Análise discriminante entre práticas sustentáveis e certificações em empresas da construção civil

Beatrice Lorenz Fontolan, Bárbara Pretto Biasi, Sandileia Recalcatti, Alfredo Iarozinski Neto

Resumo


O setor da construção civil assume a responsabilidade por grande parte dos impactos ambientais, mas também, pelo potencial para a mitigação desses impactos e para a promoção do desenvolvimento sustentável. A aplicação de práticas de sustentabilidade no canteiro de obras e o empenho pela obtenção de certificações ambientais e selos de qualidade construtiva são atividades de ascendência favoráveis a esse progresso. Pautando-se nessa premissa, este trabalho tem como objetivo avaliar o impacto das certificações ambientais em empresas da construção civil da Região Metropolitana de Curitiba/PR a partir de um estudo empírico de variáveis associadas às práticas de sustentabilidade no canteiro de obras. Foi realizado um estudo exploratório e quantitativo com dados de questionários aplicados aos profissionais de 87 empresas atuantes na área de construção civil na Região Metropolitana de Curitiba/PR. Os dados foram analisados por meio de embasamento teórico, com a aplicação do método Survey e da análise estatística multivariada discriminante. Os resultados demonstraram maior disseminação de práticas de sustentabilidade em empresas certificadas, sendo que 73% dessas empresas realizam todas as práticas discriminantes do estudo. Entre as práticas de maior significância, podem ser listadas a destinação correta e a separação dos resíduos, a captação, tratamento e reutilização de águas pluviais, além da reutilização de materiais. Portanto, o fato de a empresa possuir algum tipo de certificação, seja ela relacionada à qualidade ou às questões ambientais, impacta positivamente em suas práticas sustentáveis, uma vez que os procedimentos para obtenção de certificação impõem critérios específicos a serem cumpridos.


Palavras-chave


Construção civil; Análise multivariada; Sustentabilidade; Rotulagem ambiental; Selo de qualidade

Texto completo:

PDF

Referências


Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). (2007). NBR 15527. Água de chuva – Aproveitamento de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis – Requisitos. Rio de Janeiro, Brasil.

ABNT. (2014). O que é Certificação e como obtê-la? http://www.abnt.org.br/certificacao/o-que-e.

ABNT. (2015). NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade – Requisitos. Rio de Janeiro, Brasil.

ABNT. (2015). NBR ISO 9000. Sistemas de gestão da qualidade - Fundamentos e vocabulário. Rio de Janeiro, Brasil.

ABNT. (2015). NBR ISO 14001. Sistemas de gestão ambiental — Requisitos com orientações para uso. Rio de Janeiro, Brasil.

ABNT. (2019). NBR ISO 9004. Gestão da qualidade – Qualidade de uma organização – Orientação para alcançar o sucesso sustentável. Rio de Janeiro, Brasil.

Agopyan, V., John, V. M., & Goldenberg, J. (2011). O desafio da sustentabilidade na construção civil (5 ed.). Blucher.

Aguiar, B., Correia, W. & Campos, F. (2011). Uso da Escala de Diferencial Semântico na Análise de Jogos. Anais do X Simpósio Brasileiro de Games e Entretenimento Digital. X SBGames 2011. Salvador, Bahia.

Almeida, L. D. B., Costa, D. B., & Alberte, E. P. V. (2019). Proposta de sistema de indicadores de desempenho para gestão sustentável em canteiros de obras. Ambiente Construído, 20, 153-170. https://doi.org/10.1590/s1678-86212020000100367

Baldwin, R., Yates, A.; Howard, N., Rao, S. (1998). BREEAM 98 for offices: an environmental assessment method for office buildings. BRE Report. Garston, CRC. 1998. 36 p.

Brady, D. A., Tzortzopoulos, P., Rooke, J., Formoso, C. T., & Tezel, A. (2018). Improving transparency in construction management: a visual planning and control model. Engineering, Construction and Architectural Management. 25 (10), 1277-1297. https://doi.org/10.1108/ECAM-07-2017-0122

Brasil. (2003). Lei Nº 10785, de 18 de Setembro de 2003. Cria no Município de Curitiba, o Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações - Purae. http://leismunicipa.is/fbnpe

Brasil. (2010). Lei No 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm.

Brasil. (2015). Conselho Nacional o Meio Ambiente (CONAMA). Resolução CONAMA n.469, de 29 de julho de 2015. Altera a Resolução CONAMA no 307, de 05 de julho de 2002, que estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. http://www.ctpconsultoria.com.br/pdf/Resolucao-CONAMA-469-de-29-07-2015.pdf

British Standards Institution (BSI). (2016). A Nova ISO 900: Por que é melhor para sua organização? Disponível em: https://www.bsigroup.com/LocalFiles/pt-BR/Briefing%20Executivo%20ISO%209001-2015.pdf.

Building Research Establishment Environmental Assessment Method (BREEAM). (2018). Technical Manual SD5078: BREEAM UK New Construction 2018 3.0. United Kingdom.

Cardoso, F. F., & Araujo, V. M. (2007). Levantamento do Estado da Arte: Canteiro de Obras. São Paulo: Projeto Finep.

Costa, D. E., & Moraes, C. D. (2013). Construção Civil e a certificação ambiental: análise comparativa das certificações LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) e AQUA (Alta Qualidade Ambiental). Engenharia Ambiental, 10(3), 160-169.

Fávero, L. P., & Belfiore, P. (2017). Manual de análise de dados: estatística e modelagem multivariada com Excel®, SPSS® e Stata®. Elsevier Brasil.

Field, A. (2009). Descobrindo a estatística usando o SPSS-5. (2 ed.). Penso Editora.

Fundação Vanzolini. (2021). AQUA-HQE. Disponível em: https://vanzolini.org.br/produto/aqua-hqe/.

Green Building Council Brasil (GBC). (2009). Guia para sua obra mais verde. São Paulo: Green Building Council Brasil.

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. Bookman editora.

Hair, J., Babin, B., Money, A., & Samouel, P. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Bookman editora.

Halliday, S. (2018). Sustainable Construction. (2 ed.). Routledge.

International Organization for Standardization (ISO). (2019). The ISO Survey. Disponível em: https://www.iso.org/the-iso-survey.html.

Intergovernmental Panel on Climate Change [IPCC]. (2021). Climate Change 2021: The Physical Science Basis. Contribution of Working Group I to the Sixth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change. Cambridge University Press.

Lamberts, R., Triana, M. A., Fossati, M., & Batista, J. O. (2008). Sustentabilidade nas edificações: contexto internacional e algumas referências brasileiras na área. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Lima, R. M. A. (2010). Gestão da água em edificações: utilização de aparelhos economizadores, aproveitamento de água pluvial e reuso de água cinza. Monografia (Curso de especialização em Construção Civil), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte.

Maciel, A. P. (2022). Estudo dos fatores que afetam a produtividade em canteiros de obra de empresas brasileiras. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil). Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Curitiba.

Maia, A. T., & Iarozinski Neto (2016). Quais as principais características organizacionais das empresas dos diferentes segmentos da construção civil? Ambiente Construído, 16(3), 197-215. https://doi.org/10.1590/s1678-86212016000300100

Marchesan, P. R. C. (2001). Modelo integrado de gestão de custos e controle da produção para obras civis. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil). Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre.

Nascimento, P., & Jesus, L. (2016). Avaliação da sustentabilidade em canteiros de obras: um estudo na Grande Vitória - ES. Revista de Engenharia Civil IMED, 3(2), 54-70. https://doi.org/10.18256/2358-6508/rec-imed.v3n2p54-70

Osika, Cleber. (2016). O que é SGQ e quais são seus benefícios? Disponível em: https://8quali.com.br/sgq/.

Prima. (2021). Consumo Sustentável. Disponível em: https://prima.org.br/consumo-sustentavel/.

Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade Do Habitat (PBQP-H). (2009). Sobre o programa. Disponível em: http://www.pbqp-h.com.br/Programa.aspx.

PBQP-H. (n.d.). Ministério do Desenvolvimento Regional. O PBQP-H: Apresentação. Disponível em: http://pbqp-h.mdr.gov.br/pbqp_apresentacao.php.

Schaurich, G. F. S. (2020). Diagnóstico das práticas de planejamento, controle e acompanhamento da produção em canteiros de obras localizados na Região Metropolitana de Curitiba. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil), Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Curitiba.

Silva, M. C. C. (2013). Instrumento para pré-avaliação da seleção de materiais em projetos que visam certificação ambiental. Dissertação (Mestrado em Ambiente Construído), Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJR), Juiz de Fora.

Silva, M. V. R. & Barros, M. M. S. B. (2015). Cenário Atual da aplicação dos sistemas de avaliação de desempenho ambiental de edificações. XI Congresso Nacional de Excelência em Gestão, Rio de Janeiro, 1(1), p. 1-22.

Silva, W. de A., Seleme, R., Zattar, I. C., Marques, M. A. M., Drozda, F. O., & Kleina, M. (2021). Barreiras à sustentabilidade ambiental na cadeia logística da construção civil de Curitiba/PR. Rev. Gestão Ambiental e Sustentabilidade - GeAS, 10(1), 1-25, e16148. https://doi.org/10.5585/geas.v10i1.16148

Sinovetz, H. D. (2017). Análise do impacto da certificação LEED nos canteiros de obra de uma empresa de grande porte na cidade de Porto Alegre e propostas de adequação. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo), Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo.

Tamayo, E. R. (2011). Construcciones sostenibles: materiales, certificaciones y LCA. Revista nodo, 6(11), 99-106.

Thomas, N. I. R. & Costa, D. B. (2017). Adoption of environmental practices on construction sites. Ambiente Construído, 17(4), 9-24. https://doi.org/10.1590/s1678-86212017000400182.

U.S. Green Building Council (USGBC). (2016). Guide to LEED Certification. Disponível em: https://www.usgbc.org/.

Vargas, F. B., Bataglin, F. S. & Formoso, C. T. (2018). Guidelines to develop a BIM model focused on construction planning and control. Proceedings of the 26th Annual Conference of the International Group for Lean Construction: Evolving Lean Construction Towards Mature Production Management Across Cultures and Frontiers, Chennai, India. 2, p. 744-753.

Vazquez, E., Rola, S., Martins, D., Alves, L., Freitas, M., & Rosa, L. P. (2013). Sustainability in Civil Construction: application of an environmental certification Process (Leed) during the construction phase of a hospital enterprise–Rio de Janeiro/Brazil. International Journal of Sustainable Development and Planning, 8(1), 1-19. https://doi.org/10.2495/SDP-V8-N1-1-19

Zanutto, T. D. (2012). Diagnóstico para subsidiar a gestão de resíduos da construção civil na cidade de São Carlos - SP. Dissertação (Mestrado em Construção Civil), Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Zeule, L. de O. & Serra, S. M. B. (2017). Boas Práticas de Sustentabilidade em Canteiros de Obras. In: Serra, S. M. B., Costa, D. B. & Saurin, T. A. (Eds.), Tecnologias para Canteiro de Obras Sustentável. (pp. 53-69) Scienza.

Zeule, L. de O. (2014). Práticas e avaliação da sustentabilidade nos canteiros de obras. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil Estruturas e Construção Civil), Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Zeule, L. de O., Serra, S. M. B., & Teixeira, J. M. C. (2019). Model for sustainability implementation and measurement in construction sites. Environmental Quality Management, 29(2), 67–75. https://doi.org/10.1002/tqem.21666




DOI: https://doi.org/10.5585/gep.v13i2.22143

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Revista de Gestão e Projetos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

GeP – Revista Gestão e Projetos
ISSN da versão eletronica: 2236-0972
www.revistagep.org

GeP – Revista Gestão e Projetos ©2022 Todos os direitos reservados

Esta obra está licenciada com uma licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional