A precarização do trabalho doméstico brasileiro

ponderações a partir dos modelos patriarcal e escravocrata

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5585/13.2024.22731

Palavras-chave:

escravidão, patriarcalismo, precarização, trabalho doméstico

Resumo

Malgrado a escravidão brasileira ter sido abolida no tardio maio de 1888 e, embora a existência de uma ampla legislação nacional e internacional de proteção às trabalhadoras domésticas na temporalidade atual, o seu labor continua sendo precarizado. Diante desse cenário, o trabalho possui como objetivo central discorrer acerca dos modelos patriarcal e escravocrata como consequências da precarização do trabalho doméstico no Brasil. Assim, seguindo o método de abordagem indutivo aliado ao procedimento histórico e bibliográfico, o estudo visou responder se os modelos patriarcais e escravocratas presentes no momento da formação da sociedade brasileira contribuíram para a precarização do trabalho doméstico no Brasil? E a resposta foi afirmativa, uma vez que tais sistemas cooperaram para a formação de uma sociedade que, atualmente, segue fazendo com que dezenas de trabalhadoras sejam submetidas a condições degradantes de trabalho e jornadas exaustivas, precarizando, assim, o trabalho realizado no ambiente doméstico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andressa Laste, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Campus Santo Ângelo, RS - Brasil

Mestre em Direito pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI Santo Ângelo/RS; Pós-graduanda em Direito Constitucional pela Faculdade Dom Alberto; Especialista em Direito do Trabalho e Processo do Trabalho pela Faculdade de Direito Prof. Damásio de Jesus; Graduada em Direito pela Faculdade de Direito de Santa Maria. Integrante do Grupo de Pesquisa “Direitos de Minorias, Movimentos Sociais e Políticas Públicas”, com registro no CNPq, vinculado à linha de pesquisa Direito e Multiculturalismo, do PPGD URI Santo Ângelo/RS. 

Osmar Veronese, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Campus Santo Ângelo, RS - Brasil

Doutor em Modernización de las Instituciones y Nuevas Perspectivas en Derechos Fundamentales, pela Universidad de Valladolid/Espanha, Mestre em Sociedade e Estado em Perspectiva de Integração, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professor de Direito Constitucional do Curso de Graduação em Direito e do Programa de Pós Graduação Stricto Sensu - Mestrado e Doutorado em Direito - da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – URI Santo Ângelo/RS. Procurador da República/Ministério Público Federal. Responsável pelo projeto de pesquisa “Estado, Constituição, Diferença: olhares críticos sobre a diversidade no constitucionalismo” e líder do Grupo de Pesquisa “Direitos de Minorias, Movimentos Sociais e Políticas Públicas”, com registro no CNPq, vinculado à linha de pesquisa Direito e Multiculturalismo, do PPGD URI Santo Ângelo/RS.

Referências

ARISTÓTELES. Política. Trad. Antônio Campelo Amaral e Carlos Gomes. 3ª ed. - Ed. Bilíngue. Portugal: Nova Veja, 2016

BRASIL. Decreto n. 16.107, de 30 de julho de 1923. Aprova o regulamento de locação dos serviços domésticos. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1920-1929/decreto-16107-30-julho-1923-526605-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 08 dez. 2023.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 72, de 2 de Abril de 2013. Altera a redação do parágrafo único do art. 7º da Constituição Federal para estabelecer a igualdade de direitos trabalhistas entre os trabalhadores domésticos e os demais trabalhadores urbanos e rurais. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc72.htm. Acesso em: 08 dez. 2023.

BRASIL. Lei Imperial n. 3.353, de 13 de maio de 1888. Lei Áurea. Rio de Janeiro: Paço do Senado. Disponível em: http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/385454. Acesso em: 15 jan. 2022.

BRASIL. Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015. Dispõe sobre o contrato de trabalho doméstico [...]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/lcp150.htm. Acesso em 15 jan. 2022.

BRASIL. Lei nº 3.071 de 1º de janeiro de 1916. Dispõe sobre o Código Civil dos Estados Unidos do Brasil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l3071.htm. Acesso em 15 jan. 2022.

BRASIL. Lei nº 5.859, de 11 de dezembro de 1972. Dispõe sobre a profissão de empregado doméstico e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5859.htm. Acesso em 15 jan. 2022.

BOURDIER, Pierre. A dominação masculina. Trad. Maria Helena Kuhner. 11ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

CAMPOS, Carmen Hein de. Criminologia Feminista: teoria feminista e crítica às criminologias. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2017.

CUT, Central Única dos Trabalhadores. In: ROCHA, Rosely. Saiba os direitos que o governo quer tirar com nova reforma Trabalhista. Central única dos Trabalhadores. 09 dez 2021. Disponível em: https://www.cut.org.br/noticias/saiba-os-direitos-que-o-governo-quer-tirar-com-nova-reforma-trabalhista-2340. Acesso em: 08 dez. 2023.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Trad. Heci Regina Candiani. São Paulo, SP: Boitempo, 2016.

DELGADO, Mauricio Godinho. Curso de direito do trabalho: 18. ed. São Paulo, SP: LTR, 2019.

ENGELS, Friedrich. A origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado. Trad. Nélio Schneide. São Paulo: LeBooks, 2019.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a Bruxa: Mulheres, corpo e acumulação primitiva. Trad. Coletivo Sycorax. São Paulo, SP: Editora Elefante, 2017.

FEDERICI, Silvia. O ponto zero da revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista. Trad. Coletivo Sycorax. São Paulo, SP: Editora Elefante, 2019.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. 5. ed. São Paulo, SP: Globo, 2008.

GOMES, Laurentino. Escravidão: Do primeiro leilão de cativos em Portugal até a morte de Zumbi dos Palmares. vol. I. Rio de Janeiro, RJ: Globo Livros, 2019.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro latino americano. [org] RIOS, Flavia; LIMA, Márcia. São Paulo, SP: Zahr, 2021. Disponível em: https://mulherespaz.org.br/site/wp-content/uploads/2021/06/feminismo-afro-latino-americano.pdf. Acesso em: 08 dez. 2023.

GRAHAM, Sandra Lauderdale. Proteção e obediência: criadas e seus patrões no Rio de Janeiro (1860-1910). São Paulo, SP: Companhia das Letras, 1992.

HAN, Noli Bernardo; MACHADO, Maristela da Fontoura. Gênero, patriarcado e a violência contra a mulher: a necessidade do reconhecimento dos direitos humanos das mulheres. In: Cidadania, Diversidade e Reconhecimento. [org]. João Martins Bertaso. 2. ed. Santo Ângelo, RS: FURI, 2012. p. 62.

HEGEL, G.W. Friedrich. Enciclopédia das ciências filosóficas, V. III. A filosofia do espírito. 2. ed. São Paulo, SP: Loyola, 2011.

LERNER, Gerda. A criação do patriarcado: história da opressão das mulheres pelos homens. Trad. Luiza Sellera. São Paulo, SP: Cultrix, 2019.

KANT, Emmanuel. Observações sobre o sentimento do belo e do sublime. Campinas, SP: Papirus, 1993.

NASCIMENTO, Beatriz. Uma história feita por mãos negras: Relações raciais, quilombos e movimentos. [Org] RATTS, Alez. São Paulo, SP: Zahar, 2021. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/7269104/mod_resource/content/1/Beatriz%20Nascimento%20-%20Uma%20histo%CC%81ria%20feita%20por%20ma%CC%83os%20negras-Zahar%20%282021%29.pdf. Acesso em: 08 dez. 2023.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Convenção e Recomendação sobre Trabalho Decente para as Trabalhadoras e os Trabalhadores Domésticos, 2011.

OYĚWÙMÍ, Oyèrónkẹ́. A invenção das mulheres: construindo um sentido africano para os discursos ocidentais de gênero. Trad. Wanderson Flor do Nascimento. Rio de Janeiro, RJ: Bazar do Tempo, 2021.

PATEMANN, Carole. O contrato Sexual. Trad. Marta Avancini. o Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

PINSKY, Jaime. A Escravidão no Brasil. São Paulo, SP: Contexto, 2012.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1976.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. Gênero, patriarcado, violência. 2. ed. São Paulo, SP: Expressão Popular; Fundação Perseu Abramo, 2015.

SOUZA, Jessé. A Elite do Atraso: Da Escravidão a Bolsonaro. Rio de Janeiro, RJ: Estação Brasil, 2019.

TELES, Maria Amélia de Almeida. Breve história do feminismo no Brasil. São Paulo, SP: Editora Brasiliense, 1999.

WEBER, Max. Sociologia da dominação. In: WEBER, Max. Economia e sociedade. Brasília, DF: UnB, 1991.

Downloads

Publicado

2024-06-28

Como Citar

LASTE, Andressa; VERONESE, Osmar. A precarização do trabalho doméstico brasileiro: ponderações a partir dos modelos patriarcal e escravocrata. Revista Thesis Juris, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 99–120, 2024. DOI: 10.5585/13.2024.22731. Disponível em: https://periodicos.uninove.br/thesisjuris/article/view/22731. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.