Lições Aprendidas com a utilização de Dados Orçamentários em Formato Aberto: Um estudo exploratório no ecossistema Brasileiro

Cláudio Sonáglio Albano, Gisele da Silva Craveiro

Resumo


Pressionados por novas exigências da sociedade, governos buscam novas formas de gestão, como forma de possibilitar uma maior aproximação de suas sociedades. Aliado a este fato, por serem grandes usuárias de tecnologia da informação, o que proporciona o crescimento de suas bases de dados, tornou os governos e respectivas organizações públicas terreno fértil para iniciativas de dados abertos. O acesso e uso de dados orçamentários públicos (por sua relação com receitas e gastos), historicamente sempre despertou grande atenção da sociedade. Assim este trabalho teve como objetivo identificar como os potenciais benefícios e possíveis barreiras impactam os resultados alcançados e lições aprendidas, no ecossistema brasileiro de dados governamentais abertos, na visão de intermediários que atuam com dados orçamentários. Foram realizadas entrevistas com atores (intermediários) dos governos e sociedade, com atuação no ecossistema de dados abertos orçamentários. Os resultados demonstram que barreiras estruturais dos governos impactam negativamente as ações dos intermediários, pois prejudicam o escopo das informações disponibilizadas. De outra parte resultados positivos são obtidos pela crença de que benefícios com relação à transparência e maior conhecimento dos processos podem ser obtidos pela sociedade, este fato motiva os intermediários a atuarem nesse ecossistema.


Palavras-chave


Barreiras, Benefícios, Dados Governamentais Abertos, Dados Orçamentários, Intermediários.

Texto completo:

PDF

Referências


Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo (7a ed.). Lisboa: Editora 70.

Beghin, N. & Zigoni, C. Organizadores. (2014). Avaliando os websites de transparência orçamentária nacional e subnacionais e medindo impactos de dados abertos sobre direitos humanos no Brasil. Brasília: Instituto de Estudos Socioeconômicos.

Craveiro, G. S., Albuquerque, J. P. & Santana, M. S. (2013). Assessing open government budgetary data in Brazil. Nice, France: International Conference on Digital Society.

Creswell, J. W. (2009). Projeto de pesquisa: método qualitativo, quantitativo e misto (3a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Cruz, F. A. S., Silva, L. M. & Macedo, M. S. (2012). Transparência da gestão pública municipal: um estudo a partir dos portais eletrônicos dos maiores municípios brasileiros. Revista de Administração Pública, 46(1), 153-176.

Davies, T. G. & Bawa, Z. A. (2012). The promises and perils of open government data (OGD). Community Informatics and Open Government Data, 8(2). Recuperado em maio de 2012. http://ci-journal.net/index.php/ciej/issue/view/41.

Eaves, D. (2009). The three laws of open government data. Recuperado em novembro de 2011. http://eaves.ca/2009/09/30/three-law-of-open-government-data/.

Espinoza, J. F., Recinos, I. P. & Morales, M. P. (2013, junio). Datos abiertos: oportunidades y desafíos para Centroamérica con base en una cadena de valor. Conferencia Regional de Datos Abiertos para América Latina y el Caribe, Montevideo, Uruguay, 1.

Germano, E. C. (2013). Modelos de negócios adotados para o uso de dados governamentais abertos: estudo exploratório de prestadores de serviços na cadeia de valor dos dados governamentais abertos. Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Gurstein, M. (2011). Open data: Empowering the empowered or effective data use for everyone? First Monday, 16(2). Recuperado em setembro de 2015. http://firstmonday.org/ojs/index.php/fm/article/view/3316/2764.

Halonen, A. (2012). Being open about data: analysis of the UK open data policies and applicability of open data. London: The Finnish Institute in London.

Harrison, T. M., Pardo, T. A. & Cook, M. (2012) Creating open government ecosystems: a research and development agenda. Future Internet, 4(4), 900-928.

Helbig, N., Cresswell, A. M., Burke, B. G., Pardo, T. A. & Luna-Reyes. (2013, June). Modeling the informational relationships between government and Society. Open Government Consultative Workshop, Albany, NY, United States.

Janssen, M., Charalabidis, Y. & Zuiderwijk, A. (2012). Benefits, adoption barriers and myths of open data and open government. Information Systems Management, 29, 258–268.

Kuk, G. & Davies, T. (2011, July). The roles in assembling open data complementarities. Proceedings of the Thirty Second International Conference on Information Systems, Shanghai, China, 32.

Mayer-Schoenberger, V. & Zappia, Z. (2011, October). Participation and power: intermediaries of open data. Proceedings of the 1st Berlin Symposium on internet and society, Berlin, Germany, 1.

Mazoni, M. V. F. (2011). O papel dos dados abertos para seguir construindo um novo Brasil. Anais do Congresso Internacional Software Livre e Comércio Eletrônico – CONSEGI, Brasília, DF, Brasil, 4.

McKinsey, C. G. (2013). Open data: Unlocking innovation and performance with liquid information. Recuperado em outubro de 2013. http://www.mckinsey.com/Insights/MGI/Research/Technology_and_Innovation.

Moreira, D. L. J. (2015). Panorama sobre a utilização de dados governamentais abertos no Brasil: um estudo a partir dos aplicativos desenvolvidos. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Organization for Economic Co-operation & Development – OECD. (2003). Promise and problems of e-democracy: challenges of online citizen engagement. Paris, France: OECD.

Prince, A., Jolías, L., Brys, C. (2013, junio). Análisis de la cadena de valor del ecosistema de datos abiertos de la Ciudad de Buenos Aires. Conferencia Regional de Datos Abiertos para América Latina y el Caribe, Montevideo, Uruguay, 1.

Sampieri, R. H., Collado, C. F. & Lucio, P. B. (2006). Metodologia de Pesquisa (3a ed.). São Paulo: McGraw-Hill.

Sayogo D. G. & Pardo, T. (2012, December). Exploring the motive for data publication in open data initiative: linking intention to action. Proceedings of the 45th Hawaii International Conference on System Sciences, Hawaii, United States, 45.

Silverman, D. (2009). Interpretação de dados qualitativos: métodos para análise de entrevistas, textos e interações. Porto Alegre: Editora Artmed.

W3C. (2009). Manual dos Dados Abertos: governo. Traduzido e adaptado de http://opendatamanual.org. Recuperado em setembro de 2011. http://www.w3c.br/pub/Materiais/PublicacoesW3C/Manual_Dados_Abertos_WEB.pdf

Zuiderwijk, A., Janssen, M. Choenni, S., Meijer, R. & Alibaks, R. S. (2012). Socio-technical impediments of open data. Electronic Journal of e-Government, 10(2), 156-172.




DOI: https://doi.org/10.5585/gep.v6i3.370

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Cláudio Sonáglio Albano, Gisele da Silva Craveiro

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeP – Revista Gestão e Projetos
ISSN da versão eletronica: 2236-0972
www.revistagep.org

GeP – Revista Gestão e Projetos ©2022 Todos os direitos reservados

Esta obra está licenciada com uma licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional