Análise da incorporação de ferramentas para o apoio matricial em um programa de residência multiprofissional em saúde.

Daiane Sousa Melo, Mariane Helen de Oliveira, Marcelo Geovane Perseguino

Resumo


A metodologia do apoio matricial tem apresentado evidências de sua contribuição positiva na resolutividade da Atenção Básica e os programas de Residência Multiprofissional em Saúde (RMS) vão de encontro a essa proposta ao capacitar profissionais para atuarem de maneira interdisciplinar na gestão na saúde. Objetivo: Buscou-se analisar a incorporação das ferramentas para o apoio matricial em um programa de RMS. Método: Pesquisa de abordagem qualitativa, de natureza descritiva, com delineamento de estudo caso único. Incluiu revisão bibliográfica integrativa no tema ferramentas para o apoio matricial e utilizou técnica de observação participante para coleta de dados do caso, os quais foram analisados buscando sentido entre a teoria e os fenômenos concretos, barreiras e facilitadores. Resultados: Foram identificadas oito ferramentas para o apoio matricial reconhecidas na literatura, as quais foram todas incorporadas nas atividades interdisciplinares do programa de RMS observado. As principais barreiras e facilitadores para a efetiva incorporação das ferramentas na rotina de trabalho estavam relacionadas à carga horária disponível, infraestrutura, perfil da equipe e presença de preceptoria ativa. Foram observados maiores desafios para consecução do apoio matricial na Unidade Básica de Saúde quando comparado as atividades realizadas dentro da instituição coordenadora do programa. Conclusão: Considera-se que aplicar o apoio matricial de acordo com sua proposta tem sido um desafio, contudo, a qualificação profissional por meio dos programas de RMS com ênfase na Estratégia Saúde da Família é uma iniciativa intersetorial que tem potencial para promover a implementação do apoio matricial como metodologia de trabalho na Atenção Básica.

Palavras-chave


Estratégia Saúde da Família; Apoio matricial; Internato e residência; Práticas interdisciplinares

Texto completo:

PDF

Referências


Arruda, G. M. M. S., Barreto, I. C. H. C., Ribeiro, K. G., & Frota, A. C. (2017). O desenvolvimento da colaboração interprofissional em diferentes contextos de residência multiprofissional em Saúde da Família. Interface (Botucatu), 22(1), 1309-1323.

Barroz, J. O., Gonçalves, R. M. A., Kaltner, R. P., & Lancman, S. (2015). Estratégia do apoio matricial: a experiência de duas equipes do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) da cidade de São Paulo, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 20(9), 2847-2856.

Bispo Júnior, J. P., & Moreira, D. C. (2017). Educação permanente e apoio matricial: formação, vivências e práticas dos profissionais dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família e das equipes apoiadas. Cadernos de Saúde Pública, 32(9), 1-13.

Campos, G. W. S., & Domitti, A. C. (2007). Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cadernos de Saúde Pública, 23(2), 399-407.

Campos, G. W. S. (1999). Equipes de referência e apoio especializado matricial: um ensaio sobre a reorganização do trabalho em saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 4(2), 393-403.

Castro, C. P., & Campos G. W. S. (2016). Apoio Matricial como articulador das relações interprofissionais entre serviços especializados e atenção. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 26(2), 455-481.

Castro, C. P., Oliveira M. M., & Campos G. W. S. (2016) Apoio Matricial no SUS Campinas: análise da consolidação de uma prática interprofissional na rede de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 21(5), 1625-1636.

Chiaverini, D. H., (Organizadora), et al.(2011). Guia prático de matriciamento em saúde mental. Brasília: Ministério da Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde. Recuperado em 02 agosto, 2019, de https://www.researchgate.net/publication/216754088_Guia_Pratico_de_Matriciamento_em_Saude_Mental.

Costa, M. F. L., Turci M. A., & Macinko J. (2013). Estratégia Saúde da Família em comparação a outras fontes de atenção: indicadores de uso e qualidade dos serviços de saúde em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 29(7), 1370-1380.

Deslauriers, J. P., & Kérisit, M. (2012). O delineamento de pesquisa qualitativa. In: Poupart. J. et al. (Org.). A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos (pp. 127-153). Petrópolis: Vozes.

Domingos, C. M., Nunes, E. F. P. A., & Carvalho, B. G. (2015) Potencialidades da Residência Multiprofissional em Saúde da Família: o olhar do trabalhador de saúde. Interface (Botucatu), 19(55), 1221-1232.

Farinelli, M. R., Martins, R. A. S, & Ribeiro, P. M. A. (2016). Professional qualifications and health promotion: training in the Residency Program in Health. European Journal of Public Health, 26(1), 428-429.

Malta, D. C., Santos, M. A. S., Stopa, S. R., Vieira, J. E. B., Melo, E. A., & Reis, A. A. C. (2016). A Cobertura da Estratégia de Saúde da Família (ESF) no Brasil, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Ciência & Saúde Coletiva, 21(2), 327-338.

Melo, E. A., Miranda L, Silva A. M., & Limeira R. M. N. (2018). Dez anos dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf): problematizando alguns desafios. Saúde Debate, 42(1), 328-340.

Ministério da Saúde. (2009a). Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio a Saúde da Família. Recuperado em 08 agosto, 2019, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderno_atencao_basica_diretrizes_nasf.pdf

Ministério da Saúde. (2004). HumanizaSUS: equipe de referência e apoio matricial. Recuperado em 02 agosto, 2019, de http://www.heab.fmrp.usp.br/App_Data/Conteudo/Arquivos/Humaniza%C3%A7%C3%A3o/Equipe%20de%20Referencia%20e%20Apoio%20Matricial.pdf

Ministério da Saúde. (2014). Núcleo de Apoio à Saúde da Família: Ferramentas para a gestão e para o trabalho cotidiano. Recuperado em 08 agosto, 2019, de https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/nucleo_apoio_saude_familia_cab39.pdf

Ministério da Saúde. (2009b). Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Clínica ampliada e compartilhada. Recuperado em 02 agosto, 2019, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/clinica_ampliada_compartilhada.pdf

Ministério da Saúde. (2006). Residência multiprofissional em saúde: experiências, avanços e desafios. Recuperado em 05 agosto, 2019, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/residencia_multiprofissional.pdf.

Nascimento, L. C., Dantas, I. R. de O., Andrade, R. D., & Mello, D. F. de. (2014). Genogram and ecomap: brazilian nursing contributions. Texto & contexto - enfermagem, 23(1), 211-220.

Neto, O. C. (1994). O trabalho de campo como descoberta e criação. In Deslandes, S. F., Neto, O. C., Gomes, R., & Minayo, M. C. S. Pesquisa Social . Teoria, Método e Criatividade (pp. 51-66). Petrópolis: Vozes.

Nordi, A. B. A., & Aciole, G.G. (2017). Apoio matricial: uma experiência da residência multiprofissional em saúde. Trabalho educação e saúde, 15(2), 485-500.

Oliveira, D. G., Frias, P. G., Vanderlei, L. C. M., Vidal, S. A., Novaes, M. A., & Souza, W. V. (2015). Análise da implantação do Programa Telessaúde Brasil em Pernambuco, Brasil: estudo de casos. Cadernos de Saúde Pública, 31(11), 2379-2389.

Oliveira, M. M. C., & Campos G. W. S. (2017). Formação para o Apoio Matricial: percepção dos profissionais sobre processos de formação. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 27(2), 187-206.

Portaria nº 2.436, de 09 de setembro de 2017 (2017). Dispõe sobre a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Resolução CNRMS nº 2, de 13 de abril de 2012 (2012). Dispõe sobre as Diretrizes Gerais para os Programas de Residência Multiprofissional e em Profissional de Saúde. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Ministério da Educação.

Resolução CNS 510, de 7 de abril de 2016 (2016) Dispõe sobre a Ética na Pesquisa na área de Ciências Humanas e Sociais. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Santos, R. A. B. G., Uchôa-Figueiredo, L. R., & Lima, L. C. (2017). Apoio matricial e ações na atenção primária: experiência de profissionais de ESF e Nasf. Saúde Debate, 41(114), 694-706.

Vieira-Meyer, A., Pinheiro, T. X. A., Uchoa, S. A. C., Machado, M. F. A. S., Sampaio, A. T. L., Coelho, A.A., Sousa, C. S. M., & Rocha, P. M. (2016). External evaluation of the Brazilian Primary Health Care Program. Are improvements being observed? European Journal of Public Health, 26(1), 264.

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos (2a ed., D. Grassi, Trad.). Porto Alegre: Bookman. (Obra original publicada em 1984).




DOI: https://doi.org/10.5585/rgss.v9i3.16970

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista de Gestão em Sistemas de Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

 

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS)
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.