Ciência, tecnologia e inovação: a importância dos sistemas estaduais em uma estratégia nacional para o setor no Brasil

Wellington Lourenço de Almeida

Resumo


Este artigo analisa aspectos institucionais da trajetória das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (FAPs) no Brasil. A abordagem está estruturada a partir dos desafios colocados pela Agenda 2030 das Nações Unidas, especialmente em seu objetivo 9, que trata da necessidade de construção de infraestruturas resilientes, buscando promover a industrialização inclusiva e sustentável, além de fomentar a inovação. A pesquisa procura identificar possíveis caminhos para o fortalecimento institucional desse sistema. Trata-se de uma pesquisa exploratória que se apoiou em metodologia triangular, por meio da articulação entre literatura, revisão de documentos oficiais e geração de dados, além da experiência prática vivenciada pelo autor. A Agenda 2030 das Nações Unidas é uma carta de intenções firmada em ambiente multilateral, expressando consenso sobre um cenário ideal, sem análise dos entraves inerentes aos desafios reais nos planos doméstico e global. Isto não anula sua importância como uma visão de futuro capaz de orientar ações por parte dos atores políticos e sociais. Neste ensaio, ela é entendida como uma oportunidade de se buscar uma reflexão estratégica em uma área decisiva para o futuro ou não futuro do país. O exame se concentra nas tendências centrais das mudanças societárias em curso, apontadas pela literatura. A partir dessa descrição, procura refletir sobre as respostas dadas pelo país nos últimos anos, discutindo, também, percepções sobre o que poderá ocorrer no futuro próximo, extraídas de um diálogo com atores-chave do setor das FAPs em nível subnacional.


Palavras-chave


agenda 2030; nações unidas; fundações; pesquisa; inovação

Texto completo:

PDF

Referências


ARBIX, Glauco. Dilemas da inovação no Brasil. In: TURCHI, Lenita M.; MORAES, José Mau-ro de (Org.). Políticas de apoio à inovação tecnológica no Brasil: avanços recentes, limitações e pro-postas de ações. Brasília: Ipea, 2017, p. 47-80.

ARBIX, G. et al (Org.). Estratégias de inovação em sete países: EUA, Canadá, Irlanda, França, Rei-no Unido, Finlândia e Japão. Brasília: ABDI, 2009.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BRASIL. Presidência da República. Produtivismo includente: empreendedorismo vanguardista. Brasília: Secretaria de Assuntos Estratégicos, Subsecretaria de Ações Estratégicas, 2015.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Transformando nosso mundo: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Brasília: MRE, 2016. Disponível em: http://www.itamaraty.gov.br /images/ed_desenvsust/Agenda2030completoportugus12fev2016.pdf.

BRASIL. Ministério da Ciência e Tecnologia. Tecnologia, inovação e comunicações. Estratégia Nacio-nal de Ciência Tecnologia e Inovação 2016-2022. Brasília: MCT, 2016a.

BRASIL. Presidência da República. Decreto n. 9.283, de 07 de fevereiro de 2018. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2018/Decreto/D9283.htm?

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Em busca do desenvolvimento perdido: um projeto novo-desenvolvimentista para o Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2018.

CASTELLS, Manuel. A era da informação: economia, sociedade e cultura. Volume I (A socieda-de em rede); Volume II (O poder da identidade); Vol. III (O fim do milênio). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2011.

CGEE. Financiamento estadual à pesquisa acadêmica nas áreas de Ciências Humanas; Sociais Aplicadas; Linguística; Letras e Artes. Relatório de Pesquisa. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégi-cos, 2019.

CONFAP. Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa: orçamento executado 2007-2009. Brasília: Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa, 2009 (pdf).

NEGRI, Fernanda de. Por uma nova geração de políticas de inovação no Brasil. In: TURCHI, Lenita M.; MORAES, José Mauro de (Org). Políticas de apoio à inovação tecnológica no Brasil: avan-ços recentes, limitações e propostas de ações. Brasília: Ipea, 2017, p. 25-46.

EUROPEAN COMMISSION. Open innovation, open Science, open to the world: a vision for Europe. Brussels: European Commission, Directorate-General for Research and Innovation, 2016.

GAETANI, Francisco; ALMEIDA, Virgílio. O avanço digital e a natureza do trabalho em mu-tação. Valor Econômico, 7 dez. 2019. Disponível em: http://www.valor.com.br.

GARGIONI, Sergio Luiz (Ex-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação de Santa Catarina - FAPESC - e ex-presidente do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa - CONFAP). Entrevista cedida em 15 jul. 2019.

GIANNOTTI, José A.; MOUTINHO, Luiz Damon S. Os limites da política: uma divergência. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

IPEA e ASSECOR. Brasil 2035: cenários para o desenvolvimento. Brasília: Instituto de Pesqui-sa Econômica Aplicada / Associação Nacional dos Servidores da Carreira de Planejamento e Orçamento, 2017.

LAYDER, Derek. New strategies in social research: an introduction and guide. Cambridge: Polity Press, 1993.

PEDROSA, Renato Hyuda de Luna; CHAIMOVICH, Hernan. Relatório Brasil. In: Relatório de ciência da Unesco. Rumo a 2030. Visão geral e cenário brasileiro. Brasília: Unesco, 2015.

LUND, Susan; MANYIKA, James; SPENCE, Michael. The Global Economy’s Next Winners. Foreign Affairs, July-August/2019, p. 121-130.

MAHONEY, James et al. Comparative historical analysis in the social sciences. New York: Cambridge University Press, 2003.

MAZZUCATO, Mariana; PENNA, Caetano (eds.). Mission-oriented finance for innovation. New ideas for investment-led growth. London: Rowman & Littlefield International, 2015.

PACHECO, Carlos Américo (Diretor-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - FAPESP). Entrevista cedida em 13 dez. 2018.

RODRIK, Dani. The globalization paradox: why global markets, states, and democracy can’t co-exist. Oxford: Oxford University Press, 2011.

RODRIK, Dani. Economics rules: the rights and wrongs of the dismal science. New York: W.W Norton &, Company,2015.

RODRIK, Dani. Só inovação não basta. Valor Econômico, 10 jun. 2016, p. A15.

SAAD FILHO, Alfredo; MORAIS, Lecio. Brasil: neoliberalismo versus democracia. São Paulo: Boitempo, 2018.

SANTANA, Jose Ricardo de (Diretor de Cooperação Institucional do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq). Entrevista cedida em 16 nov. 2018.

TILLY, C. Big structures, large processes, huge comparisons. New York: Russel Sage, 1984.

TURCHI, Maria Zaira (Presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás - FAPEG - e do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa - CON-FAP). Entrevista cedida em 20 dez. 2018.

VILELA, Evaldo Ferreira (Presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais – FAPEMIG - do CONFAP). Entrevista cedida em 17 jul. 2019.




DOI: https://doi.org/10.5585/cpg.v20n1.19423

Direitos autorais 2021 Cadernos de Pós-graduação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Cadernos de Pós-graduação
e-ISSN: 2525-3514
www.cadernosdepos.org.br

Cadernos de Pós-graduação ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional