Austeridade em Portugal: medidas implementadas e seu impacto no acesso, eficiência e qualidade do serviço nacional de saúde

Alexandre Morais Nunes, Andreia Afonso de Matos

Resumo


 

Em abril de 2011, uma grave crise econômica e social eclodiu em Portugal, levando o país a solicitar ajuda financeira ao Fundo Monetário Internacional, à Comissão Europeia e ao Banco Central Europeu que, em troca, exigiu o cumprimento de um conjunto de várias medidas de austeridade constante de  um memorando. Parte dessas medidas focalizaram o Serviço Nacional de Saúde, ao qual foi exigido um corte na despesa e um conjunto de reformas promotoras de eficiência que gerassem economias por meio da melhor realocação dos recursos e da redução do investimento. Este artigo pretende, através da análise da literatura e das políticas de saúde implementadas, mostrar os resultados/efeitos da austeridade  e os passos já dados no período pós crise. Como resultados se verificou algumas melhorias ao nível da eficiência, mas graves problemas no acesso aos serviços de saúde. Em conclusão pode-se afirmar que a austeridade foi necessária, mas foi pensada apenas para aquele momento e não numa perspectiva de  construção da política de saúde para o futuro.

 

 

 


Palavras-chave


Política de saúde; Austeridade; Acesso; Eficiência; Qualidade

Texto completo:

PDF

Referências


Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) (2017). Relatório anual sobre o acesso a cuidados de saúde nos estabelecimentos do SNS 2016. Lisboa: Ministério da Saúde.

Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) (2018). Relatório anual sobre o acesso a cuidados de saúde nos estabelecimentos do SNS 2017. Lisboa: Ministério da Saúde.

Barradas, C., Nunes, J. (2017). A virada austera: o declínio do acesso à saúde e da qualidade de atendimento para pacientes com câncer em Portugal. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, 24(4), 933-951.

Barros, P. (2012). Health policy reform in tough times: the case of Portugal. Health Policy, 106(1), 17-22.

Campos, A., Simões, J. (2011). O percurso da saúde: Portugal na Europa. Coimbra: Almedina.

Carmo, I. (2012). A Troika, o memorando e os serviços de saúde. In Carmo, I. (Org). Serviço Nacional de Saúde em Portugal: as ameaças, a crise e os desafios (pp. 85-90). Coimbra: Almedina.

Correia, T., Carapinheiro G., Silva, J., & Vieira, J. (2015). O sistema de saúde português no tempo da Troika: a experiência dos médicos. Lisboa: ISCTE-IUL/Ordem dos Médicos.

EUROSTAT Database (2017). GDP and main components (output, expenditure and income): Gross domestic product iat market places. Disponível em: http://appsso.eurostat.ec.europa.eu/nui/show.do?dataset=nama_10_gdp〈=en. Acesso em: 01 maio. 2018.

Fernandes, A.C. A Combinação Público-Privado em Saúde:impacto no desempenho do sistema e nos resultados em saúde no contexto português. Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. 2015.

Karanaranikolos, M., Mladovsky, P., Cylus, J., Thomson, S., Basu, S., Stuckler, D., Mackenbach, J., Mckee, M. (2013). Financial crisis, austerity, and health in Europe. The Lancet, 381(13), 1323-31.

Mckee, M., Karanaranikolos, M., Belcher, P., Stuckler, D. (2012) Austerity: a failed experiment on the people of Europe. Clinical Medicine,12(4), 346-350.

Memorandum of Understanding on Specific Economic Policy Conditionality (MoU) (2011). Disponível em: http://ec.europa.eu/economy_finance/eu_borrower/mou/ 2011-05-18-mou-portugal_en.pdf. Acesso em: 05 maio. 2018.

Nunes, A. (2016). Reformas na gestão hospitalar: análise dos efeitos da empresarialização. Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa. 2016.

Nunes, A. (2017). Direito à saúde em Portugal - delimitação jurídica do SNS. Revista Brasileira de Direitos Fundamentais e Justiça, 11(37), 17-34.

Nunes, A. (2018). Suicídio em Portugal um retrato do país. Journal Brasileiro de Psiquiatria, 67(1), 25-33.

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) (2013). Health spending growth at zero: which countries, which sectors are most affected? Paris: OECD Publishing.

Organização Mundial da Saude (OMS) (2011). Impact of economic crises on mental health. Copenhaga: World Health Organization.

Observatório Português dos Sistemas de Saúde (OPSS) (2012). Crise e saúde: um país em sofrimento: relatório de primavera do OPSS. Disponível em: http://www.observaport.org/sites/observaport.org/files/RelatorioPrimavera2012_OPSS_3.pdf. Acesso em: 10 abr. 2018.

Observatório Português dos Sistemas de Saúde (OPSS) (2013). Duas faces da saúde: relatório de primavera do OPSS. Disponível em: http://www.opss.pt/sites/opss.pt/files/RelatorioPrimavera2013_0.pdf. Acesso em: 15 abr. 2018.

Observatório Português dos Sistemas de Saúde (OPSS) (2014). Saúde: síndroma de negação: relato´rio de primavera do OPSS. Disponível em: http://www.opss.pt/sites/opss.pt/files/ RelatorioPrimavera2014.pdf . Acesso em: 20 abr. 2018.

Observatório Português dos Sistemas de Saúde (OPSS) (2015). Acesso aos cuidados de saúde: um direito em risco? RelatÓrio de primavera do OPSS. Disponível em: http://www.opss.pt/sites/opss.pt/files/RelatorioPrimavera2015.pdf . Acesso em: 20 abr. 2018.

Observatório Português dos Sistemas de Saúde (OPSS) (2016). Saúde: procuram-se novos caminhos: relato´rio de primavera do OPSS. Disponível em: http://www.opss.pt/sites/opss.pt/files/Relatorio_Primavera_2016_1.pdf. Acesso em: 15 abr. 2018. 2016.

PORDATA Database (2017). European Household panel - European Statistics on Income and Living Conditions. Disponível em: https://www.pordata.pt/DB/Europa/Ambiente+de+Consulta/Tabela. Acesso em: 25 abr. 2018.

Decreto de 10 de abril de 1976. Constituição da República Portuguesa. Diário da República n.º 86/1976, p. 738-775.

Lei nº56/79, de 15 de setembro. Cria o Serviço Nacional de Saúde. Diário da República n.º 214, Série I, p. 2357 - 2363.

Lei Constitucional n.º 1/89 de 8 de julho. Segunda revisão da Constituição. Diário da República n.º 155/1989, 1º Suplemento, Série I, p. 2734-(2) a 2734-(69).

PORTUGAL (2011). Programa do XIX Governo Constitucional. Disponível em: https://www.portugal.gov.pt/media/130538/programa_gc19.pdf. Acesso em: 12 maio.2018.

PORTUGAL (2015). Programa do XXI Governo Constitucional. Disponível em: https://www.portugal.gov.pt/ficheiros-geral/programa-do-governo-pdf.aspx. Acesso em: 12 maio.2018.

PricewaterhouseCoopers (PwC) (2011). MoU e Programa do Governo: as medidas para o Sector da Saúde. Disponível em: https://www.pwc.pt/pt/saude/images/pwc_troika_saude.pdf. Acesso em: 16 maio.2018.

Simões, J., Augusto, G., Fronteira, I., & Hernandéz-Quevedo, C. (2017). Portugal. Health systems review. Health Systems in Transition, 19(2), 1-211.

Stuckler, D., & Mckee, M. (2012). There is an alternative: public health professionals must not remain silent at a time of financial crisis. European Journal of Public Health, 22(1), 2-3.

União Europeia (1992). Tratado da União Europeia (Tratado de Maastricht). Disponível em: http://eur-lex.europa.eu/legal-content/EN/TXT/?uri=celex:11992M/TXT. Acesso em: 15 maio. 2018.

União Europeia (2010). Regulamento do Conselho (UE) n. ° 407/2010 de 11 de maio de 2010, que estabelece o Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira (European Financial Stabilisation Mechanism — EFSM). Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/?uri=LEGISSUM%3Aec0009. Acesso em: 15 maio.2018.




DOI: https://doi.org/10.5585/rgss.v10i3.13339

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista de Gestão em Sistemas de Saúde – RGSS

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS)
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS) ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional