Desafios para valoração das patentes no Brasil: um estudo de caso sobre os produtos/processos para remediação ambiental

Antonio Fredson Araujo de Sá Novaes, Vivianni Marques Leite dos Santos

Resumo


No contexto das mudanças negativas oriundas dos impactos ambientais e do incentivo à inovação como alternativa para minimizar os referidos impactos, este artigo tem como objetivo analisar duas questões: Como está a produção patentária na área de meio ambiente, especificamente na temática da remediação? E ainda, se as referidas patentes estão chegando ao mercado e/ou se estão sendo valoradas? Para isto, foram realizadas buscas nas bases de patentes do INPI e disponíveis no Orbit, além de pesquisa na literatura e aplicação de questionários. Verifica-se que são poucas as patentes de remediação ambiental no Brasil e que ainda existem muitas dificuldades para a valoração de patentes em geral, embora identificados 7 métodos. Ademais, os principais desafios estão na escassez de publicação na temática com detalhamentos dos passos empregados em casos práticos; métodos ainda necessitam adequações para valoração de novas tecnologias; falta de capacitação; e, especificamente, para as patentes na área de meio ambiente, incluindo tecnologias para remediação, a falta de parâmetros que considerem os ganhos e vantagens estratégicas a partir do cumprimento de responsabilidades ambientais.

 

 


Palavras-chave


Inovação; Patente; Impacto ambiental; Valoração.

Texto completo:

PDF

Referências


Adriano, E., & Antunes, M. T. P. (2017). Proposta para Mensuração de Patentes. Revista de Administração Contemporânea, 21 (1).

Aguiar, R. M., Gabriel, M. L. D. S. (2014). Remediação de Áreas Contaminadas Por Cromo Hexavalente: Relato Sobre Gerenciamento De Projeto. Revista Inovação, Projetos e Tecnologias – IPTEC, 2 (1), 67-84.

Amaral, H., Iquiapaza, R. A., Correia, L. F., Amaral, G. H. O., & Vieira, M. V. (2014). Avaliação de Ativos Intangíveis: Modelos Alternativos para Determinação do Valor de Patentes. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, UNEB, Salvador, 4 (1), 123-143.

Andriessen, D. (2004). Making sense of intellectual capital: design a method for the valuation of intangibles. Oxford, USA: Elsevier Butterword-Heinemann.

Banerjee, A., Bakshi, R., & Sanyal, M. K. (2017). Valuation of patent: A classification of methodologies. Research Bulletin, 42 (4), 158-174.

Damodaran, A. (2006). Dealing with Intangibles: valuing brand names, flexibility and patents. New York: Stern School of Business.

Ernst, H., Legler, S., & Lichtenthaler, U. (2010). Determinants of patent value: Insights from a simulation analysis. Technological Forecasting & Social Change, 77, 1-19.

Gil, A. C. (2017). Como Elaborar um Projeto de Pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Hitchner, J. R., & Mard, M. J. (2006). Financial valuation workbook, 2nd Ed., John Wiley & Sons, Inc.

Hong, S. J., Seo, J. W., Kim, Y. S., & Kang, S. H. (2010). Construction Technology Valuation for Patent Transaction. KSCE Journal of Civil Engineering.

Hung, S. W., & Tseng, S. C. (2010) A New Framework Integrating Environmental Effects into Technology Evaluation. Journal of Business Ethics, 95, 543-556.

Oliveira, J. A., & Ewald, M. R. (2012). Sistemas de gestão ambiental como auxílio para processos industriais limpos. In: SILVEIRA, M. A. Gestão da Sustentabilidade Organizacional: Inovação, Aprendizagem e Capital Humano. Campinas, SP: CTI (Centro de Tecnologia da Informação “Renato Archer”).

Portaria MF 436/58, de 30 de dezembro de 1958 (1958). Portaria do Ministério da Fazenda que estabeleceu coeficientes percentuais máximos para a dedução de Royalties pela exploração de patentes, entre outros.

Quintal, R. S., & Terra, B. R. C. S. S. R. (2014). Políticas organizacionais de ciência, tecnologia e inovação e gestão da propriedade industrial: uma análise comparativa em Instituições de Pesquisa. Gestão & Produção, São Carlos, 21 (4), 760-780.

Reitzig, M. (2003). What determines patent value? Insights from the semiconductor industry, Research Policy, 32 (1), 13-26.

Resolução INPI nº 239/2019, de 4 de junho de 2019 (2019). Disciplina o trâmite prioritário de processos de patente no âmbito da Diretoria de Patentes, Programas de Computador e Topografias de Circuitos Integrados (DIRPA).

Romeiro, A. R., & Salles, S. (2011). Dinâmica de inovações sob restrição ambiental. In A. R. Romeiro, B. P. Reydon, & M. L. A. Leonardi. Economia do meio ambiente: teoria, políticas e a gestão de espaços regionais. Campinas, SP: UNICAMP, Instituto de Economia.

Romer, P. (1987). Growth based on increasing returns due to specialization. American Economic Review, 77.

Sapsalis, E., & Van Pottelsberghe De La Potterie, B. (2007). The institutional sources of knowledge and the value of academic patents, Econ. Innov. New technol. 16.

Souza, R. de O. (2009). Dissertação (Mestrado). Valoração de ativos intangíveis: seu papel na transferência de tecnologias e na promoção da inovação tecnológica. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro. Disponível: http://tpqb.eq.ufrj.br/download/valoracao-de-ativos-intangiveis.pdf

Thorn, H., Hunt, F., Mitchell, R., Probert, D., & Phaal, R. (2011). Internal technology valuation: real world issues. International Journal of Technology Management (IJTM), 53 (2/3/4).

Torkomian, A. L. V., Bezerra, S. Y. A. F, & Silva, K. C. (2019). Relatório anual da Pesquisa FORTEC de Inovação – Ano Base 2018.




DOI: https://doi.org/10.5585/iptec.v9i1.18207

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Inovação, Projetos e Tecnologias – IPTEC

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista Inovação, Projetos e Tecnologias - IPTEC

e-ISSN: 2318-9851
www.revistaiptec.org

Revista Inovação, Projetos e Tecnologias - IPTEC ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional