Reconhecimento como igualdade e diferença na construção das identidades negras

Gabriela Felden Scheuermann, Noli Bernardo Hahn

Resumo


Este artigo tem como tema a construção das identidades negras com base na teoria de Charles Taylor e dos conceitos de igualdade e diferença. A questão que guia a pesquisa é esta: como as ideologias racistas, difundidas por meio de falas e imagens depreciativas, atingem a construção das identidades negras? A tese que se argumenta é a de que a ausência de representatividade e a presença de estereótipos e marcadores sociais influenciam negativamente na construção das identidades negras. O objetivo consiste, portanto, em analisar o quanto as ideologias racistas influenciam na construção de identidades negras. Usa-se predominantemente a abordagem epistêmica analítica e o modo de raciocínio dedutivo, sendo que procedimentalmente a pesquisa é bibliográfica. Como perspectiva de superação do racismo, aponta-se a necessidade de abrir caminhos para que as identidades negras sejam reconhecidas e vistas como iguais e diferentes, ao invés de diferentes e desiguais.


Palavras-chave


reconhecimento; identidade negra; igualdade/diferença

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, Wlamyra R. de; FRAGA FILHO, Walter. Uma história do negro no Brasil. Salvador: Centro de Estudos Afro-Orientais; Brasília: Fundação Cultural Palmares, 2006.

BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; GIANFRANCO, Pasquino. Dicionário de Política. 11.ed., Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1998. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2019.

DAMATTA, Roberto. O que faz do brasil, Brasil? São Paulo: Rocco, 1986.

DOGLAS, César Lucas; SCHNEIDER, Bruna Dallepiane. Multiculturalismo: identidades em busca de reconhecimento. Direito em Debate, n. 31, jan-jun. 2009. Disponível em: https://www.revistas.unijui.edu.br/index.php/revistadireitoemdebate/article/viewFile/640/362. Acesso em: 20 jun. 2019.

GUIMARÃES, Antônio Sérgio Alfredo. Racismo e anti-racismo no Brasil. São Paulo: Editora 34, 1999.

GUIMARÃES, Antônio Sérgio Alfredo. Classes, raças e democracia. São Paulo: Fundação de Apoio a Universidade de São Paulo: Editora 34, 2002.

GUIMARÃES, Antônio Sérgio Alfredo. Raça, cor e outros conceitos analíticos. In:

SANSONE, Lívio; PINHO, Osmundo Araújo (Orgs.). Raça: novas perspectivas antropológicas. 2. ed., Salvador: Associação Brasileira de Antropologia: EDUFBA, 2008. Disponível em: . Acesso em: 11 jun., 2019.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis: Vozes, 1999.

MUNANGA, Kabengele. Política de Ação Afirmativa em benefício da população negra no Brasil: um ponto de vista em defesa das cotas. In: Silva, P. B. G., Silvério, V.R. (orgs.). Educação e Ações Afirmativas: entre a injustiça simbólica e a injustiça econômica. Brasília: INEP/MEC, 2002.

MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. Palestra proferida no 3º Seminário Nacional Relações e Educação –

PENESB-RJ, 2003. Disponível em: . Acesso em: 09 abr. 2020.

NOGUEIRA, Oracy. Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem: sugestões de um quadro de referência para a interpretação do material sobre relações raciais no Brasil. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 19, n.1. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ts/article/download/12545/14322. Acesso em: 09 abr. 2020.

PEREIRA, Amilcar. O mundo negro: a constituição do movimento negro contemporâneo no Brasil (1970-1995). Tese do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense. Rio de Janeiro: 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2020.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Colección Sur Sur, CLASCO, 2005. Disponível em: . Acesso em: 09 abr. 2020.

RISÉRIO, Antônio. A utopia brasileira e os movimentos negros. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2012.

RODRIGUES, Nina. Méstissage, dégénérescence et crime. Hist. Cienc. Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v.15, n.4. Dezembro, 2008. Disponível em: . Acesso em 16 jun. 2020.

SANTOS, André Leonardo Copetti; LUCAS Doglas Cesar. A (in)diferença no Direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2015.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Nem preto nem branco, muito pelo contrário: cor e raça na sociabilidade brasileira. São Paulo: Claro Enigma, 2012.

SCHWARCZ. Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil – 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SCHWARCZ, Lilia Moritz; STARLING, Heloísa Murgel. Brasil: Uma biografia. São Paulo: Companhia de Letras, 2015.

SOUZA, Jesse. A invisibilidade da desigualdade brasileira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

TAYLOR, Charles. Multiculturalismo. Lisboa: Instituto Piaget, 1998.

TAYLOR, Charles. Argumentos Filosóficos. Tradução de Adail Ubirajara Sobral. 2.ed. São Paulo: Loyola, 2014.

WALSH, Catherine. Raza, mestizaje y poder: horizontes coloniales pasados y presentes. CRÍTICA Y EMANCIPACIÓN, jun., 2010. Disponível em: . Acesso em: 5 abr. 2020.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.); HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 15.ed. Petrópolis: Vozes, 2014.




DOI: https://doi.org/10.5585/rtj.v10i1.17824

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Thesis Juris

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista Thesis Juris

e-ISSN: 2317-3580
http://revistartj.org.br

Revista Thesis Juris ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional