Análise do perfil sociodemográfico e de utilização de medicamentos de idosos atendidos em ambulatório universitário

Monaliza Medina Vieiro, Marcelo Geovane Perseguino, Viviani Milan Ferreira Rastelli, Luciana Vismari

Resumo


Estima-se que em 2020 13,6% da população será idosa, estes pacientes geralmente são acometidos por doenças crônicas, tornando-se prioridade nos cuidados de saúde. O objetivo desta pesquisa foi caracterizar o perfil sociodemográfico e de utilização de medicamentos de 200 pacientes tratados em um ambulatório de uma universidade privada em São Paulo. Foram analisados prontuários de pacientes atendidos pelo ambulatório da universidade de 2012 a 2016, autorizado pelo Comitê de Ética com o parecer nº 1.587.320. Os medicamentos foram classificados de acordo com a Anatomical Therapeutic Chemical (ATC) e os Critérios de Beers da Sociedade Americana de Geriatria de 2015 serviram como base para a classificação dos medicamentos inapropriados para idosos. Com relação a amostra, 70% da população era feminina, a média de idade foi 71±8 anos, 40,5% dos usuários não possuíam o ensino fundamental completo ou eram analfabetos. Observou-se 36% de pacientes polimedicados e mais da metade acometidos por comorbidades. As classes de medicamentos mais utilizadas foram inibidores da bomba de prótons e benzodiazepínicos. É pertinente nas pesquisas o uso irracional de omeprazol e os benzodiazepínicos são caracterizados como inseguros para idosos de acordo com os critérios de Beers. Conclui-se com essa pesquisa a importância de analisar o perfil da população atendida e consequentemente ofertar serviços mais qualificados, bem como a relevante atuação do farmacêutico no que se refere ao uso racional de medicamentos nos atendimentos de idosos.

 

 


Palavras-chave


Envelhecimento; Polimedicação; Atenção Integral a Saúde do Idoso; Medicamento Inapropriado para Idoso.

Texto completo:

PDF

Referências


American Geriatrics Society (2015). American Geriatrics Society 2015 Updated Beers Criteria for Potentially Inappropriate Medication Use in Older Adults. Journal of the American Geriatrics Society, 63(11), 2227–2246. https://doi.org/10.1111/jgs.13702

Andrade, M. A. de, Silva, M. V. S. da, & Freitas, O. de. (2004). Assistência Farmacêutica como Estratégia para o Uso Racional de Medicamentos em Idosos. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, 25(1), 55–64. https://doi.org/10.5433/1679-0367.2004v25n1p55

Barata, R. B. (2009). Como e Por Que As Desigualdades Sociais Fazem Mal à Saúde. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ. Recuperado de http://books.scielo.org/id/48z26

Brunton, L. L., Chabner, B. A., & Knollmann, B. (2012). As Bases Farmacológicas da Terapêutica de Goodman & Gilman. New York: McGrawHill.

Castro, G. L. G. et al. (2013). Uso de Benzodiazepínicos como automedicação: consequências do uso abusivo, dependência, farmacovigilância e farmacoepidemiologia. Rev. Interd. 6(1), 112-113.

Correr, C. J., Otuki, M., & Rossignoli, P. (2010). Habilidades Clínicas para Farmacêuticos do serviço público-Módulo IV-Saúde do Idoso. Paraná, 2010.

Cruz, D. T. da., Caetano, V. C., & Leite, I. C. G. Envelhecimento populacional e bases legais de atenção à saúde do idoso. Cad. Saúde Colet. 18(4), 500- 508.

Decreto n. 7.508 de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7508.htm

Duarte, L. R. et al. (2012). Hábitos de consumo de medicamentos entre idosos usuários do SUS e de plano de saúde. Cad. Saúde Colet. 20 (1), 64- 71.

Flores, L. M., & Mengue, S. S. (2005). Uso de medicamentos por idosos em região sul do Brasil. Rev. Saúde Pública. 39(6), 924-929. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102005000600009

Gautério, D. P. et al. (2012). Caracterização dos idosos usuários de medicação residentes em instituição de longa permanência. Revista Escola de Enfermagem da USP, 46(56), 1394-1399. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000600016

Gritti, C. C. et al. (2015). Doenças crônicas não transmissíveis e antecedentes pessoais em reinternados e contribuição da terapia ocupacional. Cad. Saúde Colet. 23(2), 214-219. http://dx.doi.org/10.1590/1414-462X201500020123

Hipólito, P., Rocha, B. S., & Oliveira, F. J. A. Q. (2016). Perfil de usuários com prescrição de omeprazol em uma Unidade Básica de Saúde do Sul do Brasil: considerações sobre seu uso racional. Rev. Bras. Med. Fam. Comunidade. 11(38), 1-10. https://doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1153

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010) Censo Demográfico: 2010: famílias e domicílios: resultados da amostra.

Lei n. 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8080.htm.

Lei n. 8.142, de 28 de dezembro de 1990. Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8142.htm

Lima, A. P. V., & Neto Filho, M. dos A. (2014). Efeitos em Longo Prazo de Inibidores da Bomba de Prótons. Braz. J. Surg. Clin. Research. 5(3), 45-49. https://www.mastereditora.com.br/periodico/20140131_170612.pdf

Lima, T. A. M., Nakazone, M. A., & Furini, A. A. da C. (2014). Avaliação Preliminar de Prescrições para idosos em Serviços de Cardiologia de um Hospital de Ensino. Rev. Bras. Cardiol. 27(5), 333-341. http://www.onlineijcs.org/english/sumario/27/pdf/v27n5a07.pdf

Martins, A. B. et al. (2014). Atenção Primária a Saúde voltada as necessidades do idoso: da teoria à prática. Ciência & Saúde Coletiva. 19(8), 3403-3416. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014198.13312013

Mastroianni, P. C. et al. (2009). Contribuição do uso de medicamentos para admissão hospitalar. Braz. J. Pharm. Sci. 45(1) 163-170. http://dx.doi.org/10.1590/S1984-82502009000100020

MINISTÉRIO DA SAÚDE. (2012). Uso Racional de Medicamentos: temas selecionados/ Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos – Brasília, DF, 156p.

Noia, A. S. et al. (2012). Fatores Associados ao uso de psicotrópicos por idosos residentes no Município de São Paulo. Rev. Esc Enfem. 46 (Esp), 38-43. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000700006

Oliveira, C. A. P. et al. Caracterização dos medicamentos prescritos aos idosos na Estratégia Saúde da Família. Cad. Saúde Pública. 25(5), 1007-1016. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009000500007

Paiva, C. H. A., & Teixeira, L. A. (2014). Reforma sanitária e a criação do Sistema Único de Saúde: notas sobre contextos e autores. Hist. cienc. saude-Manguinhos, Rio de Janeiro , 21(1), 15-36. https://doi.org/10.1590/S0104-59702014000100002

Portaria n. 2.528, de 19 de outubro de 2006. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Recuperado de http://www.saudeidoso.icict.fiocruz.br/pdf/PoliticaNacionaldeSaudedaPessoaIdosa.pdf.

Portaria n. 3.916, de 30 de outubro de 1998. Aprova a Política Nacional de Medicamentos. Recuperado de https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/1998/prt3916_30_10_1998.html

Resolução n. 338 de 06 de maio de 2004. Aprova a Política Nacional de Assistência Farmacêutica. Recuperado de https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2004/res0338_06_05_2004.html

Ribas, C., & Oliveira, K. R. (2014). Perfil dos medicamentos prescritos para idosos em uma Unidade Básica de Saúde do município de Ijuí-RS. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 17(1), 99-114. http://dx.doi.org/10.1590/S1809-98232014000100011

Telles Filho, P. C. (2011). Utilização de benzodiazepínicos por idosos de uma Estratégia de Saúde da Família: Implicações para enfermagem. Esc Anna Nery, 15(3), 581-586. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452011000300020

Vieira, L.B., & Cassiani, S. H. de B. (2014). Avaliação da adesão medicamentosa de pacientes idosos hipertensos em uso de polifarmácia. Revista Brasileira de Cardiologia, 27(3), 195-202.

World Health Organization. (2005). Envelhecimento Ativo: uma política de saúde. (S. Gontijo, trad.). Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde, 2005.




DOI: https://doi.org/10.5585/rgss.v9i3.14523

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista de Gestão em Sistemas de Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

 

Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS)
e-ISSN: 2316-3712
www.revistargss.org.br

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.