Gerenciamento de projetos em empresas juniores: análise do contexto gerencial brasileiro

Anita Marcondes Luz Vissotto, Verica Freitas, Guilherme André Braga, Verônica Angelica Freitas de Paula

Resumo


As Empresas Juniores (EJs) contribuem para a formação profissional de graduandos por meio, principalmente, da realização de projetos, atuando também como uma fonte de acesso a soluções e novas tecnologias, em especial, para micro e pequenos empresários, sendo importante discutir o Gerenciamento de Projetos nessas organizações. Dessa forma, este estudo visa compreender as particularidades e as necessidades das EJs em relação ao Gerenciamento de Projetos e oferecer insights que possam contribuir com essas organizações. Para tanto, foi realizado um estudo de caso múltiplo com seis EJs, seguido de uma survey conduzida com EJs brasileiras com 12% de taxa de resposta. Foi possível identificar a importância de um bom diagnóstico organizacional, bem como as expectativas e as necessidades dos clientes para posterior realização dos projetos. Além disso, é fundamental um planejamento inicial bem estruturado do projeto, com escopo e cronograma definidos, mas que sejam passíveis de revisão quando necessário, sendo relevante a participação ativa dos clientes durante o projeto.

 


Palavras-chave


Gerenciamento de projetos; Empresa Júnior; Fatores críticos de sucesso.

Texto completo:

PDF

Referências


Angioni, M., Carboni, D., Pinna, S., Sanna, R., Serra, N., & Soro, A. (2006). Integrating XP Project Management in Development Environments. Journal of Systems Architecture, 52(11), 619-626. https://doi.org/10.1016/j.sysarc.2006.06.006.

Aranyossya, M., Blaskovicsa, B., & Horváth, A. A. (2018). How Universal are IT Project Success and Failure Factors? Evidence from Hungary. Information Systems Management, 35(1), 15-28. https://doi.org/10.1080/10580530.2017.1416943.

Bardin, L. (2009). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Barlow, J., Giboney, J., Keith, M., Wilson, D., & Schuetzler, R. (2011). Overview and Guidance on Agile Development in Large Organizations. Communications of the Association for Information Systems (CAIS), 29(2), 25-44. https://doi.org/10.17705/1CAIS.02902.

Berssaneti, F., Carvalho, M, & Muscat, A. (2015) O Impacto de Fatores Críticos de Sucesso e da Maturidade em Gerenciamento de Projetos no Desempenho: um Levantamento com Empresas Brasileiras. Production, 26(4), 707-723.

Boehm, B., & Turner, R. (2005). Management Challenges to Implementing Agile Processes in Traditional Development Organizations. Ieee Software, 22(5), 30-39. https://doi.org/10.1109/MS.2005.129.

Brasil. (2016). Lei nº 13.267, de 06 de abril de 2016. Presidência da República. Disciplina a criação e a organização das associações denominadas empresas juniores, com funcionamento perante instituições de ensino superior. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Secretaria Geral.

Brasil Júnior – Confederação Brasileira de Empresas Juniores. (2020a). Entre o Legado e o Sonho: Relatório de 2018. Brasil Júnior, Portal da Transparência. Recuperado de https://drive.google.com/file/d/1wWafoPLkcTExR0HIPbgMrKJHnNW-Jhxe/view, em 25 de agosto de 2020.

Brasil Júnior – Confederação Brasileira de Empresas Juniores. (2020b). Censo & Identidade: Relatório de 2018. Brasil Júnior, Portal da Transparência. Recuperado de https://drive.google.com/file/d/1VH7guSPRyYCLiFzPEMftx1CzNVcBZCyx/view, em 25 de agosto de 2020.

Brasil Júnior – Confederação Brasileira de Empresas Juniores. (2020c). Conheça o MEJ. Brasil Júnior, Portal da Transparência. Recuperado de https://brasiljunior.org.br/conheca-o-mej, em 25 de agosto de 2020.

Brasil Júnior – Confederação Brasileira de Empresas Juniores. (2020d). Planejamento Estratégico da Rede 2016-2018. Brasil Júnior, Portal da Transparência. Recuperado de https://drive.google.com/file/d/1tVAnwHmuIlEJUwByw65Uf8b_pDhQ-8SA/view, em 25 de agosto de 2020.

Brasil Júnior – Confederação Brasileira de Empresas Juniores. (2014). Planejamento Estratégico da Rede 2013-2015. Brasil Júnior, Portal da Transparência. Recuperado de https://drive.google.com/file/d/1_XEFTuxtHwCsoafJzxwS1bvlQz1v0T_W/view, em 25 de agosto de 2020.

Campos, O. V., Cunha, J. V. A. da, Barbosa, Neto, J. E. B, & Maia, S. C. (2011). Estudos de caso, realmente são? Anais do Congresso Brasileiro de Custos (CBC), Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 18.

Carneiro, C. (2018). O estudo de casos múltiplos: estratégia de pesquisa em psicanálise e educação. Psicologia USP, 29(2), 314-321. https://doi.org/10.1590/0103-656420170151.

Chin, G. (2004). Agile Project Management: How to Succeed in the Face of Changing Project Requirements. New York: American Management Association.

Diário do Comércio. (2019). Empresários juniores batem recorde e são mais de 22 mil no Brasil. Diário do Comércio Online, Recuperado de https://diariodocomercio.com.br/negocios/empresarios-juniores-batem-recorde-e-sao-mais-de-22-mil-no-brasil, em 06 de fevereiro de 2020.

Dornelas, J. C. A. (2008). Empreendedorismo: Transformando Ideias em Negócios. 3ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Eder, S., Conforto, E., Amaral, D., & Silva, S. (2015). Diferenciando as abordagens tradicional e ágil de Gerenciamento de Projetos. Revisa Produção, 25(3), 482-497. https://doi.org/10.1590/S0103-65132014005000021.

Ereno, D. (2013). O Futuro Agora. Pesquisa FAPESP, Empreendedorismo. Edição 212. Recuperado de https://revistapesquisa.fapesp.br/o-futuro-agora/ em 25 de agosto de 2020.

Fernandes, G. F. P., & Garcez, M.P. (2019). Contribuição da maturidade da gestão de projetos para a geração de vantagem competitiva em empresas de telecomunicações. Revista de Gestão e Projetos – GeP, 10(2), 25-39. https://doi.org/10.5585/gep.v10i2.10574.

Fernandes, N. (2015). Seis Passos para Efetivar uma Proposta Assertiva em Vendas Complexas. Startupi. Recuperado de https://startupi.com.br/2015/06/seis-passos-para-efetivar-uma-proposta-assertiva-em-vendas-complexas/, em 24 de agosto de 2020.

Franco, D. S., & Seibert, A. Z. (2017). A importância da empresa júnior para

uma aprendizagem andragógica. Revista Brasileira de Ensino Superior, 3(4), p.59-78. https://doi.org/10.18256/2447-3944.2017.v3i4.2113.

Freitas, T. R. de., & Paula, V. F. de. (2016). Maturidade em Gerenciamento de Projetos nas Empresas Juniores do Brasil. In: Anais do Simpósio Internacional de Gestão de Projetos, Inovação e Sustentabilidade (SINGEP), São Paulo, SP, Brasil, 5.

Freitas, H., Oliveira, M., Saccol, A. Z., & Mascarola, J. (2000). O método de pesquisa survey. Revista de Administração, 35(3), p.105-112.

Gerhardt, T., & Silveira, D. (2009). Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora UFRGS.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4ed. São Paulo: Atlas.

Goode, W. J., & Hatt, P. K. (1979). Métodos em pesquisa social. 7ed. São Paulo: Editora

Nacional.

Guimarães, T. de A., Moreira, N. C., & Baeta, O. V. (2013). A Negociação com Clientes em Empresas Juniores da Universidade Federal de Viçosa – Campus Viçosa/MG. Revista de Administração da UNIMEP, 11(1), 81-103. https://doi.org/10.15600/1679-5350/rau.v11n1p81-103.

Kiran, T. S., & Reddyb, A. V. (2019). Critical success factors of ERP implementation in SMEs. Journal of Project Management, 4, 267-280. https://doi.org/10.1016/j.rcim.2012.04.019.

Kerzner, H. (2001). Strategic Planing for Project Management Using a Project Management Maturity Model. New York: John Wiley and Sons.

Kerzner, H. (2006) Gestão de Projetos: as Melhores Práticas. Porto Alegre: Bookman.

Kerzner, H. (2011). Gerenciamento de Projetos: uma Abordagem Sistêmica para Planejamento, Programação e Controle. São Paulo: Blucher.

King, Z., Burke, S., & Pemberton, J. (2005). The ‘Bounded' Career: An Empirical Study of Human Capital, Career Mobility and Employment Outcomes in A Mediated Labor Market. Human Relations, 58(8), 981-1007. https://doi.org/10.1177/0018726705058500.

Link, C. P., Silva, G., Barichello, R., & Dal Magro, C. B. (2020). Fatores Críticos no Gerenciamento de Projetos Públicos Sustentáveis. Gestão e Projetos – GeP, 11(2) p.87-109. https://doi.org/10.5585/gep.v11i2.17490.

Mafakheri, F., Nasiri, F., & Mousavi, M. (2008). Project Agility Assessment: An Integrated Decision Analysis Approach. Production & Planning Control, 19(6), 567-576. https://doi.org/10.1080/09537280802360884.

Marcondes, A. (2017). Uma Breve História do Gerenciamento de Projetos. PMI Mato Grosso. Recuperado de http://pmimt.org.br/site/index.php/artigo/vis/4, em 30 outubro de 2017.

Martins, G. A. (2008). Estudo de Caso: uma Reflexão sobre a Aplicabilidade em Pesquisas no Brasil. Revista de Contabilidade e Organizações – FEARP/USP, 2(2), p.8-18. https://doi.org/10.11606/rco.v2i2.34702.

Matos, F. (1997). A Empresa Júnior no Brasil e no Mundo: o Conceito, o Funcionamento, a História e as Tendências do Movimento EJ. São Paulo: Martin Claret.

McClory, S., & Ashraf Labib, M. R. (2017). Conceptualizing the Lessons-Learned Process in Project Management: Towards a Triple-Loop Learning Framework. International Journal of Project Management, 35, p.1322-1335. https://doi.org/10.1016/j.ijproman.2017.05.006.

Milosevic, D. & Patanakul, P. (2005). Standardized Project Management May Increase Development Projects Success. International Journal of Project Management, 23(3), 181-192. https://doi.org/10.1016/j.ijproman.2004.11.002.

Minayo, M. C. de S. (2001). Pesquisa Social: Teoria, Método e Criatividade. 21 ed. Petrópolis: Editora Vozes.

Mussi, R. F. de F, Mussi, L. M. P. T., Assunção, E. T. C., & Nunes, C. P. (2019). Pesquisa Quantitativa e/ou Qualitativa: distanciamentos, aproximações e possibilidades. Revista Sustinere, 7(2), p.414-430. https://doi.org/10.12957/sustinere.2019.41193.

Nguyen, L. H. (2019). Relationships between Critical Factors Related to Team Behaviors and Client Satisfaction in Construction Project Organizations. Journal of Construction Engineering and Management, 145(3), 1-10. https://doi.org/10.1061/(ASCE)CO.1943-7862.0001620.

Oliveira, R. R., & Martins, H. C. (2020). Desempenho do escritório de Gerenciamento de Projetos: divergência de percepções entre a instrução acadêmica e a vivência profissional. Innovar, 30(75), 119-134. https://doi.org/10.15446/innovar.v30n75.83261.

Oliveira, R. R., Cruz, J. E., & Oliveira, R. R. (2018). Fatores críticos de sucesso na gestão de projetos: Análise dos indicadores que constituem os predecessores da estratégia, pessoas e operações. Revista de Gestão e Projetos (GeP), 9(3), 49-66. https://doi.org/10.5585/gep.v9i3.11263.

Ortega, M. (2010). Cinco elementos essenciais para fazer uma proposta comercial. Portal Carreira & Sucesso Catho. Recuperado de http://www.catho.com.br/carreira-sucesso/colunistas/marcelo-ortega/cinco-elementos-essenciais-para-fazer-uma-proposta-comercial, em 24 de agosto de 2020,

Pamplona, P. & Freitas, O. (2016). Brasil Ultrapassa Europa e se Torna Líder em Empresas Juniores no Mundo. Folha de S. Paulo, Empreendedor Social. Recuperado de https://www1.folha.uol.com.br/empreendedorsocial/2016/06/1752850-brasil-ultrapassa-europa-e-se-torna-lider-em-empresas-juniores-no-mundo.shtml, em 21 de agosto de 2020,

Pant, I., & Baroudi, B. (2008). Project management education: the human skills imperative. International Journal of Project Management, 26(2), p.124-128. https://doi.org/10.1016/j.ijproman.2007.05.010.

Papke-Shields, K., Beise, C., & Quan, J. (2010). Do Project Managers Practice What They Preach, and Does it Matter to Project Success? International Journal of Project Management, 28(7), p.650-662. https://doi.org/10.1016/j.ijproman.2009.11.002.

Pinto, J. & Slevin, D. (1987) Critical Factors in Successful Project Implementation. Ieee Transactions on Engineering Management, 34(1), 22-27.

PMI – Project Management Institute. (2017). A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK guide). 6 ed, Newton Square: PMI.

Prado, D. (2002). Gerenciamento de Projetos nas Organizações. Nova Lima: Editora de Desenvolvimento Gerencial.

Rabechini, R., Jr., Carvalho, M, & Laurindo, F. (2002). Fatores Críticos para Implementação de Gerenciamento por Projetos: o Caso de uma Organização de Pesquisa. Revista Produção, 12(2), 28-41. https://doi.org/10.1590/S0103-65132002000200004.

Rabechini, R., Jr. & Carvalho, M. (2005). Construindo Competências para Gerenciar Projetos: Teoria e Casos. São Paulo: Atlas, 2005.

Salomão, M. (2014). Evento marca 25 anos de empresas juniores no Brasil e 10 anos de Brasil Júnior. Pequenas Empresas & Grandes Negócios. Recuperado de http://revistapegn.globo.com/Revista/Common/0,,ERT329365-17180,00.html, em 25 de agosto de 2020.

Sanchez, H., & Robert, B. (2010). Measuring Portfolio Strategic Performance Using Key Performance Indicators. Project Management Journal, 41(5), p.64-73. https://doi.org/10.1002/pmj.20165.

Santos, N. C. dos, Francischetti, C. E., Sacomano, C., Neto, Padoveze, C. L., & Spers, V. R. E. (2013). Modelo Econômico-Contábil-Financeiro para Diagnóstico Organizacional. Revista de Administração da UNIMEP, 11(2) maio/agosto, p.119-142. http://dx.doi.org/10.15600/1679-5350/rau.v11n2p119-142.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). (2019). Empreendedorismo atrai 52 milhões de brasileiros em 2018. Agência Sebrae de Notícias, Economia. Recuperado de http://www.agenciasebrae.com.br/sites/asn/uf/NA/empreendedorismo-atrai-52-milhoes-de-brasileiros-em-2018,74ec85e533629610VgnVCM1000004c00210aRCRD, em 25 de agosto de 2020.

Söderlund, J., & Lenfle, S. (2013). Making Project History: Revisiting the Past, Creating the Future. International Journal of Project Management, 31(5), 653-662. https://doi.org/10.1016/j.ijproman.2013.02.005.

Souza, T., & Gomes, C. (2015). Estudo Bibliométrico dos Principais Modelos de Maturidade em Gerenciamento de Projetos. Perspectivas em Gestão & Conhecimento - PG&C, 5, 5-26.

Sinesilassie, E. G., Tabish, S. Z. S., & Jha, K. N. (2017) Critical factors affecting

schedule performance: s case of Ethiopian public construction projects – engineers’ perspective. Engineering, Construction and Architectural Management, 24(5), 757-773. https://doi.org/10.1108/ECAM-03-2016-0062.

Vieira, E. (2002). Gerenciando Projetos na Era de Grandes Mudanças: uma Breve Abordagem do Panorama Atual. PMI Journal, 3(PMI-RS), 7-16.

Zhang, Q., Yang, S., Liao, P-C, & Chen, W. (2020) Influence Mechanisms of Factors on Project Management Capability. Journal of Management in Engineering,36(5), 1-15. https://doi.org/10.1061/(ASCE)ME.1943-5479.0000812.

Ziliotto, D., & Berti, (2012). A Aprendizagem do Aluno Inserido em Empresa Júnior.

Revista Conexão da UEPG, 8(2), 210-217.

Williams, P., Ashill, N. J., Naumann, E., & Jackson, E. (2015). Relationship Quality and Satisfaction: Customer-Perceived Success Factors for On-Time Projects. International Journal of Project Management, 33(8), p.1836-1850. https://doi.org/10.1016/j.ijproman.2015.07.009.

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. 2 ed. Porto Alegre: Bookman.

.




DOI: https://doi.org/10.5585/gep.v12i2.17984

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista de Gestão e Projetos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

GeP – Revista Gestão e Projetos
ISSN da versão eletronica: 2236-0972
www.revistagep.org

GeP – Revista Gestão e Projetos ©2021 Todos os direitos reservados

Esta obra está licenciada com uma licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional