Determinantes do Endividamento em Cooperativas Médicas sob a Regulação da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS)

Ewerton Alex Avelar, Antônio Artur de Souza, Hudson Fernandes Amaral

Resumo


O objetivo geral da pesquisa apresentada neste artigo foi analisar variáveis determinantes do endividamento em operadoras de planos de saúde (OPS) classificadas como cooperativas médicas sob a perspectiva da regulação da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A pesquisa pode ser classificada essencialmente como quantitativa e causal e a amostra empregada consistiu nas OPS classificadas como cooperativas médicas que apresentaram seus dados financeiros ao longo do período de estudo (2010 a 2016) publicamente no site da ANS. Para a análise de dados, foram utilizadas as técnicas de análise documental, estatística descritiva e análise de regressão com dados em painel. Ao se analisar as decisões de financiamento das OPS, observou-se que a grande maioria as variáveis clássicas empregadas como determinantes desse tipo de decisão financeira em empresas foram consideradas significantes nas cooperativas. No que se refere às variáveis relacionadas à regulação, algumas se mostraram significantes. Uma das mais relevante nos modelos de endividamento foi o tamanho (porte) da operadora. Ademais, é importante destacar que a significância das variáveis (tanto as tradicionais de financiamento quanto as de regulação) dependeu do horizonte temporal abordado (curto ou longo prazo).


Palavras-chave


Variáveis determinantes de endividamento; Operadoras de planos de saúde (OPSs); Cooperativas Médicas; Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Texto completo:

PDF

Referências


Associação Brasileira de Planos de Saúde – ABRAMGE. (2015). Custo cresce mais que receita, dizem planos. Recuperado em 11 de janeiro, 2018, de http://blog.abramge.com.br/mundo-corporativo/economia-mercado/custo-cresce-mais-que-receita-dizem-planos/.

Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS. (2000). Resolução de Diretoria Colegiada - RDC nº 39, de 27 de outubro de 2000. Recuperado em 6 de dezembro, 2015, de http://www.ans.gov.br/component/legislacao/?view=legislacao&task=TextoLei&format=raw&id=Mzgw.

______. (2015). Caderno de Informação da Saúde Suplementar: Beneficiários, Operadoras e Planos Recuperado em 16 de fevereiro, 2018, de http://www.ans.gov.br/images/stories/noticias/pdf/caderno_de_informa%C3%A7%C3%A3o_mar_2015_final.pdf.

______. (2017). Caderno de Informação da Saúde Suplementar: Beneficiários, Operadoras e Planos – Junho. Recuperado em 16 de fevereiro, 2018, de http://www.ans.gov.br/images/stories/Materiais_para_pesquisa/Perfil_setor/Caderno_informacao_saude_suplementar/caderno_informacao_junho_2017.pdf.

______. (2018a) Sala de Situação. Recuperado em 30 de abril, 2018, de http://www.ans.gov.br/perfil-do-setor/dados-e-indicadores-do-setor/sala-de-situacao.

______. (2018b) Programa de Qualificação de Operadoras. Recuperado em 15 de janeiro, 2018, de http://www.ans.gov.br/planos-de-saude-e-operadoras/informacoes-e-avaliacoes-de-operadoras/qualificacao-ans.

______. (2018c) Registro de operadora. Recuperado em 16 de janeiro, 2018, de http://www.ans.gov.br/planos-de-saude-e-operadoras/espaco-da-operadora/registro-e-manutencao-de-operadoras-e-produtos/registro-de-operadora.

ANS, 2011

______. (2016) Dados e Indicadores do Setor. Recuperado em 6 de janeiro, 2016, de http://www.ans.gov.br/perfil-do-setor/dados-e-indicadores-do-setor.

An, Z. (2012). Taxation and capital structure: empirical evidence from a quasi-experiment in China. Journal of Corporate Finance, 18, 683-689.

Arellano, M. (2003). Panel Data Econometrics: Advanced Texts in Econometrics. Oxford: Oxford University Press.

Babbie, E. R. (1999). Métodos de pesquisas de survey. Belo Horizonte: UFMG.

Baldassare, R. M. (2014). Análise do desempenho econômico-financeiro de operadoras de planos de saúde no mercado de saúde suplementar brasileiro. Dissertação de Mestrado em Administração de Empresas, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo.

Bardin, L. (2002). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bragança, C. G. (2017). Liquidação de operadoras de planos de assistência à saúde no Brasil. Dissertação de Mestrado em Controladoria e Contabilidade, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Brasil (2000). Lei nº 9.961, de 2000. Cria a Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS e dá outras providências. Recuperado em 1 de maio de 2015, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm.

Brito, G. A. S.; Corrar, L. J.; Batistella, F. D. (2007). Fatores determinantes da estrutura de capital das maiores empresas que atuam no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, 43, 9-19.

Cavalcanti, J. M. M., Castro, S. L., Avelar, E. A., Lazo, R. P, & Mól, A. L. R. (2016). Financial debt stratification and capital structure determinants of companies listed in the BM&FBOVESPA. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade,6(3), 125-142, 2016.

Ceretta, P. S., Vieira, K. M., Fonseca, J. L., & Trindade, L. L. (2009). Determinantes da estrutura de capital: uma análise de dados em painel de empresas pertencentes ao Ibovespa no período de 1995 a 2007. Revista de Gestão USP, 16(4), 29-43.

Correa, C. A., Basso, L. F. C., & Nakamura, W. T. (2013). A estrutura de capital das maiores empresas brasileiras: análise empírica das teorias de pecking order e trade-off, usando panel data. Revista de Administração Mackenzie, 14(4), 106-133.

Costa, N. R. (2008). O regime regulatório e o mercado de planos de saúde no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 13(5), 1453-1462.

Croissant, Y., & Millo, G. (2008). Panel Data Econometrics in R: The plm Package. Recuerpado em 16 de janeiro, 2018, em: https://cran.r-project.org/web/packages/plm/vignettes/plm.pdf.

Damodaran, A. (2004) Finanças corporativas: teoria e prática. 2.ed. Porto Alegre: Bookman.

Engberg, J., Wholey, D., Feldman, R., & Christianson, J. B. (2004). The effect of mergers on firms’ costs: evidence from the HMO industry. The Quarterly Review of Economics and Finance, 44, 574–600.

Ernst & Young. (2010). Manual de normas internacionais de contabilidade: IFRS versus normas brasileiras. São Paulo: Atlas.

Fama, E. F., & French, K. R. (2005). Financing decisions: who issues stock? Journal of Financial Economics, 76, 549–582.

______. (2002). Testing Trade-Off and Pecking Order Predictions About Dividends and Debt. The Review of Financial Studies, 15(1) 1–33.

Fávero, L. P. (2015). Análise de Dados: Modelos de Regressão com Excel®, Stata® e SPSS®. Rio de Janeiro: Elsevier.

Fernandes, F., Ferreira, M. E., & Rodrigues, E. R. (2014). Análise de rentabilidade utilizando o modelo Dupont: estudo de caso em uma operadora de planos de saúde. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, 3(2), 30-44.

Forte, D., Barros, L. A., & Nakamura, W. T. (2013). Determinants of the capital structure of small and medium sized Brazilian enterprises. Business Administration Review, 10(3), 347-369.

Frank, M. Z., & Goyal, V. K. (2009). Capital Structure Decisions: Which Factors are Reliably Important?. Financial Management, 38(1), 1-37.

Gujarati, D., & Porter, D. C. (2011). Econometria básica. (5a ed.). Porto Alegre: AMGH.

Harris, M., & Raviv, A. (1991). The Theory of Capital Structure. The Journal of Finance, 46(1), 297-355.

Iaquiapaza, R. A., Amaral, H. F., & Araújo, M. S. B. (2008). Testando as previsões da pecking order theory no financiamento das empresas brasileiras: uma nova metodologia. Revista de Administração Mackenzie, 9(3), 157- 183.

Kudlawicz, C., & Santos, J. L. (2013). Perfil financeiro das empresas brasileiras operadoras de planos de saúde: um estudo exploratório. Revista Eletrônica Conhecimento Interativo, 7(1), 30-47.

Kudlawicz, C., Steiner Neto, P. J., & Frega, J. R. (2015). Homogeneidade e rentabilidade: o caso das operadoras de planos de saúde. Revista de Informação Contábil, 9(1), 50-67.

Leal, R. M. (2014). O mercado de saúde suplementar no Brasil: regulação e resultados econômicos dos planos privados de saúde. Anais da Jornada de Estudos de Regulação, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 8.

Lemmon, M. L., & Zender, J. F. (2010). Debt Capacity and Tests of Capital Structure Theories. Journal of Financial and Quantitative Analysis, 45(5), 1161–1187.

Malhotra, N. K., & Birks, D. F. (2007) Marketing Research: An Applied Approach (3a ed.). Harlow: Prentice Hall.

Menezes, J. P. C. B., Sant’Ana, N. L. S., Ferreira, A. C., Silva, S. A. L., & Souza, A. A. (2016). Estudo sobre o capital de giro das operadoras de planos de saúde atuantes no Vale do Mucuri - MG. Revista Eletrônica das Faculdades Integradas Vianna Júnior, 7(2), 202-228.

Perobelli, F. F. C., & Fama, R. (2002) Determinantes da estrutura de capital: aplicação a empresas de capital aberto brasileiras. Revista de Administração, 37(3) 33-46.

Pinheiro, I. C. B., Peleias, I. V., Silva, A. F., & Martins, E. (2015). Efeitos da regulação econômico-financeira nas estratégias de financiamento das operadoras de planos de saúde. Revista Universo Contábil, 11(2), 108-127.

Pohlmann, M. C., & Iudicibus, S. (2010). Relação entre a tributação do lucro e a estrutura de capital das grandes empresas no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, 21(53).

Rajan, R. G., & Zingales, L. (1995). What Do We Know about Capital Structure? Some Evidence from International Data. The Journal of Finance, 50(5), 1421-1460.

Ross, S. A., Westerfield, R. W., Jaffe, J., & Lamb, R. (2015). Administração financeira (10a ed.). São Paulo: AMGH Editora.

Silva, V. V.; Lobel, E. (2016). Análise do desempenho econômico-financeiro de operadoras de planos privados de saúde do setor brasileiro de saúde. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde,13(3), 1-21.

Silva, B. N., Costa, M. A. S., Abbas, K., & Galdamez, E. V. C. (2017). Eficiência hospitalar das regiões brasileiras: um estudo por meio da análise envoltória de dados. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, 6(1), 76-91.

Soares, M. A. (2006). Análise de indicadores para avaliação de desempenho econômico-financeiro das operadoras de planos de saúde brasileiras: uma aplicação da análise fatorial. Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Supremo Tribunal Federal. (2003) Ação direta de inconstitucionalidade (Med. liminar) – 1931. Recuperado em 10 de fevereiro, 2017, em: http://www.stf.jus.br/portal/peticaoInicial/ verPeticaoInicial.asp?base=ADIN&s1=1931&processo=1931.

Titman, S., & Wessels, R. (1988). The Determinants of Capital Structure Choice. The Journal of Finance, 43(1), 1-19.

Ugá, M. A. D., Lima, C. L. M., Portela, M. C., Vasconcellos, M. M., Barbosa, P. R., & Gerschman, S. (2008). Uma análise das operadoras de planos próprios de saúde dos hospitais filantrópicos no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 24(1), 157-168.

Unimed do Brasil. (2018). História / Linha do Tempo. Recuperado em 30 de abril, 2018, em: http://memoria.unimed.coop.br/memoria/historias.

Varella, D., & Ceschin, M. (2014). A saúde dos planos de saúde: os desafios da assistência privada no Brasil. São Paulo: Paralela.

Veloso, G. G.; Malik, A. M. (2010). Análise do desempenho econômico-financeiro de empresas de saúde. RAE-eletrônica, 9(1), art. 2.

Welch, I. (2011). Two Common Problems in Capital Structure Research: The Financial-Debt-to-Asset Ratio and Issuing Activity Versus Leverage Changes. International Review of Finance, 11(1), 1-17.

Wooldridge, J. M. (2011). Introdução à econometria: uma abordagem moderna. São Paulo, Brasil: Cengage Learning.

Xavier, D. O. (2017). Variáveis determinantes do desempenho econômico-financeiro de operadoras de planos de saúde. Dissertação de Mestrado em Administração, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.




DOI: https://doi.org/10.5585/rgss.v8i3.11537

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista de Gestão em Sistemas de Saúde – RGSS

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

 

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS)
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.