Contraditório no inquérito civil como modelo participativo de tutela coletiva

Fabrício Veiga Costa, Davi de Paula Alves

Resumo


O objetivo geral da presente pesquisa é revisitar a natureza inquisito-procedimental do inquérito civil público, propondo uma análise processual do respectivo instituto mediante a observância obrigatória do princípio do contraditório, visto como pressuposto jurídico da legitimidade democrática do provimento estatal. A justificativa objetiva da escolha do tema decorre de sua relevância prática, teórica e atual, especialmente porque as provas produzidas no âmbito do inquérito civil público poderão ser utilizadas na propositura da ação civil pública e na realização do termo de ajustamento de conduta. Por meio da pesquisa bibliográfica e documental, análises temáticas, teóricas, interpretativas e críticas, concluiu-se que o inquérito civil público é um modelo de processo coletivo democrático, sendo obrigatória a observância do contraditório para assegurar a legitimidade democrática do provimento estatal.


Palavras-chave


inquérito civil público; princípio do contraditório; processo coletivo democrático

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Andréa Alves de. Processualidade jurídica e legitimidade normativa. Belo Horizonte: Fórum, 2005.

ALMEIDA, Andrea Alves. Espaço jurídico processual na discursividade metalinguística. 2011. 173f. Tese (Doutorado em Direito) – Faculdade de Direito da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte.

ALMEIDA, Gregório Assagra de. Manual das ações constitucionais. Belo Horizonte: Del Rey, 2007.

ALMEIDA, Gregório Assagra de. Direito Material Coletivo: superação da summa divisio direito público e direito privado por uma nova summa divisio constitucionalizada. Belo Horizonte: Del Rey, 2008.

ALONSO JÚNIOR, Hamilton. A valoração probatória do inquérito civil e suas consequências processuais. In: MILARÉ, Edis (Coord). Ação Civil Pública: Lei 7.347/1985 – 15 anos. 2.ed. rev. atual. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002. p. 291-307.

ANDOLINA, Italo; VIGNERA, Giuseppe. Il fondamenti constituzionali della giustizia civile: il modello constituzionale del processo civile italiano. Torino: G. Giappichelli Editore, 1997.

ANTUNES, Paulo de Bessa. O inquérito civil (considerações críticas). In: MILARÉ, Edis (Coord). Ação Civil Pública: Lei 7.347/1985 – 15 anos. 2.ed. rev. atual. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002. p. 701-712

BARROS, Flaviane de Magalhães. (Re)forma do processo penal: comentários críticos dos artigos modificados pelas Leis n. 11.690/08, n. 11.719/08 e n. 11.900/09. 2.ed. Belo horizonte: Del Rey, 2009.

BEDAQUE, José Roberto dos Santos. Efetividade do processo e técnica processual. 3. ed. São Paulo: Malheiros, 2010.

BUENO, Cassio Scarpinella. Curso sistematizado de Direito Processual Civil: direito processual público e direito processual coletivo. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2014.

BÜLOW, Oskar Von. Teoria das Exceções e dos Pressupostos Processuais. Tradução e notas de Ricardo Rodrigues Gama. Campinas: LZN Editora, 2005.

BURLE FILHO, José Emmanuel. Ação civil pública: instrumento de educação democrática. In: MILARÉ, Edis (Coord). Ação Civil Pública: Lei 7.347/1985 – 15 anos. 2.ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002. p. 402-414.

CABRAL NETTO. Joaquim. O Ministério Público na Europa latina. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1974.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito constitucional e teoria da constituição. 7. ed. 11 reimp. Coimbra: Almedina, 2003.

CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryant. Acesso à Justiça. Tradução de Ellen Gracie Northfleet. Porto Alegre: Fabris, 1998.

CARVALHO, Ulisses Dias de. Legitimação da atuação extrajudicial do Ministério Público: aplicação do princípio do contraditório no inquérito civil. 159f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação da Universidade Católica de Pernambuco. Recife, 2013.

CATTONI DE OLIVEIRA, Marcelo Andrade. Direito Processual Constitucional. Belo Horizonte: Mandamentos, 2001.

CHIOVENDA, Giuseppe. Instituições de Direito Processual Civil. Tradução de Paolo Capitanio. 3.ed. Campinas: Bookseller, 2002. vol. 1.

CHIOVENDA, Giuseppe. Instituições de Direito Processual Civil. Tradução de Paolo Capitanio. 3.ed. Campinas: Bookseller, 2002. vol. 2.

CHIOVENDA, Giuseppe. Instituições de Direito Processual Civil. Tradução de Paolo Capitanio. 3.ed. Campinas: Bookseller, 2002. vol. 3.

COSTA, Fabrício Veiga. Mérito Processual: a formação participada nas ações coletivas. Belo Horizonte: Arraes, 2012.

COSTA, Fabrício Veiga. Liquidez e certeza dos direitos fundamentais no processo constitucional democrática. Coleção estudos da Escola Mineira de Processo. Vol. 13. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2016.

COUTURE, Eduardo J. Fundamentos do direito processual civil. Traduzido por Dr. Rubens Gomes de Sousa. São Paulo: Saraiva & Cia, 1946.

DIAS, Ronaldo Brêtas de Carvalho. Processo constitucional e Estado Democrático de Direito. 3. ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2015.

DINAMARCO, Cândido Rangel. Instituições de Direito Processual Civil. 7.ed. São Paulo: Malheiros, 2013. vol.1.

FERES, Josan Mendes. A formação do objeto nas ações coletivas sob a perspectiva das ações temáticas: a participação direta dos interessados. 2009. 165f. Dissertação (Mestrado) – Programa de pós-graduação em Direito da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Belo Horizonte.

FERES, Josan Mendes. O processo coletivo eletrônico em rede sob a perspectiva das ações temáticas. 2016. 177f. Tese (Doutorado) – Programa de pós-graduação em Direito da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Belo Horizonte.

FERRAZ, Antônio Augusto Mello de Camargo. Ação civil pública, inquérito civil e Ministério Público. In: MILARÉ, Edis (Coord). Ação Civil Pública: Lei 7.347/1985 – 15 anos. 2.ed. rev. atual. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002. p. 84-100.

FAZZALARI, Elio. Instituições de Direito Processual. Do original: Instituzioni di diritto processuale. 8. ed. Traduzido por Elaine Nassif. Campinas: Bookseller, 2006.

FERREIRA, Juliana Maria Matos. O modelo participativo de processo coletivo: as ações coletivas como ações temáticas. 2009. 178f. Dissertação (Mestrado) – Programa de pós-graduação em Direito da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Belo Horizonte.

FERREIRA, Juliana Maria Matos. Teoria do processo coletivo no modelo participativo. Belo Horizonte: Editora D’Plácido, 2017.

FERREIRA, Marco Aurélio Mesquita. A legitimidade ativa do cidadão para propor ação civil pública: uma proposta em defesa da efetividade dos Direitos Fundamentais. Dissertação (Mestrado) – Programa de pós-graduação em Proteção dos Direitos Fundamentais, Universidade de Itaúna. Itaúna, 2016.

FIGUEIREDO, Lúcia Valle. Ação civil pública. Ação popular. A defesa dos interesses difusos e coletivos. Posição do Ministério Público. In: WALD, Arnoldo. Aspectos polêmicos da ação civil pública. 2.ed. rev. atual. São Paulo: Saraiva, 2007. p. 233-256.

FRANÇA, Maurício Gomes Pereira. A natureza jurídica da legitimação para agir nas ações coletivas. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2016.

GIDI, Antonio. A Class Action como instrumento de tutela coletiva dos direitos: As ações coletivas em uma perspectiva comparada. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2007.

GOLDSCHMIDT, James. Derecho Procesal Civil. Traducción de Leonardo Prieto Castro. Barcelona: Editorial Labor, 1936.

GONÇALVES, Aroldo Plínio. Técnica processual e teoria do processo. 2. ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2012.

GRESTA, Roberta Maia. Ação temática eleitoral: proposta para a democratização dos procedimentos judiciais eleitorais coletivos. 2014b. 257f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Direito da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Belo Horizonte.

LEAL, André Cordeiro. Instrumentalidade do processo em crise. Belo Horizonte: Mandamentos, FUMEC/FCH, 2008.

LEAL, Rosemiro Pereira. Processo como teoria da lei democrática. 2. ed. Belo Horizonte: Fórum, 2017.

LEAL, Rosemiro Pereira. Teoria Geral do Processo: primeiros estudos. 14. ed. Belo Horizonte: Fórum, 2018.

LEONEL, Ricardo de Barros. Manual do processo coletivo. 4. ed. São Paulo: Malheiros, 2017.

LIEBMAN, Enrico Tullio. Corso di diritto processuale civile. Milano: Dott. A. Giufrrè Editore, 1952.

LOPES, Edward. Discurso, texto e significação: uma teoria do interpretante. São Paulo; Cultrix, Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo, 1978.

MAGALHÃES, Maria Luísa Costa. O processo coletivo do Estado Liberal ao Estado Democrático de Direito: da reparação do dano à prevenção do ilícito. 2016. 279f. Tese (Doutorado) – Programa de pós-graduação em Direito da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Belo Horizonte.

MANCUSO, Rodolfo de Camargo. Ação civil pública em defesa do meio ambiente, do patrimônio cultural e dos consumidores. 10. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.

MANCUSO, Rodolfo de Camargo. Ação civil pública em defesa do meio ambiente, do patrimônio cultural e dos consumidores. 12. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

MADEIRA, Dhenis Cruz. A cognição no Direito democrático. 2006. 228f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Faculdade de Direito da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte.

MADEIRA, Dheniz Cruz. Tópica e processo. 2012. 551f. Tese (Doutorado) – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Programa de Pós-graduação em Direito. Belo Horizonte.

MAZZILLI, Hugo Nigro. Pontos controvertidos sobre o inquérito civil. In: MILARÉ, Edis (Coord). Ação Civil Pública: Lei 7.347/1985 – 15 anos. 2.ed. rev. atual. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002. p. 308-344.

MAZZILLI, Hugo Nigro. Introdução ao Ministério Público. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

MAZZILLI, Hugo Nigro. A defesa dos interesses difusos em juízo: meio ambiente, consumidor, patrimônio cultural, patrimônio público e outros interesses. 19. ed. São Paulo: Saraiva, 2006.

MILARÉ, Édis. A ação civil pública na nova ordem constitucional. São Paulo: Saraiva, 1990.

NUNES, Dierle José Coelho. Processo jurisdicional democrático: uma análise crítica das reformas processuais. 4. reimpr. Curitiba: Juruá, 2012.

PAOLINELLI, Camila Mattos. O ônus da prova no processo democrático. Coleção Estudos da Escola Mineira de Processo. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2014. vol. 3.

SACCO, Ricardo Ferreira. Constitucionalismo e Ministério Público: uma visão panorâmica. Belo Horizonte: Mandamentos, FCH/FUMEC, 2008.

SLAIBI FILHO, Nagib. Ação declaratória de constitucionalidade. Rio de Janeiro: Forense, 2000.

ZAVASCKI, Teoria Albino. Processo coletivo: tutela de direitos coletivos e tutela coletiva de direitos. 7. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2017.




DOI: https://doi.org/10.5585/rtj.v10i1.16904

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Thesis Juris

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista Thesis Juris

e-ISSN: 2317-3580
http://revistartj.org.br

Revista Thesis Juris ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional