Nova matriz de gás natural no Brasil: novas fronteiras, estimulo da oferta e desafios

Wallace Terra de Carvalho, Oduvaldo Vendrametto

Resumo


Com o anúncio, em 2007, com a descoberta do pré-sal, a Petrobras realizou estudos sobre o desenvolvimento e operação dos imensos reservatórios. Reforma da lei para quebrar o monopólio da Petrobras, permitindo a entrada de novos agentes na exploração e desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil, além da necessidade de ampliar a matriz de transportes, faz com que o Brasil tenha novos projetos de gasodutos, novos portos para gás navios e novos projetos termelétricos. A lei 14.134 aprovada em 8 de abril de 2021 abre o caminho para essas mudanças. Prevê-se a partilha de novas operações nas unidades de tratamento e processamento de gás natural e a entrada de novos agentes em diversos ramos do mercado.


Palavras-chave


Gás natural, novo mercado de gás natural, energia termoelétrica, desenvolvimento local de energia.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, J. R. U. C.; De Almeida, E. L. F.; Torres, E. A.; Freires, F. G. M.; (2013) Economic value of underground natural gas storage for the Brazilian power sector. Energy Policy, 121, pag. 488–497.

BNDES (2020). Gás para o Desenvolvimento. Perspectivas para o mercado de gás natural do Brasil.

CADE (2019). Termo de compromisso de cessação de prática. . Fonte: Termo de compromisso de cessação de pratica.

Campos, A. F.; Silva, N. F.; Pereira, M. G.; Freitas, M. A. V. (2017) A review of Brazilian natural gas industry: Challenges and strategies. Renewable and Sustainable Energy Reviews ,75, pag 1207–1216.

CNI (2020) Confederação Nacional da Industria. Uma Análise da Nova Lei do Gás à Luz do Interesse Público. Brasil.

Gil, C. A. (2017) Como Elaborar Projetos de Pesquisa, 6ª edição. São Paulo, Atlas.

Economides, M. J; Wood, D. A. (2009) The state of natural gas, Journal of Natural Gas Science and Engineering,. Volume 1, Issues 1–2, Pages 1-13, ISSN 1875-5100, https://doi.org/10.1016/j.jngse.2009.03.005.

EPE. (2019) Plano Indicativo de Processamento e Escoamento de Gás Natural. Rio de Janeiro, Brasil: Empresa de Pesquisa Energética.

Rudio, F. V. (1985) Introdução ao projeto de pesquisa científica. 10.ed. Petrópolis: Editora Vozes Ltda, 124 p.

Kamimura, A.; Guerra, S.M.G.; Sauer, I.L. (2006) On the substitution of energy sources: Prospective of the natural gas market share in the Brazilian urban transportation and dwelling sectors. Energy Policy ,34, pag 3583–3590.

Leal, F I.; Rego, E. E; Ribeiro, C. O. (2019) Natural gas regulation and policy in Brazil: Prospects for the Market expansion and energy integration in Mercosul Energy Policy, 128, pag 817–829.

Mathias, M. C.; Szklo, A. (2007) Lessons learned from Brazilian natural gas industry reform. Energy Policy, 35, pag 6478–6490.

MME. (2020). Fonte: Novo Mercado de Gás:.

Rego, E. E. (2013) Reserveprice: Lessons learned from Brazilian electricity procurement auctions. Energy Policy,60, pag 217–223.

Serra, P. (2018). Abertura do mercado de ´gás natural. Forum regulatório de Oil& Gas.Agencia Nacional do Petróleo Gás Natural e Biocombustíveis. Rio de Janeiro.

Vasconcelos, C. D.; Lourenço, S. R.; Gracias, A. C.; Cassiano, D. A. (2013) Network flows modeling applied to the natural gas pipeline in Brazil. Journal of Natural Gas Science and Engineering, 14, pag. 211- 224.




DOI: https://doi.org/10.5585/exactaep.2022.20893

Direitos autorais 2022 Exacta

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Tempo médio entre a submissão e primeira resposta de avaliação: 120 dias

Exacta – Engenharia de Produção

e-ISSN: 1983-9308
ISSN: 1678-5428
www.revistaexacta.org.br

Exacta  ©2022 Todos os direitos reservados.

Este obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional