Uma proposta de instrumento de avaliação da qualidade em farmácias comunitárias utilizando um sistema de informação geográfica

Brígida Dias Fernandes, Rodrigo Randow de Freitas, Ana Carolina Melchiors, Roberto Pontarolo

Resumo


Farmácias desempenham um papel importante na saúde pública uma vez que podem ser o primeiro contato do paciente com o sistema de saúde, fato que torna essencial a análise da distribuição geográfica desses estabelecimentos e da qualidade das atividades desenvolvidas. O objetivo deste estudo foi desenvolver um instrumento de avaliação da qualidade dos serviços prestados em farmácias comunitárias, bem como testar sua aplicação por meio de um sistema de informação geográfica para a visualização dos resultados. Após uma revisão da literatura científica, um conjunto de indicadores de qualidade foi submetido a análise de especialistas. A partir da matriz final construída, foram elaborados questionários observacionais e autoadministráveis e aplicados em farmácias pertencentes a uma cidade da região sudeste do Brasil. Foram coletadas as coordenadas geográficas das farmácias e procedeu-se a digitalização da área de estudo e subsequente criação de mapas conforme o ranking de qualidade. A matriz final conteve cinco dimensões da qualidade, as quais abrangem 76 critérios considerados importantes para a avaliação das atividades desenvolvidas na farmácia no que tange à importância do acesso à estrutura e aos processos disponíveis, sendo estes eficazes e organizados de modo a promover cuidado adequado em saúde. Quanto à aplicação do instrumento, identificou-se que haviam bairros com apenas uma farmácia cujos serviços eram de baixa qualidade, fato que requer atenção e exige alterações para que a população não seja desassistida quanto ao acesso a importantes intervenções em saúde. A visualização dos dados em mapas facilitou a avaliação da qualidade e a identificação das áreas que necessitam de melhorias.

 

 


Palavras-chave


Farmácia; Gestão da qualidade; Análise espacial; Sistemas de informação geográfica

Texto completo:

PDF

Referências


Abreu, D. M. X., Pinheiro, P. C., Queiroz, B. L., Lopes, É. A. S., Machado, A. T. G. M., Lima, Â. M. L. D., Santos, A. F., & Rocha, H. A. (2018). Análise espacial da qualidade da Atenção Básica em Saúde no Brasil. Saúde Em Debate, 42(spe1), 67–80. doi:10.1590/0103-11042018s105

Araújo, P. S., Costa, E. A., Guerra, A. A., Jr., Acurcio, F. de A., Guibu, I. A., Álvares, J., Costa, K. S., Karnikowski, M. G. O., Soeiro, O. M., & Leite, S. N. (2017). Pharmaceutical care in Brazil’s primary health care. Revista de Saúde Pública, 51(suppl.2), 1s-11s. doi:10.11606/S1518-8787.2017051007109

Campbell, S. M., Braspenning, J., Hutchinson, A., & Marshall, M. (2002). Research methods used in developing and applying quality indicators in primary care. Quality & Safety in Health Care, 11(4), 358–364.

Campbell, S. M., Roland, M. O., & Buetow, S. A. (2000). Defining quality of care. Social Science & Medicine (1982), 51(11), 1611–1625.

Carvalho, M. S., & Souza-Santos, R. (2005). Análise de dados espaciais em saúde pública: métodos, problemas, perspectivas. Cadernos de Saúde Pública, 21(2), 361–378. doi:10.1590/S0102-311X2005000200003

Conselho Federal de Farmácia. (2016). Serviços farmacêuticos diretamente destinados ao paciente, à família e à comunidade: contextualização e arcabouço conceitual. Brasília: Conselho Federal de Farmácia.

Contandriopoulos, A.-P., Champagne, F., Denis, J.-L., & Pineault, R. (1997). Avaliação em saúde: dos modelos conceituais à prática na análise da implantação de programas. In Avaliação em saúde: dos modelos conceituais à prática na análise da implantação de programas (p. 132). doi:10.7476/9788575414033

Correr, C. J., Pontarolo, R., Melchiors, A. C., Souza, R. A. de P. e, Rossignoli, P., & Fernández-llimós, F. (2009). Satisfação dos usuários com serviços da farmácia: tradução e validação do Pharmacy Services Questionnaire para o Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 25(1), 87–96.

Donabedian, A. (1988). The quality of care. How can it be assessed? JAMA: The Journal of the American Medical Association, 260(12), 1743–1748. doi:10.1001/jama.260.12.1743

Fadel, M. A. V., & Regis, G. I., Filho (2009). Percepção da qualidade em serviços públicos de saúde: um estudo de caso. Revista de Administração Pública, 43(1), 7–22. doi:10.1590/S0034-76122009000100002

Fernandes, B. D., Freitas, R. R. de, Melchiors, A. C., & Pontarolo, R. (2020). Satisfação Dos Usuários Com Serviços Da Farmácia Comunitária: Uma Abordagem Espacial. Revista de Atenção à Saúde, 17(62), 12–23. doi:10.13037/ras.vol17n62.6107

França, J. B., Filho, Correr, C. J., Paula, R., Ana Carolina, M., Fernando, F., & Roberto, P. (2008). Perfil dos farmacêuticos e farmácias em Santa Catarina: indicadores de estrutura e processo. Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences, 44(2001), 107–115.

Halsall, D., Noyce, P. R., & Ashcroft, D. M. (2012). Characterizing healthcare quality in the community pharmacy setting: Insights from a focus group study. Research in Social and Administrative Pharmacy, 8(5), 360–370. doi:10.1016/j.sapharm.2011.09.001

Hiscock, R., Pearce, J., Blakely, T., & Witten, K. (2008). Is Neighborhood Access to Health Care Provision Associated with Individual-Level Utilization and Satisfaction? Health Services Research, 43(6), 2183–2200. doi:10.1111/j.1475-6773.2008.00877.x

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica. (2011). Censo Demográfico 2010. Recuperado em 12 fevereiro, 2021, de https://cidades.ibge.gov.br/brasil/es/sao-mateus/panorama

Lei n. 13.021, de 08 de agosto de 2014. (2014). Dispõe sobre o controle sanitário do comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos. Diário Oficial da União. Brasília, DF. Recuperado em 12 fevereiro, 2021, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13021.htm

Lei n. 7.405, de 12 de novembro de 1985. (1985). Torna obrigatória a colocação do Símbolo Internacional de Acesso” em todos os locais e serviços que permitam sua utilização por pessoas portadoras de deficiência e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF. Recuperado em 12 fevereiro, 2021, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/1980-1988/L7405.htm

Lin, S.-J., Crawford, S. Y., & Warren Salmon, J. (2005). Potential access and revealed access to pain management medications. Social Science & Medicine (1982), 60(8), 1881–1891. doi:10.1016/j.socscimed.2004.08.025

Morais, R. M. de, & Costa, A. L. (2014). Um modelo para avaliação de sistemas de informação do SUS de abrangência nacional: o processo de seleção e estruturação de indicadores. Revista de Administração Pública, 48(3), 767–793. doi:10.1590/0034-76121512

Moullin, J. C., Sabater-Hernández, D., & Benrimoj, S. I. (2016). Qualitative study on the implementation of professional pharmacy services in Australian community pharmacies using framework analysis. BMC Health Services Research, 16(1), 439. doi:10.1186/s12913-016-1689-7

Mullins, C. D., Blatt, L., Gbarayor, C. M., Yang, H.-W. K., & Baquet, C. (2005). Health disparities: A barrier to high-quality care. American Journal of Health-System Pharmacy, 62(18), 1873–1882. doi:10.2146/ajhp050064

Nelson, M. L., Chapman, C., & Campbell, P. J. (2020). Traversing the Quality Chasm: Revisiting the Framework for Pharmacy Services Quality Improvement. Journal of Managed Care & Specialty Pharmacy, 26(7), 817–819. doi:10.18553/jmcp.2020.26.7.817

Organización Panamericana de la Salud. (2013). Servicios farmacéuticos basados en la atención primaria de salud. Documento de posición de la OPS/OMS. Washington, DC: OPS.

Pasquali, L. (2010). Testes referentes a constuto: teoria e modelo de construção. In Instrumentação Psicológica: Fundamentos e Práticas (p. 560). Porto Alegre: Artmed.

Pereira, L. R. L., & Freitas, O. de. (2008). The evolution of pharmaceutical care and the prospect for the Brazil. Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences, 44(4), 601–612.

Reis, T. M. dos, Guidoni, C. M., Girotto, E., Rascado, R. R., Mastroianni, P. de C., Cruciol, J. M., & Pereira, L. R. L. (2015). Pharmaceutical care in Brazilian community pharmacies: Knowledge and practice. African Journal of Pharmacy and Pharmacology, 9(9), 287–294. doi:10.5897/AJPP2014.4239

Saaty, T. L. (2008). Decision making with the analytic hierarchy process. International Journal of Services Sciences, 1(1), 83–98.

Strand, L. M., Cipolle, R. J., Morley, P. C., & Frakes, M. J. (2004). The Impact of Pharmaceutical Care Practice on the Practitioner and the Patient in the Ambulatory Practice Setting: Twenty-five Years of Experience. Current Pharmaceutical Design, 10, 3987–4001.

Weir, N. M., Newham, R., Dunlop, E., & Bennie, M. (2019). Factors influencing national implementation of innovations within community pharmacy: a systematic review applying the Consolidated Framework for Implementation Research. Implementation Science, 14(1), 21. doi:10.1186/s13012-019-0867-5

Wiedenmayer, K., Summers, R. S., Mackie, C. A., Gous, A. G. S., & Everard, M. (2006). Developing Pharmacy Practice: A Focus on Patient Care. Geneva: World Health Organization.

World Health Organization. (2019). The legal and regulatory framework for community pharmacies in the WHO European Region. Copenhagen: WHO Regional Office for Europe.

World Health Organization, & International Pharmaceutical Federation. (2011). Joint FIP/WHO Guidelines on Good Pharmacy Practice: standards for quality of pharmacy services (WHO, Ed.). Geneva: World Health Organization.

Yuan, C., Ding, Y., Zhou, K., Huang, Y., & Xi, X. (2019). Clinical outcomes of community pharmacy services: A systematic review and meta-analysis. Health & Social Care in the Community, 27(5), e567–e587. doi:10.1111/hsc.12794




DOI: https://doi.org/10.5585/rgss.v10i3.17863

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista de Gestão em Sistemas de Saúde

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS)
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS) ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional