A universidade como espaço de luta: as experiências políticas de jovens militantes de Porto Alegre (RS)

Camila Bonin Liebgott, Marina Dadico, Samantha Medeiros Ferreira

Resumo


O presente artigo sistematiza relatos de experiências de três jovens militantes de Porto Alegre (RS), feitos em uma mesa de discussão promovida no âmbito do Seminário Avançado, ofertado pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRGS, em 2022. Com base em teorizações de Lahire (1998) acerca da escrita e reflexividade sobre si, analisa-se a presença de negros e não heterossexuais no espaço universitário, bem como as trajetórias de militância potencializadas nesse espaço. As ações coletivas das quais as militantes participam envolvem, principalmente, lutas contra o racismo (FANON, 2008; MBEMBE, 2018) e contra a lesbofobia (LORENZO, 2012). Conclui-se que, para muitos jovens, o espaço universitário possibilita a aproximação com coletivos e movimentos sociais. Assim, entende-se que as lutas mobilizadas nos espaços universitários têm caráter amplo, perpassando ações em defesa da educação, como também lutas antirracistas, anticapitalistas, anticapacitistas, antifascistas e contra a LGBTfobia, sendo necessárias para potencializar a reflexão sobre esses temas.


Palavras-chave


relatos de experiência; juventudes; militância; educação; movimentos sociais

Texto completo:

PDF

Referências


BAREMBLITT, G. Compêndio de Análise Institucional e Outras Correntes. 5. ed. Belo

Horizonte: Instituto Félix Guattari, 2002.

FALQUET, Jules. Romper o tabu da heterossexualidade: contribuições da lesbianidade como movimento social e teoria política. Cadernos de Crítica Feminista, Recife, ano VI, n. 5, p. 8-31, 2012.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

GOHN, Maria da Glória. Movimentos sociais na contemporaneidade. Revista brasileira de Educação, v. 16, p. 333-361, 2011.

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro educador. Petrópolis: Vozes, 2017.

GROPPO, Luís Antonio et al. Coletivos juvenis políticos em uma universidade pública mineira: microespaço público e experiências de participação no movimento estudantil. Praxis educativa, v. 14, n. 3, 2019.

GROSFOGUEL, Ramón. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Sociedade e Estado, v. 31, p. 25-49, 2016.

JESUS, J. G. Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos. Guia técnico sobre pessoas transexuais, travestis e demais transgênero, para formadores de opinião. 2. ed. Dezembro/2012. Disponível em: http://www.sertao.ufg.br.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Editora Cobogó, 2020.

LIMA, Michael Augusto Souza de; SALDANHA, Ana Alayde Werba. (In)isibilidade Lésbica na Saúde: Análise de Fatores de Vulnerabilidade no Cuidado em Saúde Sexual de Lésbicas. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 40, 2020.

LORENZO, Ángela Alfarache. La construcción cultural de la lesbofobia. Una aproximación desde la antropología. Homofobia: laberinto de laignorancia. México, p. 125, 2012.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. n-1 Edições, 2018.

MESQUITA, Marcos Ribeiro. Movimento estudantil brasileiro: Práticas militantes na ótica dos Novos Movimentos Sociais. Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], n. 66, 2003.

MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. Seminário Nacional Relações Raciais e Educação-PENESB, 2003.

NASCIMENTO, Maria Beatriz. O conceito de quilombo e a resistência cultural negra. In: A. Ratts. Eu sou atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Instituto Kuanza, 1985.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder e classificação social. In: B. S. Santos & M. P. Meneses (Orgs.). Epistemologias do Sul (p. 73-117). Edições Almedina, 2009.

SOUZA, Tânia Lara Marcelino; GONÇALVES, Aline Najara da Silva. Lésbica futurista, sapatona convicta: da abjeção ao ser político. Discentis: Revista Científica da Universidade do Estado da Bahia-Campus XVI-Irecê, v. 8, n. 1, p. 27-36, 2020.




DOI: https://doi.org/10.5585/cpg.v21n2.22922

Direitos autorais 2022 Cadernos de Pós-graduação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Cadernos de Pós-graduação
e-ISSN: 2525-3514
www.cadernosdepos.org.br

Cadernos de Pós-graduação ©2022 Todos os direitos reservados.

Esta obra está licenciada com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional