Incompletude dos óbitos por esquistossomose no sistema de informação sobre mortalidade em Pernambuco, 2000-2014

Emília Carolle Azevedo de Oliveira, Iris Edna Pereira da Silva, Ricardo José Ferreira, Constança Simões Barbosa

Resumo


Este estudo objetivou avaliar a incompletude dos registros de óbitos por esquistossomose no Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) em Pernambuco, no período 2000-2014, e analisar o conhecimento médico sobre o preenchimento da declaração de óbito (DO). Os dados secundários foram obtidos por meio do SIM, e os primários pela avaliação dos médicos em hospitais públicos de Pernambuco. Foram avaliados os escores de incompletude e as variações percentuais (2000-2007, 2008-2014); e as frequências relativas do conhecimento médico sobre a DO. Em 2000-2014, ocorreram 2636 óbitos por esquistossomose em PE. Em 2000-2007, ‘endereço de residência’ obteve a maior incompletude. Em 2008-2014, ‘naturalidade’ demonstrou a pior incompletude. Dos 32 médicos, 71,9% referiram o não preenchimento de variáveis devido à ausência de informação sobre o paciente, 62,5% não participaram de curso sobre preenchimento da DO, 80,6% achavam o curso necessário. Obteve-se associação entre as causas de não preenchimento da DO e o desejo de capacitação. No período de estudo, ocorreu a redução da incompletude de variáveis importantes, mas houve um aumento expressivo da incompletude ‘naturalidade’, o que desvirtua as informações sobre a autoctonia do local onde ocorreu o caso. A justificativa dos médicos – falta informação para preencher a variável da DO – é inconsistente, por serem eles os responsáveis por captar as informações. Tais lacunas prejudicam o planejamento de ações e políticas públicas direcionadas ao controle da doença.


Palavras-chave


Esquistossomose; Sistemas de Informação em Saúde; Atestado de Óbito.

Texto completo:

PDF

Referências


Barbosa C. S., Barbosa V. S., Melo F. L., Melo M. S. B., Bezerra L., Campos J. V., Rodrigues B. X., Nascimento W. C., Gomes E. S., Leal-Neto O., & Domingues A. L. (2013). Casos autóctones de esquistossomose mansônica em crianças de Recife, PE. Revista de Saúde Pública, 47(4),684-690.

Barbosa C. S., Gomes E. C. S., Campos J. V., Oliveira F. J. M., Mesquita M. C. S., Oliveira E. C. A., & Domingues A. L. C. (2016). Morbidity of mansoni schistosomiasis in Pernambuco-Brazil: Analysis on the temporal evolution of deaths, hospital admissions and severe clinical forms (1999-2014). Acta Trop, dez; 164, 10-16.

Brasil. (2008). Vigilância em saúde: dengue, esquistossomose, hanseníase, malária, tracoma e tuberculose. [Cadernos de atenção básica; nº 21]. (2a ed.). Brasília, DF: Ministério da Saúde..

Brasil. (2009a). Guia de vigilância epidemiológica. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Brasil. (2009b). A declaração de óbito: documento necessário e importante. , (3a ed.) Brasília, DF: Conselho Federal de Medicina. Centro Brasileiro de Classificação de Doenças.

Brasil. (2011). Sistema nacional de vigilância em saúde: relatório de situação: Pernambuco. (5a ed.) Brasília, DF.

Farias LMM, Resendes APC, Sabroza PC, Souza-Santos R. (2007). Análise preliminar do sistema de informação do programa de controle da esquistossomose no período de 1999 a 2003. Cadernos de Saúde Pública, 23(1), 235-239.

Frias P. G., Pereira P. M. H., Andrade C. L. T., & Szwarcwald C. L. (2008). Sistema de Informações sobre Mortalidade: estudo de caso em municípios com precariedade dos dados. Cadernos de Saúde Pública, 24: 2257-2266.

Frias P. G., Pereira P. M. H., Andrade C. L. T., Lira P. I. C., & Szwarcwald C. L. (2010). Avaliação da adequação das informações de mortalidade e nascidos vivos no Estado de Pernambuco, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 26(4), 671-681.

Frias P. G., Szwarcwald C. L., & Lira P. I. C. (2011). Estimação da mortalidade infantil no contexto de descentralização do sistema único de saúde (SUS). Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 11(4), 463-470.

Frias P. G., Szwarcwald C. L., & Lira P. I. C. (2014). Avaliação dos sistemas de informações sobre nascidos vivos e óbitos no Brasil na década de 2000. Cadernos de Saúde Pública, 30(10), 2068-2080.

Haraki C. A. P., Goltilieb S. L. D., & Laurenti R. (2005). Confiabilidade do sistema de informações sobre mortalidade em município do Sul do Estado de São Paulo. Revista Brasileira de Epidemiologia, 8(1), 19-24.

Haraki C. A. P., Gotlieb S. L. D., & Laurenti R. (2005). Confiabilidade do Sistema de Informações sobre Mortalidade em município do sul do Estado de São Paulo. Revista Brasileira de Epidemiologia, 8,19-24.

Katz, N. (2018). Inquérito Nacional de Prevalência da Esquistossomose mansoni e Geo-helmintoses (p. 76). Belo Horizonte: CPqRR.

Laurenti R., Mello Jorge M. H. P., & Gotlieb S. L. D. (2004). A confiabilidade dos dados de mortalidade e morbidade por doenças crônicas não-transmissíveis. Ciência & Saúde Coletiva, 9(4), 909-920.

Leite B. H. S., Rodrigues G. G. P., Fernandes V.V., Medeiros C. S., Correia A. A., & Souza I.F.A.C. (2017). Incidência de Esquistossomose Mansônica em Pernambuco no Período Compreendido entre 2010 a 2016. Ciências Biológicas e de Saúde, 3(2), 57-66.

Lucena, L., Cagliari G. H. B., Tanaka J., & Bonamigo E. L. (2014). Declaração de Óbito: preenchimento pelo corpo clínico de um hospital universitário. Revista Bioética (Impr.), 22 (2), 318-324.

Mendonça F. M., Drumond E. & Cardoso A. M. P. (2010). Problemas no preenchimento da Declaração de Óbito: estudo exploratório. Revista Brasileira de Estudos de População, 27(2), 285-295.

Messias K. L. M., Júnior J. P. B., Pegado M. F. Q., Oliveira L. C., Peixoto T. G., Sales M. A. C., Filho M. P. M., Ferreira D. G., Lage M. P. F., Freitas T. P., & Filho J. G. B. (2016). Qualidade da informação dos óbitos por causas externas em Fortaleza, Ceará, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 21(4), 1255-1266.

Miranda S. S., Martins E. M., Queiroz L. A., Andrade A. P. E. N., Santos L. P. S., Sódre T. M., & Oliveira L. B. (2016). Os sistemas de informação em saúde e seu apoio à gestão e ao planejamento do Sistema Único de Saúde: análise de um município de médio porte da região Nordeste. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde, 18(4), 14-21.

Oliveira, E. C. A., Pimentel, T. J. F., Araujo, J. P. M., Oliveira, L. C. S., Fernando, V. C. N., Loyo, R. M., Gomes, E. C. S., Moreira, R. S., & Barbosa, C. S. (2018). Investigação sobre os casos e óbitos por esquistossomose na cidade do Recife, Pernambuco, Brasil, 2005-2013. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 27(4), e2017190. Recuperado em 29 de novembro, 2018, de https://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742018000400010

Oliveira T.F., Soares M.S., Cunha R.A., & Jonathan S.S. (2011). Educação e controle da esquistossomose em Sumidouro (RJ, Brasil): avaliação de um jogo no contexto escolar. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciência, 8(3).

Pernambuco. (2014) SANAR: Programa de Enfretamento das Doenças Negligenciadas no Estado de Pernambuco, 2011-2014. (2a ed., 39p.). (Série A. Normas e Manuais Técnicos). Recife: Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco. .

Ramalho M. O. A., Frias P. G., Vanderlei L. C. M., Macêdo V. C., & Lira P. I. C. (2015). Avaliação da incompletude da declaração de óbitos de menores de um ano em Pernambuco, Brasil, 1999-2011. Ciência & Saúde Coletiva, 20(9), 2891-2898.

Ramos A. N. Jr. et al. (2013). Profilaxia e controle. In R. S. Batista et al. (Org.). Esquistossomoses humanas (pp. 148-181). Rio de Janeiro: Rubio.

Rios M. A., Anjos K. F., Meira S. S., Nery A. A., & Casotti C. A. (2013). Completude do sistema de informação sobre mortalidade por suicídio em idosos no estado da Bahia. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 62(2), 131-138.

Silva J. A. C., Yamak I. V. N., Oliveira J. P. S., Teixeira R. K. L. C., Santos F. A. F., & Hosoume V. S. N. (2013). Declaração de óbito, compromisso no preenchimento: Avaliação em Belém – Pará, em 2010. Revista da Associação Médica Brasileira, 59(4), 335–340.

Silva P. H. A., Lima A. S. D., Medeiros A. C. M., Bento B. M., Silva R. J. S., Freire F. D., Morais K. C. L., Frederico T. J. G., Correia L. P. M. P., & Melo M. C. L. (2016). Avaliação do Conhecimento de Médicos Professores, Residentes e Estudantes de Medicina acerca da Declaração de Óbito. Revista Brasileira de Educação Médica, 40(2), 183-188.

Tibiriça S.H.C., Guimarães F.B., & Teixeira M. T. B. A. (2011). A esquistossomose mansoni no contexto da política de saúde brasileira. Ciência & Saúde Coletiva, 16(1), 1375-1381.

Wichmann D., Panning M., Quack T., Kramme S., Burchard G.D., Grevelding C., & Drosten C. (2009). Diagnosing schistosomiasis by detection of cell-free parasite DNA in human plasma. PLoS Negl Trop Dis, 3(4), 422.

World Health Organization. (2017). Schistosomiasis. Recuperado 24 de abril, 2019, de https://www.who.int/schistosomiasis/epidemiology/en/




DOI: https://doi.org/10.5585/rgss.v8i3.13698

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista de Gestão em Sistemas de Saúde – RGSS

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS)
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS) ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional