-Global-Survey-PMI-Executive-Report-v10.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Forni, J.J. (2019). Gestão de crises e comunicação. (3ª ed.). São Paulo: Atlas.

Gil, A. C. (2007). Como elaborar projetos de pesquisa. (4. ed.). São Paulo: Atlas.

Instrução Normativa N° 2 (2016, 20 dezembro). Estabelece procedimentos e critérios para a decretação de situação de emergência ou estado de calamidade pública pelos Municípios, Estados e pelo Distrito Federal, e para o reconhecimento federal das situações de anormalidade decretadas pelos entes federativos e dá outras providências. Diário Oficial da União.

Keeling, R.; Branco, R.H.F. (2014). Gestão de projetos: Uma abordagem global. (3ª ed.). São Paulo: Saraiva.

Kerzner, H. R. (2015). Project management: a systems approach to planning, scheduling, and controlling. (11ª ed.). New Jersey: John Wiley & Sons.

Lopes, I.T.P. (2017). Gestão de riscos de desastres: integrando os riscos de acidentes industriais à gestão territorial. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPE - Programa de Pós-Graduação em Planejamento Energético. Rio de Janeiro.

Manzini, E. J. (1990). A entrevista na pesquisa social. São Paulo: Didática.

Manesh. A. K. (2017). Handbook of Disaster and Emergency Management. Gothenburg: Kompendiet (Sweden)

Mattos, A. D. (2019). Planejamento e controle de obras. (2a ed.). São Paulo: Pini.

Oliveira, E., Tereso, A. P., & Santos, C. (2019, abril). Application of a risk management methodology in industrial projects: a case study in the metalworking sector. In. Anais, Education Excellence and Innovation Management through Vision 2020. (pp. 5647-5662). Repositorium Universidad Minho.

Pollack, J., Helm, J., & Adler, D. (2018). What is the Iron Triangle, and how has it changed?. International journal of managing projects in business. 11(2), 527-547. doi: 10.1108/IJMPB-09-2017-0107

Project Management Institute. (2017). A guide to the Project management body of knowledge (pmbok guide). Newtown Square, PA: Project Management Institute.

Raza, S. A., & Shah, T. Z. (2012). Work environment and its impact on triple constraint of project management. Information Management and Business Review, 4(10), 545-552.

Špundak, M. (2014). Mixed agile/traditional project management methodology – reality or illusion?. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 119, 939-948. doi: 10.1016/j.sbspro.2014.03.105

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Vargas, R. V. (2018). Manual Prático de Planos de Projetos. (6a ed.). Rio de Janeiro: Brasport.

Whitney, K.M., & Daniels, C.B. (2013). The Root Cause of Failure in Complex IT Projects: Complexity Itself. Procedia Computer Science, 20, 325-330. doi: https://doi.org/10.1016/j.procs.2013.09.280




DOI: https://doi.org/10.5585/exactaep.2022.20867

Direitos autorais 2022 Exacta

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Tempo médio entre a submissão e primeira resposta de avaliação: 120 dias

Exacta – Engenharia de Produção

e-ISSN: 1983-9308
ISSN: 1678-5428
www.revistaexacta.org.br

Exacta  ©2022 Todos os direitos reservados.

Este obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional