Avaliação por triangulação de métodos de um núcleo de gestão de leitos em um hospital público do Distrito Federal

Bárbara de Paula Oliveira, Roberto José Bittencourt

Resumo


A gestão de leitos tem se mostrado como uma estratégia para gerir os leitos hospitalares de forma equânime e transparente (Brasil, 2017). O objetivo do presente estudo foi avaliar o grau de implantação do Núcleo de Gestão de Leitos de um Hospital Público do Distrito Federal através da análise de estrutura, processo e resultados e apresentar a percepção dos profissionais do núcleo em relação ao seu funcionamento. Os resultados mostram um grau de implementação incipiente (28,5%) com Taxas de Ocupação e Tempo Médio de Permanência abaixo do preconizado, um processo de trabalho sem desfecho comum, e a percepção dos profissionais de que não têm autonomia para tomar decisões referentes aos leitos. Este estudo de caso nos dá luz sobre como a gestão de leitos está acontecendo em um hospital público e permite refletir sobre as limitações que impedem que o trabalho seja executado em sua totalidade. Mesmo que haja profissionais comprometidos, é preciso considerar as esferas de poder que interferem na tomada de decisões e execução do trabalho. 


Palavras-chave


Gestão de leitos; Regulação; Avaliação em saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, C. K. de A., Natal, S., Felisberto, E., & Samico, I. (2010). Interpretação e análise das informações: o uso de matrizes, critérios, indicadores e padrões. In I. Samico, E. Felisberto, A. Figueiró, & P. Frias (Eds.), Avaliação em Saúde – Bases Conceituais e Operacionais (p. 196).

Anschau, F., Webster, J., Roessler, N., Fernandes, E. de O., Klafke, V., da Silva, C. P., Fossari, J. A. J. (2017). Avaliação de intervenções de Gestão da Clínica na qualificação do cuidado e na oferta de leitos em um hospital público de grande porte. Scientia Medica, 27(2).

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Batista, S. R., Vilarins, G. C. M., Lima, M. G. de, & Silveira, T. B. (2019). O Complexo Regulador em Saúde do Distrito Federal, Brasil, e o desafio da integração entre os níveis assistenciais. Ciência & Saúde Coletiva, 24(6), 2043–2052.

Bittencourt, R. J. (2018). Gestão em Saúde Pública: Novas Tendências da Administração Hospitalar. Como melhorar o desempenho dos hospitais públicos, seus serviços de urgência e emergência e, sua rede assistencial?. Novas Edições Acadêmicas.

Bittencourt, R. J., & Hortale, V. A. (2009). Intervenções para solucionar a superlotação nos serviços de emergência hospitalar: Uma revisão sistemática. Cadernos de Saúde Pública, 25(7), 1439–1454.

Brasil. Agência Nacional de Saúde Suplementar (ans). Ministério da Saúde. Taxa de Ocupação Operacional Geral. 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2019.

Brasil. Agência Nacional de Saúde Suplementar (ans). Ministério da Saúde. Média de Permanência Geral. 2012. Disponível em: http://www.ans.gov.br/images/stories/prestadores/E-EFI-05.pdf. Acesso em: 20 nov. 2019. Acesso em: 20 nov.2019.

Brasil. Portaria n.º 16, de 13 de fevereiro de 2012. Cria A Coordenação Técnica de Gestão de Leitos do Distrito Federal (ctgl- Df). Brasília, DF, 13 fev. 2012.

Brasil. Portaria n.º 34 de 20 de fevereiro de 2014. Institui o Núcleo Gestor de Leitos (NGL) nos Hospitais da rede de Atenção da SES/DF. Brasília, DF, 20 fev. 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência. Manual de implantação e implementação: Núcleo Interno de Regulação para Hospitais Gerais e Especializados [recurso eletrônico] Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

Brasil. Portaria n.º 566 de 11 de junho de 2018. Padroniza e efetiva o SISLEITOS como o novo sistema informacional a ser utilizado para a regulação da internação em leitos de enfermaria das unidades hospitalares do SUS no Distrito Federal. Brasília, DF.

Brasil. Regimento interno da secretaria de estado de saúde do distrito federal. Capítulo III – das superintendências de regiões de saúde. Seção I das unidades orgânicas comuns das superintendências de regiões de saúde. Art. 316. Competências dos Núcleos de Gestão da Internação – NGINT, unidades orgânicas de execução, diretamente subordinadas às Gerências Internas de Regulação. Brasília, DF, 20 dez 2018.

Boaden, R., Proudlove, N.,Wilson, M. (1999, August). An exploratory study of bed management. Journal of Management in Medicine, Vol. 13, pp. 234–250.

Cavalcante, R.B., Ferreira, M.N, & Silva, P.C. (2011). Sistemas de Informação em Saúde: Possibilidades e desafios. Revista de Enfermagem da UFSM, 1(2), 290-299.

Cavalcante, R. B., Cunha, S. G. S., Bernardes, M. F. V. C., Gontijo, T. L., Guimarães, E. A. D. A., & Oliveira, V. D. C. (2012). Sistema de Informação Hospitalar: utilização no processo decisório. Journal of Health Informatics, 4(3), 73–79. Disponível em: http://www.jhi-sbis.saude.ws/ojs-jhi/index.php/jhi-sbis/article/view/199. Aceso em: 20.nov.2019.

Negri Filho, A. A. (2016). Bases para um debate sobre a reforma hospitalar do SUS : as necessidades sociais e o dimensionamento e tipologia de leitos hospitalares em um contexto de crise de acesso e qualidade. São Paulo. [Tese Doutorado] Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Programa de Medicina Preventiva.

Escrivão Junior, A. (2007). Uso da informação na gestão de hospitais públicos. Ciência & Saúde Coletiva, 12(3), 655-666.

Evangelista, P. A., Barreto, S. M., & Guerra, H. L. (2008). Central de regulação de leitos do SUS em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil: Avaliação de seu papel pelo estudo das internações por doenças isquêmicas do coração. Cadernos de Saúde Pública, 24(4), 767–776.

Fundação Oswaldo Cruz. (2019). Boletim Informativo do Projeto Avaliação do Desempenho do Sistema de Saúde (PROADESS), no 4, fev./2019. Monitoramento da assistência hospitalar no Brasil (2009-2017). Disponível em: https://www.proadess.icict.fiocruz.br/Boletim_4_PROADESS_Monitoramento da assistencia hospitalar_errata_1403.pdf. Acesso em 20.nov.2019.

Goldwasser, R. S., Lobo, M. S. de C., Arruda, E. F., Angelo, S. A., Silva, J. R. L. e, de Salles, A. A., & David, C. M. (2016). Dificuldades de acesso e estimativas de leitos públicos para unidades de terapia intensiva no estado do Rio de Janeiro. Revista de Saúde Pública, 50, 1–10. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v50/pt_0034-8910-rsp-S1518-87872016050005997.pdf. Acesso em 14.nov.2019.

Hall, R. (2012). Bed Assignment and Bed Management. In R. Hall (Ed.), Handbook of Healthcare System Scheduling. Los Angeles: Publisher.

MacHline, C., & Pasquini, A. C. (2011). Rede hospitalar nacional usa indicadores gerenciais na administraç ão de suas unidades. Mundo Da Saude, 35(3), 290–299.

Marcondes, N. A. V., & Brisola, E. M. A. (2014). Análise por triangulação de métodos: um referencial para pesquisas qualitativas. Revista Univap, 20(35).

Matus, C. (2006). O plano como aposta. In J. Giacomoni & J. L. (Org. ). PAGNUSSAT (Eds.), Planejamneto e orçamento governamental coletânea. ENAP.

Mendes, E. V. (2010). As redes de atenção à saúde. Ciencia & Saúde Coletiva, 15(5), 2297–2305.

Minayo, M.C.S (2005). Conceito de avaliação por triangulação de métodos. In Minayo, M.C.S; Assis, de S.G; de Souza, E.R (Org). FIOCRUZ, Avaliação por triangulação de métodos: abordagem de programas sociais.

Montenegro, L.C; Brito, M.J.M;Cavalcante, R.B; Caram, C. da S; Cunha, G.A.M (2013). Sistema de informação como instrumento de gestão: Perspectivas e desafios em um hospital filantrópico. Journal of Health Informatics, 5(1). Disponível em: http://www.jhi-sbis.saude.ws/ojs-jhi/index.php/jhi-sbis/article/view/203. Acesso em: 7.nov.2019.

Nascimento, A. B. do. (2015). Gerenciamento De Leitos Hospitalares: Análise Conjunta Do Tempo De Internação Com Indicadores Demográficos E Epidemiológicos. Revista de Enfermagem e Atenção à Saúde, 4(1), 65–78.

Raffa, C., Malik, A. M., & Pinochet, L. H. C. (2017). O Desafio de Mapear Variáveis na Gestão de Leitos em Organizações Hospitalares Privadas. Revista de Gestão Em Sistemas de Saúde, 6(2), 124–141.

Rodrigues, L. C. ristin. R., & Juliani, C. M. ari. C. M. ont. (2015). Impact of implementing an Internal Bed Regulation Committee on administrative and care indicators at a teaching hospital. Einstein (São Paulo, Brazil), 13(1), 96–102.

Silva, S.A; Valácio, R.A; Botelho, F.C; Amaral, C.F.S. (2014). Fatores de atraso na alta hospitalar em hospitais de ensino. Revista de Saúde Pública, 48(2), 314-321.

Soares, V. S., Rodrigues, L. C. ristin. R., Juliani, C. M. ari. C. M. ont., Mendes, E. V., Bittencourt, R. J., Hortale, V. A., … Miranda, D. (2017). Analysis of the Internal Bed Regulation Committees from hospitals of a Southern Brazilian city. Cadernos de Saúde Pública, 15(4), 339–343.

Souza, L. E. P. F. de. (2009). O SUS necessário e o SUS possível: gestão: Uma reflexão a partir de uma experiência concreta. Ciênc.Saúde Coletiva, 14(3), 911–918. Disponível em: http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232009000300027. Acesso em 20.nov.2019.

Vignochi, L., Gonçalo, C. R., & Rojas Lezana, Á. G. (2014). Como Gestores Hospitalares Utilizam Indicadores De Desempenho? Revista de Administração de Empresas, 54(5), 496–509.

Vilarins, G. C. M. (2010). Regulação do Acesso à Assistência: conceitos e desafios. Com. Ciências Saúde, 81–84.




DOI: https://doi.org/10.5585/rgss.v9i3.16809

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista de Gestão em Sistemas de Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

 

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS)
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.