Práticas de gestão de pessoas na cultura de segurança

Luciano Trentin

Resumo


A gestão de pessoas assumiu um papel estratégico frequentemente utilizado no desenvolvimento de valores organizacionais compartilhados que afetam e influenciam atitudes e comportamentos das pessoas. Neste contexto, o presente artigo tem como objetivo analisar a influência das práticas de gestão de pessoas na cultura de segurança. A coleta de dados foi realizada por meio de uma survey descritiva, aplicada por intermédio da plataforma virtual Google Forms. A amostra foi composta por 204 respondentes de uma empresa do segmento de papel e celulose da região sul do Brasil, sendo coletada por acessibilidade e conveniência. Utilizou-se a análise de regressão múltipla para o tratamento e análise dos dados. Como resultados, evidenciou-se que as hipóteses H2, H3, H4 e H5 confirmaram que as práticas de gestão de pessoas: retenção, desenvolvimento, contrato e ambiente de trabalho influenciam o estabelecimento de uma cultura de segurança na organização. Em contrapartida, a hipótese H1 foi rejeitada, devido a prática de gestão de pessoas captação não ter demonstrado no teste confirmatório interferência na cultura de segurança.


Palavras-chave


Práticas de gestão de pessoas; Cultura de segurança; Gestão de pessoas.

Texto completo:

PDF

Referências


AIEA - Agência Internacional de Energia Atômica. (1991). Safety séries n° 75 – INSAG – 4 – Safety Culture, Vienna: International Atomic Energy Agency.

Alves, J., Chagas, P. C. Z., & Lemos, R. (2010). Processo de demissão e suas implicações: perspectivas dos gestores e dos colaboradores remanescentes em empresas de médio e grande porte de Getúlio Vargas, RS. Publicado nos Anais do 10° Congresso de Stress da ISMA-BR, 12° Fórum Internacional de QVT, 2° Encontro Nacional de Qualidade de Vida na Segurança Pública e no Serviço Público. Vol.5 - n.11 – jul./dez.

Alves, J. L. L. (2014). Comportamento de risco. Revista Proteção, n. 1. Disponível em: http://www.protecao.com.br/edicoes/1/2014/AAjj. Acesso em: novembro de 2020.

Araújo, L. D., & Pessoas, A. G. (2006). Estratégias e integração organizacional. São Paulo: Atlas.

Araújo, R. P., Santos, N., & Mafra, W. J. (2006). Gestão da Segurança e Saúde do trabalho. III SEGeT – Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia. Rio de Janeiro/RJ.

Araújo, G. M. (2005). Avaliação da maturidade de um sistema de gestão: Proposta de um instrumento. Dissertação de Mestrado em Sistema de Gestão, Universidade Federal Fluminense - UFF, Niterói/RJ.

Azevedo, A. B. A., & Souza, S. (2014). Os dilemas da saúde e segurança do trabalho nas Cooperativas. Revista da ABET (Online), v. 12, p. 79. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/abet/article/view/18516/10419

Baylão, A. L. S., & Rocha, A. P. S. (2014). A importância do processo de recrutamento e seleção de pessoal na organização empresarial. In: XI simpósio de excelência em gestão e tecnologia - Seget 2014. Resende. XI SEGET 2014.

Batiz, E. C., dos Santos, A. F., & Licea, O. E. A. (2009). A postura no trabalho dos operadores de checkout de supermercados: uma necessidade constante de análises. Production, 19(1), 190-201. https://doi.org/10.1590/S0103-65132009000100012

Blair, E., & O’Toole, M. (2010). Leading measures: Enhancing safety climate and driving safety performance. Professional Safety, 55(08), 29-34. Disponível em: https://onepetro.org/PS/article-abstract/55/08/29/33263/Leading-Measures-Enhancing-Safety-Climate-and

Bley, J. (2011). Comportamento seguro: a psicologia da segurança no trabalho e a educação para a prevenção de doenças e acidentes. Versão e-book. Disponível em: www.comportamentoseguronotrabalho.blogspot.com. Acesso em: novembro de 2020.

Bohlander, G. W., & Snell, S. A. (2009). Managing Human Resources. South-Western Cengage Learning.

Boog, G. G., & Boog, M. T. (2008) (Coord.) Manual de Treinamento e Desenvolvimento: processo e operações. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Branco, R. (2008). O Movimento da Qualidade em Portugal. Grupo Editorial Vida Económica.

Brunes, L. F., & Dias, S. B. A. (2013). O desenvolvimento profissional e a progressão de carreira – estudo de caso no IPOG. Revista On-Line IPGO / Especialize - Instituto de Pós-graduação e Graduação – IPOG.

Câmara, P. B., Guerra, P. P., & Rodrigues, J. V. (2003). Humanator: recursos humanos e sucesso empresarial. Lisboa: Edições Dom Quixote.

Campbell, G., & Skillings, J. H. (1985). Nonparametric stepwise multiple comparison procedures. Journal of the American Statistical Association, 80(392), 998-1003. https://doi.org/10.1080/01621459.1985.10478216

Camuffo, A., De Stefano, F., & Paolino, C. (2017). Safety reloaded: lean operations and high involvement work practices for sustainable workplaces. Journal of Business Ethics, 143(2), 245-259. https://doi.org/10.1007/s10551-015-2590-8

Carder, B., & Ragan, P. W. (2003). A survey-based system for safety measurement and improvement. Journal of safety research, 34(2), 157-165. https://doi.org/10.1016/S0022-4375(03)00007-0

Castellani, M. (2017). Metacoaching e Gestão Integral. Metacoaching. Disponível em:

Collins, C. J., & Smith, K. G. (2006). Knowledge exchange and combination: the role of human resource practices in the performance of hightechnology firms. Academy of Management Journal 49(3): 544–560. https://doi.org/10.5465/amj.2006.21794671

Cooper, D. (2000). Towards a model of safety culture. Safety Science, 36(2), p.111-136. https://doi.org/10.1016/S0925-7535(00)00035-7

Corrigan, S., Kay, A., Ryan, M., & Ward, M. E. (2018). Brazil, B. Human factors and safety culture: Challenges and opportunities for the port environment. Safety Science, 119, 252-265. https://doi.org/10.1016/j.ssci.2018.03.008

Coutinho, M. L. G., Maximiano, A. C. A., & Limongi-França, A. C. (2010). Implementation of Work Life Quality Programs with The Project Management Model. Revista de Gestão e Projetos, 1(1), 172. http://dx.doi.org/10.5585/GeP.201011

Choudhry, R. M., Fang, D., & Mohamed, S. (2007). The nature of safety culture: A survey of the state-of-the-art. Safety science, 45(10), 993-1012. https://doi.org/10.1016/j.ssci.2006.09.003

Christopher, N. (2019). The effectiveness of HRM policies and practices. International Journal of Social Sciences, 2(1), 24-32. https://doi.org/10.31295/ijss.v2n1.51

Dejours, C. (2012). Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola Dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas.

Delery, J. E., & Roumpi, D. (2017). Strategic human resource management, human capital and competitive advantage: is the field going in circles?. Human Resource Management Journal, 27(1), 1-21. https://doi.org/10.1111/1748-8583.12137

Demo, G., Fogaça, N., & Costa, A. C. (2018). Políticas e práticas de gestão de pessoas nas organizações: cenário da produção nacional de primeira linha e agenda de pesquisa. Cadernos EBAPE. BR, 16(2), 250-263. https://doi.org/10.1590/1679-395159073

Demo, G. (2011). Desenvolvimento e validação da Escala de Percepção de Políticas de Gestão de Pessoas (EPPGP). Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v.9, n.6, p.77-101. https://doi.org/10.1590/S1678-69712008000600005

Dessler, G. (2003). Administração de recursos humanos. Tradução: Cecília Leão Oderich. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2 ed.

Dewettinck, K., & Remue, J. (2011). Contextualizing HRM in comparative research: The role of the Cranet network. Human Resource Management Review, 21(1), 37-49. https://doi.org/10.1016/j.hrmr.2010.09.010

Donate, M. J., Peña, I., & Sanchez de Pablo, J. D. (2016). HRM practices for human and social capital development: effects on innovation capabilities. The International Journal of Human Resource Management, 27(9), 928-953. https://doi.org/10.1080/09585192.2015.1047393

Dutra, J. S. (2008). Gestão de pessoas: modelo, processos, tendências e perspectivas. São Paulo: Atlas.

Fávero, L. P., Belfiore, P., Silva, F. L., & Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier.

Fiuza, G. D. (2008). Desenvolvimento e validação da escala de percepção de políticas de gestão de pessoas (EPPGP). RAM. Revista de Administração Mackenzie, 9(6), 77-101. https://doi.org/10.1590/S1678-69712008000600005

Foroni, P. G. (2014). Gestão estratégica de pessoas: um estudo de caso sobre o alinhamento estratégico. Dissertação de mestrado em Administração, Universidade de São Paulo – USP, São Paulo/SP.

Franco, J. D. O. (2012). Cargos, Salários e Remunerações. Curitiba: IESDE Brasil.

Freitas, E. (2014). A influência da Gestão de Recurso Humanos no desempenho ambiental no setor mecânico brasileiro. Tese de doutorado em Administração, Universidade Nove de Julho – UNINOVE, São Paulo/SP).

Freitas, W. R. S., Jabbour, C. J. C., & Santos, F. C. A. (2011). Continuing the evolution: towards sustainable HRM and sustainable organizations. Business Strategy Series, v. 12, n. 5, p. 226-234. https://doi.org/10.1108/17515631111166861

Garcia, H., & Garcia, D. S. S. (2016). A sentença trabalhista e o novo código de processo civil. In: II Congresso Catarinense de Direito Processual Civil, 2016, Itajaí. Anais do Congresso Catarinense de Direito Processual Civil. Itajaí: Univali, v. 2. p. 96-116. Disponível em: https://periodicos.univali.br/index.php/accdp/article/view/10178

Gonçalves, A. P. (2011). Cultura e gestão de segurança no trabalho em organizações industriais: uma proposta de modelo. Tese de doutorado em engenharia industrial, Universidade Federal da Bahia - UFBA, Salvador/BA.

Hair Jr., J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

Hair Jr., J. F., Wolfinbarger, M., Money, A. H., Samoel, P., & Page, M. J. (2011). Essentials of business research methods. Routledge, 2nd edition, 496p. ISBN-13: 978-0765626318

Helmer, G. W. (2002). Safety culture: sustaining the strategy. Occupational health & safety (Waco, Tex.), 71(12), 14-6. Disponível em: https://www.elibrary.ru/item.asp?id=6282129

Hipólito, J. A. M. (2000). Sistema de recompensas: uma abordagem atual. Editora: Atlas.

INSAG - International Nuclear Safety Advisory Group. (1988). Safety Principles for Nuclear Power Plants. Safety Series No.75-INSAG-3, issued in 1988.

Jabbour, C. J. C., Freitas, W. R. D. S., Teixeira, A. A., & Jabbour, A. B. L. D. S. (2012). Gestão de recursos humanos e desempenho operacional: evidências empíricas. Gestão & Produção, 19(2), 347-360. https://doi.org/10.1590/S0104-530X2012000200009

Jabbour, C. J. C., Santos, F. C. A., & Nagano, M. S. (2009). Análise do relacionamento entre estágios evolutivos da gestão ambiental e dimensões de recursos humanos: estado da arte e survey em empresas brasileiras. Revista de Administração-RAUSP, 44(4), 342-364. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/2234/223417460005.pdf

Júnior, I. L., Morais, F. C. L., & Teixeira, F. S. (2013). Conformidade das rotinas do departamento de pessoal de uma construtora de Coronel Fabriciano em relação à legislação trabalhista e previdenciária. In 1º Congresso Integrado de Contabillidade-Governador Valladares/MG–24 e. (Vol. 25). Disponível em: https://www.ufjf.br/congreconti/files/2013/11/A3.pdf

Khoo, N. K., Hussin, H., & Abdullah, N. (2018). managing occupational safety and health (OSH) culture practices at small and medium (S&M) Malaysia manufacturing sector. Journal of Human Capital Development (JHCD), 11(1), 79-90. Disponível em: https://journal.utem.edu.my/index.php/jhcd/article/view/4251/3123

Kianto, A., Sáenz, J., & Aramburu, N. (2017). Knowledge-based human resource management practices, intellectual capital and innovation. Journal of Business Research, 81, 11-20. https://doi.org/10.1016/j.jbusres.2017.07.018

Kokkaew, N., & Koompai, S. (2012). Current practices of human resource management (HRM) in Thai construction industry: A risk and opportunity perspective. Review of Integrative Business and Economics Research, 1(1), 1. Disponível em: http://sibresearch.org/uploads/3/4/0/9/34097180/riber_riber2012-037_1-14.pdf

Lacombe, F. J. M. (2005). Recursos humanos: princípios e tendências. 1ªed. São Paulo: Saraiva.

Lange, A., & Karawejczyk, T. T. (2014). Coaching no processo de desenvolvimento individual e organizacional. Diálogo, (25), 39-56. http://dx.doi.org/10.18316/1495

Lima, V. F., Souza, C. F. M, & Lima, L. E. M (2018). Gestão da segurança e saúde no trabalho: ações aplicadas para redução do número de acidentes numa indústria de papel. In book: Tópicos em Adminstração — Volume 2 (pp.127-137), Edition: 1, Chapter: 13, Publisher: Editora Poisson.

Limongi-França, A. C. (2008). Práticas de recursos humanos: conceitos, ferramentas e procedimentos. Revista de Administração Contemporânea, 12(2), 583-583. https://doi.org/10.1590/S1415-65552008000200016

Limongi-França, A. C. (1996). Indicadores Empresariais de Qualidade de Vida no Trabalho. Tese de doutorado em administração, Universidade de São Paulo - USP, São Paulo/SP.

Lindfelt, T., Ip, E. J., Gomez, A., & Barnett, M. J. (2018). The impact of work-life balance on intention to stay in academia: Results from a national survey of pharmacy faculty. Research in Social and Administrative Pharmacy, 14(4), pp.387-390. https://doi.org/10.1016/j.sapharm.2017.04.008

Macarenco, I. (2006). Gestão com pessoas-gestão, comunicação e pessoas: comunicação como competência de apoio para a gestão alcançar resultados humanos. Tese de doutorado em ciências da comunicação, Universidade de São Paulo – USP, São Paulo/SP.

Marras, J. P. (2011). Administração de recursos humanos: do operacional ao estratégico. 14. ed. São Paulo: Saraiva.

McClean, E., & Collins, C. J. (2011). High‐commitment HR practices, employee effort, and firm performance: Investigating the effects of HR practices across employee groups within professional services firms. Human Resource Management, 50(3), 341-363. https://doi.org/10.1002/hrm.20429

Migueles, C., Lafraia, J. R., & Costa, G. (2007). Criando o hábito da excelência. Editora: Qualitymark, 168p.

Milkovich, G. T. (2000). Administração de recursos humanos. Editora: Atlas.

Munu, N., Owusu, P. A., Kizza, R., Banadda, N., & Kabenge, I. (2012). Towards accident-free construction sites: The role of human resource management–A review. African Journal of Environmental Economics and Management ISSN, 5(5), 328-340.

Neto, F. F. J., & Cavalcante, J. Q. P. (2004). Manual do Direito do Trabalho. Tomo II, Ed. Lumen Juris, 2ª edição.

Neves, A. (2012). Uso de indicadores chave de desempenho para avaliar sistemas de gestão. Dissertação de mestrado em gestão integrada da qualidade, ambiente e segurança, Instituto Superior de Educação e Ciências – ISEC, Lisboa/PT.

Oliveira, J. C. (2014). Evolução e Maturidade em Segurança e Saúde no Trabalho: a dificultosa transição dos estágios básicos de gestão de SST (primeiro e segundo) para os estágios mais elevados (terceiro e quarto). Belo Horizonte. Disponível em: https://eustaquiodiniz.files.wordpress.com/2014/02/evoluc3a7c3a3o-e-maturidade-em-sst-fevereiro-2014.pdf. Acesso em: novembro de 2020.

Pavlov, A., Mura, M., Franco-Santos, M., & Bourne, M. (2017). Modelling the impact of performance management practices on firm performance: interaction with human resource management practices. Production Planning & Control, 28(5), 431-443. https://doi.org/10.1080/09537287.2017.1302614

Pidgeon, N. F. (1991). Safety culture and risk management in organizations. Journal of cross-cultural psychology, 22(1), 129-140. https://doi.org/10.1177/0022022191221009

Pranee, C. (2010). Quality of work life for sustainable development. International Journal of Organizational Innovation (Online), 2(3), 124. Disponível em: https://ijoi-online.org/attachments/article/22/Microsoft%20Word%20-%20FINAL%20ISSUE%20VOL%202%20NUM%203%20WINTER%202010.pdf#page=124

Reason, J. (2006). Human error. 17.ed. Nova York: Cambridge University Press, 302 p.

Reason, J. (2016). Managing the risks of organizational accidents. Routledge.

Reiman, T., & Rollenhagen, C. (2014). Does the concept of safety culture help or hinder systems thinking in safety? Accident Analysis & Prevention, 68, 5-15. https://doi.org/10.1016/j.aap.2013.10.033

Ribas, A. (2010). Desenvolvimento individual e análise de perfil: as bases para uma alta performance. In: Ser + com T&D: Estratégias e ferramentas de treinamento e desenvolvimento para o mundo corporativo. São Paulo: Ser Mais.

Robbins, S. P. (2004). Fundamentos de Administração: conceitos essenciais e aplicações. 4 ed. Tradução Robert Brian Taylor, Revisão técnica Reinaldo O. da Silva. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Rodrigues, D. A. (2012). Formas de negociação coletiva. Conteúdo Jurídico, Brasília-DF: 16 jun. Disponível em: http://www.conteudojuridico.com.br/?artigos&ver=2.37533&seo=1. Acesso em: novembro de 2020.

Rodrigues, J. C. P. (1996). Como conquistar e manter talentos. Fundação Dom Cabral. Rio de Janeiro: Qualitymark, 54-67.

Rodrigues, R. S. F. (2011). As práticas da segurança e higiene do trabalho nas estruturas residenciais para idosos: motivações, dificuldades e tendências. Dissertação de mestrado em segurança e higiene no trabalho, Escola Superior de Ciências Empresariais, Instituto Politécnico de Setúbal – IPS, Setúbal/PT.

Sabino, L. A. M., & Cunha, N. C. (2016). Remuneração e salário numa abordagem administrativa. Revista GeTeC, 5(10), p.1-11. Disponível em: https://revistas.fucamp.edu.br/index.php/getec/article/view/785

Severo, V. S. (2015). A Sentença Trabalhista e o novo CPC. Estado de Direito, Porto Alegre, 29 de julho. Disponível em: http://estadodedireito.com.br/a-sentenca-trabalhista-e-o-novo-cpc/. Acesso em: novembro de 2020.

Silva, F. M. (2013). As práticas de gestão de recursos humanos e o processo de identificação de competências coletivas: um estudo de caso na área de gestão de pessoas do centro administrativo do SICREDI. Tese de doutorado em Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Porto Alegre/RS.

Silva, L. N., Nascimento, R. F., & Botelho, M. A. S. (2013). A importância do programa de integração: um estudo da perspectiva dos gestores da empresa Lopes & CIA. In: SEGeT – Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia – Gestão e Tecnologia para a Competitividade.

Silveira, E. D. L. (2012). Socialização e integração de novos empregados na empresa: cultura organizacional. Embrapa Clima Temperado-Tese/dissertação (ALICE).

Schaurich, M. R. (2014). Configuração de Competências coletivas a partir das práticas de gestão de pessoas. Dissertação de mestrado em administração e negócios, Pontifícia Universidade Católica – PUC, Porto Alegre/RS.

Schuler, R. S., & Jackson, S. E. (1987). Linking competitive strategies with human resource management practices. Academy of Management Perspectives, 1(3), 207-219. https://doi.org/10.5465/ame.1987.4275740

Sgourou, E., Katsakiori, P., Papaioannou, I., Goutsos, S., & Adamides, E. (2014). A holistic framework for safety performance evaluation. Occupational Safety and Hygiene II, 75-79.

Spinelli, I. M. A. (2015). Formação, Desenvolvimento do Capital Humano e Vantagem Competitiva. Dissertação de mestrado em economia, Faculdade de Economia – FEP, Universidade do Porto, Porto/PT.

Trentin, L., Duarte, M. A. T., & dos Santos, A. J. (2018). Gestão de pessoas e manufatura enxuta: revisão da literatura. Produção em Foco, 8(2). https://doi.org/10.14521/P2237-5163.2018.0015.0009

Trentin, L., Santos, A. J., Batiz, E. C., & Duarte, M. A. T. (2016). Qualidade de vida em uma empresa têxtil: levantamento do nível de satisfação dos funcionários. Revista ESPACIOS| Vol. 37 (Nº 07). Disponível em: https://www.revistaespacios.com/a16v37n07/16370703.html

Turner, B. A., Pidgeon, N., Blockley, D., & Toft, B. (1989). Safety culture: its importance in future risk management. In Position paper for the second World Bank workshop on safety control and risk management, Karlstad, Sweden (pp. 6-9).

Vieira, M. A. (2010). A influência das práticas e políticas de gestão de pessoas no processo de institucionalização de uma cultura de segurança: um estudo de caso em uma organização industrial de grande porte. Dissertação de mestrado em administração, Fundação Instituto Capixaba de Pesquisas em Contabilidade Economia e Finanças – FUCAPE, Vitória/ES.

Vieira, M. A., Silva Junior, A., & Silva, P. D. O. M. D. (2014). Influências das políticas e práticas de gestão de pessoas na institucionalização da cultura de segurança. Production, 24(1), 200-211. https://doi.org/10.1590/S0103-65132013005000022

Visser, M. (2010). Configurations of human resource practices and battlefield performance: A comparison of two armies. Human Resource Management Review, 20(4), 340-349. https://doi.org/10.1016/j.hrmr.2010.04.002

Xavier, O. (1986). Clima organizacional na pesquisa agropecuária: percepção e aspiração. Revista de Administração, v. 21, n. 4, p. 33-48, out./dez. Disponível em: https://www.alice.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/87375/1/Climaorganizacional.pdf

West, M., Dawson, J., Admasachew, L., & Topakas, A. (2011). NHS staff management and health service quality: results from the NHS staff survey and related data. London: Department of Health.

Youndt, M. A., & Snell, S. A. (2004). Human resource configurations, intellectual capital, and organizational performance. Journal of managerial issues, 337-360. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/40604485




DOI: https://doi.org/10.5585/exactaep.2021.18716

Direitos autorais 2021 Exacta

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Tempo médio entre a submissão e primeira resposta de avaliação: 120 dias

Exacta – Engenharia de Produção

e-ISSN: 1983-9308
ISSN: 1678-5428
www.revistaexacta.org.br

Exacta  ©2022 Todos os direitos reservados.

Este obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional