NATAL INTERNATIONAL AIRPORT AND THE STRATEGIC EARLY HAND BACK DECISION

Carlos Henrique Rocha, Felipe Amaral Costa

Resumo


Em 2020, o Aeroporto Internacional de Natal, concedido em 2011, declarou falência. A sua operadora ingressou com pedido na Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) para a sua devolução, alegando incapacidade de servir a dívida programada e, até mesmo, parte dos seus custos de prestação de serviços e manutenção. O infortúnio financeiro do aeroporto de Natal ainda não foi estudado. Esta brecha justifica este artigo. A avaliação da falência do aeroporto de Natal pode servir de guia ou de benchmark para a condução da política de regulação de aeroportos da ANAC. A análise é essencialmente financeira. São avaliadas as contas financeiras do aeroporto de 2014 a 2019 com duas abordagens. Uma estática e outra dinâmica. A primeira usa indicadores financeiros clássicos e a segunda aplica conceitos da Engenharia Econômica. As abordagens são complementares e conduzem a conclusão de que a operadora tomou a decisão estratégica acertada ao pedir a devolução. 


Palavras-chave


Natal International Airport bankruptcy; Financial indicators; Time value of money; Hand back; Aeronautical territorial arrangements

Texto completo:

PDF

Referências


Airport Council International - ACI. (2015). Airport Service Quality. Québec: ACI Press.

Agência Nacional De Aviação Civil – ANAC. Demonstrações Financeiras - Natal (RN). Available at: < https://www.gov.br/anac/pt-br/assuntos/concessoes/aeroportos-concedidos/natal/documentos-relacionados/08demonstracoes-financeiras>. Consulted on: November 15, 2021.

Agência Nacional De Aviação Civil – ANAC. (2010). Relatório 2 - Estudos de Mercado. Available at: . Consulted on: November 15, 2021.

Almeida, H., Capeluppi, M., & Vieira, P. (2021). Long-term effects of extraordinary events on Brazilian airport infrastructure concessions. Trabalho Final de Curso (Especialização em Regulamentação de Infraestrutura de Aeroportos), Porto Alegre, Rio Grande Sul, Brasil.

Ansoff, H. I. (1977). Estratégia empresarial. São Paulo: Ccgraw-Hill.

Assaf, A., & Lima, F. G. (2019). Curso de administração financeira. São Paulo: Atlas.

Baird, A. J. (2000). Port privatization: objectives, extent, process, and the UK experience. Maritime Economics & Logistics, 2(3), 177-194. DOI: https://doi.org/10.1057/ijme.2000.16.

Baker, D., Merkert, R., & Kamruzzman, M. D. (2015). Regional aviation and economic growth: cointegration and causality analysis in Australia. Journal of Transport Geography, 43(1), 140-150. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jtrangeo.2015.02.001.

Bowersox, D. J., Closs, D. J., & Cooper, M. B. (2013). Gestão logística da cadeia de suprimentos. Porto Alegre: Bookman.

Brigham, E. F., & Erhardt, M. C. (2010). Administração financeira: teoria e prática. São Paulo: Cengage.

Bursztein, V. (2012). Mais que um aeroporto, mais que uma cidade. Projeto Vetor Norte pode materializar em Minas Gerais a primeira Aerotropólis da América Latina. Belo Horizonte: Airport News, n. 6.

Button, K., & Yuan, J. (2013). Airfreight transport and economic development: an examination of causality. Urban Studies, 50(2), 329-340. DOI: https://doi.org/10.1177/0042098012446999.

Button, K., Doh, S., & Yuan, J (2009). The role of small airports in economic development. Journal of Airport Management, 4(1), 1–12.

Cappa, J., & Ribeiro, S. (2015). Aeroporto Internacional de Viracopos e o desenvolvimento na região de Campinas-SP. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, 11(2), 3-33.

Copeland, T., & Antikarov, V. (2001) Opções reais: um novo paradigma para reinventar a avaliação de investimentos. Rio de Janeiro: Campus.

Costa, F. A., & Rocha, C. H. (2021). Demand risk and contractual abandonment: a real options analysis of the BR-381/262/MG/ES highways concession. Transportes, 29(4), 1-16. DOI: https://doi.org/10.14295/transportes.v29i4.2371.

Costa. L. H. G., Santos, E., Nascimento, M. A., & Silva, J. A. (2017) Análise da evolução dos modelos de participação privada nos aeroportos brasileiros. Congresso de Pesquisa e Ensino em Transporte, Recife, Pernambuco, Brazil, 31.

Damodaran, A. (2008). Avaliação de investimentos: ferramentas e técnicas para a determinação do valor de qualquer ativo. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Drucker, P. F. (1958) Business objectives and survival needs: notes on a discipline of business enterprise. Journal of Business, 31(2), 81-90.

Florida, R., Mellander, C., & Holgersson, T. (2015) Up in the air: the role of airports for regional economic development. The Annals of Regional Science, 54, 197-214. DOI: https://doi.org/10.1007/s00168-014-0651-z.

Gil, A.C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Green, R. K. (2007). Airports and economic development. Real Estate Economics, 35(1), 91-112. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1540-6229.2007.00183.x.

Inframerica. (2021). O Aeroporto – Estatísticas. Availabel at: < http://www.natal.aero/br/o-aeroporto/dados-operacionais/estatisticas/>. Consulted on: November 15 2021.

Jones, C., & Dunse, N. (2015). The valuation of an airport as a commercial enterprise. Journal of Property Investment and Finance, 33(6), 574-585. DOI: https://doi.org/10.1108/JPIF-07-2015-0048.

Liu, J., Gao, R., & Cheah, C. Y. J. (2017). Pricing Mechanism of Early Termination of PPP Projects Based on Real Option Theory. Journal of Management in Engineering, 33(6). DOI: https://doi.org/10.1061/(ASCE)ME.1943-5479.0000556.

Pereira, E. S., & Rocha, C. H. (2019). Concessões aeroportuárias brasileiras, saúde financeira e prática regulatória: uma aplicação do modelo Fleuriet. Revista Estudos e Pesquisas em Administração, 3, 148-161. DOI: https://doi.org/10.30781/repad.v3i3.9011.

Rocha, C. H., & Britto, P. A. P. (2012). Marco regulatório do transporte rodoviário interestadual de passageiros e opções reais. Journal of Transport Literature, 6(3), 34-48. DOI: https://doi.org/10.1590/S2238-10312012000300003.

Rocha, C. H., & Britto, P. A. P. (2020). Performance financeira de aeroportos concedidos de um país hipotético. Revista Ciências Administrativas, 26(2), 1-10. DOI: https://doi.org/10.1590/S2238-1031201200030000310.5020/2318-0722.2020.26.2.10852.

Ross, S. A., Westerfield, R.W., Jaffe, J. F. & Lamb, R. (2015). Administração financeira: corporate finance. Porto Alegre: Bookman.

Song, J., Jin, L., Zhao, Y. & Hu, W. (2017). Using bargaining-game model to negotiate compensation for the early termination of BOT highway projects. Transportation Research Part A: Policy and Practice, 105, 197–209. DOI: https://doi.org/10.1016/j.tra.2017.06.017.

Sousa, R. R. C. & Grando, E. (2019). Análise do risco de liquidez: um estudo de caso sobre as companhias aéreas TAM e GOL. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. 12(10), 40-55.

Souza, J. C. F., Rocha, C. H., & Souza, J. G. (2018). Modelo de opções reais para avaliação de investimentos em novos portos e terminais portuários brasileiros. Transportes, 26(4), 103-115. DOI: https://doi.org/10.14295/transportes.v26i4.1497.

Tveter, E. (2017). The effect of airports on regional development: Evidence from the construction of regional airports in Norway. Research in Transportation Economics, 63(1), 50-58. DOI: https://doi.org/10.1016/j.retrec.2017.07.001.

Weisbrod, G. E., Reed. J. S., & Neuwirth, R. M. (1993). Airport area economic development model. The PTRC International Transport Conference. Manchester, United Kingdon.

Xiong, W., Zhang, X., & Chen, H. (2016). Early-termination compensation in public–private partnership projects. Journal of Construction Engineering and Management, 142(4), 1-10. DOI: https://doi.org/10.1590/S2238-1031201200030000310.1061/(ASCE)CO.1943-7862.0001084.

Zhu, Y., & Zhang, H. (2017). The Exploration on the Development Mode of Airport Industry. MATEC Web Conference. Shangai, China. DOI: https://doi.org/10.1590/S2238-1031201200030000310.1051/matecconf/201710001010.




DOI: https://doi.org/10.5585/exactaep.2022.21495

Direitos autorais 2022 Exacta

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Tempo médio entre a submissão e primeira resposta de avaliação: 120 dias

Exacta – Engenharia de Produção

e-ISSN: 1983-9308
ISSN: 1678-5428
www.revistaexacta.org.br

Exacta  ©2022 Todos os direitos reservados.

Este obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional