Gestão adaptativa de projetos: um levantamento dos artefatos mais utilizados para gerenciar o escopo do projeto

Ivete Rodrigues, Danilo Rabetti

Resumo


Os objetivos da pesquisa são (a) mapear os artefatos de gerenciamento de escopo preconizados pelos métodos preditivos e ágeis; (b) verificar quais deles têm sido utilizados pelos gerentes de projetos e suas organizações; e c) identificar e analisar o uso da abordagem adaptativa de gerenciamento de projetos em função da complexidade do projeto. Foi consolidado, com base na revisão da literatura, um conjunto de artefatos tradicionais e ágeis para gerenciamento de escopo do projeto. Em seguida, foi utilizado o método de levantamento para verificar quais artefatos são mais utilizados pelos gerentes de projetos tendo em vista a complexidade dos projetos. Os resultados apontaram que os gerentes de projetos, em sua maioria, ainda não têm flexibilidade na escolha dos artefatos utilizados nos projetos. Os artefatos preditivos são os mais utilizados, mas há indícios de que as empresas começam a migrar para uma abordagem adaptativa. O estudo oferece uma contribuição acadêmica quanto à consolidação dos artefatos disponíveis para o gerenciamento de escopo de um projeto, tanto na corrente tradicional quanto na corrente ágil. Também contribui no levantamento dos artefatos que estão realmente em uso, no sentido de melhor se entender como é a feita a escolha dos artefatos, independentemente de abordagens metodológicas únicas. Quanto às implicações gerenciais, os resultados poderão contribuir com a prática das empresas, auxiliando-as a decidir sobre o uso de técnicas e artefatos para gerenciamento de escopo existentes em ambas as abordagens, evitando utilizar indiscriminadamente as metodologias ágeis ou se manter enraizados nos controles e planos das metodologias tradicionais.


Palavras-chave


Gerenciamento de projetos; Métodos ágeis; Método preditivo; Complexidade em projetos; Gestão adaptativa de projetos; Gestão híbrida de projetos; Gestão de escopo de projetos.

Texto completo:

PDF

Referências


Agile Business Consortium (2014). Agile Project Framework Handbook. Recuperado em 14 de julho, 2019, de: https://www.agilebusiness.org/page/ProjectFramework_00_ welcome.

Alba, J., Cron, D., El Ouarti, M., Pugliese, G., Schmehr, W., Simonelli, L., & Wolstad, J. (2016). IPMA International Certification Regulations. International Project Management Association (IPMA).

Appelo, J. (2011). Management 3.0: leading agile developers, developing agile leaders. Boston: Pearson Education.

AXELOS. (2018). What is PRINCE2? Recuperado 9 de abril de 2018, de https://www.prince2.com/usa/what-is-prince2

Babbie, E. R. (1999). Métodos de pesquisa de survey. Belo Horizonte, UFMG.

Batra, D.; Xia, W.; Vandermeer, D. & Dutta, K (2010). Balancing agile and structured development approaches to successfully manage large distributed software projects: a case study from the cruise line industry. Communications of the Association for Information Systems (CAIS), Vol. 27, Article 21.

Beck, K, Beedle., Bennekum, A. Van, Cockburn, A., Cunningham, W., Fowler, M., Grenning, J., Highsmith, J., Hunt, A., Jeffries, R., Kern, J., Marick, B., Martin, C., Mellor, S., Schwaber, K., Sutherland, J. (2001). Manifesto para Desenvolvimento Ágil de Software. Recuperado 22 de março de 2018 de 2001 de website: http://agilemanifesto.org/iso/ptbr/manifesto.html.

Conforto, E. C. & Amaral, D. C. (2007) Escritório de Projetos e Gerenciamento Ágil: um novo enfoque para a estrutura de apoio à gestão de Projetos Ágeis. Anais. XXVII Encontro Nacional de Engenharia de Produção (Enegep). Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil.

Conforto, E. C. & Amaral, D.C. (2008). Evaluating an Agile Method for Planning and Controlling Innovative Projects. Project Management Journal, Vol. 41, No. 2, p. 73–80.

Cooper, R. G. & Sommer, A. F. (2016) Promising New Approach and a New Research Opportunity. v. 33, n. 5, pp. 513–526.

Cooper, R. G. & Sommer, A. F. (2020). New-Product Portfolio Management with Agile. Research-Technology Management, 63(1): 29–38.

Dao, B., Kermanshachi, S., Shane, J., Anderson, S., & Hare, E. (2016). Identifying and Measuring Project Complexity [Eletronic version]. Procedia Engineering, 145, 476–482.

Forza, C. (2002). Survey research in operations management: A process-based perspective. International Journal of Operations and Production Management, v. 22, n. 2, pp. 152–194, 2002.

Global Alliance for the Project Professions (2007). A framework for performance based competency standards for global level 1 and 2 project managers. Global Alliance for Project Performance Standards.

Geraldi, J.; Maylor, H. & Williams, T. (2011) General rights Now, let’s make it really complex (complicated): A systematic review of the complexities of projects. Recuperado em 22 de setembro, 2019, de https://doi.org/10.1108/01443571111165848

Hair, J. F., Jr., Anderson, R. E., Tatham, R. L., & Black, W. C. (2005). Análise Multivariada de Dados. (5. ed.). Bookman.

Highsmith, J. (2012). Gerenciamento Ágil de Projetos: Criando Produtos Inovadores. 2. ed. ed. Rio de Janeiro, RJ: Alta Books.

Hollingsworth, C. (2011). What kanban can do. PM Network, 25(3), 66–67.

Kerzner, H. (2013). Project Management Metrics, KPIs, and Dashboards: a guide to measuring and monitoring project performance. 2. ed. ed. Hoboken: Wiley.

Leach, L. P. (2005). Lean project management: eight principles for success. Boise, Idaho: Advanced-projects.

Maximiano A. C. A. (2007). Administração de projetos: como transformar ideias em resultados. 2ª. ed. São Paulo: Atlas.

Papadakis, E. & Tsironis, L. K. (2020) Towards a Hybrid Project Management Framework: A Systematic Literature Review on Traditional, Agile and Hybrid Techniques. Journal of Modern Project Management, [s. l.], v. 08, n. 2, p. 124–139.

PMI (2014). Navigating complexity: a practice guide. Newtown Square: Project Management Institute (PMI).

PMI (2017a). Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos. 6. ed. ed. Newtown Square, PA: Project Management Institute (PMI).

PMI (2017b). Guia Ágil. Newtown Square, PA: Project Management Institute (PMI).

Poveda-Bautista, R., Diego-Mas, J. A., & Leon-Medina, D. (2018). Measuring the Project Management Complexity: The Case of Information Technology Projects. Complexity [Eletronic Version], 2018. https://doi.org/10.1155/2018/6058480.

Sampieri, R. H., Collado C. F. & Lucio, M. D. P. B. (2013). Metodologia de Pesquisa. Porto Alegre: Penso.

Sauer, S. (2017). Agile Project Management as a generator of stress relief and efficiency? International Journal of Strategic Management, v. 17, n. 2, p. 67–74.

Schwaber, K. & Sutherland, J. (2017) Scrum Guides Downloads. Recuperado em Disponível em 21 de novembro, 2019, de: .

Shenhar, A. J., Milosevic, D., Dvir, D., & Thamhain, H. (2007). Linking Project Management to Business Strategy. Newtown Square, PA: Project Management Institute (PMI).

Shenhar, A. J. (2001) One size does not fit all projects: Exploring Classical Contingency Domains. Management Science, v. 47, n. 3, p. 394–414.

Shenhar, A. J. & Dvir, D. (2010) Reinventando gerenciamento de projetos: a abordagem diamante ao crescimento e inovação bem-sucedidos. São Paulo: M.Books.

Souza Pinto, J., Novaski, O., Anholon, R., & Carpim Besteiro, É. N. (2014). Proposta de Método de Mensuração da Complexidade em Projetos [Versão eletrônica]. Revista de Gestão e Projetos, 5(3), 14–29. https://doi.org/10.5585/gep.v5i3.280.

Spundak, M. (2014). Mixed agile/traditional project management methodology – reality or illusion? Procedia - Social and Behavioral Sciences. No. 119, pp. 939-948.

Valeriano, D. L. (2001). Gerenciamento estratégico e administração por projetos. Makron Books. São Paulo, SP.

Valle, A. B., Soares, C. A. P., Finocchio Jr., J & Silva, L. S. F. (2010). Fundamentos do gerenciamento de projetos (2a ed.). Editora FGV.

Vidal, L. A.; Marle, F. & Bocquet, J. C. (2011) Measuring project complexity using the Analytic Hierarchy Process. International Journal of Project Management, v. 29, n. 6, p. 718–727.

Wysocki, R. K. (2014). Effective project management: traditional, agile, extreme. 7. ed. ed. New Delhi: Wiley.

Yugue, R. T. & Maximiano, A. C. A. (2013). Entendendo e gerenciando a complexidade de projetos. Revista de Gestão e Projetos - GeP, São Paulo, v. 4, n. 1, p 01-22, jan./abr.

Zasa, A. P. & Pellizzoni, E; (2021). Managing the Hybrid Organization: How Can Agile and Traditional Project Management Coexist? Research-Technology Management, January-February.




DOI: https://doi.org/10.5585/gep.v12i1.18632

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 GeP – Revista Gestão e Projetos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

GeP – Revista Gestão e Projetos
ISSN da versão eletronica: 2236-0972
www.revistagep.org

GeP – Revista Gestão e Projetos ©2021 Todos os direitos reservados

Esta obra está licenciada com uma licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional