Relação universidade-empresa: perfil dos contratos de tecnologia e sua distribuição regional segundo dados do FORMICT

Mayara Maria de Jesus Almeida, Mauro Catharino Vieira da Luz, Rogério Hermida Quintella

Resumo


O artigo avalia e discute a transferência tecnológica a partir dos contratos declarados pelas Instituições Científicas e Tecnológicas (ICTs) brasileiras. Para tanto utilizou-se como fonte de dados o Formulário para Informações sobre a Política de Propriedade Intelectual das Instituições Científicas, Tecnológicas e de Inovação do Brasil (FORMICT) de 2017; indicadores do Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq, as bases patentárias do INPI; e da Pesquisa de Inovação Tecnológica (PINTEC)/IBGE. Os resultados apontam que pouco mais de 50% dos contratos declarados pelas ICTs no FORMICT se referem efetivamente à TT; entre eles, o número de contratos de licenciamento de direito de propriedade intelectual (DPI) foi o mais expressivo em quantidade, mas não em volume de recursos. Constatou-se também que aproximadamente 90% da negociação desses recursos está concentrada nas regiões Sul e Sudeste.  Finalmente, que a relação entre os gastos e resultados com DPI mostra-se mais eficiente nas ICTs privadas.


Palavras-chave


Contratos; Transferência de tecnologia; Instituições científicas e tecnológicas.

Texto completo:

PDF

Referências


AMESSE, F. & COHENDET, P. (2001). Techonoly transfer revisited from the perspective of the knowledge-based economy. Research Policy. V.30. 1459-1478. Disponível em: https://doi.org/10.1016/S0048-7333(01)00162-7. Acesso em 20 jan. 2016.

BARBOSA, D. B. (2003). Uma introdução à propriedade intelectual. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

CALDERAN, L. L. & GUILHERME, L.O. (2013). A inovação e a interação Universidade-Empresa: uma revisão teórica. Série Textos para a discussão CEAG/UnB. Centro de Estudos avançados de Governo e de Administração Pública – CEAG. Brasília.

CARVALHO, N. (2014). A gestão da cooperação na integração entre universidade-empresa-governo: fatores facilitadores da tríplice hélice. Anais do Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica. Belo Horizonte. MG, Brasil, 28.

CHESBROUGH, H. W. (2003). Open innovation: the new imperative for creating and profiting from technology. Boston, MA: Havard Business School Press.

CLOSS, L. FERREIRA, G; SAMPAIO & C. PERIN, M. (2012). Intervenientes na Transferência de Tecnologia Universidade-Empresa: o Caso PUCRS., v. 16, n. 1, art. 4, pp. 59-78, Jan./Fev.

CUNICO, E.; CIRANI, C. B. S. & TEIXEIRA, C. E. (2015). A Relação Universidade-Empresa: os entraves nas inter-relações entre agentes do SNI em um projeto de cooperação. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. Belo Horizonte. MG, Brasil, 39.

DALMARCO, G., DEWES, M. F., ZAWISLAK, P. A., & PADULA, A. D. (2011). Universities’ intellectual property: path for innovation or patent competition? Journal of Technology Management & Innovation, 6(3), 159-170. Disponível em: http://dx.doi.org/10.4067/S0718-27242011000300012. Acesso em 10 dez. 2016.

DIAS, A. A., & PORTO, G. S. (2014). Como a USP transfere tecnologia? Organizações & Sociedade, 21(70), 489-508.

ETZKOWITZ, H. & ZHOU, C. (2017). Hélice Tríplice: inovação e empreendedorismo universidade-indústria-governo. Estudos Avançados, v. 31, n. 90, p. 23–48. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s0103-40142017.3190003. Acesso em 10 jan. 2019.

ETZKOWITZ, H, H; LEYDESDORFF, L. (2000). The dynamics of innovation: from national systems and ‘‘mode2’’ to a triple helix of university–industry–government relations. Research Policy, v. 29, p. 109-123. Disponível em: https://doi.org/10.1016/S0048-7333(99)00055-4. Acesso em 10 set. 2013.

FAGUNDES, M. E. M.; CAVALCANTE, L. R.; RAMJACCIOTI, R. E. L. (2005). Desigualdades regionais em ciência e tecnologia no Brasil. Bahia Análise & Dados, v. 14, n. 4, p. 755-768.

FREEMAN, C. (1998). Innovation systems: city-state, national, continental and sub-national. Nota Técnica – Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

FREEMAN,, C. (1995). The “National System of Innovation” in historical perspective. Cambridge Journal of Economics, v.19, p. 5-24.

GARNICA, L. A., & TORKOMIAN, A. L. V. (2009). Gestão de tecnologia em universidades: Uma análise do patenteamento e dos fatores de dificuldades e de apoio à transferência de tecnologia no Estado de São Paulo. Gestão & Produção, 16(4), 624-638.

GIL, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 6.e. São Paulo: Atlas. 175p.

GOMES, M. S. GONÇALO, C. R.; PEREIRA, C. D. & VARGAS, S. L. (2014). A inovação como conexão para o desenvolvimento de parcerias entre universidade-empresa. (2014). Navus - Revista de Gestão e Tecnologia. Florianópolis, SC, v. 4, n. 2, p. 78-91.

IBGE. (2016). Pesquisa de Inovação. Pintec. Rio de Janeiro: IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL (Brasil). Estatísticas. Estatísticas preliminares – a partir de 2013. Disponível em: < http://www.inpi.gov.br/estatisticas/estatisticas-preliminares-2013-a-partir-de-2013>. Acesso em 06 jun. 2018.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL (Brasil). Estatísticas. Estatístico de Propriedade Industrial 2000-2012. Disponível em: < http://www.inpi.gov.br/estatisticas/anuario-estatistico-de-propriedade-industrial-2000-2012>. Acesso em 06 jun. 2018.

Lei n.º 10.973 de 02 de dezembro de 2004. Dispõe sobre Inovação Tecnológica. Congresso Nacional. Atos do Poder Legislativo, DOU, n.º 232 de 03.12.2004. Disponível em:

Lei n.º 9.279 de 14 de maio de 1996. Dispõe sobre Propriedade Intelectual. Congresso Nacional. Disponível em:

LEMOS, D. C. & CARIO, S. A. F. (2015). Os Sistemas Nacional e Regional de Inovação e sua influência na Interação Universidade-Empresa em Santa Catarina. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Belo Horizonte, NG, Brasil, 39.

LIMA, P. R. L.; MUNIZ, M. M. de J.; OLIVEIRA, E. S. M. C. O; CRUZ, R. (2012). Desigualdades Científicas Regionais Entre as Universidades Públicas da Bahia. Anais do Encontro Acadêmico de Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 5.

LUNDVALL, B. (2005). National innovation systems - analytical concept and development tool. Proceedings of the Druid Summer Conference. Copenhagen. Disponível em: . Acesso em 10 ago. 2014.

LUZ, M. C. V. da. (2015). Contratos de tecnologia: perspectiva de análise e questões de pesquisa. Anais do Seminário Internacional de Inovação na Pequena e Média Empresa. João Amato Neto (org.). São Paulo, SP, Brasil, 3. Disponível em: http://pro.poli.usp.br/wp-content/uploads/2015/10/Livro-III-SIIPME.pdf. Acesso em 26 de outubro de 2015.

MCTI. (2017). Política de Propriedade Intelectual das Instituições Científicas e tecnológicas do Brasil. Relatório Formict 2016. Brasília. Disponível em: http: https://www.mctic.gov.br/mctic/export/sites/institucional/tecnologia/propriedade_intelectual/arquivos/Relatorio-Formict-Ano-Base-2016.pdf. Acesso em 20 de outubro de 2018.

MOWERY, D. C. & SAMPAT, B. N. Universities in national innovation systems. In: FAGERBERG, J; MOWERY, D. C; NELSON, R. R. (2010) The Oxford handbook of innovation. Oxford: Oxford. Disponível em:. Acesso em 12 outubro 2013.

NELSON, R. R & NELSON, K. (2002). Technology, institutions, and innovation systems. Research Policy, v. 31, p. 265-272.

NOVELI, M. & SEGATTO, A. P. (2012). Processo de Cooperação Universidade Empresa para a Inovação Tecnológica em um Parque Tecnológico: Evidências Empíricas e Proposição de um Modelo Conceitual. Revista de Administração e Inovação. v. 1 n. 1. p. 81-105.

PERKMANN, M. et al. (2013). Academic engagement and commercialization: A review of the literature on university–industry relations. Research Policy, v. 42, n. 2, p. 423–442.

PERKMANN, M., NEELY, A. & WALSH, K. (2011). How should firms evaluate success in university – industry alliances? A performance measurement system. R&D Management, v. 41, p. 202–216. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.respol.2012.09.007. Acesso em 10 set. 2013.

PUFFAL, D. P; TREZ, J. R & SCHAEFFER, P. R. (2012). Características da interação universidade-empresa no Brasil: motivações e resultados sob a ótica dos envolvidos. Anais do Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica da ANPAD, Salvador, BA, Brasil, 7.

SCHUMPETER, J. A. (1961). Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura. 488p.

SORIA, A. F. & FERREIRA, G. C. (2012). Formas de Transferência de Tecnologia na Interação Universidade-Empresa: O Caso PUCRS. Anais do Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, Salvador, BA, Brasil, 27.

SOUSA, D.; ZAMBALDE, A.; SOUKI, G. & VERONEZE, R. (2018). Marketing Myopia in Brazilian Public Universities: An Empirical Study Involving Academicians. Journal of Technology Management & Innovation, v. 13, n. 3, p. 12–23. Disponível em: http://dx.doi.org/10.4067/S0718-27242018000300012. Acesso em 20 jan. 2019.

UNCTAD. (2014). Transfer of Technology and Knowledge Sharing for Development Science: technology and innovation issues for developing countries. n. 8.

VIANA, L. et al. (2018). Patents Go to The Market? University-Industry Technology Transfer from a Brazilian Perspective. Journal of technology management & innovation, v. 13, n. 3, p. 24–35. Disponível em: https://doi.org/10.4067/S0718-27242018000300024. Acesso em 20 jan. 2019.

ZUCOLLOTO, G. F. (2013). Propriedade Intelectual em debate. Radar: tecnologia, produção e comércio exterior, n. 29, out. Disponível em: < http://ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/radar/131009_radar29_cap1 >. Acesso em 16 de dezembro 2015.




DOI: https://doi.org/10.5585/exactaep.v18n4.13348

Direitos autorais 2020 Exacta

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Tempo médio entre a submissão e primeira resposta de avaliação: 120 dias

Exacta – Engenharia de Produção

e-ISSN: 1983-9308
ISSN: 1678-5428
www.revistaexacta.org.br

Exacta  ©2020 Todos os direitos reservados.