Perceções de lideranças sobre a atuação das autarquias locais no desenvolvimento do desporto em Portugal

Jorge Emanuel Oliveira Machado, José Pedro Sarmento, Carlos Alberto Figueiredo da Silva

Resumo


Objetivo do estudo: Descrever as principais perceções de dirigentes associativos, políticos e empresários sobre a atuação das autarquias locais e dos demais agentes desportivos com quem se relacionam sobre o desenvolvimento do desporto em Portugal.

Metodologia/abordagem: Utilizou-se uma abordagem qualitativa, com base na herança da etnometodologia, cujos instrumentos de recolha foram: a observação participante, o focus group e entrevistas semiestruturadas.

Originalidade/Relevância: Constatou-se que o papel das autarquias no desenvolvimento do desporto em Portugal é substancial. Entretanto, quando se busca a relação destas com o setor produtivo e com as universidades, verifica-se uma grande lacuna.

Principais resultados: Os achados vão no sentido de reconhecer a importância e necessidade de planear estrategicamente, observando a relação necessária e fundamental que as autarquias devem assumir com o setor produtivo, o Estado e as universidades.

Contribuições teóricas/metodológicas: O modelo teórico da hélice tríplice ancora, neste estudo, as reflexões sobre o papel das autarquias e suas relações com diferentes atores da rede. A utilização do conceito-chave de indicialidade traz uma abordagem pouco utilizada em estudos desta natureza.

Contribuições sociais/para a gestão: Os clusters de desenvolvimento incluem a participação fundamental das universidades no pleito criativo e de inovação. Elas são fontes geradoras de ideias, ações, produtos, tecnologias que fazem movimentar o processo cumulativo e em espiral do conhecimento. Realçar o protagonismo das universidades contribui para o aprimoramento da gestão e da perceção da sociedade sobre esta área do conhecimento.


Palavras-chave


Gestão; Hélice tríplice; Desporto; Autarquias locais; Sustentabilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


Amador, V. V. B. (2014). Planeamento estratégico para abertura e implementação de um ginásio desportivo. Porto. Dissertação de Mestrado apresentada ao instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto, Porto.

Almeida, J. F., & Pinto, J. M. (1986). Da Teoria à Investigação Empírica. Problemas Metodológicos Gerais. In A. S. Silva & J. M. Pinto (Eds.), Metodologia das Ciências Sociais. Edições Afrontamento, Porto.

Araújo, P. M. (2012). Etnometodologia: consciência, linguagem e o fenómeno da vida cotidiana. Sinais – Revista Eletrónica, Ciências Sociais, 11(1).

Barambão, J. M. P (2012). Plano Estratégico para o Desenvolvimento do Turismo Desportivo no Concelho de Sines, como forma de combater a sazonalidade. (Dissertação de mestrado), ISCTE Business School do Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Edições 70, Lisboa.

Bell, J. (1997). Como realizar um projeto de Investigação. Um Guia para Pesquisa em Ciências Sociais e da Educação. Gradiva, Lisboa.

Bento, J. O., & Constantino, J. M. (2012). Desporto e municípios: políticas, práticas e programas. Visão e Contextos, Lisboa.

Carvalho, M. J. (2007). Os elementos estruturantes do regime jurídico do desporto profissional em Portugal. (Dissertação de Doutorado), Faculdade de Desporto da Universidade do Porto, Porto.

Carvalho, M. J. (1994). Desporto e Autarquias Locais, uma nova via para o desenvolvimento desportivo nacional. Campo das Letras, Porto.

Cicourel, A. (1995). Teoria e método em pesquisa de campo. In: Guimarães, A. Z. (org.). Desvendando máscaras sociais. Francisco Alves, Rio de Janeiro.

Chiavenato, I., & Sapiro, A. (2009). Planeamento estratégico: fundamentos e aplicações. Elsevier, Rio de Janeiro.

da Silva, C. A. F., Terra, B. R. C., & Votre, S. J. (2008). O modelo da hélice tríplice e o papel da educação física, do esporte e do lazer no desenvolvimento local. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 28(1).

Delgadinho, R. P. L. (2011). Políticas e gestão do desporto municipal- Estudo de caso da empesa municipal Feira Viva, Cultura de Desporto EEM. (Dissertação de mestrado). Universidade do Porto, Porto.

Denison, R. & Spreitzer G. M. (1991). Organizational culture and organizational developement: a competing values approach. Research in Organizational Change and Development, 5, 1-21.

Etzkowitz, H. (2005). Reconstrução criativa: hélice tríplice e inovação regional. Inteligência Empresarial/Crie/Coppe/UFRJ, n. 23. http://www.epapers.com.br/produtos.asp?codigo_produto=663.

Etzkowitz, H., & Leydesdorff, L. (1995). The triple helix – university, industry, government relations: a laboratory for knowledge based economic development. In: The triple helix of university, industry, and government relations: the future location of research conference. Amsterdam. http://users.fmg.uva.nl/lleydesdorff/th1/index.htm.

Etzkowitz, H., & Leydesdorff, L. (2000). The dynamics of innovation: from National Systems and „„Mode 2‟‟ to a Triple Helix of university–industry–government relations. Research Policy, 29, 109-123.http://www.ingentaconnect.com/content/els/00487 333/2000/00000029/00000002/art00055

Etzkowitz, H., & Zhou, C. (2006). Triple Helix twins: innovation and sustainability. Science and Public Policy, 33(1), 77-83. http://www.ingentaconnect.com/content/beech/spp /2006/00000033/00000001/art00007

Ferrão, A. J. F. (1999). O papel das autarquias no desenvolvimento da actividade física e desportiva dentro e fora da escola do 1º ciclo do ensino básico da área educativa de Viseu. (Dissertação de mestrado), Universidade do Porto, Porto.

Garfinkel, H. (2012). Estudos de etnometodologia. Vozes, Petrópolis.

Giacobbo, M. (1997). O desafio da implementação do planejamento estratégico nas organizações públicas. Revista do TCU, 73-107.

Gonçalves, A. (2005). O conceito de governança. XIV Congresso Nacional do COMPEDI. Anais, Fortaleza. http://www.publicadireito.com.br/conpedi/manaus/arquivos/anais/XIVCongresso/078.pdf

Pires, G. (2005). Gestão de desporto: desenvolvimento organizacional. Apogesd, Porto.

Haguete, T. M. F. (1997). Metodologias qualitativas na Sociologia. Vozes, Petrópolis.

Januário, C., Sarmento, P., & Carvalho, M. J. (2009). Políticas públicas desportivas: avaliação do nível de execução e eficácia nos Municípios da Área Metropolitana do Porto. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, 9(2), 26-32.

Joaquim, B. A. S. (2009). Desporto e Autarquias locais. Intervenção política na promoção de desporto no concelho de Tondela. Porto. (Estudo monográfico), Universidade do Porto, Porto.

Kreuger, R. A. (1988). Focus groups: A practical guide for applied research. Sage, London.

Kriemadis, T., & Theakou, E. (2007). Strategic Planning models in public and non profit sport organizations. Sport Management International Journal, 3(2), 27-37. http://isca-web.org/files/Kriemadis_etal_Strategic_Planning_Models_in_Sport_Organis.pdf

Lobos, J. (1975). Desenvolvimento organizacional: teoria e aplicações. Revista de Administração de Empresas, 15(3), 21-32.

Lundvall, B. (1992). National Systems of Innovation. Pinter, London.

Nelson, R. R. (1993). National Innovation Systems: a Comparative Analysis. Oxford Univ. Press, New York.

Oliveira, L. R. (2012). Sustentabilidade: da evolução dos conceitos à implementação como estratégia nas organizações. Produção, 22(1), 70-82.

Paipe, G. (2016). Políticas públicas desportivas: estudo centrado em municípios de Moçambique. (Dissertação de Doutorado), Universidade do Porto, Porto.

Paz, F. J., & Kipper, L. M. (2016). Sustentabilidade nas organizações: vantagens e desafios. GEPROS. Gestão da Produção, Operações e Sistemas, 11(2), 85-102.

Pires, G. (2005). Gestão de desporto: desenvolvimento organizacional. Apogesd, Porto.

Pizarro, J. A. (2017). Governança desportiva: uma inflexão da governança global. Revista de Relaciones Internacionales, Estrategia y Seguridad, 13(1), 195-219.

Sábato, J., & Mackenzie, M. (1982). La Producción de Tecnología. Autónoma o Transnacional. Nueva Imagen, México.

Sancho, J. A. M. (2004). Planificación Desportiva – Teoria y Prática. INDE, Barcelona.

Sarmento, J. P, Pinto, A., Costa, C. P., & Silva, C. A. F (2011). O evento desportivo como fator de desenvolvimento. Revista Intercontinental de Gestão Desportiva, 1(1), 1-14.

Silva, C. A. F. et al. (2015). A contribuição da etnometodologia para os estudos sociológicos na educação física brasileira. Revista Movimento, 21(1), 217-232.

Silva, C. A. F., & Votre, S. J. (2012). Etnometodologias. Rio de Janeiro: Comunicação Editora.

Silva, E. A. (2013). As metodologias qualitativas de investigação nas Ciências Sociais. Revista Angolana de Sociologia, 12, 77-99.

Silva, C. A. F., Lopes, J. P. S. R., & Araújo Netto, J. (2010). Educação física, desenvolvimento e inovação: o argumento da hélice tríplice. Motriz, 16(4), 995-1005. https://doi.org/10.5016/1980-6574.2010v16n4p995

Soares, B. A. (2009). Intervenção política na promoção de desporto e actividade física no concelho de Tondela. Porto. (Estudo monográfico), Faculdade de Desporto da Universidade do Porto, Porto.

Soares, A. V. (2006). A gestão por competências e o triple bottom line como padrões para o alcance da sustentabilidade empresarial. III CNEG, Niterói, RJ, Brasil. https://www.inovarse.org/artigos-por-edicoes/III-CNEG-2006/321.pdf

Steigleder, M. L., Santos, R. F., & da Silva, C. A. F. (2020). Sport as a vehicle for socio-educational transformation: a study of the Fernanda Keller Project. Motriz: Revista de Educação Física, 26(1), e10200086. https://dx.doi.org/10.1590/s1980-6574202000010086

Teixeira, S. (2011). Gestão Estratégica. Lisboa: Escolar Editora.

Terence, A. C. F. (2002). Planejamento estratégico como ferramenta de competitividade na pequena empresa. (Dissertação de Mestrado), Escola de Engenharia de São Paulo da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Venturini, L., & Lopes., L. (2015). O modelo Triple Bottom Line e a sustentabilidade na administração pública: pequenas práticas que fazem a diferença. (Monografia de Especialização), Universidade Federal de Santa Maria, Santa Catarina. http://repositorio.ufsm.br/handle/1/11691.




DOI: https://doi.org/10.5585/podium.v9i3.17894

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review

e-ISSN: 2316-932X
www.podiumreview.org.br

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review ©2020 Todos os direitos reservados.