Aplicação de hibridismo na gestão de equipes e stakeholders de múltiplos projetos de engenharia

Tawnee Gomes Chies, Aline Jade Gonçalves Rocha, Marcos Rogério Mazieri

Resumo


A constante pressão do mercado pela competitividade promove a necessidade do aumento da qualidade das entregas e diminuição de desperdícios e retrabalhos, utilizando equipes de alto desempenho e mantendo seus stakeholders cada vez mais satisfeitos. Por isso, foram aplicadas técnicas scrum-ágeis em um modelo de gestão de projetos de engenharia, baseado no modelo cascata. Portanto, este estudo tem por objetivo propor e aplicar técnicas scrum-ágeis no modelo de gestão de projetos de engenharia, que resultarão em um modelo híbrido, voltado a minimizar os impactos negativos presentes nas mudanças, observando o resultado refletido na equipe de gestão projetos de engenharia e nos stakeholders. A intervenção ocorreu por meio de pesquisa-ação em decorrência do papel de consultor realizado pelos autores, que identificaram os problemas e desenvolveram e implantaram as soluções. Foram verificadas redução no percentual de atrasos e melhoria dos indicadores de desempenho da empresa junto ao cliente. Além disso, foi realizada a revisão de um processo de desenvolvimento de projetos de engenharia já existente, tornando-o híbrido e propondo, dessa forma, uma nova forma de trabalho para as empresas de engenharia.

 


Palavras-chave


Projeto; Engenharia; Hibridismo; Ágil; Waterfall.

Texto completo:

PDF

Referências


Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura – AsBEA, (2000). Manual de contratação dos serviços de arquitetura e urbanismo (2.ed.). São Paulo: Pini.

Alencar, L. H., & Santana, M. O. (2010). Análise do gerenciamento de múltiplos projetos na construção civil. Revista Gestão e Projetos, 1 (1), 74-92.

Biancolino, C. A., Kniess, C. T., Maccari, E. A., & Rabechini Jr., R. (2012). Protocolo para Elaboração de Relatos de Produção Técnica. Revista Gestão e Projetos, 3(2), 294-307.

Carvalho, M. M., & Rabechini Jr, R. (2019). Fundamentos em Gestão de Projetos. Construindo Competências para Gerenciar Projetos (5.ed.). São Paulo: Editora Atlas.

Coghlan, D. & Brannick, T. (2008). Doing action research in your own organization (2.ed.). London: Sage.

Cohen, D., Lindvall, M., & Costa, P. (2004). An Introduction to Agile Methods. Advances in Computers. 62, 1-40.

Duc, A. N., & Abrahamsson, P. (2016). Minimum Viable Product or Multiple Facet Product? The Role of MVP in Software Startups. In Sharp H., Hall T. (eds) Agile Processes, in Software Engineering, and Extreme Programming. Lecture Notes in Business Information Processing, vol 251. Springer, Cham.

Frej, T. A., & Alencar, L. H., (2010). Fatores de sucesso no gerenciamento de múltiplos projetos na construção civil em Recife. Revista Produção, 20 (3), 322-334.

Fernandez, D. J. & Fernandez, J. D. (2008). Agile Project Management – Agilism versus traditional approaches. Journal of Computer Information System, 49(2), 10-17.

Gould, F. E., & Joyce, N. E. (2009). Construction project management. Prentice Hall.

Kern, A. P., Formoso, C. T. (2006). A Model for Integrating Cost Management and Production Planning and Control in Construction. Journal of Financial Management of Property and Construction, 11 (2), 75-90.

Kerzner, H. (2011). Gerenciamento de Projetos: uma abordagem sistêmica para planejamento, programação e controle. São Paulo: Editora Blücher.

Koskella, L., & Howell, G., (2002). The Theory of project management: explanation to novel methods. Proceedings IGLC-10, Gramado, Brazil. 1-11.

Lenarduzzi, V., & Taibi, D., (2016). MVP Explained: A Systematic Mapping Study on the Definitions of Minimal Viable Product (42th). Euromicro Conference on Software Engineering and Advanced Applications (SEAA).

Melhado, S. B. & Barros, M. M. S.; Souza, A. L. R. (1996). Qualidade do projeto de edifícios: fluxogramas e planilhas de controle de projeto. São Paulo: Escola Politécnica/USP. (Documento CPqDCC n. 20091 - EP/SC-1).

Melo, M. (2016). Análise da abordagem ágil-enxuto no gerenciamento de projetos na indústria da construção civil. Anais do V SINGEP. São Paulo – SP – Brasil – 20, 21 e 22/11/2016.

Minto, F. M. (2002). Projeto Simultâneo na construção de edifícios. Tese Doutorado, Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Nascimento, L. A. & Santos, E. T. (2003). A indústria da construção na era da informação. Ambiente Construído, Revista da Antac, Porto Alegre, 3(1), 69-81.

Nunes, J. M., & Infante, M. (1996). Pesquisa-ação: uma metodologia de consultoria. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ. Available from Scielo Books.

Olsson, N. O. E., Sorensen, A. O., & Leikvam, G. (2015). On the need for iterative real estate project models – Applying agile methods in real estate developments. Procedia Economics and Financ, 21, 524 – 531.

Rabechini Jr., R.; Carvalho, M. M. (2005). Perfil das competências em equipes de projetos. Revista de Administração FGV.

Ribeiro, F. L., & Fernandes, M. T. (2010). Exploring agile methods in construction small and medium enterprises: a case study. Journal of Enterprise Information Management. 23(2), 161–180.

Schwaber, K., e Beedle, M. (2002). Agile Software Development with Scrum. Prentice-Hall, Upper Saddle River.

Souza, R. M. de, Nery, A. L. B., & Maccari, E. A. (2017) Implantação de metodologia híbrida de gerenciamento de projetos: O caso de uma indústria metalúrgica familiar de médio porte. Anais do VI SINGEP – São Paulo – SP – Brasil – 13 e 14/11/2017.

Spundak, M. (2014). Mixed agile/traditional project management methodology – reality or illusion? Procedia - Social and Behavioral Sciences, 119, 939 – 948.

Thanhaim, H. (2012). The changing role of team leadership in multinational project environments. Revista Gestão e Projetos, 3 (2), 04-38.

Thiollent, M. (2009). Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez.

Thiollent, M. (2011). Action Research and Participatory Research: An Overview. International Journal of Action Research, 7(2), 160-174. Acesso em abril de 2019 https://nbn-resolving.org/urn:nbn:de:0168-ssoar-414079.

Uniemp (2010). Fórum Permanente das Relações Universidade-Empresa.

Vieira, M. M. (2002). PMI e a Construção Civil. PMI-RS Journal, n. 2, p. 10-13.

Yap, J. B. H., Abdul-Rahman, H., Wang, C., & Skitmore, M. (2017). Exploring the underlying factors inducing design changes during building production. Production Planning & Control : The Management of Operations, 29 (7), 586-601.




DOI: https://doi.org/10.5585/iptec.v9i1.18725

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Inovação, Projetos e Tecnologias – IPTEC

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista Inovação, Projetos e Tecnologias - IPTEC

e-ISSN: 2318-9851
www.revistaiptec.org

Revista Inovação, Projetos e Tecnologias - IPTEC ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional