Internationalization of higher education institutions under the light of Uppsala theory: case study in business schools

Patricia Mara Simões Andrade, Marcello Romani-Dias, Caio Sousa

Abstract


Objective: Propose an unprecedented initial categorization structure on the internationalization process of Brazilian HEIs, according to the Uppsala model

Methodology: With the qualitative method, semi-structured interviews were conducted with representatives of the HEIs, reviewing and articulating the literature with content analysis on all data obtained.

Originality: The study links a classic approach to internationalization with the current reality of higher education institutions. Thus, it is expected that there will be a new conception on how HEIs can optimize their strategies for international insertion.

Main results: The internationalization of HEI can be analyzed by three main categorized elements, they are: i) the drivers; ii) enablers and, iii) obstacles to the internationalization of HEIs, each with their own specific characteristics.

Theoretical Contributions: The research presents a conceptual categorization for the essential factors of the internationalization of HEI's, this articulation allows advancing in the literature on internationalization and also on the management models of higher education institutions.


Keywords


Internationalization of higher education institutions; Internationalization of higher education; Uppsala internationalization theory.

References


Altbach, P. J. ; Knight, J. (2007). The internationalization of higher education: Motivations and realities. Journal of studies in international education, v. 11, n. 3-4, p. 290-305.

Alvez, L. (1998). A internacionalização do ensino superior em Cabo Verde e sua importância no seu desenvolvimento. Millenium, 11, Disponível em: Acesso em: 20 ago. 2019.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: edições 70.

Bertazzo, J. A internacionalização do ensino superior como receita para o sucesso–a experiência do Reino Unido e sua relevância para o Brasil. Mundo afora, p. 276, 2012.

Blasco, M.; Tackney, C.(2013) If it ain’t broke, don’t fix it’: Internationalisation and the erosion of the positive hidden curriculum in Danish higher education. International Journal of Management in Education, v. 7, n. 4, p. 341-359.

Borges,G.; Amal, M.(2016). Internacionalização de cursos stricto sensu: uma investigação sobre a distância psíquica e as práticas adotadas. Revista Gestão Universitária na América Latina-GUAL, v. 9, n. 2, p. 260-281. Disponível em: Acesso em: 20 ago. 2019.

Callaghan D.; Collins H.(2018) The role of Action Learning in supporting cross-cultural adaptation of international students. Liverpool John Moores University; Liverpool School of Tropical Medicine. Action Learning: Research and Practice, v. 15, n. 3, p. 267-275.

CAPES. Internacionalização do Ensino Superior. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2018.

CAPES. Programa Institucional de Internacionalização. Disponível em: Acesso em: 15 ago. 2019.

Chan, K. C.; Fung, H.; Yau, J. (2018). Advancing learning in international business related to a global mindset: An introduction. Journal of Teaching in International Business, v. 29, n. 1, p. 1-3. Disponível em: Acesso em: 15 ago. 2019.

Corbin, J.; Strauss, A.(1990). Noções básicas de pesquisa qualitativa: Procedimentos da teoria fundamentada e técnicas. Newbury Park: Sage.

Cordeiro, E.; Watanabe, Y.(2012). No caminho da internacionalização: desafios e oportunidades do ensino superior na Argentina. Mundo afora.

Curtis, T.; Ledgerwood, J. R. (2018). Motivações dos estudantes, benefícios percebidos e restrições para estudar no exterior e outras oportunidades de educação internacional, Journal of International Education in Business, v. 11, p. 63-78. Disponível em: Acesso em: 15 ago. 2019.

Creswell, J. (2003) Projeto de pesquisa: abordagens qualitativas, quantitativas e mistas. 2. ed. Mil Oaks: Sábio.

Dal-soto, F.; Souza, Y. S.; Alves, Juliano Nunes (2014) A produção científica sobre internacionalização do ensino superior na web of science: características gerais e metodológicas. IX Simpósio Internacional de Administração e Marketing. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 32, n. 4, Oct./Dec. 2016. Disponível em: Acesso em: 15 ago. 2019.

Donaire, D. (1997). A utilização do estudo de casos como método de pesquisa na área da administração. Revista Imes, v. 40, p. 9-19.

El D., C.; Hugueney, C. (2011).A internacionalização do ensino superior na China: entre a massificação e a excelência. Mundo afora, v. 12, p. 60.

Fiorin, J. L.(2007). Internacionalização da produção científica: a publicação de trabalhos de Ciências Humanas e Sociais em periódicos internacionais. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 4, n. 8.

Foster, M.; Carver, M.(2018). Explicit and implicit internationalisation: Exploring perspectives on internationalisation in a business school with a revised internationalisation of the curriculum toolkit. The International Journal of Management Education, v. 16, n. 2, p. 143-153.

Godoy, A. S. (1995). Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de empresas, v. 35, n. 3, p. 20-29.

Gonçalvez; Richie; J. C. Z.;Elias F. (2012) A Áustria e a internacionalização do ensino superior. Mundo afora: Políticas de Internacionalização de Universidades, n. 9, p. 44. Disponível em: Acesso em: 15 ago. 2019.

Guimarães, A. R.; Dib, L. A. R. ( 2011). Processos de Internacionalização de Marcas Brasileiras de Moda da Categoria “Novo Luxo”: Estudo dos Casos Osklen e Isabela Capeto. V Encontro de Estudos em Estratégia, Porto Alegre.

Huang, R.; Turner, R. (2018). International experience, universities support and graduate employability–perceptions of Chinese international students studying in UK universities. Journal of Education and Work, v. 31, n. 2, p. 175-189.

Hilal, A.; Hemais, C. A. (2003). O processo de internacionalização na ótica da escola nórdica: evidências empíricas em empresas brasileiras. Revista de Administração Contemporânea, v. 7, n. 1, p. 109-124.

Huberman, M.; Miles, M. B. (2002). O companheiro do pesquisador qualitativo. Sage.

Johanson, J.; Vahlne, J. (2006). Commitment and opportunity development in the internationalization process: A note on the Uppsala internationalization process model. Management International Review, v. 46, n. 2, p. 165-178.

Johanson, J.; Vahlne, J. (2006). The internationalization process of the firm - a model of knowledge development and increasing foreign market commitments. Journal of international business studies, v. 8, n. 1, p. 23-32, 1977.

Johanson, J.; Vahlne, J. (2006).The Uppsala Internationalization Process Model Revisited: From Liability of Foreignness to Liability of Outsidership 1Uppsala University, Uppsala, Sweden; 2Gothenburg University, Gothenburg, Sweden Correspondence: J Johanson, Uppsala University, Online publication date: 21 May, 2009.

Kovacs, E. P.; De moraes, W. F. A.; De Oliveira, B. R. B. (2007). Redefinindo conceitos: um ensaio teórico sobre os conceitos-chave das teorias de internacionalização. REGE Revista de Gestão, v. 14, p. 17-29.

Lesjak, D.; Anussornnitisarn, P. (2017). Internationalisation-professors' mobility and teaching in foreign languages in Slovenian higher education. International Journal of Innovation and Learning, v. 22, n. 3, p. 340-352.

Lima, M. C.; Contel, F. B. (2007). Aspectos da internacionalização do ensino superior: origem e destino dos estudantes estrangeiros no mundo atual. INTERNEXT – Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 167-193, jul./dez.

Lima, M. C.; Contel, F. B. (2007). Internacionalização da educação superior: nações ativas, nações passivas e a geopolítica do conhecimento. Alameda, 2011.

Maranhão, C. M. S. de A.; Lima, M. C. (2009). O sistema de educação superior mundial: entre a internacionalização ativa e passiva. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 14, n. 3, p. 583-610, nov. Disponível em: Acesso em: 20 ago. 2019.

Mariutti, F. G. et al. (2015) Reflections on the challenging mission of the country brand construct in the international business setting. Review of International Business, v. 10, n. 3, p. 58-70.

Mariutti, F. G. et al. (2015). ‘If I huff and I puff’. Foundations for building Brazil’s image: Evidence from an international systematic review (2001 to 2015). Internext, v. 12, n. 2, p. 58-73, 2017.

MEC. A democratização e expansão da educação superior no país 2003 – 2014. Disponível em:

=download&alias=16762-balanco-social-sesu-2003-2014&Itemid=30192> Acesso em: 20 ago. 2019.

Miles, M. B. et al. (1994) Qualitative data analysis: An expanded sourcebook. Califórnia: Sage.

Morgan, G.; Smircich, L.(1980). The case for qualitative research. Academy of management review, v. 5, n. 4, p. 491-500.

Morosini, M. C. (2011). Internacionalização na produção de conhecimento em IES brasileiras: cooperação internacional tradicional e cooperação internacional horizontal. Educação em Revista, v. 27, n. 1, p. 93-112.

Morosini, M. C.; Dalla C. M. G. (2018). Teses e realidades no contexto da internacionalização da educação superior no Brasil. Revista Educação em Questão, v. 56, n. 47, p. 97-120.

Outhwaite, D. (2018). Identifying the research process to analyse the adoption of the International Baccalaureate’s Diploma Programme in England. Management in Education, v. 32, n. 1, p. 13-18.

Pena, R. F. A. (2019)) Primeira fase da Globalização. Disponível em: . Acesso em: 17 maio 2019.

Pudelko, M.; Tenzer, H.(2019). Boundaryless careers or career boundaries? The impact of language barriers on academic careers in international business schools. Academy of Management Learning & Education, v. 18, n. 2, p. 213-240.

Rossato, R. (1998). Universidade: nove séculos de história. Passo Fundo: EDIUPF.

Santos, F. M. dos. (2011). Análise de conteúdo: a visão de Laurence Bardin. Revista eletrônica de educação, São Carlos, Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós-Graduação em Educação. Disponível em: Acesso em: 10 jul. 2019.

Souza, E. P.de. (2008). Mapeando os caminhos da internacionalização de instituições de ensino superior no Brasil. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

Teixeira, A. P.P.; Flores, F. S.(2014). O modelo de internacionalização de Uppsala sob a ótica da Visão Baseada em Recursos (RBV). REAVI-Revista Eletrônica do Alto Vale do Itajaí, v. 3, n. 3, p. 01-12.

Vahlne, J.E.; Johanson, J. (2013). The Uppsala model on evolution of the multinational business enterprise–from internalization to coordination of networks. International Marketing Review, v. 30, n. 3, p. 189-210.

Vahlne, J. E., & Johanson, J. (2017). From internationalization to evolution: The Uppsala model at 40 years. Journal of International Business Studies, 48(9), 1087-1102.

Veiga, R. (2012). Internacionalização das instituições de ensino superior em Portugal: proposta de metodologia para a construção de indicador do grau de internacionalização. Tese de Doutorado. Disponível em: Acesso em: 18 jul. 2019.

Verger, A.; Novelli, M.; Altinyelken, H. K. (2028). Global education policy and international development: A revisited introduction. Global education policy and international development new agendas, issues and policies, v. 2.




DOI: https://doi.org/10.5585/riae.v20i1.18153

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Copyright (c) 2021 Iberoamerican Journal of Strategic Management

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Iberoamerican Journal of Strategic Management (IJSM)
Revista Ibero-Americana de Estratégia (RIAE)
e-ISSN: 2176-0756
https://periodicos.uninove.br/index.php?journal=riae

Iberoamerican Journal of Strategic Management (IJSM) © 2021 All rights reserved.

Is this work licensed with a License
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional