Observação do direito e das cidades inteligentes: contribuições para formação de diretrizes jurídicas para políticas públicas no Brasil

Fabio Scopel Vanin, Janriê Rodrigues Reck

Resumo


O objetivo do trabalho é identificar, a partir da observação do ambiente, possíveis contribuições para formação de diretrizes jurídicas para as Políticas Públicas de Cidades Inteligentes no Brasil. O trabalho é desenvolvido expondo-se critérios gerais e conceituais da pesquisa, os elementos centrais sobre Cidades Inteligentes, para a partir de uma observação da Nova Agenda Urbana, estudos do BID e da experiência da Espanha, relacionar tais descrições com a programação do direito público no Brasil. Como método para estruturação das ideias, o artigo vale-se da teoria dos sistemas, observando como o conhecimento do ambiente pode ser acoplado ao sistema do direito. Como resultado, verifica-se que a observação do ambiente, em especial, dos documentos e experiências pesquisadas, contribuem para suprir a ausência de subsídios da programação do Direito no Brasil, apontando diretrizes jurídicas acerca da finalidade, competência e dos meios a serem observados na produção de políticas públicas para Smart Cities.


Palavras-chave


cidades inteligentes; direito público; teoria dos sistemas; políticas públicas; política urbana

Texto completo:

PDF

Referências


BORJA, Jordi; MUXÍ, Zaida. Urbanismo en el siglo XXI: Bilbao, Madrid, Valencia y Barcelona. Barcelona: ETSAB, 2009.

BOUSKELA, Maurício; CASSEB, Marcia. Caminho para as Smart Cities: Da Gestão Tradicional para a Cidade Inteligente. Washington, D.C: BID, 2016.

BRASIL. Carta Brasileira sobre Cidades Inteligentes. Disponível em https://bityli.com/zxauN. Acesso em 20.04.2021.

BRASIL. Constituição Federal. Disponível em https://bit.ly/1bIJ9XW. Acesso em 30.12.2018.

BRASIL. Estatuto da Cidade. Lei 10.257 de 10 de julho de 2001. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Disponível em https://bit.ly/1O6qbRX. Acesso em: 31 dez. 2018.

BRASIL. Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2016-2022. Brasília: Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, 2017.

BRASIL. Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Lei 13.709 de 14 de agosto de 2018. Disponível em https://bityli.com/HKFy5. Acesso em: 20 abr. 2021.

BRASIL. Política Nacional de Mobilidade Urbana. Lei 12.587 de 03 de janeiro de 2012. Institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana. Disponível em https://bit.ly/2VtcmT7. Acesso em 03.01.2019.

ESPANHA. Plan Nacional de Ciudades Inteligentes. Madrid: Gobierno de España, 2015. Disponível em https://bit.ly/2d00Wkb. Acesso em: 29 dez. 2018.

ESPANHA. UNE 178201:2016. Ciudades Inteligentes. Definición, atribuitos e requisitos. Disponível em https://bit.ly/2VqQtnK. Acesso em: 29 dez. 2018.

FONSECA, Raphael Di Tommaso Lugarinho. Autodeterminação Informativa e Proteção de Dados Pessoais enquanto Direitos Fundamentais à Luz da ADI 6.387. Trabalho de Conclusão de Curso (Pós Graduação Latu Sensu), Fundação Escola Superior do Ministério Público - RS, 2021.

GARCÍA DE ENTERRIA, Eduardo. FERNANDEZ, Tomáz-Ramón. Curso de Derecho Administrativo I. 16ª ed. Pamplona: Civitas, 2013.

GUIMARÃES, Patrícia Borba Vilar; ARAÚJO, Douglas da Silva. O direito à cidade no contexto das smarts cities: o uso das tic’s na promoção do planejamento urbano inclusivo no Brasil. Revista de Direito da Cidade, v. 10, n. 3, p. 1788-1812, ago. 2018. Disponível em: https://doi.org/10.12957/rdc.2018.33226.

GUIMARÃES, Patrícia Borba Vilar; XAVIER, Yanko Marcius de Alencar. Smart cities e direito: conceitos e parâmetros de investigação da governança urbana contemporânea. Revista de Direito da Cidade, v. 8, n. 4, p. 1362-1380, dez. 2016. Disponível em: https://doi.org/10.12957/rdc.2016.26871.

GUITÉRREZ, Rubén Martinez. El Impacto de las Smart Cities en La Tuetela Ambiental y en la Planificación Urbana. p. 53-73. In MAÑAS, José Luis Piñar; OJEDA, Magdalena, Suárez. Smart Cities: Dereho y Técnica para Una Ciudad Más Habitable. Reus: Madrid, 2017.

LEAL, Rogério Gesta. Impactos econômicos e sociais das decisões judiciais: aspectos introdutórios. Brasília: ENFAM, 2010.

LUHMANN, Niklas. O Direito da Sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2016.

MAÑAS, José Luis Piñar. Derecho, Técnica e Innovación en Las Llamadas Ciudades Inteligentes: Privacidad y Gobierno Abierto. p. 11-33 In MAÑAS, José Luis Piñar; OJEDA, Magdalena, Suárez. Smart Cities: Dereho y Técnica para Una Ciudad Más Habitable. Reus: Madrid, 2017.

MARQUINA, Avelino Brito. Prólogo. p. 7-10. In MAÑAS, José Luis Piñar; OJEDA, Magdalena, Suárez. Smart Cities: Dereho y Técnica para Una Ciudad Más Habitable. Reus: Madrid, 2017.

MATEO, Ramón Martín; SANCHEZ, Juan José Díez Sánchez. Manual de Derecho Administrativo. 29ª ed. Pamplona: Aranzadi, 2012.

OJEDA, Magdalena, Suárez. Smart Cities: Un Nuevo reto para El Derecho Público. p. 73-92 In MAÑAS, José Luis Piñar; OJEDA, Magdalena, Suárez. Smart Cities: Dereho y Técnica para Una Ciudad Más Habitable. Reus: Madrid, 2017.

ONU. Documentos Temáticos Habitat III: 21-Cidades Inteligentes. Nova Iorque: ONU, 2015. Disponível em https://bit.ly/2EZ8Av3. Acesso em 31.12.2018.

ONU. Nova Agenda Urbana. Quito: ONU, 2016. Disponível em https://bit.ly/2LGSCab. Acesso em: 31 dez. 2018.

RECK, Janriê Rodrigues. Observação Pragmático-Sistêmica da Competência como Decisão Coordenadora de Ações In BITENCOURT, Caroline Muller; RECK, Janriê Rodrigues. Políticas Públicas e Matriz Pragmático-sistêmica: os novos caminhos científicos do Direito Administrativo no Brasil. Santa Cruz do Sul: Essere Nel Mondo, 2018.

RECK, Janriê Rodrigues. Observação Pragmático-Sistêmica do Conceito de Serviço Público. 2009. Tese (Doutorado em Direito), Universidade do Vale dos Sinos, 2009.

RECK, Janriê Rodrigues; BITENCOURT. Caroline Müller. Categorias de análise de políticas públicas e gestão complexa e sistêmica de políticas públicas. A&C – Revista de Direito Administrativo & Constitucional, Belo Horizonte, ano 16, n. 66, p. 131-151, out./dez, 2016.

RECK, Janriê Rodrigues; VANIN, Fábio Scopel. O direito e as cidades inteligentes: desafios e possibilidades na construção de políticas públicas de planejamento, gestão e disciplina urbanística. Revista de Direito da Cidade, v. 12, n. 1, p. 464-492, maio 2020. Disponível em: https://doi.org/10.12957/rdc.2020.39618.

VANIN, Fábio Scopel. Direito e Política Urbana: Gestão Municipal para a Sustentabilidade. Caxias do Sul: Educs, 2015.

VANIN, Fábio Scopel. A política pública de intervenção urbanística e o regime jurídico dos grandes projetos urbanos: os limites e as possibilidades de inovação no exercício da competência municipal. Tese (Doutorado em Direito), Programa de Pós-Graduação em Direito - Mestrado e Doutorado. Universidade de Santa Cruz do Sul, 2020. Acesso em: http://hdl.handle.net/11624/2909.




DOI: https://doi.org/10.5585/prismaj.v20n1.17317

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Prisma Juridico

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Prísma Jurídico

e-ISSN: 1983-9286

ISSN: 1677-4760
www.revistaprisma.org.br

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional