Uma aproximação entre as políticas públicas de mobilidade urbana e os objetivos de desenvolvimento sustentável em Curitiba-PR

Isabela Porte Vieira Locatelli, Márcia de Andrade Pereira Bernardinis, Matheus do Amaral Moraes

Resumo


Objetivo: O presente estudo tem como objetivo verificar as inter-relações entre as principais políticas públicas de mobilidade urbana em Curitiba-PR e o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável número 11 – Cidades e Comunidades Sustentáveis.

Metodologia: Com fins exploratórios e apoiado nas categorias de análise propostas pelo IBAM (2016) – que permitem a classificação das políticas em termos de mais próximo ou mais distante – o estudo se deu por meio de pesquisa documental nos sites oficiais dos órgãos públicos.

Originalidade/ Relevância: Tendo em vista a crise urbana enfrentada na mobilidade e a crescente produção de políticas públicas voltadas à problemática, análises relacionadas ao tema são cada vez mais urgentes. 

Principais resultados: Verificou-se que há correlação entre os conteúdos das políticas analisadas e o ODS 11. Os maiores níveis de inter-relação foram com as categorias de segurança viária e sustentabilidade, enquanto os menores foram com o transporte público e a acessibilidade.

Contribuições: Nesse sentido, o presente estudo se insere justamente no esforço de estabelecer categorias de análise, com base nos parâmetros estabelecidos pelas metas presentes nos ODS, como elementos norteadores em um necessário processo de mensuração e avaliação das políticas públicas e suas dinâmicas.

Conclusão: Conclui-se que é preciso um contínuo processo de mensuração e avaliação das políticas públicas. Nessa óptica, os aspectos qualitativos e o panorama dos itens pesquisados apontam indícios e tendências que podem ainda orientar novos estudos.


Palavras-chave


Mobilidade Urbana; Política Pública; Objetivos de Desenvolvimento Sustentável; Sustentabilidade; Curitiba.

Texto completo:

PDF (English) PDF

Referências


Albuquerque, A. (2007). A questão habitacional em Curitiba: o enigma da “cidade modelo”. Dissertação mestrado em Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Alvarez, D. A. C. (2016). O automóvel nas cidades e o planejamento deteriorado. Revista de Geografia e Interdisciplinar Inter espaço, v. 2, n. 7, p. 45-60.

Aparicio, L. S. (2010). El impacto del transporte enelordenamiento de laciudad: el caso de Transmilenio em Bogotá [versão eletrônica]. Territorios, 22, pp. 33-64.

Araújo, M. R. M., Oliveira, J. M., Jesus, M. S., Sá. N. R., Santos, P. A. C., & Lima, T.C. (2011). Transporte Público Coletivo: discutindo acessibilidade, mobilidade e qualidade de vida. Psicologia & Sociedade, v. 23, n. 3, p. 574–582.

BALBIM, R. (2016). Mobilidade: uma abordagem sistêmica. In: BALBIM, R.; KRAUSE, C.; LINKE, C. C. (Org). Cidade em movimento. Mobilidades e interações no desenvolvimento urbano. Brasília: IPEA, ITDP.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bogdan, R. S., & Biken, S. (2003) Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. (12ª ed.). Porto: Porto.

Campos, V. B. G. (2006) Uma visão da mobilidade urbana sustentável. Revista dos Transportes Públicos, v. 2, p. 99-106.

Carvalho, C. H. R. (2016). Mobilidade Urbana Sustentável: Conceitos, Tendências e Reflexões. In: Texto para discussão n° 2194 / Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – Brasília: Rio de Janeiro: IPEA.

Cavenaghi, S. (2015). Data revolution: Is Latin America prepared and ready to engage? Program of the Annual Meeting Population Association of America, San Diego, USA. Disponível: https://paa2015.princeton.edu/abstracts/153763

Comissão Mundial Sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. (1992). Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Coimbra Neto, R. M., Mantovaneli Júnior, O., & Silva, J. M. M. (2015). Indicadores de desenvolvimento em agendas globais: a contribuição dos ODM e ODS na construção da governança para o desenvolvimento sustentável. Anais do Seminário Internacional sobre Desenvolvimento Regional. Santa Cruz do Sul, RS, Brasil, 8.

Costa, M. S. (2008). Um Índice de Mobilidade Urbana Sustentável. Tese de Doutorado em Engenharia Civil, Universidade de São Paulo, São Carlos, SP, Brasil.

Curitiba 2035. (2017). Curitiba: Senai/PR.

Curitiba. (2015) Conhecendo melhor a região da Área Calma - Prefeitura de Curitiba. Recuperado em 14 de junho, 2019, de https://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/conheca-melhor-a-regiao-da-area-calma/37604

EPOMM. (2013). Mobility Management: The Smart Way to Sustainable Mobility in European Countries, Regions and Cities: European Platform on Mobility Management.

Ferraz, A. C. P. C., Raia Junior, A. A., Bezerra, B. S., Bastos, J. T., & Silva, K. C. R. (2012). Segurança Viária. São Carlos, SP: Suprema Gráfica e Editora.

Gehl, J. (2013). Cidades para pessoas. São Paulo: Pespectiva.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social / Antonio Carlos Gil. - 6. ed. - São Paulo: Atlas.

Godard, O. (2000). A Gestão Integrada dos Recursos Naturais e do Meio Ambiente: conceitos, instituições e desafios de legitimação. In: Vieira, P.; Weber, J. (Orgs.). Gestão de Recursos Naturais Renováveis e Desenvolvimento. São Paulo: Cotez Editora.

Gorz, A. (2005). A ideologia social do Automóvel. In: LUDD, N. (Org.). Apocalipse motorizado: a tirania do automóvel em um planeta poluído. São Paulo: Conrad Editora do Brasil.

Gudmundsson, H. (2004). Sustainable Transport and Performance Indicators. In Hester, R.E. & Harrison, R.M. (eds), Transport and the Environment - Issues in Environmental Science and Technology (20, pp. 35-63). Cambridge: UK

Harvey, D. (2008). Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 17 ed. Tradução de Adail Ubirajara Sobral e Maria Stela Gonçalves. São Paulo: Edições Loyola.

Instituto Brasileiro de Administração Municipal (IBAM). Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). (2016). Políticas públicas para cidades sustentáveis: integração intersetorial, federativa e territorial. / [coordenação de] Alberto Lopes. – Rio de Janeiro: 180p.

Illich, I. (2005). Energia e Equidade. In: Ludd, N. (Org.). Apocalipse motorizado: a tirania do automóvel em um planeta poluído. São Paulo: Conrad Editora do Brasil.

Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba. (2014). Caderno Área Calma – Estudo de Viabilidade. Recuperado em 14 de junho, 2020, de http://www.ippuc.org.br/visualizar.php?doc=http://admsite2013.ippuc.org.br/-arquivos/documentos/D327/D327_015_BR.pdf

Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba. (2016). Caderno Calçadas Verdes – Traffic Calming. Recuperado em 14 de junho, 2020, de http://www.ippuc.org.br/visualizar.php?doc=http://admsite2013.ippuc.org.br/-arquivos/documentos/D327/D327_016_BR.pdf

Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba. (2018). Plano de Estrutura Cicloviária. Recuperado em 20 de julho, 2020, de http://ippuc.org.br/visualizar.php?doc=http://admsite2013.ippuc.org.br/arquivos/documentos/D327/D327_029_BR.pdf

Iwamura, C. K. (2016). Avaliação do impacto na segurança viária da área calma de Curitiba. Trabalho de Conclusão de Curso de Engenharia Civil da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil.

Jacobs, J. (2009). Morte e vida de grandes cidades. São Paulo: Ed. WMF Martins Fontes.

Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. (2000). Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Coletânea de Legislação e Jurisprudência, Brasília/DF.

Lei n° 13.909, de 19 de dezembro de 2011. (2011). Aprova a Operação Urbana Consorciada Linha Verde – OUC-LV. Diário Oficial do Município. Curitiba, PR.

Levy, J. (2000). Os novos espaços da mobilidade. (Haesbaert, R; Souchaud, S; Trad.). In: Bonnet, M; Desjeux, D. Les Territoires de la Mobilité. Paris: Presses Universitaires de France.

Machado, L., & Piccinini, L. S. (2018). Os desafios para a efetividade da implementação dos planos de mobilidade urbana: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Gestão Urbana, n. 10(1), p. 72-94, jan./abr.

Menezes, H. Z. & Máximo, L. M. São as cidades sub-representadas na Política Internacional? Uma análise da participação das cidades na Habitat III. Revista de Direito à Cidade, v. 11, N. 4., p. 411- 439. https://doi.org/10.12957/rdc.2019.39371

Ministério das Cidades. (2006). Construindo a cidade acessível. Brasil Acessível – Programa Brasileiro de Acessibilidade Urbana. Caderno 2, 1° ed., Brasília/DF.

Ministério das Cidades. (2016). Indicadores de efetividade da Política Nacional de Mobilidade Urbana: Relatório de atividades e resultados do grupo de trabalho para definição de indicadores para monitoramento e avaliação da efetividade da Política Nacional de Mobilidade Urbana. Portaria do Ministério das Cidades nº 536, de 9 de outubro de 2015.

Motta, R. A., Silva, P. C. M., & Jacques, M. A. P. (2011). Análise de indicadores de segurança viária nos níveis local, estadual, nacional e internacional. Revista dos Transportes Públicos – ANTP, 33 (2° quadrimestre), p. 35-50.

Muller. P. (2000). L’analyse Cognitive des Politiques Publiques: vers une sociologie politique de l’action publique. Revue Française de Science Politique, Paris, v. 50, n. 2, p. 189-208.

ONU. (2012). Ban Ki-moon afirma que problemas de rápida urbanização terão prioridade na agenda da Rio+20. Recuperado em 24 de julho, 2020, de https://nacoesunidas.org/ban-ki-moon-afirma-que-problemas-de-rapida-urbanizacao-terao-prioridade-na-agenda-da-rio20/

ONU. (2015). Transformando nosso mundo: A agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. Recuperado em 26 de julho, 2020, de https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2015/10/agenda2030-pt-br.pdf

Ostroff, E. (2001). Universal Design: The New Paradigm. In: Universal Design Handbook. Wolfgang Preiser and Elaine Ostroff. McGraw-Hill. Chapter 1. P. 1-12.

Pimentel, R; Sander, J. A., & Iubel, S; C. (2019). Indicadores de Sustentabilidade na Gestão Pública Municipal: o caso do plano de governo da prefeitura municipal de Curitiba. Seminário Nacional Sociologia & Política – América Latina hoje: Rupturas e Continuidades – GT 12 – Sociologia e a cidade. UFPR.

Peters, B. G. (1986). American Public Policy. Chatham, N.J.: Chatham House. 1986.

PlaNYC. (2007). A greener, greater New York. Resgatado em 20 de julho, 2019, de http://www.nyc.gov/html/planyc/downloads/pdf/publications/full_report_2007.pdf

Prandi, D., Maximo, L. M., & Lima, M. T. L. S. (2015). Corrigindo os rumos? Conflitos e contradições na conformação dos objetivos de desenvolvimento sustentável das nações unidas. Anais do Seminário de Relações Internacionais, Caruaru, PE, Brasil, 2.

Rabay, Ligia, & Andrade, Nilton Pereira de. (2019). O uso de diferentes valores de tarifa como estratégia de transferência de demanda em sistemas de transporte público urbano. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 11, e20180024. Epub February 21, 2019.https://doi.org/10.1590/2175-3369.011.001.ao07

Ramis, J. E. & Santos, E. A. (2012) Uso de automóveis e o caos urbano – considerações sobre o planejamento de transportes das grandes cidades. Journal of Transport Literature, vol. 6, n. 4, pp. 164-177.

Soares, J. A. S., Andrade, M. Z. S. S., Medeiros Junior, J. F., & Queiroz, F. M. (2017). Mobilidade urbana sustentável: Fatores determinantes da escolha pelo transporte alternativo na percepção dos usuários que fazem a rota Campina Grande – PB /Alagoa Nova- PB. Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade-GeAS, 6(2), 31-41. https://doi.org/10.5585/geas.v6i2.842

Souza, M. L. (2008). Mudar a cidade: uma introdução crítica ao planejamento e à gestão urbanos. 5. Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

STROHER, L. E. M. (2014) Trajetória do Planejamento Urbano na Curitiba-Metrópole: O Impasse da Reforma Urbana na “cidade-modelo”. XIII Seminário da Red Iberoamericana de Investigadores sobre Globalizacion y Territorio – Salvador.

Vasconcellos, E. A. (1999). Circular é preciso, viver não é preciso: a história do trânsito na cidade de São Paulo. São Paulo: Annablume.

Vasconcellos, E. A. Transporte urbano, espaço e equidade: análise das políticas públicas. São Paulo: Annablume, 2001.

Vasconcellos, E. A. (2012). Mobilidade Urbana e Cidadania. Rio de Janeiro: SENAC Nacional.




DOI: https://doi.org/10.5585/geas.v9i1.16850

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade

Journal of Environmental Management & Sustainability

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade ©2021 Todos os direitos reservados.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional