Matemática é política de Chiara Valerio. Belo Horizonte: Âyiné, 30 de agosto de 2021. 130 p

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5585/cpg.v21n2.22733

Palavras-chave:

matemática, politica, democracia

Resumo

O livro A Matemática é Política, de autoria de Chiara Valério, e publicado pela editora Ayiene em 30 de agosto de 2021 aborda questões altamente relevantes sobre a matemática em diálogo com a contemporaneidade. A autora é Doutora em Matemática pela Universidade Federico II de Nápoles, e é também editora da revista Nuovi Argomenti. Na editora Nottetempo, dirigiu a série Narrativa.it, dedicada a novos escritores de ficção italiana. Foi diretora cultural da feira do livro milanesa Tempo di libri, e, em 2018, foi editora-chefe do setor de ficção italiana da editora Marsilio de Veneza. Seu percurso intelectual, portanto, delineia pontes entre a matemática e as humanidades.

Neste livro, é explicado como a matemática pode ser usada de forma a entender política e democracia em possíveis diálogos. Fala-nos de sua caminhada com a matemática fazendo ligações também com filosofia, educação, cinema e gramática, levando-nos a perceber o quão profundas são as raízes de todos esses diálogos vinculados à democracia. A pesquisadora também nos leva de volta no tempo, para reconstruir a história da matemática e, em particular, da geometria. Discorre sobre as descobertas de Euclides, em particular a descoberta do quinto postulado, enunciado por volta de 300 a.C., e como esta se tornou uma questão fundamental nos séculos seguintes. Lembra-nos, ainda, de que, apesar de lidar com a exatidão, a matemática não é uma verdade absoluta, mas que sempre depende do ponto de vista em referência. A matemática se baseia em regras claras, das quais decorrem outras regras que podem servir de modelos mais precisos de organização social.

Segundo a autora, assim como ocorre com o acesso ao conhecimento (e também à matemática), a democracia não se dá como uma escolha definitiva e facilmente alcançável, mas como uma construção constante a ser exercida, renovada e verificada, semelhante a uma teoria científica. A manutenção da democracia se faz por meio do exercício do direito e do respeito aos deveres, muito semelhante ao exercício de aprender a se apropriar do universo da matemática para aplicá-lo no dia a dia.

Dessa forma, a autora traça um paralelo entre matemática e democracia. Para ela, a matemática é dedutível, tomando como exemplo, a geometria euclidiana, em seu sistema fechado, dedutível a partir de certas verdades anunciadas. A primeira metade do livro se volta, em determinados momentos, à questão da linguagem matemática e, resumidamente, ilustra porque é importante estudá-la e entendê-la. A segunda parte enfatiza questões sociais e políticas vinculadas à matemática.

A abordagem sobre dois conceitos aparentemente distantes – matemática e política – é profunda. E a escrita ensaística proporciona uma leitura leve sem abrir mão do rigor da análise das questões ligadas ao universo da matemática. O bom humor com que são tratadas certas questões tempera as reflexões. Na verdade, o paralelismo entre matemática e democracia abre amplos espaços de reflexão sobre o relativismo de opiniões e aponta para os cuidados exigidos em nas análises. A escritora conduz a escrita por meio de uma argumentação criativa, mas consistente, aliando temas que, em um primeiro momento, parecem distantes do universo da matemática.

A autora também aborda a relevante questão de a matemática estar ligada à atuação do professor que a ensina, assim como a vivência da democracia. Muitos processos democráticos não se mostram compreensíveis dependendo do ponto de vista e da ação dos envolvidos e ela aponta que são mantidas as proporções, num processo semelhante àquele de resolução de derivadas. Assim, há um raciocínio lógico envolvido nessas perspectivas, cabendo ao professor orientar o estudante no sentido de alcançar as nuanças dos raciocínios matemático e democrático e das possibilidades de diálogos entre eles.

No processo democrático do ensino-aprendizagem existe uma sequência lógica de demonstração em cada exercício proposto. A autora dá ênfase a um diálogo com a política, mostrando como esta pode, em última análise, ser lida de forma aproximada às categorias da matemática. Narra algumas experiências pessoais, entre elas a de como o estudo dessa perspectiva a ajudou a entender que não existe apenas um ponto de vista possível, o que a levou com o tempo a aceitar o relativismo, ainda que isto não signifique aceitar todos os pontos de vista como válidos. Ela propõe, ainda, uma interpretação da matemática acessada no seu dinamismo, que não deve ficar presa a um exercício racional de cálculo, numérico e formal; uma matemática viva, porém incorpórea, e muito mais educativa do que pensamos, tendo em vista ser capaz de nos fazer entender muito sobre nós mesmos e nossas inter-relações.

Uma matemática ética, portanto, oferece-se como lente válida para ler o presente, sobretudo nas suas lacunas, mas também na sua essência. Importante lembrar que o princípio da autoridade não funciona na matemática e que, acima de tudo, um matemático nunca responde “a quem, mas sempre a quê”. De fato, não responde nem mesmo às coisas, mas às relações entre as coisas. A matemática também é um processo contínuo, que evolui e é interpretado. Assim como deveria ser a democracia, diferentemente da ditadura, que pode mudar de cor, mas sempre tende a funcionar de uma mesma maneira.

É preciso tempo para entender a matemática. Ser capaz de explicá-la e ensiná-la, então, leva ainda mais tempo. O conhecimento é um processo que leva mais à dúvida do que à certeza. A matemática não é a ciência dos objetos, mas da relação entre os objetos, assim como a gramática é o estudo das relações entre as palavras. Dessa forma, a autora faz uma série de críticas sobre o ensino-aprendizagem da matemática. E, embora defenda a disciplina, chega, em alguns momentos, a colocar em xeque, se o que dizem sobre ela é mesmo verdade. Quando a matemática é estudada sem criatividade, aplica-se o método dedutivo e isso, segundo a autora, constitui um fardo pesado sobre os alunos. E é exatamente a esse tipo de contexto que ela se refere quando fala que a matemática é ensinada no vazio. Com muita propriedade, chega a questionar se o que se ensina em matemática é mesmo, por vezes, a verdade e se as letras usadas como variáveis, sempre foram, de fato, x e y.

A autora nos lembra que todos estão sujeitos ao erro, referindo-se a Albert Einstein, autor da Teoria da Relatividade, considerado um dos maiores gênios da humanidade, lembra que ele próprio, quando estabeleceu a relação entre a massa e a energia e formulou sua famosa equação (E = mc²), não acreditava na existência do buraco negro nem que o universo estava sempre se expandindo.  Algum tempo depois, no entanto, a acabou por reavaliar tais convicções.  Reconhecendo suas limitações, colocou-se com humildade diante de seu anterior negacionismo.  Nesse sentido, a autora lembra que quando não se assumem determinados erros, podem surgir diversas consequências, inclusive injustiças sociais.

Entre as passagens interessantes do livro, há a afirmação de que o estudo da matemática pode ser agradável, comparando-o, a um passeio na natureza para um confronto com o tempo e o silêncio. Em suas próprias palavras:

Não existem Filosofias e Religiões que sejam igualmente eficazes, não existem passeios na natureza que resistam à comparação com o tempo e o silêncio que a resolução de um exercício de Matemática nos proporciona. (p.31).

Apesar de desafiadora, a matemática pode ser aprendida com esforço e vontade bem direcionados, o que não significa um mero aprendizado mnemônico ou acrítico, mas constante e comprometido.  O aprendizado deve ser conduzido sempre em busca de novas conexões, passando por diferentes problemas, fazendo-se constantes perguntas para entender, enfim, a frequência do assunto para criar a experiência necessária à apreensão do conteúdo, sem nunca menosprezar aqueles que, aparentemente, têm mais dificuldade em entender os processos matemáticos. Este livro pode oferecer a um leitor que ainda não tenha refletido, por exemplo, sobre tais questões, uma série de possibilidades de conexões lógicas vinculadas ao ensino e aprendizagem da matemática.

A autora apresenta uma possibilidade de contextos democráticos ávidos por princípios matemáticos. Usando a própria matemática, a literatura e a filosofia como elementos de declinação, realiza um belo e comovente manifesto político.     Tratando sobre sua atuação como editora e escritora mais recentemente, confessa haver deixado de lado um pouco a lida direta com cálculos, mas sabe que nunca irá “se livrar” deles, reservados que se encontram em algum canto de seu cérebro, esperando apenas o momento certo para serem reativados. Nesse sentido, compara-se aos atletas de alto desempenho que, mesmo tendo parado de treinar, nunca se esquecem dos princípios fundamentais relacionados ao treinamento. O exercício da atividade matemática exige tempo e paciência, perseverança e dedicação.

A manutenção da democracia, vista por seus diálogos possíveis com a matemática, e outras áreas do conhecimento, dá-se pelo exercício dos direitos e pelo respeito aos deveres. A democracia é matemática, baseada em um sistema compartilhado de regras continuamente negociáveis e verificáveis. A democracia, assim como as linguagens, e entre elas a matemática, não é algo natural, não é uma flor que naturalmente desabrocha. Trata-se de uma construção cultural e que, portanto, deve ser constantemente retomada e rediscutida.

Enfim, o livro aponta, com profunda sagacidade, paralelismos possíveis entre modelos matemáticos e o que chamamos democracia e, em certa medida, também entre ser matemático e ser cidadão. Mais que um ensaio, trata-se de uma intuição desenvolvida como uma bela metáfora apresentada na forma de um convite sincero para o exame dos princípios em que se assentam a democracia, assim como se faz com os postulados, sem os quais a matemática não existiria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edmur Machado Silva, Universidade Nove de Julho (Uninove)

Mestrando em Gestão de Práticas Educacionais pelo PROGEPE

Márcia Fusaro, Universidade Nove de Julho (Uninove)

Doutora em Comunicação e Semiótica (PUC-SP)

Pós-doutoramento em Artes (UNESP)

Downloads

Publicado

15.12.2022

Como Citar

SILVA, Edmur Machado; FUSARO, Márcia. Matemática é política de Chiara Valerio. Belo Horizonte: Âyiné, 30 de agosto de 2021. 130 p. Cadernos de Pós-graduação, [S. l.], v. 21, n. 2, p. 196–199, 2022. DOI: 10.5585/cpg.v21n2.22733. Disponível em: https://periodicos.uninove.br/cadernosdepos/article/view/22733. Acesso em: 15 jun. 2024.

Edição

Seção

Resenhas