Proposição de um instrumento de mensuração do desenvolvimento de capacidades dinâmicas

Felipe Cavalheiro Zaluski, Jorge Oneide Sausen, Gloria Charão Ferreira

Resumo


Objetivo: este estudo objetiva construir e validar uma escala de mensuração dos elementos componentes e dos mecanismos organizacionais de desenvolvimento de capacidades dinâmicas (CD) em organizações.

Método: a metodologia da pesquisa baseou-se na abordagem quantitativa e descritiva, com coleta de dados bibliográfica e por meio de e-survey em 137 organizações do Sul do Brasil. A validação da escala foi realizada pela modelagem de equações estruturais (MEE) com o software SmartPLS 3.2.8.

Originalidade/Relevância: ainda que existam esforços no  desenvolvimento de escalas sobre CD, há uma lacuna teórica quanto à criação de escalas e instrumentos de medição, uma vez que tais capacidades estão ligadas aos processos internos das organizações. Diante disso, este estudo se mostra relevante ao se direcionar à proposição e validação de uma escala baseada no desenvolvimento das CD que possibilite novas investigações empíricas e discussões teóricas.

Resultados: a escala final proposta para mensuração dos elementos componentes e dos mecanismos organizacionais de desenvolvimento de CD apresentou três dimensões e vinte indicadores. Os achados demonstram que a articulação dos indicadores dos elementos componentes e dos mecanismos de desenvolvimento das capacidades dinâmicas resulta em uma escala que pondera vários aspectos relacionados à existência do desenvolvimento de CD em organizações.

Contribuições teóricas/metodológicas: esta pesquisa proporciona um recurso acadêmico para a utilização da escala proposta em futuras pesquisas e amplia a possibilidade de desenvolvimento da temática das capacidades dinâmicas nos estudos organizacionais.


Palavras-chave


Escala; Processos; Rotinas.

Texto completo:

PDF

Referências


Ambrosini, V., & Bowman, C. (2009). What are dynamic capabilities and are they a useful construct in strategic management? International Journal of Management Reviews, 11(1), 29-49.

Andreeva, T., & Chaika, V. (2006). Dynamic capabilities: what they need to be dynamic? St Petersburg, Russia: St. Petersburg State University.

Araújo, C. C. S., Pedron, C. D., & Bitencourt, C. (2018). Identifying and assessing the scales of dynamic capabilities: a systematic review. Revista de Gestão, 25(4), 390-412.

Barney, J. B. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, 17(1), 99-120.

Barreto, I. (2010). Dynamic capabilities: a review of past research and an agenda for the future. Journal of Management, 36(1), 256-280.

Cappellari, G. (2017). Inteligência de mercado e desenvolvimento de capacidades dinâmicas: relações na gestão estratégica dos negócios (Dissertação de mestrado). Universidade Regional do Noroeste do Rio Grande do Sul, Ijuí, Brasil.

Cohen, J. (1997). Statistical power analysis for the behavioral sciences (Rev. ed.). New York, NY: Academic Press.

Collis, D. J. (1994). Research note: how valuable are organizational capabilities? Strategic Management Journal, 15, 143-152.

Corrêa, R. O., Bueno, E. V., Karto, H. T., & Silva, L. M. D. O. (2018). Dynamic managerial capabilities: scale development and validation. Managerial and decision economics, 40(1), 3-15.

D’Ávila, O. S., & Silveira-Martins, O. (2017). Proposição/validação de escala de mensuração da capacidade dinâmica produtiva. Revista eletrônica de estratégia e negócios, 10(1), 285-311.

Danneels, E. (2010). Trying to become a different type of company; dynamic capability at Smith Corona. Strategic Management Journal, 32(1), 235-264.

Easterby-Smith, M., & Prieto, I. M. (2008). Dynamic capabilities and knowledge management: an integrative role for learning? British Journal of Management, 19(3), 235-249.

Eisenhardt, K. M., & Martin, J. A. (2000). Dynamic capabilities: what are they? Strategic Management Journal, 21(10-11), 1105-1121.

Eriksson, T. (2014). Processes, antecedents and outcomes of dynamic capabilities. Scandinavian Journal of Management, 30(1), 65-82.

Faul, F., Erdfelder, E., Lang, A.-G., & Buchner, A. (2007). G*Power 3: a flexible statistical power analysis program for the social, behavioral, and biomedical sciences. Behavior Research Methods, 39, 175-191.

Ferreira, M. A. S. P. V., Reis, N. R., Serra, F. A. R., & Costa, B. K. (2014). Entendendo a pegada da VBR nos estudos em negócios internacionais: os últimos vinte anos de pesquisa. Brazilian Business Review, 11(4), 57-90.

Fornell, C., & Larcker, D. F. (1981). Evaluating structural equation models with unobservable variables and measurement error. Journal of Marketing Research, 18(1), 39-50.

Fundação de Economia e Estatística (2019). Corede Noroeste Colonial. Recuperado de https://www.fee.rs.gov.br/perfil-socioeconomico/coredes/detalhe/?corede=Noroeste+Colonial

Gefen, D., Straub, D., & Boudreau, M. (2000). Structural equation modeling and regression: guidelines for research practice. Communications of AIS, 4(7), 1-79.

Gerard, J. A. A. (2011). Theory of organizational routines: development of a topology and identification of contextual determinants. Ann Arbor, Michigan: ProQuest UMI Dissertation Publishing.

Guerra, R. M. A., Tondolo, V. A. G., & Camargo, M. E. (2016). O que (ainda) podemos aprender sobre capacidades dinâmicas. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 15(1), 44-64.

Hair, J. F., Anderson, R. E.; Tatham, R. L., & Black, W. (2005). Análise multivariada de dados (5a ed.). Porto Alegre, RS: Bookman.

Hair, J. F., Hult, G. T. M., Ringle, C. M., & Sarstedt, M. (2014). A primer on partial least squares Structural Equation Modeling (PLS-SEM). Thousand Oaks, California: Sage.

Helfat, C. E. (1997). Know-how and asset complementarity and dynamic capability accumulation: the case of R&D. Strategic Management Journal, 18(5), 339-360.

Helfat, C. E., & Martin, J. A. (2015). Dynamic managerial capabilities: Review and assessment of managerial impact on strategic change. Journal of Management, 41(5), 1281-1312.

Helfat, C., Finkelstein, S., Mitchell, W., Peteraf, M., Singh, H., Teece, D., & Winter, S. (2007). Dynamic capabilities: understanding strategic changes in organizations. Malden, Massachusetts: Blackwell Publishing.

Henseler, J., Ringle, C., & Sinkovics, R. (2009). The use of partial least squares path modeling in international marketing. Advances in International Marketing (AIM), 20, 277-320.

Huber, G. P., & D. J. Power. (1985). Retrospective reports of strategic managers: guidelines for increasing their accuracy. Strategic Management Journal, 6, 171-180.

Kump, B., Engelmann, A., Kessler, A., & Schweiger, C. (2018). Toward a dynamic capabilities scale: measuring organizational sensing, seizing, and transforming capacities. Industrial and Corporate Change, 28(5), 1149-1172.

Kurtmollaiev, S. (2020). Dynamic capabilities and where to find them. Journal of Management Inquiry, 29(1), 3-16.

Lazarotto, E. C. (2017). Processo de desenvolvimento de capacidades dinâmicas em organizações do setor hospitalar (Dissertação de mestrado). Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, Brasil.

Marcus, A. A., & Anderson, M. H. (2006). A general dynamic capability: does it propagate business and social competencies in the retail. Journal of Management Studies, 43(1), 19-46.

Marôco, J. (2014). Análise estatística com o SPSS Statistics. Lisboa, Portugal: ReportNumber.

Martins, S. E., & Tavares, P. M. (2014). Processo de formulação de estratégias: capacidade mercadológica, incerteza ambiental e desempenho. Organizações em Contexto, 10(20), 297-322.

Meirelles, D. S., & Camargo, A. A. B. (2014). Capacidades dinâmicas: o que são e como identificá-las? Revista de Administração Contemporânea, 18 [Edição Especial], 41-64.

Minayo, M. C. S. (2013). Pesquisa social: teoria, método e criatividade (33a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Penrose, E. T. (1959). The theory of the growth of the firm (3a ed.). Oxford, UK: Oxford University Press.

Raman, A., & Bharadwaj, S. S. (2017). Dynamic service capabilities enabling agile services: Scale development and initial validation in Indian services industry. Jornal of Eterprise Information Management, 30(1), 166-187.

Ringle, C. M., Silva, D., & Bido, D. (2014). Modelagem de equações estruturais com utilização do SmartPLS. Revista Brasileira de Marketing, 13(2), 56-73.

Ringle, C. M., Wende, S., & Will, A. (2005). SmartPLS 3.2.8. Hamburg: SmartPLS. Recuperado de http://www.smartpls.com

Rosa, K. C. (2016). O Desenvolvimento de capacidades dinâmicas como recurso estratégico em uma organização do segmento do vestuário (Dissertação de mestrado), Faculdade Meridional, Passo Fundo, Brasil.

Sausen, J. O. (2012). Gestão estratégica, competitividade e desenvolvimento. In D. B. Sieden (Org.), Desenvolvimento sob múltiplos olhares (pp. 207-267). Ijuí, RS: Unijuí.

Schilke, O., Hu, S., & Helfat, C. E. (2018). Quo vadis, dynamic capabilities? A content-analytic review of the current state of knowledge and recommendations for future research. Academy of Management Annals, 12(1), 390-439.

Schmitz, R. (2018). Mecanismos e instrumentos de desenvolvimento de capacidades adaptativas em Instituições de Ensino Superior privadas da região Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Dissertação de mestrado), Faculdade Meridional, Passo Fundo, Brasil.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (2013). Anuário do trabalho na micro e pequena empresa 2013. Recuperado de http://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Anexos/Anuario%20do%20Trabalho%20Na%20Micro%20e%20Pequena%20Empresa_2013.pdf

Sher, P. J., & Lee, V. C. (2004). Information technology as a facilitator for enchancing dynamic capabilities through knowledge management. Information and Management, 41(8), 933-945.

Silva, R. L. (2016). Análise das capacidades dinâmicas em uma empresa do setor de confecção têxtil: um estudo de caso da empresa MiraSul (Dissertação de mestrado), Faculdade Meridional, Passo Fundo, Brasil.

Silveira, B. R., & Silveira-Martins, E. (2017). Capacidade dinâmica do agronegócio: proposta e validação de escala para mensuração. In 20 Seminários em Administração, São Paulo, Brasil: SEMEAD.

Silveira-Martins, E., & Zonatto, V. C. S. (2015). Proposição e validação de escala para mensuração da capacidade turística. Turismo em análise, 26(4), 745-773.

Tabachnick, B., & Fidell, L. (2001). Using multivariate statitstics (4a ed.). Boston, Massachusetts: Allyn and Bacon.

Teece, D. (2007). Explicating dynamic capabilities: the nature and microfoundations of (sustainable) enterprise performance. Strategic Management Journal, 28(13), 1319-1350.

Teece, D. (2009). Dynamic capabilities & strategic management. Oxford, UK: Oxford University Press.

Teece, D. J., & Pisano, G. (1994). The dynamic capabilities of firms: an introduction. Industrial and Corporate Change, 3(3), 537-556.

Teece, D. J., Pisano, G., & Shuen, A. (1990). Firm capabilities, resources, and the concept of strategy. Berkeley, California: University of California.

Teece, D. J., Pisano, G., & Shuen, A. (1997). Dynamic capabilities and strategic management. Strategic Management Journal, 18(7), 509-533.

Tondolo, V. A. G., Tondolo, R. R. P., Guerra, R. M. A., & Camargo, M. E. (2018). Capacidades dinâmicas em organizações sem fins lucrativos: uma proposta de mensuração para o terceiro setor. Revista Eletrônica Científica do CRA-PR, 5(1), 18-33.

Vasconcelos, F. C., & Cyrino, Á. B. (2000). Vantagem competitiva: os modelos teóricos atuais e a convergência entre estratégia e teoria organizacional. Revista de Administração de Empresas, 40(4), 20-37.

Wang, C. L., & Ahmed. P. K. (2007). Dynamic capabilities: A review and research. International Journal of Management Reviews, 9, 31-51.

Welter, C. V. N. (2018). O desenvolvimento da capacidade inovativa como recurso estratégico em organizações egressas de incubadoras de base tecnológica (Dissertação de mestrado), Universidade Regional do Noroeste do Rio Grande do Sul, Ijuí, Brasil.

Winter, S. G. (1964). Economic ‘natural selection’ and the theory of the firm. Yale Economic Essays, 4, 225-272.

Winter, S. G. (2003). Understanding dynamic capabilities. Strategic Management Journal, 33(2), 91-101.

Zahra, S. A., & George, G. (2002). Absorptive capacity: a review, reconceptualization, and extension. Academy of Management Review, 27(2), 185-203.

Zahra, S. A., Sapienza, H. J., & Davidsson, P. (2006). Entrepreneurship and dynamic capabilities: a review, model and research agenda. Journal of Management Studies, 43(4), 917-955.

Zollo, M., & Winter, S. G. (2002). Deliberate learning and the evolution of dynamic capabilities. Organization Science, 13(3), 339-351.




DOI: https://doi.org/10.5585/riae.v19i2.16969

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Ibero-Americana de Estratégia – RIAE

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Iberoamerican Journal of Strategic Management (IJSM)
Revista Ibero-Americana de Estratégia (RIAE)
e-ISSN: 2176-0756
https://periodicos.uninove.br/index.php?journal=riae

Copyright © 2020 Iberoamerican Journal of Strategic Management (IJSM) All rights reserved.
Revista Ibero-Americana de Estratégia (RIAE) ©2020 Todos os direitos reservados.