Dinâmicas da segregação urbana na Vila Leopoldina: das sesmarias aos condomínios fechados

Janaina Almeida Stédile

Resumo


Objetivo: Verificar as dinâmicas da segregação urbana espacial a partir dos estudos das transformações da forma urbana ocorridas no distrito da Vila Leopoldina, associando-as às transformações na maneira de pensar e planejar a cidade de São Paulo.

Metodologia: Cruzamento entre conceitos retirados de estudos notórios sobre a cidade de São Paulo, cartografias históricas do município em que se registra a Vila Leopoldina, projetos de loteamento apresentados ao poder público no distrito e imagens e dados sobre os novos empreendimentos residenciais.

Relevância: Verificar como a segregação espacial se forma ao longo da história da ocupação do bairro da Vila Leopoldina, e incrementar os estudos urbanos sobre o local.

Resultados: A segregação e o isolamento são apontados na construção da cidade através da ausência de execução de projetos urbanos de interesse público, da relevante redução dos espaços públicos por apropriação indevida, como o que ocorre com praças e ruas, e a ausência do elemento quadra na composição urbana.

Contribuições teóricas e metodológicas: O trabalho contribui com a publicação de projetos de loteamentos presentes nos arquivos municipais. Além disso, apresenta o cruzamento das informações de quatro autores notórios sobre a cidade, identificando os resultados diretos de leis e planos no espaço urbano.

Contribuições sociais: Compreensão da segregação espacial na escala do bairro, através da quantificação dos espaços públicos perdidos, e verificação das características contemporâneas da segregação física causada pelos novos empreendimentos imobiliários.


Palavras-chave


Vila Leopoldina; Segregação urbana; Espaço público; Tipologias urbanas; Condomínios fechados.

Texto completo:

PDF (English) PDF

Referências


Abascal, E., & Alvim, A. (v.15 de 2013). Cidade e espaço público: considerações sobre o papel dos projetos urbanos em áreas alvo de operações urbanas em São Paulo. Anais do XV ENANPUR.

Caldeira, T. P. (2000). Cidade de Muros. Crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: Editora 34.

Comissão Parlamentar de Inquérito; Câmara Municipal de São Paulo. (2001). Comissão Parlamentar de Inquérito para apurar denúncias de irregularidades na cessão de áreas públicas a entidades privadas. Câmara Municipal de São Paulo. Disponível em: http://www.camara.sp.gov.br/wp-content/uploads/spot-legado/comissoes-encerradas/arquivos/cpi-ap.pdf.

Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo. (s.d.). Histórico. Ceagesp. Disponível em: http://www.ceagesp.gov.br/a-ceagesp/institucional/historico/.

Dick, M. V. (1992). A dinâmica dos nomes na cidade de São Paulo. 1554-1897. São Paulo: Annablume.

Dunker, C. I. (2015). Mal estar, sofrimento e sintoma. Uma psicopatologia do Brasil entre muros. São Paulo: Boitempo.

Ecosfera empreendimentos sustentáveis. (2018). empreendimentos. Disponível em: http://www.ecoesfera.com.br/.

Emplasa. (s.d.). Biblioteca virtual. Emplasa. Disponível em: http://www.bibliotecavirtual.emplasa.sp.gov.br/CatalogoGegran.aspx.

Gestão.Urbana. (2014). Mapa 03 - Eixos Existentes. Gestão Urbana. Disponível em: http://gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br/arquivos/PDE_lei_final_aprovada/MAPAS/MAPAS%20ASSINADOS/Mapa03_Eixos_Existentes.pdf

Gestão.Urbana. (2014). Plano diretor Estratégico. Gestão Urbana. Disponível em: http://gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br/entenda-a-lei/

Langebuch, J. R. (1968). A Estruturação da Grande São Paulo – estudo da Geografia Urbana. (T. d. Doutorado, Ed.) Campinas.

Pacheco, J. A. (1992). Perdizes. História de um bairro. São Paulo: Prefeitura Municipal de São Paulo.

Paulo, P. P. (4 jun. 2018). Moradores de condomínios de alto padrão da Vila Leopoldina pressionam prefeitura contra moradias populares no bairro. G1. Disponível em: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/moradores-de-condominios-de-alto-padrao-da-vila-leopoldina-pressionam-prefeitura-contra-moradias-populares-no-bairro.ghtml

Prado Jr, C. (1983). A Cidade de São Paulo – Geografia e História. São Paulo: Brasiliense.

Prefeitura Municipal de São Paulo. (2016). Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo. Lei no 16.050, de 31 de julho de 2014. São Paulo: Prefeitura Municipal de São Paulo.

Prefeitura Municipal de São Paulo. (2018). Consulta PIU Vila Leopoldina-Villa Lobos. Gestão Urbana. Disponível em: http://minuta.gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br/piu-vila-leopoldina/#/

Prodam. (s.d.). Mapa digital da cidade de São Paulo. Geosampa. Disponível em: http://geosampa.prefeitura.sp.gov.br/PaginasPublicas/_SBC.aspx#.

Reis, N. G. (2004). São Paulo. Vila, Cidade, Metrópole. São Paulo: Prefeitura de São Paulo.

Reis, N. G. (2010). Dois Séculos de Projetos no Estado de São Paulo. Grandes Obras e Urbanização (Vol. II). São Paulo: Edusp.

Reis, N. G. (2010). Dois Séculos de Projetos no Estado de São Paulo. Grandes Obras e Urbanização (Vol. III). São Paulo: Edusp.

Rodrigues, L. R. (2013). Territórios invisíveis da Vila Leopoldina: permanência, ruptura e resistência na cidade. (D. M. FAUUSP, Ed.) São Paulo.

Rolnik, R. (1992). História Urbana: Historia na cidade? Em A. Fernandes, & M. A. Figueiras, Cidade e História: Modernização das Cidades Brasileiras nos séculos XIX e XX. Salvador: ANPUR.

Rolnik, R. (1997). A cidade e a lei: legislação, política urbana e territórios na cidade de São Paulo. São Paulo: Studio Nobel.

Santiago, T. (24 out. 2017). Em SP, morador dos Jardins vive 23,7 anos a mais do que o do Jardim Ângela, aponta Mapa da Desigualdade. G1. Disponível em: https://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/em-sp-morador-dos-jardins-vive-23-anos-a-mais-do-que-o-do-jardim-angela-aponta-mapa-da-desigualdade.ghtml

Santos, W. d. (1979). Lapa. História dos Bairros de São Paulo. São Paulo: Prefeitura Municipal de Sao Paulo.

Seabra, O. C. (1987). Os meandros dos rios nos meandros do poder: o processo de valorização dos rios e das várzeas do Tietê e do Pinheiros na cidade de São Paulo. (U. d. Paulo, Ed.) São Paulo: Tese de Doutorado.

Secovi. (2012). Vila Leopoldina. Secovi. Disponível em: http://old.secovi.com.br/files/Arquivos/vilaleopoldina-2012.pdf.

Secovi. (2015). Anuário do mercado imobiliário. Secovi. Disponível em: https://www.secovi.com.br/pesquisas-e-indices.

Secovi. (2016). Anuário do mercado imobiliário. Secovi. Disponível em: https://www.secovi.com.br/pesquisas-e-indices.

Secovi. (2017). Anuuário do mercado imobiliário. Secovi. Disponível em: https://www.secovi.com.br/pesquisas-e-indices.

Secovi. (2018). Anuário do mercado imobiliário. Secovi. Disponível em: https://www.secovi.com.br/pesquisas-e-indices.

Secovi. (2019). Anuário do mercado imobiliário. Secovi. Disponível em: https://www.secovi.com.br/pesquisas-e-indices.

Singer, P. (1968). Desenvolvimento econômico e evolução urbana. São Paulo: Companhia Nacional.

SMDU. (2003). Mapa da área urbanizada 1930-1949. SMDU. Disponível em: http://smdu.prefeitura.sp.gov.br/historico_demografico/img/mapas/urb-1940.jpg

SMDU. (2016). Mapa digital da Cidade. (P. d. Paulo, Produtor). Geosampa. Disponível em: p://geosampa.prefeitura.sp.gov.br/PaginasPublicas/_SBC.aspx.

Somekh, N., & Campos, C. M. (2002). A cidade que não pode parar. Planos urbanísticos de São Paulo no século XX. São Paulo: Mackenzie.

Autora, A. Arquitetura da segregação. Desígnio e desenho das cidades. Tese (doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2019.

Villaça, F. (2001). São Paulo: segregação urbana e desigualdade. Estudos Avançados (25).

Villaça, F. (2009). Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel.

Villaça, F. (19 de outubro de 2012). Estatuto da cidade: para que serve? Carta Maior. Disponível em: https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/Estatuto-da-cidade-para-que-serve-%250D%250A/4/26206.




DOI: https://doi.org/10.5585/geas.v10i1.18453

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade

Journal of Environmental Management & Sustainability

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade ©2021 Todos os direitos reservados.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional