Construções sustentáveis: aplicações para a cidade de Uberaba - MG

Maria Antonia Macedo Franco, Joyce Silvestre de Sousa

Resumo


Objetivo do Estudo: Indicar possíveis adequações para construções sustentáveis na cidade de Uberaba/MG, auxiliando em escolhas de alternativas para uma melhor qualidade ambiental do meio urbano. Foram elencados a percolação, o retardo e infiltração de águas pluviais e telhados com cobertura verde.

Metodologia/Abordagem: Tanto as metrópoles quanto as cidades do interior do nosso País estão enfrentando vários problemas ambientais, demonstrando a necessidade de se repensar sua configuração urbana, colocando como desafio ao conjunto do poder público e privado a necessidade de garantir uma cidade sustentável nos aspectos ambiental, social e econômico. Devido a esse desequilíbrio no tripé da sustentabilidade, as instituições públicas e privadas buscaram a criação de planos e ações voltadas ao macro e micro ambiente em que a sociedade está inserida, como, por exemplo, as Agendas Sustentáveis. Além disso, contam com o auxílio de sistemas e dispositivos sustentáveis na redução do consumo de recursos naturais e diminuição dos impactos ambientais.

Originalidade/Relevância: Por meio de revisões de literaturas buscamos indicadores como sugestão para a sustentabilidade que possam se enquadrar para a malha urbana de Uberaba, obtendo como resultado algumas análises locais e contrastando com os estudos sobre sustentabilidade.

Resultados: Foi observada a presença de ações que auxiliam na sustentabilidade e se mostram como alternativas sustentáveis tanto para o governo quanto para a própria comunidade, como, por exemplo, nas de vias e calçadas: o aumento das áreas permeáveis e da infiltração para diminuição da percolação em período de chuvas.

Contribuições teórico-metodológicas: Os resultados deste estudo identificam como pequenas mudanças locais nas residências e na área coletiva urbana podem auxiliar para a minimização de danos causados por catástrofes urbanas, que surgem por meio de uma intervenção humana sem estudo adequado do meio, sugerindo contribuições para o aumento da qualidade ambiental da cidade.

Conclusão: O uso do pavimento de blocos de concreto intertravados foi o indicador escolhido para sugestão de sustentabilidade. Apesar da análise econômica não ser totalmente viável, devido ao elevado custo do pavimento de concreto para o passeio, levando-se em conta o critério de desempenho para auxílio da percolação de água pluvial, sua escolha é a mais assertiva. No quesito sustentabilidade, são necessários vários critérios de escolha para cada ação específica.


Palavras-chave


Critérios de construção; Urbanização; Sustentabilidade; Impacto Ambiental; Escoamento Superficial.

Texto completo:

PDF (English) PDF

Referências


Alcoforado, M.J. (coord.); ANDRADE, H.; OLIVEIRA, S.; FESTAS, M.J.; ROSA, F. (2009). Alterações Climáticas e desenvolvimento urbano. Lisboa: Dgotdu, 2009.

Andrade, L. M. S. (2014). Conexão dos padrões espaciais dos ecossistemas urbanos: a construção de um método com enfoque transdisciplinar para o processo de desenho urbano sensível à água no nível da comunidade e da paisagem. (Tese de Doutorado). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil. Recuperado de: https://repositorio.unb.br/handle/10482/18042.

Carter, T., & Butler, C. (2008). Ecological Impacts of Replacing Traditional Roofs With Green Roofs in Two Urban Areas. Cities and the Environment, 1 (2, 9), 1-17. Recuperado de: https://digitalcommons.lmu.edu/cgi/viewcontent.cgi?referer=https://www.google.gm/&httpsredir=1&article=1020&context=cate.

Carvalho, S. N. (2001). Estatuto da Cidade: aspectos políticos e técnicos do plano diretor. São Paulo em Perspectiva, 15(4), 130-135. Recuperado de: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-88392001000400014&script=sci_arttext. Doi https://doi.org/10.1590/S0102-88392001000400014.

Castro, A. S., & Goldenfum, J. A.(2010). Uso de telhados verdes no controle quali-quantitativo do escoamento superficial urbano. Revista Atitude, IV(7), 139-154. Recuperado de: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-86212014000100012. Doi: https://doi.org/10.1590/S1678-86212014000100012.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

Jr. Costa, L. L., & Barbassa, A. P. (2006). Parâmetros de projeto de microreservatório, de pavimentos permeáveis e de previsão de enchentes urbanas. Engenharia Sanitária Ambiental, 11(1). 46-54. Recuperado de: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-41522006000100007〈=en. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-41522006000100007.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Recuperado de: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/mg/uberaba.html.

John, V. M., & Prado, R. T. A. (Coords.). (2010). Boas práticas para habitação mais sustentável. (Selo casa azul. Construção sustentável Caixa Econômica Federal). São Paulo: Páginas & Letras. Recuperado de: http://www.cbcs.org.br/userfiles/download/Guia_Selo_Casa_Azul_CAIXA.pdf.

Lei n. 24643, de 10 de julho de 1934. Decreta o código de águas. Recuperado de: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-24643-10-julho-1934-498122-publicacaooriginal-1-pe.html.

Lei n. 29.100, de 06 de novembro de 2017. Regulamenta o art. 5º da Lei nº 8.474, de 02 de outubro de 2013, e institui o Programa de Certificação Sustentável “IPTU VERDE” em edificações no Município de Salvador, que estabelece benefícios fiscais aos participantes do programa, assim como o art. 5º da Lei 8.723 de 22 de dezembro de 2014 e dá outras providências. Recuperado de: http://iptuverde.salvador.ba.gov.br/downloads/Decreto.pdf.

Lei n. 6938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6938compilada.htm.

Moraes, D. S. de L., & Jordão, B. Q. (2002). Degradação de recursos hídricos e seus efeitos sobre a saúde humana. Revista Saúde Pública (36)3. 370-374. Recuperado de: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102002000300018&lng=pt&tlng=pt. Doi: https://doi.org/10.1590/S0034-89102002000300018.

No Dia Mundial das Cidades, ONU propõe debate acerca dos desafios da urbanização global. (2019). Organização das Nações Unidas. Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas (UN Desa). Recuperado de: https://nacoesunidas.org/no-dia-mundial-das-cidades-onu-propoe-debate-acerca-dos-desafios-da-urbanizacao-global/.

Novais, G. T. (2016). Condições climáticas em três cidades do clima tropical semiúmido: Estudos preliminares de uma nova classificação climática. 2213-2225. Recuperado de: http://docplayer.com.br/62255423-Condicoes-climaticas-em-tres-cidades-do-clima-tropical-semiumido-estudos-preliminares-de-uma-nova-classificacao-climatica.html.

Oliveira, M. S. M. (2005). Rio Uberaba: quando os desgastes ambientais refletem os desgastes sociais. (Dissertação de Mestrado). Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia. Recuperado de: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/29561. Doi: http://doi.org/10.14393/ufu.di.2005.53.

Pereira, A. L. de A. B. (2014). Análise crítica dos impactos ambientais ocasionados pela linha de transmissão 500 kV. (Trabalho de Conclusão de Curso). Faculdade de Engenharia Ambiental, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Recuperado de: http://www.drhima.poli.ufrj.br/images/documentos/tcc/2014/anne-luise-de-amorim-2014.pdf.

Poleto, C. (2011). SUDS (Sustainable Urban Drainage Systems): Uma Contextualização Histórica. Revista Thema, (8)1. 1-12. Recuperado de: http://periodicosnovo.ifsul.edu.br/index.php/thema/article/view/38/38.

Projeto de recuperação ambiental da bacia do rio Uberaba e revitalização do sistema de abastecimento de água. (2005). Projeto água viva. Relatório de Avaliação Social. Recuperado de: http://www.uberaba.mg.gov.br/portal/acervo/agua_viva/arquivos/impacto_social/Relatorio%20de%20Avaliacao%20Social.pdf.

Reis, R. P. A. (2005). Proposição de parâmetros de dimensionamento e avaliação de desempenho de poço de infiltração de água pluvial. 23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental. 1-9. Recuperado de: https://docplayer.com.br/6460507-Ix-013-proposicao-de-parametros-de-dimensionamento-e-avaliacao-de-poco-de-infiltracao-de-agua-pluvial.html.

Romero, M. A. B. (2007). Frentes do Urbano para a Construção de Indicadores de Sustentabilidade Intra Urbana. Paranoá: Cadernos De Arquitetura e Urbanismo (4)4. Recuperado de: https://periodicos.unb.br/index.php/paranoa/article/view/10522. Doi: https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n4.2007.12103.

Santos, P. T. da S.. et al. (2013). Telhado Verde: desempenho do sistema construtivo na redução do escoamento superficial. Ambiente Construído, (13)1. 161-174. Recuperado de: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1678-86212013000100011&script=sci_abstract&tlng=pt. Doi: https://doi.org/10.1590/S1678-86212013000100011.

Sempre sustentável. Recuperado de: www.sempresustentavel.com.br.

sintraconsulminas. Recuperado de: http://sintracomsulminas.com.br/.

TCPO. (2008). Tabela de Composições de Preços para Orçamentos. São Paulo: PINI, 2013.

Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. (2015). ONUBR - ORGANIZAÇÃO DAS NAÇOES UNIDAS NO BRASIL. Transformando nosso mundo: a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. Recuperado de: https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/.

U + 20. Uberaba antecipando o futuro. A visão de Uberaba 2037. Recuperado de: http://www.uberaba.mg.gov.br/portal/acervo//links/Arquivos/anuario_U20.pdf.

UN-HABITAT. (2006). United Nations Human Settlements Programme. Habitat Debate – A new start: the paradox of crisis (12)4, 2006. Recuperado de: https://issuu.com/unhabitat/docs/2301_alt__1_.

UN-HABITAT. (2009). Panning Sustainable Cities. Global Report On Human Settlements. United Nation Human Settlements Programme. Recuperado de: https://unhabitat.org/planning-sustainable-cities-global-report-on-human-settlements-2009.

Vijavaraghavan, K. (2016). Green roofs: A critical review on the role of components, benefits, limitations and trends. Renewable and Sustainable Energy Reviews (57). Recuperado de: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1364032115015026. Doi: https://doi.org/10.1016/j.rser.2015.12.119.




DOI: https://doi.org/10.5585/geas.v9i1.16205

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-9834

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP (Brasil), Cep: 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional