Cenário institucional na perspectiva de stakeholders: analisando a APAE Sete Lagoas

Jose Edson Lara, Liza Kamei Rodrigues, Luiz Rodrigo Cunha Moura, Ronaldo Lamounier Locatelli

Resumo


O objetivo deste estudo é propor e analisar um modelo capaz de caracterizar e avaliar a percepção de stakeholders da APAE de Sete Lagoas, identificando seus níveis de envolvimento com a instituição. Realizou-se uma pesquisa qualitativa, com seis profissionais, e uma survey com amostra de 213 familiares da APAE-SL, de um total de 687 assistidos. Foram aplicados tratamentos de modelagem de equações estruturais, para se estudar os construtos e variáveis. Concluiu-se que as avaliações de “funcionários e atendimento” superam as avaliações sobre a “infraestrutura” da instituição. Sobre os aspectos estudados, as opiniões “após conhecer a APAE” é melhor do que a impressão que se tinha “antes de conhecê-la”. Este relato contribui analisando um conjunto de construtos e variáveis que podem ser evoluídos para um modelo validado, capaz de demonstrar com profundidade as relações entre os stakeholders das APAEs. As contribuições gerenciais se justificam na oferta de um modelo aplicável por organizações.

 


Palavras-chave


APAE; Inclusão social; Stakeholder; Pessoa com deficiência

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, P. (2018). Falando sobre deficiência – guia para a imprensa. Recuperado de https://docs.wixstatic.com/ugd/d8efe7_6dda6ff76d684819abbc7c1f10d1b70e.pdf.

American Psychiatric Association (APA). (2014). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. (5a ed.). Recuperado de https://aempreendedora.com.br/wp-content/uploads/2017/04/Manual-Diagn%C3%B3stico-e-Estat%C3%ADstico-de-Transtornos-Mentais-DSM-5.pdf.

Aoki, M., Silva, R. M., Souto, A. C. F. & Oliver, F. C. (2018). Pessoas com deficiência e a construção de estratégias comunitárias para promover a participação no mundo do trabalho. Revista brasileira de educação especial. 24(4), 517-534, doi 10.1590/s1413-65382418000500004.

Biancolino, A. C.; Kniess, C. T.; Maccari, E. A. & Rabechini Jr., R. (2012). Protocolo para elaboração de relatos de produção técnica. Revista de Gestão e Projetos - GeP, São Paulo, v. 3, n. 2, p 294-307, mai./ago. DOI:10.5585/gep.v3i2.121.

Brandenburg, L. E. & Lückmeier, C. (2013). A história da inclusão x exclusão social na perspectiva da educação inclusiva. Anais do Congresso Estadual de Teologia. São Leopoldo, RS, Brasil, 1, 175-186. Recuperado de http://anais.est.edu.br/index.php/teologiars/article/download/191/149

Carvalho, M. M. & Rabechini Jr., R. (2017). Fundamentos em Gestão de Projetos. São Paulo. Atlas.

Constituição da República Federativa do Brasil. (1988, 05 de outubro). Disponível em http://www.senado.gov.br/sf/legislacao/const/

Coutinho, K. S., Rodrigues, G. F. & Passerino, L. M. (2017). O trabalho de colaboradores com deficiência nas empresas: com a voz os gestores de recursos humanos. Revista brasileira de educação especial. 23(2), 261-278, doi 10.1590/s1413-65382317000200008.

Federação Nacional das APAES (FENAPAES). (2016). O que fazemos. Recuperado de http://apae.com.br/.

Federação Nacional das APAES (FENAPAES). (2012). Manual de fundação das Apaes. Recuperado de http://apaebrasil.org.br/uploads/Manual%20Apae.pdf.

Freeman, R. E. (1984). Strategic management: a stakeholder approach. Boston: Pitman

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L (2009). Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman Editora.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2010a). Censo demográfico 2010: características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro: Recuperado: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/cd_2010_religiao_deficiencia.pdf.

Malhotra, N. K. (2011). Pesquisa de Marketing: Uma Orientação Aplicada. Porto Alegre: Bookman Editora.

Mazzotta, M. J. S. & D’Antino, M. E. F. (2011). Inclusão social de pessoas com deficiências e necessidades especiais: cultura, educação e lazer. Saúde e Sociedade, 20(2), 377-389. Recuperado de https://www.scielosp.org/pdf/sausoc/2011.v20n2/377-389/pt.

Organização Mundial da Saúde (OMS). (2014). CID-10: classificação estatística internacional de doenças e problemas relacionados à saúde. (10a ed.) São Paulo: EDUSP.

Pacheco, K. M. D. B. & Alves, V. L. R. (2007). A história da deficiência, da marginalização à inclusão social: uma mudança de paradigma. Acta Fisiátr, 14(4), 242-248. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/102875/101168.

Resolução CNE/CEB, n. 2, de 11 de setembro de 2001. Disponível em http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB0201.pdf.

Sassaki, R. K (2003). Como chamar as pessoas que têm deficiência? Revista da Sociedade Brasileira de Ostomizados. 1(1), 8-11.

Silva, M. V. P., Oliveira, G. V. O. & Silva, L. B. (2018). Inclusão social: por uma educação humana. Anais do Congresso Internacional de Educação Inclusiva. Campina Grande, PB, Brasil, 3, 1-2. Recuperado de http://www.editorarealize.com.br/revistas/cintedi/trabalhos/TRABALHO_EV110_MD4_SA23_ID1696_12082018202302.pdf.

Vivarta, V. (2003). Mídia e deficiência. Recuperado de http://www.andi.org.br/sites/default/files/Midia_e_deficiencia.pdf.

World Health Organization [WHO]. (2011). World report on disability 2011. Recuperado de http://www.who.int/disabilities/world_report/2011/report.pdf.




DOI: https://doi.org/10.5585/iptec.v8i2.18411

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Inovação, Projetos e Tecnologias – IPTEC

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista Inovação, Projetos e Tecnologias - IPTEC

e-ISSN: 2318-9851
www.revistaiptec.org

Revista Inovação, Projetos e Tecnologias - IPTEC ©2020 Todos os direitos reservados.