Gestão da inovação em um instituto privado de P&D brasileiro: um estudo de campo no ITEMM

Josia de Sousa Santos Filho, Sueli Menelau, Patrícia Lacerda de Carvalho, Francisco Guilherme Lima Macedo

Resumo


Os institutos de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) são agentes de inovação nos quais a disseminação de tecnologias advindas deles contribui para o direcionamento de organizações e da economia. Com isso, sua gestão da inovação torna-se um recurso organizacional complexo que abrange questões tecnológicas, econômicas e sociais. A pesquisa objetivou analisar a influência da gestão da inovação, das atividades de P&D, na competitividade de um instituto de pesquisa privado, com sede em diferentes unidades federativas brasileiras. O método, dedutivo com abordagem qualitativa foi executado por meio de estratégias bibliográfica e de campo, e os dados foram analisados por meio de análise de conteúdo. Os sujeitos foram escolhidos entre os funcionários do setor de P&D do Instituto de Tecnologia Edson Mororó Moura (ITEMM), que busca sempre ofertar às organizações-clientes inovações tecnológicas enquadradas em mais de uma área prioritária da Indústria 4.0, configurando-o como um instituto de vanguarda tecnológica. Os resultados evidenciaram que as principais dificuldades à gestão do P&D do ITEMM são: dependência externa na prototipagem; mudança de escopo nos projetos; distância de outros centros de pesquisa; e infraestrutura. Por sua vez, os facilitadores para o gerenciamento da inovação são: recursos financeiros; equipe multidisciplinar de pesquisa; clientes com experiência em P&D; e a produtividade não ser avaliada em metas diárias. Conclui-se que a gestão de P&D traz retornos positivos significativos, se configurando como uma estratégia de valor, mas verificou-se que falta ao ITEMM visibilidade na esfera acadêmica de P&D, que deve ser buscada para trazer legitimidade ao instituto.

 

 


Palavras-chave


Inovação tecnológica; Instituto de pesquisa; Pesquisa e Desenvolvimento

Texto completo:

PDF

Referências


Albert, J. R. G., Yasay, D. B., & Gaspar, R. E. (2016). Examining processes in research and development at the Department of Science and Technology (No. 2016-04). PIDS Discussion Paper Series.

Arcuri, M. (2016). Políticas de CT&I e financiamento público à infraestrutura de C&T: Comparações internacionais e mapeamento da infraestrutura nacional. In F. Negri & F. H. S. Squeff (Org.), Sistemas setoriais de inovação e infraestrutura de pesquisa no Brasil (pp. 581-615). IPEA.

Baller, S., Dutta, S., & Lanvin, B. (2016). The global information technology report 2016. World Economic Forum. http://www3.weforum.org/docs/GITR2016/WEF_GITR_Full_Report.pdf

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Edições 70.

Bessant, J., & Tidd, J. (2009). Inovação e empreendedorismo. Bookman.

Bin, A., Vélez, M. I., Ferro, A. F. P., Salles Filho, S. L. M., & Mattos, C. (2015). Da P&D à inovação: Desafios para o setor elétrico brasileiro. Gestão & Produção, 22(3), 552-564.

Bogdan, R., & Biklen, S. (2003). Investigação qualitativa em educação: Uma introdução à teoria e aos métodos (12a ed.). Porto.

Campos, M. G., Santos, D. F. L., & Donadon, F. A. B. (2017). Impacto dos investimentos em inovação na indústria brasileira. Revista Gestão Industrial, 13(3), 213-236.

Chesbrough, H. (2006). Open innovation: The imperative for creating and profiting from technology. Harvard Business School Press.

Conselho Nacional de Saúde [CNS]. (2016). Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais cujos procedimentos metodológicos envolvam a utilização de dados diretamente obtidos com os participantes.

Creswell, J. W. (2007). Projeto de pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto (2a ed.). Artmed.

Damanpour, F. (1991). Organizational innovation: A meta-analysis of effects of determinants and moderators. Academy of Management Journal, 34(3), 555-590.

Damanpour, F. (1996). Organizational complexity and innovation: developing and testing multiple contingency models. Management Science, 42(5), 693-716.

Dosi, G. (1998). Institutions and markets in a dynamic world. The Manchester School, 56(2), 119-146.

Findik, D., & Beyhan, B. (2015). The impact of external collaborations on firm innovation performance: Evidence from Turkey. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 195, 1425-1434.

Freeman, C., & Soete, L. (1997). The economics of industrial innovation. The MIT Press.

Gonçalves, C. A., Gonçalves Filho, C., & Reis Neto, M. T. (2006). Estratégia empresarial: O desafio nas organizações. Saraiva.

Govindarajan, V., & Trimble, C. (2006). Os 10 mandamentos da inovação estratégica: Do conceito a implantação. Elsevier.

Hales, M. (2001). Birds were dinosaurs once: The diversity and evolution of research and technology organisations. RISE final report, CENTRIM Brighton.

Hasegawa, M., & Furtado, A. T. (2006). Avaliação dos impactos de programas de P&D. Inovação Uniemp, 2(3), 40-41.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). Pesquisa de inovação: PINTEC-2017. https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=2101706

Mazzucato, M. (2014). O Estado empreendedor: Desmascarando o mito do setor público vs. setor privado. Portfolio-Penguin.

Menelau, S., Macedo, F. G. L., Carvalho, P. L. D., Nascimento, T. G., & Carvalho Júnior, A. D. D. (2019). Mapeamento da produção científica da Indústria 4.0 no contexto dos BRICS: Reflexões e interfaces. Cadernos EBAPE, 17(4), 1094-1114.

Morris, L. (2011). Permanent Innovation. Innovation Academy.

Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) (1997). Manual de Oslo: Diretrizes para a coleta e interpretação de dados sobre inovação (3a ed.). OCDE/ FINEP.

Rauen, C. V. (2016). O novo marco legal da inovação no Brasil: O que muda na relação ICT-empresa? Radar, 43, 21-35.

Rice, M. P., O’Connor, G. C., & Pierantozzi, R. (2008). Implementing a learning plan to counter project uncertainty. MIT Sloan Management Review, 49(2), 54.

Rieg, D. L., & Alves Filho, A. G. (2003). Esforço tecnológico e desempenho inovador das empresas do setor médico-hospitalar localizadas em São Carlos, SP. Gestão & Produção, 10(3), 293-310.

Rogers, E., & Shoemaker, F. F. (1971). Communication of innovations: A cross cultural approach. Free Press.

Schumpeter, J. (1988). A teoria do desenvolvimento econômico: Uma investigação sobre os lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. Nova Cultura.

Silva, D. O., Bagno, R. B., & Salerno, M. S. (2014). Modelos para a gestão de inovação: Revisão e análise da literatura. Production, 24(2), 477-490.

Simantob, M., & Lippi, R. (2003). Guia valor econômico de inovação nas empresas. Globo.

Sperotto, F. Q., & Tartaruga, I. G. P. (2017). Inovação nas empresas industriais gaúchas: Recursos, esforços e resultados. Ind. Econ. FEE, 45(2), 47-62.

Tunes, R. H. (2015). Geografia da inovação: Território e inovação no Brasil no século XXI (Tese de Doutorado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, Brasil.

Tushman, M., Anderson, P., & O’Reilly, C. (1997). Technology cycles, innovation streams and ambidextrous organizations. In P. Anderson & M. Tushman (Orgs.), Managing strategic innovation and change (pp. 386-414). Oxford University Press.

Veado, J. T. (1985). O planejamento e o orçamento da atividade científica e tecnológica numa abordagem sistêmica: Um esboço preliminar. Ciência da Informação, 14(2), 73-91.

Verma, D., Mishra, A., & Sinha, K. K. (2011). The development and application of a process model for R&D project management in a high-tech firm: A field study. Journal of Operations Management, 29(5), 462-476.

Zanello, G., Fu, X., Mohnen, P., & Ventresca, M. (2016). The creation and diffusion of innovation in developing countries: A systematic literature review. Journal of Economic Surveys, 30(5), 884-912.




DOI: https://doi.org/10.5585/iptec.v9i2.19419

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Inovação, Projetos e Tecnologias

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Revista Inovação, Projetos e Tecnologias - IPTEC

e-ISSN: 2318-9851
www.revistaiptec.org

Revista Inovação, Projetos e Tecnologias - IPTEC ©2021 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional