Protegemos as escolas: ações de urbanismo tático nos entornos escolares de Barcelona, Espanha

Adriana Sansão Fontes

Resumo


Objetivo: Abordar a contribuição sistêmica do programa Protegemos las escuelas para o incremento dos espaços públicos, da segurança viária e da qualidade ambiental, para a valorização dos equipamentos públicos e seus entornos imediatos e para a redução dos desequilíbrios socioambientais entre os bairros.

Metodologia: Estudo de caso baseado na análise dos 25 entornos escolares transformados na primeira fase da ação, visando à elaboração de uma taxonomia das intervenções.

Relevância: O artigo discute a importante mudança de paradigma que caracteriza Barcelona da última década, fundamentada no deslocamento da cultura da “grandiloquência oficial” para a atenção sobre a atuação no pequeno e no ordinário, um fenômeno inserido no contexto de crise econômica e sanitária, mas também política e representativa.

Resultados: Verificação da existência de cinco tipologias de praças, em ocorrências isoladas ou combinadas, com melhores ou piores desempenhos. Após onze meses de operação, o programa já foi capaz de gerar aproximadamente 3.500 m2 de novos espaços públicos para pedestres nas adjacências escolares.

Contribuições: O trabalho contribui para a valorização dos espaços públicos cotidianos de pequena escala, apresentando uma experiência de urbanismo tático que tem como foco a criação de espaços públicos de permanência associados à rede escolar.

Conclusão: Embora o programa ainda se encontre em fase de testes e seus alcances e limitações para o campo do projeto urbano ainda não estejam completamente revelados, pode-se destacar diferentes contribuições do caso que fornecem relevo aos distintos aspectos presentes na metodologia do urbanismo tático.


Palavras-chave


Urbanismo tático; Escolas; Espaço público; Projeto urbano; Barcelona.

Texto completo:

PDF (English) PDF

Referências


Ajuntament de Barcelona (2020). Protegemos las escuelas. Recuperado em 20 de dezembro de 2020, de https://ajuntament.barcelona.cat/ecologiaurbana/es/que-hacemos-y-porque/urbanismo-para-los-barrios/protegemos-escuelas.

Archdaily Brasil (2018). Leku Studio testa estratégias de urbanização reversível em escolas de Barcelona. Recuperado em 20 de dezembro de 2020, de https://www.archdaily.com.br/br/900158/leku-studio-testa-estrategias-de-urbanizacao-reversivel-em-escolas-de-barcelona.

Arnstein, S. R. (1969). A ladder of citizen participation. Journal of the American Planning Association, 35(4), 216–224. https://doi.org/10.1080/01944366908977225.

Bermann, K., & Marinaro I. (2014). ‘We work it out’: Roma settlements in Rome and the limits of do-ityourself. Journal of Urbanism, 7(4), 399–413. https://doi.org/10.1080/17549175.2014.952321.

Bishop, P., & Williams, L. (2012). The temporary city (1ª ed.). Routledge.

Blanchar, C., & Montañés, J. A. (2020). El urbanismo táctico de Colau choca con el diseño de Barcelona. El País. Recuperado em 11 de dezembro de 2020, de https://elpais.com/espana/catalunya/2020-09-26/el-urbanismo-tactico-de-colau-choca-con-el-diseno-de-barcelona.html.

Brenner, N. (2016). Seria o “urbanismo tático” uma alternativa ao urbanismo neoliberal? Revista e-metropolis, 27(7), 6–18.

Campo, D. (2014). Iconic eyesores: Exploring do-it-yourself preservation and civic improvement at abandoned train stations in Buffalo and Detroit. Journal of Urbanism, 7(4), 351–380. https://doi.org/10.1080/17549175.2014.952322.

Certeau, M. (1999). The practice of everyday life. University of California Press.

Cornwall, A. (2008). Unpacking ‘participation’: Models, meanings and practices. Oxford University Press and Community Development Journal, 43(3), 269–283.

https://doi.org/10.1093/cdj/bsn010.

Delgado, M. (2007). La ciudad mentirosa. Fraude y miseria del “modelo Barcelona” (1ª ed.). Catarata.

Lerner, J. (2011). Acupuntura urbana (5a ed.). Record.

Lydon, M., & Garcia, A. (2015). Tactical urbanism: Short-term action for long-term change (1ª ed.). Island Press.

Montaner, J. M. (2017). Barcelona, un nuevo proyecto en marcha. El Periódico. Recuperado em 11 de dezembro de 2020, de https://www.elperiodico.com/es/opinion/20170506/barcelona-un-nuevo-proyecto-en-marcha-6021181.

Mould, O. (2014). Tactical urbanism: The new vernacular of the creative city. Geography Compass, 8(8), 529–539. https://doi.org/10.1111/gec3.12146.

Pazos, T. (2014). El pátio del Eixample. Un espacio público de proximidad (Tese de Doutorado). ETSAB/UPC, Barcelona.

Rueda, S. (2013). El urbanismo ecológico. Urban-e, 4. Recuperado em 26 de maio de 2017, de http://urban-e.aq.upm.es/articulos/ver/el-urbanismo-ecol-gico/completo/.

Ruiz, E., Moreno, R. A., Garcia, C. M., Carbonell, S. M., & Velasco i Relats, A. V. (2020). Els usos del sòl a l’Àrea Metropolitana de Barcelona, 2016. Estudis Territorials – Àrea de Desenvolupament de Polítiques Urbanístiques. Barcelona. Recuperado em 20 de dezembro de 2020, de https://www.amb.cat/web/territori/actualitat/publicacions/detall/-/publicacio/mapa-dels-usos-del-sol/6211099/11656.

Sansão-Fontes, A., Pesoa, M., Araújo-Souza, A., Sabaté, J., & Neves, L. (2019). Urbanismo táctico como prueba del espacio público: El caso de las supermanzanas de Barcelona. Revista EURE - Revista de Estudios Urbano Regionales, 45(136), 209–231.

Sansão-Fontes, A., & Espósito, F. (2020). Urbanismo de proximidad en Barcelona. Una ciudad saludable a 15 minutos del hogar. Revista Planeo, 44.

Sassen, S. (2014). Complex and incomplete. Spaces for tactical urbanism. In P. Gadanho (Ed.), Uneven growth: Tactical urbanisms for expanding megacities. (pp. 40–47). The Museum of Modern Art MoMA.

Silva, P. (2016). Tactical urbanism: Towards an evolutionary cities’ approach? Environment and Planning B: Planning and Design, 43(6), 1040–1051. https://doi.org/10.1177%2F0265813516657340.

Tello Robira, R. (1995). Plan estratégico de Barcelona: Balance y nuevo plan. Revista de Geografia, XXIX(2), 97–105.

Webb, D. (2018). Tactical urbanism: Delineating a critical praxis. Planning Theory & Practice, 19(1), 58–73. https://doi.org/10.1080/14649357.2017.1406130.




DOI: https://doi.org/10.5585/geas.v10i1.19164

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade

Journal of Environmental Management & Sustainability

Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade ©2022 Todos os direitos reservados.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional