Programas sócio-torcedores de clubes do futebol brasileiro

Bruno Peralva Escóssia Campos, José André Villas Boas Mello

Resumo


Objetivo: Pretende-se buscar uma melhor compreensão do comportamento de compra dos programas sócio-torcedores, identificando os atributos de produto projetados como de designação funcional e os de designação emocional nos planos comercializados e entendidos como capazes de induzir a adesão.

Método: Através de uma abordagem exploratória e descritiva, identificaram-se na mídia as inovações de captação recentes de maior êxito, analisando-as e avaliando seu impacto. A seguir as experiências de cada plano foram identificadas e foi elaborada uma tabela comparativa para uma melhor compreensão e observação sobre os requisitos projetados por cada organização.

Originalidade/Relevância: A intenção é identificar atributos que sejam mais intensamente utilizados pelos clubes, bem como identificar iniciativas mercadológicas lançadas pelas organizações. Este estudo se torna relevante e original à medida que lança um olhar sobre o programa sócio-torcedor.

Resultados: Identificou-se que os atributos mais disponibilizados são os descontos em ingressos e descontos em serviços na rede “Por um futebol melhor”, atributos de designação funcional. Observou-se que vários clubes buscam incrementar benefícios de designação emocional em seus programas para elevar a quantidade de associados.

Contribuições teóricas/metodológicas: o artigo avança sobre uma reflexão em múltiplas dimensões no que se refere a melhor compreender os produtos desenvolvidos por organizações do futebol, dentre eles o programa sócio-torcedor.


Palavras-chave


Desempenho; Clubes de futebol; Torcedores.

Texto completo:

PDF

Referências


Brendler, C.F., Silva, R.S., Teixeira, F.G., Batista, V.J., Silva, R.P. (2012). Aplicação da fase de projeto informacional no projeto de vasos sanitários para idosos. Human Factors in Design, 1(2).

Brito-Costa, S., Castro, F.V., Moisão, A., Nascimento, E., Almeida, H. (2016). Inteligência emocional percebida em atletas de futebol. International Journal of Developmental and Educational Psychology, 2(1), 455-464.

Capelo, R. (2016). O que o sócio torcedor quer. Revista Época. Disponível em: http://epoca.globo.com/vida/esporte/noticia/2016/01/o-que-o-socio-torcedor-quer.html. Acesso em 11/03/2016.

Cardoso, M.V., Silveira, M.P. (2014). A Importância da Adoção do Sócio Torcedor como Estratégia de Inovação para Aumentar as Receitas dos Clubes de Futebol no Brasil. Podium Sport, Leisure and Tourism Review, 3(3), 12-24.

Carvalho, M. S., Castro, P. C., Guabiroba, R. C. (2016). Eficiência e eficácia de clubes de futebol – uma análise comparativa. Revista Produção e Desenvolvimento, 2(2), 101-114.

Costa, E. S., Mota, I. C. (2016). Marketing de Relacionamento Como Estratégia de Marketing Esportivo, no Programa de Sócio Torcedor do Sport Club Corinthians Paulista. Revista Fatec Sebrae em debate-gestão, tecnologias e negócios, 3(05), 95-95.

Dantas, M. G. S.; Boente, D. R. (2011). A eficiência financeira e esportiva dos maiores clubes de futebol europeus utilizando a Análise Envoltória de Dados. Revista de Contabilidade e Organizações, 5(13), 75-90.

Delgado-Ballester, E., Palazón, M., Pelaez-Muñoz, J. (2017). This anthropomorphised brand is so loveable: The role of self-brand integration. Spanish Journal of Marketing-ESIC, 21(2), 89-101

Dias, P.S., & Monteiro, P.R.R. (2020). Marketing Esportivo e Valor Percebido: uma aplicação da análise conjunta nos Programas Sócio Torcedor de clubes de futebol. BBR. Brazilian Business Review, 17(3), 253-274. Epub July 03, 2020.https://dx.doi.org/10.15728/bbr.2020.17.3.1

Dias, P.S., Monteiro, P. R. R., & Ribeiro, E. M. S. (2019). Aplicação de Redes Bayesianas para análise de programas sócio torcedor. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 13(2), 49-66.

Diel, E. H., Diel, F. J., Shulz, S. J., Hein, N. (2013). Fatores de endividamento e situação econômica de clubes de futebol brasileiros. Anais do XXIV ENANGRAD. Florianópolis, SC.

Espartel, L. B., Müller Neto, H. F., & Pompiani, A. E. M. (2009). “Amar é ser fiel a quem nos trai”: a relação do torcedor com seu time de futebol. Organizações & Sociedade, 16(48), 59-80.

Fournier, S. (1998). Consumers and their brands: Developing relationship theory in consumer research. Journal of consumer research, 24(4), 343-373.

Frank, E., Lang, M. (2014). A theoretical analysis of the influence of Money injections on risk taking in football clubs. Scottish Journal of Political Economy, 61(4).

Galvão, N.M.S., Miranda, L.C. (2016). Participação e evidenciação de atletas nos demonstrativos contábeis de clubes de futebol brasileiro. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 6(1), 112-131.

Requeijo, J. F. G., da Costa Feliciano, A. J. P., Calado, J. M. F., & da Eira Dias, A. S. M. (2018). Six Sigma Business Scorecard Approach to support maintenance projects in a collaborative context. Revista Produção e Desenvolvimento, 4(1), 82-97.

Gomes, L. F. (2011). Estatuto do Torcedor Comentado. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais.

Gonzalez, M.O.A.; Toledo, J.C.; Oprime, P.C. (2012). Integração de clientes no processo de desenvolvimento de produtos: estudo de casos em empresas de bens de capital. Gestão & Produção, São Carlos, 19(3), 589-606.

Helal, R. (1997). Passes e impasses: futebol e cultura de massa no Brasil. Petrópolis: Vozes.

Idel, H. Sócio torcedor, um produto. Disponível em http://halfen-mktsport.blogspot.com.br/2015/06/socio-torcedor-um-produto.html, Acesso em 16/02/2017.

Kotler, P.; Armstrong, G. (2003). Princípios de marketing. 9 ed. São Paulo: LTC.

Lopes, D. (2015). Sport dobra número de sócios e bate Flu com ações no estádio. Maquina do Esporte. Disponível em: http://maquinadoesporte.uol.com.br/artigo/sport-dobra-numero-de-socios-e-bate-flu-com-acoes-no-estadio_28975.html#ixzz4aThUgZbh

Lopes, G. (2011). O Investimento no Torcedor. Universidade do Futebol.

Maia, A.B.G.R., Vasconcelos, A.C. (2016). Disclosure de ativos intangíveis dos clubes de futebol brasileiros e europeus. Contabilidade Vista & Revista, 27(3).

Martins, F. F., & Las Casas, A. L. (2017). O Programa Sócio-Torcedor e o Marketing de Relacionamento no Futebol: o caso do Corinthians. Revista de Administração do UNIFATEA, 15(15).

Medeiros, J., & Guedon, P. (2019). Fidelização econômico-torcedora e laços de vinculação com o clube: uma análise dos programas sócio-torcedor cariocas. FuLiA 4(2), 25-42.

Mello, J. A. V. B., & Risso Filho, N. M. P. (2019). Percepções sobre marca de um Arranjo Produtivo Local (APL) em uma cidade Brasileira. Comuni@cción, 10(1), 21-35. https://dx.doi.org/https://doi.org/10.33595/2226-1478.10.1.327

Mello, J.A.V.B., Correia, F., Gonçalves, F., Mourão, H. (2017). Desempenho e o processo de seleção em categorias de base em clubes de futebol do Rio de Janeiro. Revista Intercontinental de Gestão Desportiva-RIGD, América do Norte, 7(1), 1-15.

Mussa, M., Souza, S., Freire, E., Cordeiro, R., & Hora, H. (2018). Business Intelligence in Education: An Application of Pentaho Software. Revista Produção e Desenvolvimento, 4(3), 29-41.

Morgan, M.; Summers, J. (2008). Marketing Esportivo, 97-107.

Pereira, L. F. (2014). O Torcedor-Consumidor: Identificação com os clubes e barreiras para a adoção do programa Sócio Torcedor. Dissertação de mestrado. Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro.

Petríková, D., Soroková, T. (2015). Economic and Psychological Aspects of Importance of Real Madrid Brand in Marketing Communication. Mediterranean Journal of Social Sciences. 6(3), 504-514.

Pires, A. R., Saraiva, M. (2018). Custos relacionados com a qualidade: contributos para o desempenho organizacional. Revista Produção e Desenvolvimento, 4(1), 1-18.

Pistore, G.C., Philereno, R.F.D.C., Silva. A.; Faccin, K. (2015). Contabilidade de custos para formação de preço de venda: um estudo de caso em uma indústria de suspensões pneumáticas de Caxias do Sul-RS. Revista Produção e Desenvolvimento, 1(1), 31-49.

Rezende, A.J., Custódio, R.S. (2012). Uma Análise da Evidenciação dos Direitos Federativos nas Demonstrações Contábeis dos Clubes de Futebol Brasileiros. REPeC, Brasília, 6(3), 229-245.

Ribeiro, L. L., Silva, S., & Pimenta, M. L. (2020). Cross-Functional Integration at Agribusiness Brazilian Organizations. Revista Produção e Desenvolvimento, 6. https://doi.org/10.32358/rpd.2020.v6.403

Rodrigues, F. X. F. (2010). O Programa “Sócio Torcedor” do Sport Club Internacional. Revista Aurora, 9, 128-138.

Santos, A. F. (2011). Gestão econômico-financeira dos clubes de futebol versus desempenho de ranking de clubes da CBF: uma aplicação da análise das componentes principais. Anais do SIMPOI, São Paulo.

Santos, R. D. (2015). Pioneiro, Internacional quer evoluir programa de Sócio-Torcedor para seguir no topo. Disponível em Torcedores.com. Acesso em 12/03/2016.

Seto, G; Piovesan, E. (2015). Corinthians lidera, mas Palmeiras lucra mais com sócio-torcedores. Folha de São Paulo, esportes.

Soares, A. J. G. Bartholo, T. L. Salvador, M.S. (2007). A imprensa e a memória do futebol brasileiro. Revista Portuguesa de ciências de desporto, 7(3), 368-376.

Takahashi, S.; Takahashi, V.P. (2007). Gestão de Inovação de Produtos. Rio de Janeiro: Elsevier.




DOI: https://doi.org/10.5585/podium.v9i3.16316

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review

e-ISSN: 2316-932X
www.podiumreview.org.br

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review ©2020 Todos os direitos reservados.