Estruturação e orientação da atenção primária à saúde em um município no extremo sul do Brasil

Isabel Cristina Rosa Barros Rasia, Denise Silva Silveira, Pelayo Munhoz Olea, Beatriz Barros Rasia

Resumo


Este estudo objetivou contextualizar a estrutura de organização e a orientação da Atenção Primária à Saúde (APS) de Pelotas, município do Rio Grande do Sul, bem como demonstrar e discutir a presença e a extensão dos atributos de orientação que qualificam a APS, por meio da aplicação do Instrumento Primary Care Assessment Tool (PCATool), avaliando a APS segundo o modelo de atenção (tradicional e Estratégia de Saúde da Família – ESF). Para tanto, realizou-se um estudo transversal, aplicando o PCATool aos 50 gestores das Unidades Básicas de Saúde (UBS) do município, no segundo semestre de 2015. Os resultados mostraram que o sistema de saúde de Pelotas está estruturado a partir de um modelo hierárquico baseado em níveis de complexidade crescente e que as UBS têm orientação em APS. No entanto, quando estratificadas por modelo de atenção, percebeu-se que somente as que trabalhavam com a ESF estavam orientadas. Conclui-se, assim, que o modelo de ESF traz melhorias à APS, demandando uma reestruturação interna das UBS e, consequentemente, das equipes de trabalho. Além disso, no que concerne ao PCATool, explicitam-se críticas quanto ao escore acesso, e à perda de algumas dimensões importantes qualitativas da organização e do serviço no que concerne à assistência prestada aos usuários. Por fim, destaca-se que ter orientação em APS não é garantia de qualidade assistencial praticada.


Palavras-chave


Atenção primária à saúde; Unidade básica de saúde; Qualidade da assistência à saúde

Texto completo:

PDF

Referências


André, A. M. & Ciampone, M. H. T. (2007). Competências para a gestão de Unidades Básicas de Saúde: percepção do gestor. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 41(spe), 835-840.

Arantes, L. J., Shimizu, H. E., & Merchán-Hamann, E. (2016). The benefits and challenges of the Family Health Strategy in Brazilian Primary Health care: a literature review. Ciência & Saúde Coletiva, 21(5), 1499-1510.

Barbaro MC, Lettiere A, Nakano AMS. (2014). Assistência pré-natal à adolescente e os atributos da Atenção Primária à Saúde. Rev Latinoam Enferm. [Internet]. 2014 [citado em 02 mar 2017]; 22(1):108-14.

Barros, M. B. A., Francisco, P. M. S. B., Zanchetta, L. M. & César, C. L. G. (2011). Tendências das desigualdades sociais e demográficas na prevalência de doenças crônicas no Brasil, PNAD: 2003- 2008. Ciência & Saúde Coletiva, 16(9), 3755-3768.

Boing, A. F., Vicenzi, R. B., Magajewski, F., Boing, A. C., Moretti-Pires, R. O., Peres, K. G., Lindner, S. R. & Peres, M. A. (2012). Redução das internações por condições sensíveis à atenção primária no Brasil entre 1998-2009. Revista de Saúde Pública, 46(2), 359-366.

Brasil. (2010). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção em Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual do instrumento de avaliação de atenção primária à saúde: Primary Care Assessment Tool (PCATOOL – Brasil). Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2011). Ministério da Saúde. Portaria nº 2.488/GM, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da atenção básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília: D.O.U.

Cardoso, A. V. L., Chain, A. P. N., Mendes, R. I. P., Ferreira, F. E. V., A. M. D., Martins, A. M. E. B. L., & Ferreira, R. C. (2015). Avaliação da gestão da Estratégia Saúde da Família por meio do instrumento Avaliação para Melhoria da Qualidade em municípios de Minas Gerais, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 20(4), 1267-1284.

Castro, R. C. L., Knauth, D. R., Harzheim, E., Hauser, L. & Duncan, B. B. (2012). Avaliação da qualidade da atenção primária pelos profissionais de saúde: comparação entre diferentes tipos de serviços. Cadernos de Saúde Pública, 28(9), 1772-1784.

Donabedian, A. (2005). Evaluating the quality of medical care, 1966. The Milbank quarterly, United States, v.83, n.4, p.691-729.

Elias, P. E., Ferreira, C. W., Alves, M. C. G., Cohn, A., Kishima, V., Junior, A. E., Gomes, A. & Bousquat, A. (2006). Atenção Básica em Saúde: comparação entre PSF e UBS por estrato de exclusão social no município de São Paulo. Ciência & Saúde Coletiva, 11(3), 633-641.

Facchini, L. A., Piccini, R. X., Tomasi, E., Thumé, E., Silveira, D. S., Siqueira, F. V., & Rodrigues, M. A. (2006). Desempenho do PSF no Sul e no Nordeste do Brasil: avaliação institucional e epidemiológica da Atenção Básica à Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 11(3), 669-681.

Fracolli, L. A., Gomes, M. F. P., Nabão, F. R. Z., Santos, M. S., Cappellini, V. K. & Almeida, A. C. C. (2014). Instrumentos de avaliação da Atenção Primária à Saúde: revisão de literatura e metassíntese. Ciência & Saúde Coletiva, 19(12), 4851-4860.

Gil, A. C. (2002). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5ª ed. São Paulo: Atlas.

Gil, C. R. R. (2006). Atenção primária, atenção básica e saúde da família: sinergias e singularidades do contexto brasileiro. Cadernos de Saúde Pública, 22(6), 1171-1181.

Giovanella, L., Mendonça, M. H. M., Almeida, P. F., Escorel, S., Senna, M. C. M., Fausto, M. C. R., Delgado, C. L. T. A., Cunha, M. S., Martins, M. I. C., Teixeira, C. P. (2009). Saúde da família: limites e possibilidades para uma abordagem integral de atenção primária à saúde no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 14(3), 783-794.

Hartz, Z. M. A. & Contandriopoulos, A. P. (2004). Integralidade da atenção e integração de serviços de saúde: desafios para avaliar a implantação de um "sistema sem muros". Cadernos de Saúde Pública, 20 (Suppl. 2), S331-S336.

Harzheim, E., Álvarez, D. C. (2007). Evaluación de la atención a la salud infantil del Programa Saúde da Família en la región sur de Porto Alegre, Brasil. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, v.3, n 9.

Harzheim, E., Oliveira, M., Agostinho, M., Hauser, L., Stein, A., Gonçalves, M., Trindade, T., Berra, S., Duncan, B., & Starfield, B. (2013). Validação do instrumento de avaliação da atenção primária à saúde: PCATool-Brasil adultos. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, 8(29), 274-284.

Harzheim, E., Starfield, B., Rajmil, L., et al. (2006). Internal consistency and reliability of Primary Care Assessment Tool (PCATool - Brasil) for child health services. Cad Saúde Pública, v.22, p.1649-1659.

Mendes EV. (2011). As Redes de Atenção à Saúde. Brasília: Organização Pan Americana da Saúde.

Nedel, F., Facchini, L., Martín-Mateo, M., Vieira, L., & Thumé, E. (2008). Family Health Program and ambulatory care-sensitive conditions in Southern Brazil . Revista De Saúde Pública, 42(6), 1041-1052.

Nunes, A. A., Caccia-Bava, M. C. G. G., Bistafa, M. J., Pereira, L. C. R., Watanabe, M. C., Santos, V. & Domingos, N. A. M. (2012). Resolubilidade da estratégia saúde da família e unidades básicas de saúde tradicionais: contribuições do Pet-Saúde. Revista Brasileira de Educação Médica, 36(1, Suppl. 1), 27-32.

ONU. (1979). Fundo das Nações Unidas para a Infância. Cuidados primários de saúde – relatório da Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde – Alma Ata, 1978. Brasília: Fundo das Nações Unidas para a Infância.

Paim, J., Travassos, C., Almeida, C., Bahia, L., Macinko, J. (2011). O sistema de saúde brasileiro: história, avanços e desafios. Lancet; 377(9779):1778-1797.

Pelotas. (2017). Plano Municipal de Saúde. Plano de trabalho. Pelotas: Secretaria da Saúde.

Shi, L., Starfield, B., Xu, J. (2001). Validating the adult primary care assessment tool. J Fam Pract; 50(2):161-164.

Silveira, D. S., Facchini, L. A., Siqueira, F. V., Piccini, R. X., Tomasi, E., Thumé, E., Silva, S. M., Dilélio, A. S. & Maia, M. F. S. (2010). Gestão do trabalho, da educação, da informação e comunicação na atenção básica à saúde de municípios das regiões Sul e Nordeste do Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 26(9), 1714-1726.

Soares, J. D. C., Borba, L. G., Nunes, M. P., Chatkin, M. (2008). Qualidade da atenção básica mediante internações evitáveis no Sul do Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 24(7), 1699-1707.

Souza, L. L., & Costa, J. S. D. (2011). Internações por condições sensíveis à atenção primária nas coordenadorias de saúde no RS. Revista de Saúde Pública, 45(4), 765-772.

Starfield B. (1992). Primary Care: Concept, Evaluation, and Policy. London: Oxford University Press.

Starfield, B. (2000). Measuring consumer experiences with primary care. Pediatrics, United States, v.105, n.4, p.998-1003.

Victora CG, Aquino EML, Leal MC, Monteiro CA, Barros FC, Szwarcwald CL. (2011). Maternal and child health in Brazil: progress and challenges. The Lancet, 377:1863-76.




DOI: https://doi.org/10.5585/rgss.v9i2.14493

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista de Gestão em Sistemas de Saúde

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS)
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS) ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional