A retórica prostituída e a cientificidade necrosante do direito

Ricardo Rosseti

Resumo


Nas tradições filosófica e jurídica brasileiras, o estudo da Retórica é insuficiente, diante da imensidão temática que essa disciplina tem a oferecer: isso é o que se nota nos mais importantes programas de pós-graduação. Como causa provável, apontamos para um temor inerente aos estudos desenvolvidos na filosofia e no direito, um receio que emerge como ponto fraco de teorias que se pretendem afirmadoras absolutas do verdadeiro. Nossa proposta é retomar o estudo da retórica, buscando demonstrar quanto ambas as tradições perdem ao se eximirem do papel fundamental do discurso opinativo no âmbito de suas disciplinas. Contudo, pretendemos sustentar a tese de que, por força de suas formas discursivas, a retórica foi prostituída e, conseqüentemente, o direito começou a morrer.

Palavras-chave


Dialética. Direito. Retórica.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/prismaj.v4i0.581

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



Prisma Jurídico

e-ISSN: 1983-9286

ISSN: 1677-4760
www.revistaprisma.org.br

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional