Condicionantes ergonômicos na organização do trabalho docente: uma revisão sistemática da literatura

Ingrid Losekan, Luis Antonio dos Santos Franz, Aline Soares Pereira, Larissa Medianeira Bolzan

Resumo


Cotidianamente os professores realizam diversas atividades extraclasse, pois o tempo é insuficiente em sua jornada formal de trabalho para realização de todas as responsabilidades prescritas, ocorrendo invasão de sua vida privada. O objetivo deste artigo consiste em identificar por meio de uma Revisão Sistemática da Literatura os principais condicionantes ergonômicos impostos aos professores da rede de ensino no que se refere à organização do trabalho. Por meio da revisão sistemática, foi possível identificar que a falta de autonomia e variedade de atividades são os principais desafios existentes na organização do trabalho. O trabalho extraclasse impacta na vida familiar e pessoal dos docentes. Também foi possível identificar os motivos dos docentes ficarem doentes pelo exercício do seu trabalho que estão relacionados, principalmente, à atenção ao público e excesso de responsabilidades. Esses motivos causam especialmente estresse. Foi possível detectar o principal desafio emergente pelo teletrabalho docente que é a intensificação do trabalho. 


Palavras-chave


Organização do trabalho; Profissionais de educação; Professores; Ergonomia.

Texto completo:

PDF

Referências


Akhmetova, D. Z. (2014) Inclusive Approach to the Psycho-Pedagogical Assistance of Distance Learning. International Education Studies, 7(11), 136. https://doi.org/10.5539/ies.v7n11p136

Alves, W. F. (2018) A invisibilidade do trabalho real: o trabalho docente e as contribuições da Ergonomia da atividade. Anais da Reunião Nacional da ANPEd, Florianópolis, Brasil, 37. http://dx.doi.org/10.1590/s1413-24782018230089

Assunção, A. Á., & Oliveira, D. A. (2009) Work intensification and teachers' health. Educação & Sociedade, 30(107), 349-372. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302009000200003

Araújo, T. M., & Carvalho, F. M. (2009) Condições de trabalho docente e saúde na Bahia: estudos epidemiológicos. Educação & Sociedade, 30(107), 427-449. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302009000200007

Barbosa, A., Cunha, R. C. O. B., & Martins, V. (2018) Estado do conhecimento sobre jornada de trabalho docente no ensino fundamental e médio. Periódio Horizones, 36(2), 1-27. https://doi.org/10.24933/horizontes.v37i0.5782

Bayir, S., & Keser, H. (2009) Information and Communication Technologies Coordinator Teachers’ Evaluations of Computer Working Environments in Terms of Ergonomics. Social and Behavior Sciences, 1(1), 335-341. https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2009.01.416

Carvalho, M. V. B. (2011) Prazer e sofrimento no trabalho de professores do ensino fundamental e médio: estudo de caso em uma escola estadual da cidade de Curvelo-MG. Dissertação de Mestrado Programa de Pós-graduação em Administração, Centro Universitário Unihorizontes, Belo Horizonte, Brasil.

Cruz, R. M., Lemos, J. C., Welter, M. M., & Guisso, L. (2010) Saúde docente, condições e carga de trabalho. Revista Electrónica de Investigación y Docência (REID), 4, 147-160. Disponível: http://www.ujaen.es/revista/reid/revista/n4/REID4art8.pdf

Demirel, H., & Erdamar, G, K. (2009) Examining the relationship between job satisfaction and family ties of Turkish primary school teachers. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 1(1), 2211-2217. https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2009.01.389

Duarte, V. V., & Massuda, E. M. (2019) Competências pedagógicas e saúde dos docentes em educação à distância. Anais do XI Encontro Internacional de Produção Científica, Maringá, Brasil, 11.

Silva, C., Zamboni, A., Hernandes, E., Thomazzo, A. D., Belgamo, A., & Fabbri, S. (2010) StArt (State of the Art through Systematic Review). (Versão 2.3.4.2) [Software]. UFSCar, SP, BR: LAPES. Disponível: http://lapes.dc.ufscar.br/tools/start_tool

Faria, G. S. S. (2010) Organização do trabalho do professor: jornada, contrato e conflitos trabalho-família. Tese (Doutorado em Ciências Exatas e da Terra), Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, Brasil.

Faria, G. S. S., & Rachid, A. (2015) Jornada de trabalho dos professores da rede pública de ensino. Rev. FAE, 18(2), 162-177.

Fernandes, M. J. S., & Barbosa, A. (2014) O trabalho docente na rede pública do estado de São Paulo: apontamentos iniciais para a discussão da jornada de trabalho. Práxis Educacional, 10(17), 117-142.

Gama, M. E. R. (2015) Organização e desenvolvimento do trabalho docente: aspectos condicionantes das atividades dos professores em situações de trabalho escolar. Anais da Reunião Nacional da ANPed, Florianópolis, Brasil, 37.

Glyph & Cog. (2008) Software Mendeley. (Versão 1.19.4) [Software]. Disponível: https://www.mendeley.com/download-desktop-new/

IEA - INTERNATIONAL ERGONOMICS ASSOCIATION. (2000) The Discipline of Ergonomics. Disponível: https://iea.cc/.

Jacomini, M. A., Da Cruz, R. E., & De Castro, E. C. (2020) Jornada de trabalho docente na rede pública de educação básica: Parâmetros para discussão. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, 28(32). https://doi.org/10.14507/epaa.28.4862

Jacomini, M. A., Gil, J., & Castro, E. C. de. (2018) Jornada de trabalho docente e o cumprimento da Lei do Piso nas capitais. RBPAE, 34(2), 437-459. https://doi.org/10.21573/vol34n22018.86367

Konrath, M. L. P., Tarouco, L. M. R., & Behar, P. A. (2009) Competências: desafios para alunos, tutores e professores da EaD. Revista Renote – Novas Tecnologias na Educação, 1(1), 1-10. https://doi.org/10.22456/1679-1916.13912

Liberati A., Altman, D. G., Tetzlaff, J., Mulrow, C., Gøtzsche, P. C., Ioannidis, J. P. A., Clarke, M., Devereaux, P. J., Kleijnen, J., & Moher, D. (2009) The PRISMA statement for reporting systematic reviews and meta-analyses of studies that evaluate health care interventions: Explanation and elaboration. PLoS Med 6: e1000100.

Mandernach, B. J., Hudson, S., & Wise, S. (2013) Where has the time gone? Facultyactivities and time commitments in the online classroom. Journal of Educators Online, 10(2), 1-15. https://doi.org/10.1136/bmj.b2700

Microsoft. (1987) Microsoft Excel. (Versão: 16.0) [Software]. Disponível: https://www.microsoft.com/pt-br

Moura, H. M., Bemvenuti, R. H., & Franz, L. A. S. (2020) Produção brasileira em Ergonomia no cenário internacional. Revista Prâksis – Dossiê: Trabalho, Saúde e Inclusão Social, 1(17), 31-56. https://doi.org/10.25112/rpr.v1i0.2042

Nunes, C. M. F. Tempo de trabalho extra- classe. (2010) DICIONÁRIO: trabalho, profissão e condição docente. UFMG, Faculdade de Educação, Belo Horizonte, Brasil.

Oliveira, D. A., Gonçalves, G. B. B., Melo, S. D., Fardin, V., & Mill, D. (2002) Transformações na organização do processo de trabalho docente e suas consequências para os professores. Revista Trabalho & Educação, 11, 51-65.

Oliveira, R. K. de, & Nogueira, M. O. (2019) Pais professores homens e o acompanhamento da vida escolar dos filhos. Cad. Pesqui., 49(174), 182-203. https://doi.org/10.1590/198053146641

Ribeiro, M. D. (2011) Prazer e sofrimento no trabalho: estudo de caso com docentes de uma escola de ensino fundamental pública do estado de Minas Gerais. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Administração, Centro Universitário Unihorizontes, Belo Horizonte, Brasil.

Ribeiro, J. M. C. (2014) A jornada de trabalho dos professores da escola pública em contexto de políticas de valorização docente e qualidade da educação. Tese (Doutorado em Educação), Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS, Brasil.

Silvestre, B. M, & Amaral, S. C. F. (2019) Precários no trabalho e no lazer: um estudo sobre os professores da rede estadual paulista. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação Física, Campinas, Brasil.

Silva, C. M. T., & Azevedo, N. S. N. (2005) O significado das tecnologias de informação para educadores. Revista Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 13(46), 39-54. https://doi.org/10.1590/S0104-40362005000100003

Sagrillo, D. R. (2015) O tempo de trabalho e o tempo "livre" dos professores municipais de Santa Maria/RS. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Brasil.

Sousa, D., Barros, C. (2017) Ser Professor no contexto atual de trabalho: riscos psicossociais e consequências para a saúde e bem-estar. International Journal on Working Conditions, 14, 17-32.

Souza, F. V. P. (2018) Adoecimento mental e o trabalho do professor. Cadernos De Psicologia Social Do Trabalho, 21(2), 103-117. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v21i2p103-117

Silva, M., & Claro, T. (2007) Docência online e a pedagogia da transmissão. Boletim Técnico do Senac: a revista da educação profissional, 33(2), 81-89.

Sampaio, R. F., & Mancini, M. C. (2007) Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Revista Bras Fisioter, 11(1), 83-89. https://doi.org/10.1590/S1413-35552007000100013

Seno, W. P. (2007) Capacitação docente para a educação a distância sob a óptica de competências: um modelo de referências. Tese apresentada a Escola de Engenharia de São Carlos, São Carlos, Brasil.

Thiele, M. E. B., & Alhlert, A. (2007) Condições de trabalho docente: um olhar na perspectiva do acolhimento. Programa de Desenvolvimento Educacional (PDE), Unioeste, Paraná, Brasil. Disponível: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/857-4.pdf

Yildiz, M., & Selim, Y. (2015) A qualitative study on transferring the experience of using technology from formal education to distance education. Turkish Online Journal of Distance Education-TOJD, 16, 125–134. https://doi.org/10.17718/tojde.93452

Zibetti, M. L. T., & Pereira, S. R. (2010) Women and teachers: repercussions of double duty on life conditions and on teaching work. Educação em Revista, 2, 259-276. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40602010000500016




DOI: https://doi.org/10.5585/exactaep.2021.18252

Direitos autorais 2021 Exacta

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Tempo médio entre a submissão e primeira resposta de avaliação: 120 dias

Exacta – Engenharia de Produção

e-ISSN: 1983-9308
ISSN: 1678-5428
www.revistaexacta.org.br

Exacta  ©2022 Todos os direitos reservados.

Este obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional