Desigualdades de raça e gênero nas relações econômicas e culturais brasileiras

Leilane Serratine Grubba, Juliana Pires de Oliveira

Resumo


A pesquisa tematiza as desigualdades interseccionais de raça e gênero no âmbito econômico e cultural brasileiro. Parte-se da colonialidade do poder na constituição dos dispositivos de raça e gênero, com o objetivo de analisar como as desigualdades se constituíram, historicamente, mediante um projeto que cristalizou formas de exploração econômica e cultural. O problema de pesquisa é: como o sistema socioeconômico brasileiro se utiliza das pessoas racializadas, em especial, das mulheres negras? A pesquisa emprega o método da complexidade e contribui para o campo ao evidenciar alternativas políticas de articulação entre igualdade e identidade, para reestruturar a organização social e garantir a coexistência equitativa de gênero, raça e classe, principalmente, visando à desconstrução da colonialidade do poder e redistribuição socioeconômica. 


Palavras-chave


colonialidade; desigualdades; gênero; exclusões; raça.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Silvio. Racismo Estrutural. São Paulo: Editora Jandaíra, 2020.

AKOTIRENE, Carla. O que é interseccionalidade. São Paulo: Letramento, 2018.

ANTUNES, Ricardo. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

CARNEIRO, Sueli. Escritos de uma vida. São Paulo: Editora Jandaíra, 2020.

COLLINS, Patricia Hill. Interseccionalidade. Tradução de Rane Souza. São Paulo: Boitempo, 2021.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. Tradução de Jamille Pinheiro Dias. São Paulo: Boitempo, 2019.

CURIEL, Ochy. Construindo metodologias feministas a partir do feminismo decolonial. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (org.). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2020.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

GASSEN, Valcir. A lei de terras de 1850 e o direito de propriedade. Florianópolis: UFSC, 1994. Disponível em: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/76176. Acesso em: 26 set. 2022.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

HAN, Byung-Chul. Psicopolítica: Neoliberalismo y nuevas técnicas de poder. Traducción de Alfredo Bergés. Bracelona: Herder Editorial S.L., 2014.

HERRERA FLORES, Joaquín. A (re)invenção dos direitos humanos. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2009.

LUGONES, María. Colonialidade e gênero. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (org.). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2020.

MARCELLINO JUNIOR, Julio Cesar; MORAIS DA ROSA, Alexandre. O Processo eficiente na lógica econômica: Desenvolvimento, Aceleração e Direitos Fundamentais. Florianópolis: Editora Empório do Direito, 2015.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. 14. ed. Rio de Janeiro: Bertrand, 2010.

MOURA, Clóvis. Sociologia do negro brasileiro. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2019.

QUIJANO, Aníbal. Cuestiones y horizontes: de la dependencia histórico-estructural a la colonialidad/descolonialidad del poder. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO; Lima: Universidad Nacional Mayor de San Marcos, 2020.

RIBEIRO, Djamila. Por que a creche é uma luta das mulheres? Inquietações femininas já demonstram que as crianças pequenas são de responsabilidade de toda a sociedade. São Carlos: Pedro & João Editores, 2018.

RIOS, Maria Isabel Franco. A dependência como pressuposto do contrato de trabalho: ontem, hoje e provável amanhã - uma leitura atemporal. Belo Horizonte: Boitempo: 2011.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A construção multicultural da igualdade e da diferença. In: VII Congresso Brasileiro de Sociologia, Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro, de 4 a 6 de setembro de 1995. Disponível em: https://www.ces.uc.pt/ces/publicacoes/oficina/135/135.pdf. Acesso em: 26 set. 2022.

SCHOLZ, Roswitha. O valor é o homem: Teses sobre a socialização pelo valor e a relação entre sexos. Novos Estudos – CEBRAP, n. 45, p. 15-36, 1996.

SCHOLZ, Roswitha. O sexo do capitalismo: Teorias feministas e metamorfose pós-moderna do patriarcado. Berlin: Editora Horlemann, B. 2011. Disponível em: http://obeco-online.org/roswitha_scholz6.htm. Acesso em: 20 dez 2020.

VITA, Leticia. Constitucionalismo social como democracia económica. Una relectura de la constitución de Weimar a la luz del aporte de Hugo Sinzheimer. Historia constitucional, Buenos Aires, n 19, p. 565-591, 2018.




DOI: https://doi.org/10.5585/prismaj.v21n2.21161

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Leilane Serratine Grubba, Juliana Pires de Oliveira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Prisma Jurídico

e-ISSN: 1983-9286

ISSN: 1677-4760
www.revistaprisma.org.br

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional