A percepção de valor na implantação de PMOs em pequenas e médias empresas

Vanessa Franco Pinheiro, Danilo de Melo Costa

Resumo


A gestão de projetos se apresenta como uma ferramenta importante para manter a competitividade empresarial e o diferencial pode estar na implementação de umProject Management Office (PMO) como uma alternativa para as organizações. Contudo, este assunto ainda é um paradigma nas organizações de pequeno e médio porte, que muitas vezes apresentam dificuldades e acabam negligenciando a criação de escritórios de gerenciamento de projetos. Diante deste contexto, este estudo tem como objetivo identificar, junto às lideranças executivas de empresas de pequeno e médio porte, quais os benefícios são esperados com a implantação de uma área de PMO. Com vista a atender ao objetivo proposto, foi realizada uma pesquisa exploratória com abordagem qualitativa e a coleta de dados a gestores de empresas filiadas ao PMI Minas Gerais. Os resultados apontam que os benefícios esperados estão relacionados principalmente a um melhor controle dos projetos, a confiabilidade e disponibilidade das informações, ao andamento dos projetos e a necessidade de um melhor balanceamento na alocação dos recursos humanos. Finalmente, conclui-se que estabelecer uma estratégia de implantação em pequenas e médias empresas de forma otimizada, com entregas parciais e que gere resultados a curto, médio e longo prazo pode ser o caminho para manter a continuidade de um PMO dentro da organização.

 

 


Palavras-chave


Gerenciamento de projetos; Escritório de Gerenciamento de Projetos EGP; Benefícios e serviços EGP.

Texto completo:

PDF

Referências


Abre, C. K., & Carvalho, M. (2006). Fatores críticos para implementação do Escritório de Projetos: um estudo de caso. Revista Gestão da Produção, Operações e Sistemas, 1(1), 61-74.

Almeida, J.M.S., Costa, P.R., Braga Junior, S.S., & Porto, G.S. (2018). Capacidade relacional e desenvolvimento de novos produtos em pequenas empresas de base tecnológica. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 7(3), 141-166. http://dx.doi.org/10.14211/regepe.v7i3.857

Aubry, M., Hobbs, B., & Thuillier, D. (2008). Organisational project management: an historical approach to the study of PMOs. International Journal of Project Management, 26(1), 38-43. https://doi.org/10.1016/j.ijproman.2007.08.009

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bernstein, S. (2000). Project Offices in Practice. Project Management Journal, 31(4), 4-6.

Block, T., & Frame, J. (1998). The Project Office. Menlo Park: Crisp Learning.

Calderini, M., & Cantamessa, M. (1997). Innovation paths in product development: an empirical research. International Journal of Production Economics, 51 (1-2), 1-17. https://doi.org/10.1016/S0925-5273(97)00076-5.

Cepeda, G., & Vera, D. (2007). Dynamic capabilities and operational capabilities: A knowledge management perspective, Journal of Business Research, 60 (5), 426-437. https://doi.org/10.1016/j.jbusres.2007.01.013

Cleland, D., & Ireland, L. (2002). Gerência de Projetos. Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso Editores.

Crawford, L. (2002). The strategic project office: a guide to improving organizational performance. New York: Marcel Dekker.

Dai, C. X., & Wells, W. G. (2004). An exploration of project management office features and their relationship to project performance. International Journal of Project Management, 22(7), 523-532. https://doi.org/10.1016/j.ijproman.2004.04.001

Desouza, K. C., & Evaristo, J. R. (2006). Project Management Offices: a case of knowledge-based archetypes. International Journal of Information Management, 26(5), 414-423. https://doi.org/10.1016/j.ijinfomgt.2006.07.002

Englund, R. L., Grahan, R. J., & Dinsmore, P. C. (2003). Creating the project office: a manager´s guide to leading organizational change. San Francisco: Jossey-Brass.

Gehardt, T. E., & Silveira, T. E. (2009). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Geremia, C., Schmitt, D., & Zanella, C. (2020). Nível de maturidade em gerenciamento de projetos: estudo de caso em empresa familiar de médio porte do ramo alimentício. Revista de Gestão e Projetos, 11(2), 110-132. https://doi.org/10.5585/gep.v11i2.16911

Glaser, B., & Strauss, A. (1967). The discovery of grounded theory: strategies for qualitative research. New York: Aldine de Gruyter.

Godoy, A. S. (1995). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de administração de empresas, 35(2), 57–63. https://doi.org/10.1590/S0034-75901995000200008

Gold, A. H., Malhotra, A., & Segars, A. H (2001). Knowledge management: an organizational capabilities perspective. Journal of Management Information Systems, 18(1), 185-214. https://doi.org/10.1080/07421222.2001.11045669

Hobbs, B., Aubry, M., & Thuillier, D. (2008). The project management office as an organisational innovation. International Journal of Project Management, 26(5), 547-555. https://doi.org/10.1016/j.ijproman.2008.05.008

IT Governance Institute. (2005). Cobit 4.0: control objectives, management guidelines, maturit models. Rolling Meadows: ISACA.

Jiang, J. J., Klein, G., & Pick, R. A. (2003). The impact of IS department organizational environments upon project team performances. Information & Management, 40(3), 213-220. https://doi.org/10.1016/ S0378-7206(02)00005-8

Kendall, G., & Rollins, S. (2003). Advanced project portfolio management and the PMO - Multiplying ROI at Warp Speed. Rio de Janeiro: J. Ross Publishing.

Kozlowski, R., & Matejun, M. (2016). Characteristic features of project management in small and medium-sized enterprises. E+M Ekonomie a Management, 19(1), 33-48.

http://dx.doi.org/10.15240/tul/001/2016-1-003

Massa, N., Figueiredo, P. S., Loiola, E., & Passos, F. U. (2020). Melhores práticas em gestão de projetos de novos produtos aplicadas a uma empresa da indústria da moda. Revista Gestão & Planejamento, 21(1), 512-530. http://dx.doi.org/10.21714/2178-8030gep.v.21.5441

Maximiano, A. C. A., & Ancelmo, J. L. (2006). Escritório de gerenciamento de projetos: um estudo de caso. Revista de Administração da USP, 41(4), 394-403. https://doi.org/10.1590/S0080-21072006000400004

Milosevic, D., & Patanakul, P. (2005). Standardized project management may increase development projects success. International Journal of Project Management, 23(3), 181-192. https://doi.org/10.1590/S0080-21072006000400004

Patah, L. A. (2004). Alinhamento estratégico de estrutura organizacional de projetos: uma análise de múltiplos casos. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Pinto, A. (2015). Pesquisa PMO Brasil 2015. Recuperado em 8 setembro, 2020, de https://pt.slideshare.net/AmericoPinto2/pesquisa-pmo-project-management-office-brasil-brasil-2015.

Project Management Institute [PMI] (2017). PMBOK - Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (6. ed.). Campus Boulevar: Newtown Square.

Prado, D. (2008). Maturidade em Gerenciamento de Projetos. Nova Lima: INDG Tecnologia e Serviços Ltda.

Rad, P. F. (2001). Is your organization a candidate for Project Management Office (PMO)? AACE International Transactions, 7(1), 1-4.

Spelta, A., & Albertin, A. (2009). O contexto da criação de escritórios de projetos nas áreas de TI: dois estudos de caso. Journal of Information Systems and Technology Management, 6(3), 413-436. https://doi.org/10.4301/S1807-17752009000300003

Stevenson, W. J., & De Farias, A. A. (1981). Estatística aplicada à administração. São Paulo: Harbra.

Souza, R., Santos, T., Maccari, E., & Mazieri, M. (2020). Proposição de um modelo de gerenciamento de projetos para Pequenas e Médias Empresas (PME). Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 9(3), 384-407. http://dx.doi.org/10.14211/regepe.v9i3.1475

Valeriano, L. (2001). Gerenciamento estratégico e administração por projetos. São Paulo: Makron Books.

Vargas, R. (2005). Gerenciamento de projetos: estabelecendo diferenciais competitivos (6. ed.). Rio de Janeiro: Brasport.

Vinagre, L.M., Silva, S.W., Portugal, P.S., Souza, R.S., Gonçalves, J.E. & Pereira, W.F. (2017). O processo sucessório em uma empresa familiar: um estudo de caso em um supermercado de Varginha-MG. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, 15(1), 689-700. http://dx.doi.org/10.5892/ruvrd.v15i1.3401

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos (3. ed.). Porto Alegre: Bookman.

Vargas, R. (2005). Gerenciamento de Projetos: Estabelecendo Diferenciais Competitivos. 6. Ed. Rio de Janeiro: Brasport.




DOI: https://doi.org/10.5585/iptec.v9i1.19483

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Inovação, Projetos e Tecnologias

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista Inovação, Projetos e Tecnologias - IPTEC

e-ISSN: 2318-9851
www.revistaiptec.org

Revista Inovação, Projetos e Tecnologias - IPTEC ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional