A praia como lugar de memória e formação de sociabilidades

Marcelo Ribeiro Tavares, Lilian Fessler Vaz, Madalena Cunha Matos

Resumo


Introdução: Esporte e espaço urbano formam um binômio singular. A cidade como lugar privilegiado de práticas sociais possui no esporte um uso importante para a produção de memórias e para o fortalecimento de sociabilidades.

Metodologia: Inclui revisão de literatura e pesquisa de campo para observação dos eventos, além da aplicação de questionários via ambiente virtual com jogadores amadores e frequentadores da praia.

Resultados e discussão: Destaca-se a praia como lugar de diferenciação e conflito, que institui códigos, normas e usos segregados; a praia como lugar de mediações de conflitos advindos da intensidade de usos que são requeridos para esse espaço e a praia como lugar de disputa por espaço, desde atividades de trabalho às atividades de esportes e lazer. Frequentar a praia é um exercício intenso de socialização. 

Contribuições teórico-metodológicas: Destacar a pesquisa de literatura e de campo como suporte para ações de investigação que tenham a paisagem, a memória e o esporte como temas fundamentais para se pensar o espaço urbano, sobretudo, em lugares onde há uso de lazer ao longo do tempo.

Conclusões: Verifica-se que a praia é um lugar onde conflitos e disputas por espaço se dão de forma intensa, mas a sociabilidade que se forma em torno de um ambiente tão agradável e voltado para atividades lúdicas e de lazer torna-se também uma marca da identidade carioca. Copacabana é uma referência mundial para a prática do vôlei, sede de campeonatos internacionais e das Olimpíadas de 2016. Assim, a orla é um espaço público importante como lugar de lazer e sociabilidade em meio urbano.


Palavras-chave


Vôlei; Sociabilidade; Memória; Praia; Copacabana.

Texto completo:

PDF (English) PDF

Referências


Barickman, B. J. (2016). Medindo maiôs e correndo atrás de homens sem camisa: a polícia e as praias cariocas, 1920-1950. Recorde: Revista de História do Esporte, 9 (1), 1 - 66.

Campos, F. (2010). Das casas de banho ao Copacabana Palace – Balneário da Cidade Maravilhosa. Revista do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, 4, 169 – 175.

Cantanhede, A. (2005). Multidão e solidão na orla de Copacabana. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Corbin, A. (1989). O território do vazio: a praia e o imaginário ocidental. São Paulo: Companhia das Letras.

Donadio, P. (2011). “Foot-ball” na areia e banhos de sol no Rio de Janeiro (1917-1940). Recorde: Revista de História do Esporte, 4 (1), 1 – 20.

Elias, N. & Dunning, E. (1992). A busca da excitação. Lisboa: Difel.

Farias, P. (2016). Um “Choque de Ordens”: uma análise sobre o controle do espaço público na orla carioca. Brasiliana: Journal for Brazilian Studies, 4 (2), 163 – 190.

Kallmann, D. & Silva, F. (2013). Faixa de areia. Filme, 94 min. Canal “misterjohnfortal”. Recuperado em 03 de abril de 2020, de https://www.youtube.com/watch?v=0ao2bIOtQwk.

Lobato, M. (2012). Envelhecer no “paraíso da terceira idade”: percepções dos moradores idosos sobre Copacabana. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Nações Unidas no Brasil. Rio de Janeiro é a 1ª paisagem cultural urbana declarada Patrimônio Mundial da UNESCO. Recuperado em 04 de julho de 2017, de https://nacoesunidas.org/rio-de-janeiro-e-1a-paisagem-cultural-urbana-declarada-patrimonio-mundial-da-unesco/.

Pinheiro, A., Pessoa, I. & Pinheiro, E. (2009). Praia de Copacabana: um ícone carioca. Revista do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, 3, 57 – 76.

Reginensi, C., & Pereira, M. (2013). Cotidiano e partilha do sensível na praia de Copacabana. In: Gomes, M., Maia, R., Cardoso, I. & França, B. (Org). Renovação urbana, mercantilização da cidade, desigualdades socioespaciais (139 - 156). Rio de Janeiro: Mauad.

Santos, N. (2013). Conflitos sobre os usos do espaço urbano na cidade do Rio de Janeiro: a operação “Choque de Ordem”. Teoria e Cultura, 8 (1), 85 – 92.

Tavares, M. (2020). Copacabana: as territorialidades do vôlei e suas múltiplas interpretações. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Tavares, M., Vaz, L., & Matos, M. (2020). Sports and public space: volleyball practice in Copacabana and Carcavelos/ Cascais Beaches. Journal of Civil Engineering and Architecture, 14 (2), 92 – 99.




DOI: https://doi.org/10.5585/geas.v10i1.19543

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade

Journal of Environmental Management & Sustainability

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade ©2021 Todos os direitos reservados.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional