Intervenção motora com a tarefa direcionada na paralisia cerebral: relato de caso

Laís Rodrigues Gerzson, Carla Skilhan de Almeida

Resumo


Objetivo: Verificar o desempenho da motricidade fina pós-intervenção motora com tarefa direcionada em uma criança com paralisia cerebral hemiplégica. Método: Um menino, com seis anos de idade, com hemiplegia leve à esquerda, realizou tarefas direcionadas, por 45 minutos, durante cinco semanas, no total de 15 sessões fisioterapêuticas. Para sua avaliação, usou-se o Manual Abilities Classification (MACS) pré e pós-intervenção, o qual avalia do nível I (crianças que manipulam objetos facilmente e com sucesso) ao V (não manipula objetos e tem habilidade severamente limitada para desempenhar até mesmo ações simples). Foram aplicadas as seguintes tarefas direcionadas: colher laranjas, achar a surpresa, encher o cofrinho, atirar no alvo e jogar boliche. Resultados: Nas tarefas de colher a laranja e achar a surpresa, o MACs permaneceu no nível II, pré e pós-intervenção, mas melhorou na qualidade do movimento e na função. Nas tarefas de praticar tiro ao alvo, encher o cofrinho e jogar boliche, o MACs diminuiu um nível, ou seja, o voluntário melhorou a pontuação. Conclusão: A criança apresentou melhora na motricidade fina, referente a quantidade, qualidade e independência do movimento; teve diminuição no tempo de execução das tarefas e melhoria na habilidade funcional.

Palavras-chave


Fisioterapia; Membro superior; Paralisia cerebral.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5585/conssaude.v13n4.5042

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2014 ConScientiae Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Conscientiae Saúde
ISSN: 1677-1028
e-ISSN: 1983-9324
www.conscientiaesaude.org.br

Conscientiae Saúde ©2020 Todos os direitos reservados.