Planejamento integrado, meio ambiente e gestão: as experiências francesa e brasileira de integração pela trama Verde e Azul

Eunice Helena Sguizzardi Abascal, Carlos Abascal Bilbao

Resumo


Objetivo do estudo: Discutir a interdependência de mecanismos, instrumentos e instâncias de gestão no ordenamento territorial e planejamento integrado multissetorial intermunicipal, com fundamento meioambiental e em arranjos colaborativos voluntários. Gestão da integração do local ao regional, e à esfera nacional; presença de uma prática positiva de arranjos colaborativos multiescalares e intersetoriais no Brasil.

Metodologia e abordagem: Conceitos - vínculo entre planejar um território complexo e fatores socioeconômicos alicerçados nos elementos verde (massas vegetadas e corredores ecológicos) e azul (águas) – Trama Verde e Azul (TVA). Experiência francesa; instrumentos de coordenação e gestão; arranjos territoriais colaborativos em distintas escalas; casos - França e Consórcio Intermunicipal do Grande ABC e Plano de Gerenciamento Costeiro do Litoral Norte (estado de São Paulo). Ênfase e hierarquia de tratamento dos sistemas biofísicos, e fatores econômico e social, histórico e cultural nos casos.

Originalidade e relevância: Debate do planejamento integrado em nível intermunicipal, flexível e multiescalar; relevância de arranjos territoriais colaborativos voluntários (Consórcios Intermuncipais), ou atrelados ao Gerenciamento Costeiro, com preservação do meioambiente e da conectividade ecológica. Importância da Trama Verde Azul (TVA) como base do planejamento; conexão escalar adequada ao ordenamento do território; fundamento biofísico e garantia da consistência e coerência territoriais.

Principais resultados: Exemplo positivo de arranjos territoriais; preservação do meioambiente e da conectividade ecológica; oportunidade da Trama Verde Azul (TVA),= para o ordenamento multissetorial  do território. 

Conclusões: O modelo francês e as experiências brasileiras representam modelos flexíveis de natureza institucional e territorial para a governança metropolitana, em meio a uma vasta gama de possibilidades.   


Palavras-chave


Ordenamento territorial; Planejamento integrado; Trama verde e azul; Experiências francesa e brasileira.

Texto completo:

PDF (English) PDF

Referências


Referências

xxxxxxxxxxxx. Arquitetura e ciência: planos, projetos urbanos e coisas. Do Plano Cerdà ao urbanismo sustentável. Arquitextos, São Paulo, ano 22, n. 257.06, Vitruvius, out. 2021 https://vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/22.257/8303.

AB’SABER, A. Zoneamento ecológico e econômico da Amazônia: questões de escala e método. Estudos Avançados, [S. l.], v. 3, n. 5, p. 4-20, 1989. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/eav/article/view/8506. Acesso em: 28 maio de 2021.

ACSELRAD, Henri. Zoneamento Ecológico-econômico – entre ordem visual e mercado-mundo. Anais do XII Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Ouro Preto, Abep, Associação Brasileira de Estudos Populacionais, 2002. Disponível em: http://www.abep.org.br/publicacoes/index.php/anais/article/view/998/963.

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Lei nº 10.019, de 03 de Julho de 1998 (Atualizada até a Lei n° 15.688, de 28 de janeiro de 2015). Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei/1998/lei-10019-03.07.1998.html.

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Decreto Estadual nº 49.215/2004. Dispõe sobre o Zoneamento Ecológico-Econômico do Setor do Litoral Norte, prevê usos e atividades para as diferentes zonas, estabelece diretrizes, metas ambientais e sócio-econômicas e dá outras providências, nos termos estabelecidos pela Lei nº 10.019, de 3 de julho de 1998. Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto/2004/decreto-49215-07.12.2004.html#:~:text=Disp%C3%B5e%20sobre%20o%20Zoneamento%20Ecol%C3%B3gico,3%20de%20julho%20de%201998.

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Decreto nº 62.913, de 08 de novembro de 2017. Dispõe sobre o Zoneamento Ecológico-Econômico do Setor do Litoral Norte, e dá providências correlatas. Disponível em: https://smastr16.blob.core.windows.net/cpla/2011/05/decreto_estadual_62913_2017_zee_ln.pdf.

AYUNTAMIENTO DE BARCELONA. plano territorial metropolitano de Barcelona —memorial. Barcelona, Comissão de Ordenação Territorial Metropolitana de Barcelona, 2020, p. 36 Disponível em: https://bit.ly/3nHIG3M. .

BOUDON, Philippe. Échelles em architecture et au-delà. Mesurer l’espace: dépasser le modele géometrique. In: Les annales de la recjreche urbaine. No. 82, 1999. Les échelles de la ville. Disponível em: https://www.persee.fr/doc/aru_0180-930x_1999_num_82_1_2217.

BRANDÃO, Carlos Antônio; FERNÁNDEZ, Víctor Ramiro; QUEIROZ RIBEIRO, Luiz Cesar de (orgs.). Escalas espaciais, reescalonamentos e estatalidades: lições e desafios para América Latina. 1. ed., Rio de Janeiro: Letra Capital: Observatório das Metrópoles, 2018. Disponível em: https://observatoriodasmetropoles.net.br/arquivos/biblioteca/abook_file/escalas_espaciais2018.pdf.

BRASIL. Presidência da Casa Civil. Política Nacional de Meio Ambiente (PNMA). Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6938.htm.

BRASIL. Estatuto da Cidade. Lei Federal 10.257 – 2001. Norma Atualizada. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2001/lei-10257-10-julho-2001-327901-normaatualizada-pl.pdf.

BRASIL. Lei Federal no. 13.089, de 12 de janeiro de 2015. Estatuto da Metrópole. https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/30169311/do1-2015-01-13-lei-no-13-089-de-12-de-janeiro-de-2015-30169307.

BRASIL. Lei Federal nº 9.433, de 08 de janeiro de 1997. Política Nacional de Recursos Hídricos. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9433.htm.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro. Disponível em: https://www.gov.br/mma/pt-br.

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL GRANDE ABC. Janeiro de 2022. Disponível em: https://consorcioabc.sp.gov.br/o-consorcio.

DIAS, Leila Christina; SANTOS, Gislene Aparecida. Região, território e meio ambiente. Uma história de definições e redefinições de escalas espaciais (1987-2001). R. B. ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS, v. 5, no. 2, novembro de 2003. Disponível em: https://rbeur.anpur.org.br/rbeur/article/view/96.

DIAS, Daniella Maria dos Santos. Planejamento e ordenamento territorial no sistema jurídico brasileiro. Brasília a. 49 n. 194 abr./jun. 2012. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/496581/000952688.pdf?sequence=1.

FARIAS, Monique E. C. et al. Zoneamento Ecológico- Econômico do Estado do Pará: fundamentos e potencialidade. Revista Geográfica Acadêmica. Universidade Federal de Roraima, v. 10, n. 1, 2016. Disponível em: https://revista.ufrr.br/rga/article/view/3194.

FERRACINI, Kelly R. Desafios do consórcio intermunicipal do ABC – de articulador para executor de politicas publicas de interesse comum? RBPD – Revista Brasileira de Planejamento e Desenvolvimento, v. 2 , n. 1 , p. 47-58 , jan./jun. 2013. Disponível em: file:///C:/Users/Admin/Downloads/DialnetDesafiosDoConsorcioIntermunicipalDoABCDeArticulado-5262009.pdf.

FRANCE et URBAINE. Tout savoir sur le Sraddet. Paris, France et Urbaine, Métropoles, Agglos et grandes villes, 2016. Disponível em : https://www.cceadourgascogne.com/documents/tout_savoir_sur_straddet.pdf.

FRANCHI, Aurèlie et all. Les Atlas de paysages. Méthode pour l’identification, la caractérisation et la qualification des paysages. Paris, Ministère de l’Écologie, du Développement durable et de l’Énergie, Direction générale de l’Aménagement, du Logement et de la Nature, s/d. Disponível em: https://www.ecologie.gouv.fr/sites/default/files/Les%20Atlas%20de%20paysages%2C%20M%C3%A9thode%20pour%20l%27identification%2C%20la%20caract%C3%A9risation%20et%20la%20qualification%20des%20paysages.pdf.

FRANÇA. MINISTÈRE DE L’ENVIRONNEMENT, DE L’ÉNERGIE ET DE LA MER. Quelles évolutions pour les schémas de cohérence territoriale? Paris, 2017. Disponível em: https://cgedd.documentation.developpement-durable.gouv.fr/documents/Affaires-0009519/010656-01_rapport.pdf.

FRANÇA. MINISTÈRE DE LA COHESION DES TERRITOIRE ET DES RELATIONS AVEC LA COLLECTIVITE TERRITORIALES. Documents d'Urbanisme. Paris, 2021. Disponível em: https://www.cohesion-territoires.gouv.fr/documents-durbanisme.

FRANÇA. MINISTÈRE DE LA TRANSITION ÉCOLOGIQUE. Le SCoT : un projet stratégique partagé pour l’aménagement d’un territoire. Paris, 2022. Disponível em: https://www.ecologie.gouv.fr/scot-projet-strategique-partage-lamenagement-dun-territoire.

FRANÇA. LEGIFRANCE. Paris, 2022. Code de l'urbanisme. Disponível em: https://www.legifrance.gouv.fr/codes/texte_lc/LEGITEXT000006074075/2022-02-22.

GARCIA, Patricia Helena Mirandola. Discussão Teórica dos Métodos e Técnicas para estudos em Bacias Hidrográficas. Bauru, Ciência Geográfica. XX - Vol. XX, Janeiro/Dezembro, 2016. Disponível em:https://www.agbbauru.org.br/publicacoes/revista/anoXX_1/agb_xx1_versao_internet/Revista_AGB_dez2016-03.pdf.

GASS, Sidney Luis Bonn; VERDUN, Roberto; CORBONNOIS, Jeaninne; LAURENT, François. Áreas de preservação permanente (APPs) no Brasil e na França: um comparativo. 2016. Disponível em https://journals.openedition.org/confins/10829?lang=pt.

GEST’EAU. Qu'est-ce qu'un SAGE ? Le SAGE, un o.util de planification locale de l'eau. Paris, 2022. Disponível em: https://www.gesteau.fr/presentation/sage.

GOMES, Lauren Beltrão et al . As origens do pensamento sistêmico: das partes para o todo. Porto Alegre , Pensando família, v. 18, n. 2, p. 3-16, dez. 2014 . Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679494X2014000200002&lng=pt&nrm=iso.

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. INFRAESTRUTURA E MEIO AMBIENTE. Portal dos Mananciais. São Paulo, Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente, 2022. Disponível em: https://www.infraestruturameioambiente.sp.gov.br/portalmananciais/legislacao-estadual/.

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Lei nº 9.866, de 28 de novembro de 1997.

(Atualizado até a Lei nº 16.337, de 14 de dezembro de 2016). Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei/1997/lei-9866-28.11.1997.html.

__________. PDUI Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado. Região Metropolitana de São Paulo. 2022. Disponível em: https://rmsp.pdui.sp.gov.br/?page_id=125.

IBGE. REGIC. Região de Influência de Cidades. DF, IBGE, 2008. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/geociencias/cartas-e-mapas/redes-geograficas/15798-regioes-de-influencia-das-cidades.html.

ITANI, Marcia; ZUQUIM, Maria de Lourdes. Zoneamento Ecológico-Econômico e territorialidades:um estudo de caso no LitoralNorte paulista. Confins. Revue franco-brésilienne de géographie / Revista franco-brasilera de geografia. Número 49, 2021. Disponível em: https://journals.openedition.org/confins/35924.

KLINK, Jeroen (org.). Introdução. A reestruturação produtivo – territorial e a emergência de uma nova agenda metropolitana: o panorama internacional e as perspectivas para o caso brasileiro. In: Governança das Metrópoles: conceitos, experiências e perspectivas. SãoPaulo, Anna Blume, 2010.

KLINK, Jeroen Johannes. Novas governanças para as áreas metropolitanas. O panorama internacional e as perspectivas para o caso brasileiro. São Paulo, Cadernos Metrópole, v. 11, n. 22, pp. 415-433, jul/dez 2009. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/metropole/article/view/5941/4294.

KLINK, Jeroen (coord.), et al. Plano Regional do Grande ABC (PdrGrande ABC). Santo André, Publicação do Consórcio Intermunicipal do Gande ABC, 2016. Disponível em: https://consorcioabc.sp.gov.br/imagens/noticia/Plano%20diretor%20Regional%20do%20ABC_PDR%20ABC.pdf..

LEPETIT, Bernard. Philippe Boudon (éd.), De l'architecture à l'épistemologie, la question de l'échelle [compte-rendu]. PerSè, Parcourir les Collections. Disponível em: https://www.persee.fr/doc/ahess_03952649_1993_num_48_2_279138_t1_0396_0000_001.

MANGIN, David. La ville franchisée, Formes et structures de la ville contemporaine, Paris, Editions de La Villette, 2010.

METZGER, Jean Paul. O que é Ecologia de Paisagens ? Campinas, Biota Neotrópica, v. 1, no. 1-2, 2001. Disponível em: https://www.scielo.br/j/bn/a/Jbchd6rjY35PGkY5BHPz63S/?lang=pt.

MOSCARELLI, Fernanda. La place de la biodiversité dans les documents de planification urbaine en France. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, vol. 8, núm. 3. Curitiba, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, 2016. Disponível em: https://www.redalyc.org/journal/1931/193146756009/.

QUEIROZ, Luiz Cesar de et al. Estatuto da Metrópole: avanços, limites e desafios. Observatório das Metrópoles, 2015. Disponível em: https://www.observatoriodasmetropoles.net.br/estatuto-da-metropole-avancos-limites-e-desafios-2/.

RÉPUBLIQUE FRANÇAISE. Vie Publique. Le Grenelle de l'environnement: quels engagements ? Disponível em: https://www.vie-publique.fr/eclairage/268585-le-grenelle-de-lenvironnement-quels-engagements.

RÉPUBLIQUE FRANÇAISE. Loi n° 2009-967 du 3 août 2009 de programmation relative à la mise en œuvre du Grenelle de l'environnement. Disponível em: https://www.legifrance.gouv.fr/loda/id/JORFTEXT000020949548/.

RÉPUBLIQUE FRANÇAISE. Loi n° 2010-788 du 12 juillet 2010 portant engagement national pour l'environnement. Disponível em: https://www.legifrance.gouv.fr/loda/id/JORFTEXT000022470434/.

SALET, Willem. New Metropolitan Spaces and Metropolitan Strategies in the Face of Modernisation. Varia, no. 2, 2007. Disponível em: https://journals.openedition.org/metropoles/262.

SANTOS, Mariana Rodrigues Ribeiro dos; RANIERI, Victor Eduardo Lima. Critérios para análise do zoneamento ambiental como instrumento de planejamento e ordenamento territorial. Ambiente e Sociedade, 16 (4), 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/j/asoc/a/CdDcTNkgtxpzCPtsjBKLB5z/?lang=pt.

SYBARVAL. Qu’est-ce qu’un Scot ? Disponível em: https://www.sybarval.fr/.

TAKARA, Naomy Christiani. Zoneamento Ecológico-Econômico costeiro do Estado de São Paulo como instrumento de gestão integrada da zona costeira. Universidade de Brasília, 2020. Dissertação de Mestrado. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/39086.

VAINER, Carlos B. As escalas do poder e o poder das escalas: o que pode o poder local? Rio de Janeiro, Cadernos IPPUR, ano XV (agosto-dezembro 2001/ano XVI (janeiro-julho 2002), pp. 13-32. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/ippur/issue/viewFile/281/91.




DOI: https://doi.org/10.5585/geas.v11i1.21902

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade

Journal of Environmental Management & Sustainability

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade ©2022 Todos os direitos reservados.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional