Estudo de caso dos resíduos sólidos e a percepção dos habitantes urbanos e catadores na cidade de Mundo Novo - Mato Grosso do Sul

Elisângela de Oliveira dos Anjos, Denize Bueno, Aline Cristina Paulino dos Anjos, Jéssica Kimie Pinheiro, Gleison Nunes Jardim

Resumo


Introdução: A geração de resíduos sólidos tem se mostrado como um grave problema ambiental e social.

Objetivo: Realizar um estudo de caso dos resíduos sólidos e a percepção dos habitantes urbanos e catadores na cidade de Mundo Novo - MS.

Metodologia: Estudo de caso, através da realização de questionários.

Originalidade/Relevância: Contribui para discussões e debates sobre o aumento da urbanização versus resíduos sólidos, trazendo a percepção dos habitantes e catadores em relação a estes, sendo possível traçar estratégias para melhorar a sustentabilidade.

Principais resultados: Muitos moradores têm a concepção que lixo é algo sem serventia e dão pouca importância para a separação de forma correta do lixo. A renda dos catadores é baixa, grande parte dos resíduos coletados ficam armazenados descobertos no fundo do quintal. Muitos coletores utilizam o carrinho de tração humana para a coleta e transporte dos materiais.

Contribuições: Através da discussão, associada à pesquisa empírica, as principais contribuições estão agregadas à percepção ambiental, social e econômica dos habitantes e catadores quanto aos resíduos sólidos.

Conclusão: Apesar dos dados serem de caráter regional, em pesquisas de outros estados é nítido o mesmo problema de percepção sócio-ambiental com a população, como a percepção do desenvolvimento econômico e conservação ambiental dos catadores em relação aos materiais recicláveis.


Palavras-chave


Coleta seletiva; Sustentabilidade; Resíduos sólidos; Reciclagem; Lixo.

Texto completo:

PDF (English) PDF

Referências


Alencar, M. (2012). Percepção dos Trabalhadores da Cooperativa Solidária dos Catadores de Mundo Novo – MS. Trabalho de Conclusão de Curso para obtenção grau de Licenciado em Ciências Biológicas. Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul. Mundo Novo. 2012. 23.p.

Almeida JR, S. L. O., Ibdaiwi, T. K. R., Almeida, D. M., Lopes, L. F. D., & Costa, V. M. F. (2015). Processo de coleta seletiva de resíduos sólidos: um estudo de caso de sustentabilidade na cidade de Santa Maria/RS. HOLOS, 3, 148-165.

Almeida, J. R., Elias, E. T., Magalhães, M. A. D., & Vieira, A. J. D. (2009). Efeito da idade sobre a qualidade de vida e saúde dos catadores de materiais recicláveis de uma associação em Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 14, 2169-2179.

Amaral, C. P., & Lopez, D. A. R. (2016). A inserção dos catadores como empecilho para aquisição de metas no Plano de Gestão dos Resíduos Sólidos municipais. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), 11(4), 78-89.

Anvisa (2004). Resolução RDC no. 306, de 07 de dezembro de 2004. Legislação em Vigilância Sanitária. Brasília: Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Brasil. Lei nº 12.305, de 2 de ago. de 2010. Política Nacional de resíduos sólidos, Brasília,DF, ago 2010.

Brasil. Lei nº 9.605, de 12 de fev. de 1998. Crimes ambientais., Brasília,DF, fev 1998.

Bringhenti, J.R., Günther, W. M. R. (2011). Participação social em programas de coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos. Eng Sanit Ambient,16 (4), 421-430.

Costa, K. B., & Rodrigues, M. A. (2014). A Educação Ambiental e o lixo: um estudo de caso realizado em uma escola pública de Teresina (PI). Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), 9(2), 344-363.

Cruz, S. L. F., Gomes, M. D. V. C. N., & Blanco, C. J. C. (2017). Trabalho e resíduos: uma investigação sobre os catadores de lixo de um aterro controlado na Amazônia. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, 6(2), 351-367.

Dionysio, L. G. M., & Dionysio, R. B. (2013). Lixo urbano: descarte e reciclagem de materiais. CCEAD/PUC Rio.

Ferreira, A. B. DE H.(1986). Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. 41. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1838 p.

Ferreira, J. A. (1995). Resíduos sólidos e lixo hospitalar: uma discussão ética. Cadernos de Saúde Pública, 11, 314-320.

Gouveia, N. (2012). Resíduos sólidos urbanos: impactos socioambientais e perspectiva de manejo sustentável com inclusão social. Ciência & saúde coletiva, 17, 1503-1510.

GUIMARÃES, R. R., & ROCHA, L. (2015). A percepção dos moradores quanto à coleta seletiva: um estudo de caso no Bairro Progresso, Ituiutaba (MG). Boletim Gaúcho de Geografia, 42(1).

Ibge (2010) - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010. Disponível em . Acesso em: 04 de Abr. 2017.

Jacobi, P. R., & Besen, G. R. (2011). Gestão de resíduos sólidos em São Paulo: desafios da sustentabilidade. Estudos avançados, 25(71), 135-158.

Junior, A. B. D.C, Ramos, N. F., Alves, C. M., Forcellini, F. A., & Graciolli, O. D. (2013). Catadores de materiais recicláveis: análise das condições de trabalho e infraestrutura operacional no Sul, Sudeste e Nordeste do Brasil. Ciência & saúde coletiva, 18(11), 3115-3124.

Leme, S. M. (2009). Comportamento da população urbana no manejo dos resíduos sólidos domiciliares em Aquidauana–MS. GEOGRAFIA (Londrina), 18(1), 154-192.

Lermen, H. S., & Fisher, P. D. (2010). Percepção ambiental como fator de saúde pública em área de vulnerabilidade social no Brasil. Revista de APS, 13(1).

Lutinski, J. A.; Souza, M. F. (2009). Avaliação do sistema de coleta de resíduos recicláveis realizado por catadores e suas implicações sociais, econômicas, ambientais e sanitárias na cidade de Chapecó - SC. 2009. 56 p. Monografia (pós- graduação) - Faculdades Alternativas Santo Augusto, Chapecó.

Medeiros, L. F. R., & Macêdo, K. B. (2006). Catador de material reciclável: uma profissão para além da sobrevivência?. Psicologia & Sociedade, 18(2), 62-71.

Meireles, J. F., & DE Moraes, A. R. (2018). CARACTERIZAÇÃO DA COLETA SELETIVA EM MUNDO NOVO/MS. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, 7(3), 129-149.

Mucelin, C. A., & Bellini, M. (2008). Lixo e impactos ambientais perceptíveis no ecossistema urbano. Sociedade & natureza, 20(1), 111-124.

Neves, L. M.; Quadros, S. O.; Lutinski, J. A.; Busato, M. A.; Ferraz, L. (2017). Catadores de materiais recicláveis: perfil social e riscos à saúde associados ao trabalho. Hygeia, 13(24), 162-174.

Oliveira e Ribeiro, D.P.O., Mendes, M.T.K.G.L.S.,Mattos,D.V. (2012). Impacto ambiental e social: o catador como ator histórico da gestão dos resíduos - estudo de caso. SANARE, Sobral, 11(2), 52-57.

Oliveira, G. B. (2002). Uma discussão sobre o conceito de desenvolvimento. Revista da FAE, 5(2).

ONU - Organizações das Nações Unidas (2019) . Disponível em , acesso em: 06/08/2019.

Querino, L. A. L., & Pereira, J. P. G. (2016). Geração de resíduos sólidos: a percepção da população de São Sebastião de Lagoa de Roça, Paraíba. Revista Monografias Ambientais, 15(1), 404-415.

Remedio, M. V. P., Mancini, S. D., & Zanin, M. (2002). Potencial de reciclagem de resíduos em um sistema de coleta de lixo comum. Engenharia Sanitária e Ambiental, 7(1), 58-69.

Ribeiro, H., & Besen, G. R. (2007). Panorama da coleta seletiva no Brasil: desafios e perspectivas a partir de três estudos de caso. InterfacEHS, 2(4).

Santos, J. B. L., De Sá, V. S., Moreira, C. R., Domingos, W. C. X., Maia, T. S., Bomba, J. P., & Campolino, M. L. (2017). Aumento na demanda alimentar populacional e implantação de compostagem como ação mitigadora e sustentável. Revista Brasileira de Ciências da Vida, 4(1).

Santos, L. M. P., Carneiro, F. F., Hoefel, M. D. G. L., Santos, W., Montalvão, A. C. D. S., Nascimento, D. S. D., & Vedana, V. I. (2012). Integração ensino, pesquisa e extensão na avaliação das condições de vida, trabalho e saúde em famílias de catadores de lixo na Cidade Estrutural, DF. Participação, (19) 15-21.

Serafim, A. C., Gussakov, K. C., Silva, F., Coneglian, C. M., Brito, N. D., Sobrinho, G. D., ... & PELEGRINI, R. (2003). Chorume, impactos ambientais e possibilidades de tratamento. III Fórum de Estudos Contábeis. Rio Claro: Centro Superior de Educação Tecnológica, 6-7.

Silva, C. B., & Liporone, F. (2011). Deposição irregular de resíduos sólidos domésticos em Uberlândia: Algumas considerações. OBSERVATORIUM: Revista Eletrônica de Geografia, 2(6).

Silva, M. D. S. F., da Silva, E. G., & Joia, P. R. (2010). Comercialização de materiais recicláveis em Aquidauana-MS. Mercator-Revista de Geografia da UFC, 9(18), 171-181.

Silva, R. D. C. D., Mendes, L. H. D. S., Santos, V. L. P. D., & Berté, R. (2015). Coleta e destinação final dos resíduos dos serviços de saúde hospitalar no Estado do Paraná. Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade, 8(4), 66-80.

Silva, R. R. S., Da Cruz Lubarino, P. C., & De Souza, G. M. M. (2010). Principais dificuldades dos catadores de lixo de Petrolina, PE, e Juazeiro, BA. Revista Acadêmica Ciência Animal, 8(2), 235-248.

Silva, R. F. S., Vieira, A.B. (2016). Exclusão social: diálogos acerca dos catadores de recicláveis da AGECOLD–Dourados/MS. Caderno Prudentino de Geografia, 1(38), 22-40.

Siqueira, M. M., & Moraes, M. S. D. (2009). Saúde coletiva, resíduos sólidos urbanos e os catadores de lixo. Ciência & Saúde Coletiva, 14, 2115-2122.

Souza, R. A., & França, S. A. M. (2014). Lixo, conduta humana e a gestão dos insuportáveis. Psicologia & Sociedade, 26, 47-57.

Velloso, M. P., Valadares, J. D. C., & Santos, E. M. D. (1998). A coleta de lixo domiciliar na cidade do Rio de Janeiro: um estudo de caso baseado na percepção do trabalhador. Ciência & Saúde Coletiva, 3, 143-150.

Virgens, A.C., Souza, C.L., Ramos, J.S., Vianna, A.C.D., Marques, G.P., Prates, J.L., Souza, D.T., Silva, J.S., Magalhães, D.L., Paudarco, L. S., Silva., E.S. (2020). Percepção dos moradores sobre os impactos do lixo na saúde pública, Guanambi-BA. Atas de Saúde Ambiental (São Paulo, online), 8, 16-33.

Waldman, M. (2013). Lixo domiciliar brasileiro: modelos de gestão e impactos ambientais. Boletim Goiano de Geografia, 33(2), 169-184.




DOI: https://doi.org/10.5585/geas.v9i1.16218

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade

Journal of Environmental Management & Sustainability

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade ©2021 Todos os direitos reservados.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional